Um golpe se chama pelo nome: golpe

O pior erro que cometi como jornalista foi quando – depois de noticiar a assembleia do FMI em Cingapura em setembro de 2006 – fui cobrir o golpe de estado que acabava de ocorrer em Bangkok.
Cheguei com outros companheiros e encontramos uma cidade que parecia apoiar de forma unânime a intervenção do exército contra o primeiro ministro Thaksin Sinawatra e adornava os tanques de flores. Milhares de cidadão em Bangkok – principalmente de classe média – saiam {as ruas para comemorar e aplaudir os golpistas. E nós, quase sem exceção, informávamos de que esse era um golpe do povo contra um primeiro ministro corrupto e odiado, culpado de “populismo” e que “comprava votos” às massas pobres distribuindo subornos estatais.
E quem eram as nossas fontes? Bem, obviamente, tailandeses de um certo nível social que falavam inglês corretamente e imigrantes ocidentais, que são personagens com conhecimento abundante e que “entendem o nosso idioma”. Fiz algumas entrevistas com dissidentes e, no geral, tratei de evitar o erro de pensar que se os estudantes e as pessoas que assistem à CNN apoiavam o golpe ele deveria ser justificado. Mas, como a maioria, classifiquei o evento como “um golpe à tailandesa”, consensuado e pacífico. Ficamos por ali alguns dias e fomos embora.
Mas pouco a pouco foi ficando claro que esse não havia sido o golpe do povo mas o golpe do povo mais ou menos acomodado da grande metrópole, ou seja, da minoria. A maior parte da população, que ainda vive no campo ou nos barracos longe do centro cosmopolita de Bangkok, havia votado no deposto Sinawatra e ainda o apoiava.
O suposto clientelismo de Sinawatra – quer dizer, sua política de subvencionar os camponeses – resultou numa ampla base de apoio eleitoral nas zonas rurais e bairros periféricos pobres. Para as pessoas mais ou menos prósperas em Bangkok, as massas haviam sido subornadas pelo clientelismo de um político populista e corrupto. Mas quando refleti sobre a questão, o populismo de Sinawatra me pareceu bastante menos corrupto que os partidos que ganham votos das classes privilegiadas prometendo cortes de impostos sobre suas rendas.
Por certo, nosso erro em Bangkok foi muito fácil de cometer porque a infraestrutura de aeroportos e hotéis decentes nos levou diretamente aos enclaves de bem-estar de padrão ocidental que existem mesmo nos países mais pobres; os bairros de alto padrão, onde proliferam franquias de multinacionais e hotéis de quatro e cinco estrelas onde os moradores se sentem envergonhados de seus compatriotas da periferia e do campo e odeiam visceralmente ao que eles chamam de populismo.
Isso serve para explicar muitas coisas. A cobertura incondicionalmente favorável ao argumento de que houve fraude nas eleições do Irã no mês passado, para começar. A cobertura exclusivamente negativa na Espanha do “populismo” venezuelano. E agora a confusa cobertura jornalística em Honduras. Porque apenas os enviados especiais com determinação e vontade complicar a sua vida vão falar com as pessoas nas favelas que se espalham pelos morros das serras em torno de Caracas e onde, finalmente, há médicos e rede esgoto, ou nas comunidades populares de Honduras que se beneficiaram da decisão de Zelaya de elevar o salário mínimo em 60% e adotar programas sociais para aplacar a pobreza.
Nossos compatriotas que lá vivem são fontes que todo enviado especial procura em busca de declarações entre aspas que evitam qualquer complicação. Mas tudo indica que em Caracas e Tegucigalpa os espanhóis que lá residem são o que, nos Estados Unidos, se denomina “angry white men” (Homens – e mulheres – brancos e furiosos), em estado perpétuo de indignação pelos subornos aos pobres em troca de votos para governo “populistas”.
Suponho que a raiz de sua raiva inesgotável é que os imigrantes espanhóis em Caracas ou Tegucigalpa têm muito a perder se esse “populismo” funcionar. Quando eu fiz uma crônica sobre uma missão de apoio social numa favela esquecida de Caracas, colocando na mesa a hipótese de que ao invés de clientelismo o programa “Barrio adentro” de ajuda aos pobres era uma manifestação de vontade democrática, uma leitora espanhola residente em Caracas e nascida – ela mesma fez que questão de destacar na carta – em Santa Coloma de Gramenet (Região Metropolitana de Barcelona), escreveu furiosa a este jornal (La Vanguardia) acusando-me de fazer apologia do chavismo populista.
Acontece a mesma coisa em Tegucigalpa. As primeiras matérias dos enviados especiais vinham com declarações extraídas da boca de espanhóis e outros moradores dos melhores bairros da capital hondurenha, descendo o cacete em Zelaya e aplaudindo a intervenção militar em nome da democracia. Na CNN os manifestantes pró golpe falavam em inglês com sotaque norteamericano. “Esses aí são pagos por Mel!”, disse uma senhora em uma reportagem da televisão estadounidense referindo-se a outra manifestação contra o golpe. “Nós somos os que realmente temos independência porque nós trabalhamos para conseguir o que temos”.
O primeiro contato com esses hondurenhos tão parecidos a nós em cultura e renda teve um efeito sobre os enviados especiais como o de um narcótico. Em um flashback enojante das infames matérias sobre a Venezuela no preâmbulo da tentativa de golpe contra Chávez em abril de 2002, esqueceram completamente da presunção de inocência de qualquer presidente derrubado à ponta de pistola. Até se esqueceram que, segundo os manuais de redação, um governo e um presidente golpista devem ser qualificados como governo e presidente de fato.
Em alguns casos chegaram a propor que um golpe de estado é legítimo se o tribunal supremo decide que o poder executivo atuou de forma inconstitucional, o que – se aplicado na Espanha – teria justificado uns tantos golpes nos últimos anos. A confusão dos repórteres, após tantas conversas com espanhóis, normalmente furiosos, mas efemeramente eufóricos, contagiou leitores e telespectadores. “A verdade é que é difícil decidir quem tem razão no golpe de Honduras”, disseram-me dois amigos. Pior, como disse Grahaeme Russel do Instituto Rights Action nos Estados Unidos – www.rightsaction.org – “este golpe jamais foi cinza, sempre foi preto no branco”.
Agora que as coisas começam a ficar claras graças, como sempre ocorre, à chegada a Tegucigalpa da grande massa de descamisados sem First Certificate de inglês. Os primeiros eu vi na Telesur, um canal “populista” – seu principal financiador é a Venezuela – que colocou em nossas TVs imagens que contam uma verdade que havia fugido à CNN Plus (consórcio da CNN e do grupo Prisa). Eu vi, por exemplo, na Telesur uma mulher trabalhadora fumando um puro na entrada de Tegucigalpa que parecia uma trabalhadora da fábrica tabacalera de Lavapiés lá pros idos de 1880, quando as trabalhadoras encantaram Pablo Iglesias [um dos fundadores do Partido Socialista espanhol]. Só que ela era negra, tinha um pano atado à cabeça e gritava: “Abaixo os gorilas! Queremos Mel”. Conforme as massas chegaram dos bairros distantes e dos povoados, tudo começou a ficar claro. Os tiros contra os jovens manifestantes defendendo a democracia também ajudaram.
Do dia para a noite os argumentos sobre a possibilidade de haver legitimidade jurídica nos oito rifles automáticos apontados ao peito do presidente democraticamente eleito viraram pó. De repente, as matérias jornalísticas recuperaram os seus “de fato” e a palavra golpista substituiu “intervenção militar em defesa da democracia”. Charles Krauthammer, o obstinado neoconservador estadounidense, mantém o discurso contra Zelaya, mas isso só mostra a grave crise da direita nos Estados Unidos. Os assessores de Obama sabem do perigo que correm se o novo socialismo latinoamericano for visto como defensor da democracia em oposição aos Estados Unidos.
Tudo lembra o momento em que fracassou o golpe contra o “populismo” venezuelano em abril de 2002 e o líder patronal Pedro Carmona, um homem com um grande futuro às suas costas do mesmo modo que será Roberto Micheletti, converteu-se em Pedro o Breve, e centenas de jornais e emissoras de TV tiveram que dar meia volta. O New York Times publicou um “mea culpa” por apoiar o golpe. As manchetes “A ditadura venezuelana” foram apagados da imprensa espanhola. Mas a história se repete e se repetirá na nova fase do golpismo latinoamericano. Se o golpe é defendido por gente branca, com dinheiro no banco, que estudaram na International House, que esculhambam o “populismo”, a nós os meios de comunicação nos custa chamar esse golpe de golpe.

Andy Robinson

Andy Robinson

Tradução de texto publicado por Andy Robinson em seu blogue, Diario itinerante. Para consultar o original, em espanhol, clique aqui. A dica do original veio de @nivaldolemos.

O pior erro que cometi como jornalista foi quando – depois de noticiar a assembleia do FMI em Cingapura em setembro de 2006 – fui cobrir o golpe de estado que acabava de ocorrer em Bangkok.

Cheguei com outros companheiros e encontramos uma cidade que parecia apoiar de forma unânime a intervenção do exército contra o primeiro ministro Thaksin Sinawatra e adornava os tanques de flores. Milhares de cidadãos em Bangkok – principalmente de classe média – saiam às ruas para comemorar e aplaudir os golpistas. E nós, quase sem exceção, informávamos de que esse era um golpe do povo contra um primeiro ministro corrupto e odiado, culpado de “populismo” e que “comprava votos” às massas pobres distribuindo subornos estatais.

E quem eram as nossas fontes? Bem, obviamente, tailandeses de um certo nível social que falavam inglês corretamente e imigrantes ocidentais, que são personagens com conhecimento abundante  da região e que “entendem o nosso idioma”. Fiz algumas entrevistas com dissidentes e, no geral, tratei de evitar o erro de pensar que se os estudantes e as pessoas que assistem à CNN apoiavam o golpe ele deveria ser justificado. Mas, como a maioria, classifiquei o evento como “um golpe à tailandesa”, consensuado e pacífico. Ficamos por ali alguns dias e fomos embora.

Mas pouco a pouco foi ficando claro que esse não havia sido o golpe do povo mas o golpe do povo mais ou menos acomodado da grande metrópole, ou seja, da minoria. A maior parte da população, que ainda vive no campo ou nos barracos longe do centro cosmopolita de Bangkok, havia votado no deposto Sinawatra e ainda o apoiava.

O suposto clientelismo de Sinawatra – quer dizer, sua política de subvencionar os camponeses – resultou numa ampla base de apoio eleitoral nas zonas rurais e bairros periféricos pobres. Para as pessoas mais ou menos prósperas em Bangkok, as massas haviam sido subornadas pelo clientelismo de um político populista e corrupto. Mas quando refleti sobre a questão, o populismo de Sinawatra me pareceu bastante menos corrupto que os partidos que ganham votos das classes privilegiadas prometendo cortes de impostos sobre suas rendas.

Por certo, nosso erro em Bangkok foi muito fácil de cometer porque a infraestrutura de aeroportos e hotéis decentes nos levou diretamente aos enclaves de bem-estar de padrão ocidental que existem mesmo nos países mais pobres; os bairros de alto padrão, onde proliferam franquias de multinacionais e hotéis de quatro e cinco estrelas onde os moradores se sentem envergonhados de seus compatriotas da periferia e do campo e odeiam visceralmente o que eles chamam de populismo.

Isso serve para explicar muitas coisas. A cobertura incondicionalmente favorável ao argumento de que houve fraude nas eleições do Irã no mês passado, para começar. A cobertura exclusivamente negativa na Espanha do “populismo” venezuelano. E agora a confusa cobertura jornalística em Honduras. Porque apenas os enviados especiais com determinação e vontade de complicar a vida vão falar com as pessoas nas favelas que se espalham pelos morros das serras em torno de Caracas e onde, finalmente, chegaram médicos e rede de esgoto, ou nas comunidades populares de Honduras que se beneficiaram da decisão de Zelaya de elevar o salário mínimo em 60% e adotar programas sociais para aplacar a pobreza.

Nossos compatriotas que lá vivem são fontes que todo enviado especial procura em busca de declarações entre aspas que evitam qualquer complicação. Mas tudo indica que em Caracas e Tegucigalpa os espanhóis que lá residem são o que, nos Estados Unidos, se denomina “angry white men” (Homens – e mulheres – brancos e furiosos), em estado perpétuo de indignação pelos subornos aos pobres em troca de votos para governos “populistas”.

Suponho que a raiz de sua raiva inesgotável é que os imigrantes espanhóis em Caracas ou Tegucigalpa têm muito a perder se esse “populismo” funcionar. Quando eu fiz uma crônica sobre uma missão de apoio social numa favela esquecida de Caracas, colocando na mesa a hipótese de que ao invés de clientelismo o programa “Barrio adentro” de ajuda aos pobres era uma manifestação de vontade democrática, uma leitora espanhola residente em Caracas e nascida – ela mesma fez que questão de destacar na carta – em Santa Coloma de Gramenet (Região Metropolitana de Barcelona), escreveu furiosa a este jornal (La Vanguardia) acusando-me de fazer apologia do chavismo populista.

Acontece a mesma coisa em Tegucigalpa. As primeiras matérias dos enviados especiais vinham com declarações extraídas da boca de espanhóis e outros moradores dos melhores bairros da capital hondurenha, descendo o cacete em Zelaya e aplaudindo a intervenção militar em nome da democracia. Na CNN os manifestantes pró golpe falavam em inglês com sotaque norteamericano. “Esses aí são pagos por Mel!”, disse uma senhora em uma reportagem da televisão estadounidense referindo-se a outra manifestação contra o golpe. “Nós somos os que realmente temos independência porque nós trabalhamos para conseguir o que temos”.

O primeiro contato com esses hondurenhos tão parecidos a nós em cultura e renda teve um efeito sobre os enviados especiais como o de um narcótico. Em um flashback enojante das infames matérias sobre a Venezuela no preâmbulo da tentativa de golpe contra Chávez em abril de 2002, esqueceram completamente da presunção de inocência de qualquer presidente derrubado à ponta de pistola. Até se esqueceram que, segundo os manuais de redação, um governo e um presidente golpista devem ser qualificados como governo e presidente de fato.

Em alguns casos chegaram a propor que um golpe de estado é legítimo se o tribunal supremo decide que o poder executivo atuou de forma inconstitucional, o que – se aplicado na Espanha – teria justificado uns tantos golpes nos últimos anos. A confusão dos repórteres, após tantas conversas com espanhóis residente em Honduras, normalmente furiosos, mas efemeramente eufóricos, contagiou leitores e telespectadores. “A verdade é que é difícil decidir quem tem razão no golpe de Honduras”, disseram-me dois amigos. Pior, como disse Grahaeme Russel do Instituto Rights Action nos Estados Unidos – www.rightsaction.org – “este golpe jamais foi cinza, sempre foi preto no branco”.

Agora que as coisas começam a ficar claras graças, como sempre ocorre, à chegada a Tegucigalpa da grande massa de descamisados sem First Certificate em inglês. Os primeiros eu vi na Telesur, um canal “populista” – seu principal financiador é a Venezuela – que colocou em nossas TVs imagens que contam uma verdade que havia fugido à CNN Plus (consórcio da CNN e do grupo Prisa). Eu vi, por exemplo, na Telesur, uma mulher trabalhadora, fumando um puro na entrada de Tegucigalpa, que parecia uma operária da fábrica tabacalera de Lavapiés lá pros idos de 1880, quando essas funcionárias encantaram Pablo Iglesias [um dos fundadores do Partido Socialista espanhol]. Só que ela era negra, tinha um pano atado à cabeça e gritava: “Abaixo os gorilas! Queremos Mel”. Conforme as massas chegavam dos bairros distantes e dos povoados, tudo começou a ficar claro. Os tiros contra os jovens manifestantes defendendo a democracia também ajudaram.

Do dia para a noite os argumentos sobre a possibilidade de haver legitimidade jurídica nos oito rifles automáticos apontados ao peito do presidente democraticamente eleito viraram pó. De repente, as matérias jornalísticas recuperaram os seus “de fato” e a palavra golpista substituiu “intervenção militar em defesa da democracia”. Charles Krauthammer, o obstinado neoconservador estadounidense, mantém o discurso contra Zelaya, mas isso só mostra a grave crise da direita nos Estados Unidos. Os assessores de Obama sabem do perigo que correm se o novo socialismo latinoamericano for visto como defensor da democracia em oposição aos Estados Unidos.

Tudo lembra o momento em que fracassou o golpe contra o “populismo” venezuelano em abril de 2002 e o líder patronal Pedro Carmona, um homem com um grande futuro às suas costas do mesmo modo tipo que terá Roberto Micheletti, converteu-se em Pedro o Breve, e centenas de jornais e emissoras de TV tiveram que dar meia volta. O New York Times publicou um “mea culpa” por apoiar o golpe. As manchetes “A ditadura venezuelana” foram apagados da imprensa espanhola. Mas a história se repete e se repetirá na nova fase do golpismo latinoamericano. Se o golpe é defendido por gente branca, com dinheiro no banco, que estudou na International House e que esculhamba o “populismo”, a nós os meios de comunicação nos custa chamar esse golpe de golpe.

Textos relacionados:

Surge a oportunidade de dividir melhor o bolo.

Para entender o golpe em Honduras – 3.

Para entender o golpe em Honduras – 3

Ignacio Escolar publicou esta ótima entrevista, que traduzi aqui. Os enlaces no interior da entrevista são de minha autoria. Já publicamos sobre o assunto dois outros textos: Para entender o golpe em Honduras e Para entender o golpe em Honduras – 2.

Vicente Boix, colaborador na Nicarágua e autor do livro O parque das redes, enviou esta interessante entrevista, realizada através do correio eletrônico, com o jornalista hondurenho Rubén Escobar. Serve para entender o antes e o depois do golpe militar.

“Estamos voltando à época em que ser de “esquerda” era uma heresia”

Vicente Boix

Diante dos lamentáveis fatos que estão acontecendo na República de Honduras, tive a oportunidade de poder entrevista via Internet o jornalista Rubén Escobar. Atualmente ele ocupa o posto de chefe de notícias no Diario Tiempo, rotativo localizado em San Pedro Sula, a segunda cidade mais importante do país centroamericano, só atrás da capital Tegucigalpa.

Honduras é um país que gera poucas notícias na Europa. Muitos não conheciam o seu atual presidente José Manuel Zelaya Rosales (Mel) e muito menos seu trabalho político à frente do executivo. Tudo mudou há alguns dias quando foi vítima de um vergonhoso golpe de estado que pulou para as primeiras páginas dos meios internacionais e que está provocando uma rejeição sem precedentes na região.

Pergunta: Quem era Manuel Zelaya antes de se lançar à corrida presidencial? Por qual partido se apresentou nas eleições?

Manuel Zelaya. Foto: Marcello Casal Jr/ABr
Manuel Zelaya. Foto: Marcello Casal Jr/ABr

Resposta. José Manuel Zelaya Rosales é filho de um fazendeiro, já falecido, e de uma professora. É oriundo de uma província rural chamada Olancho, daí vem o seu costume de usar chapéu Stetson, seu estilo “caubói” e seu amor pelos cavalos, o que o levou a encabeçar desfiles hípicos em diversas cidades do país e até em Manágua.

Seu pai esteve envolvido nos anos 1970 num complô no qual foram assassinados vários membros da Igreja Católica e civis de esquerda, pelo que sua repentina inclinação ao socialismo surpreendeu muita gente. Esse fato é conhecido na história de Honduras como “o massacre de Horcones“, em função do nome da fazenda da família Zelaya.

De fato, alguns detratores chegaram a apontar que o jovem “Mel” [como  Zelaya é conhecido em seu país] era motorista de um dos veículos  de apoio dos que sequestraram e “desapareceram” os dirigentes, mas nunca se conseguiu provar isso e, mesmo que seu pai tenha sido condenado, depois foi favorecido e não esteve preso.

Com o retorno da “democracia” (assim, entre aspas), em 1981, despontou como membro do Partido Liberal e ajudou outros candidatos a chegar à presidência, até que o mandatário Carlos Flores Facussé, em 1998, o nomeou ministro diretor do Fundo Hondurenho de Investimento Social (uma entidade encarregada de construir escolas, creches, sistemas de abastecimento de água e outras obras de infra-estrutura para as comunidades mais pobres).

Renunciou a esse cargo sob o argumento de que começaria a trabalhar na sua postulação à presidência, algo que fez nas eleições de 2005, nas quais derrotou por escassa margem Porfirio Lobo Sosa, do Partido Nacional. Ainda que muitos o chamem de engenheiro, sabe-se que só cursou 11 matérias de engenharia civil na Universidade Nacional Autônoma de Honduras, porque era um mau estudante.

Apesar de encabeçar um dos tradicionais partidos de direita do país, rapidamente Mel deu um giro à esquerda chegando ao extremo de ingressar na ALBA. Existe algum motivo para que Mel tenha abandonado a raiz conservadora do Partido Liberal para iniciar uma série de medidas políticas de caráter progressista e nacionalista?

A princípio nada levava a crer nesse estranho movimento, ainda que ele se fizesse rodear de personagens que na juventude formavam parte de grupos universitários da ala esquerda do Partido Liberal, como Patricia Rodas (nomeada chanceler), Milton Jiménez Puerto (que foi também seu chanceler e, nos anos 1980, quando era estudante universitário, havia sido detido pelos militares por ser “comunista”) e Jorge Arturo Reina (quem nos anos 1950 liderou um grupo que combateu militares golpistas e que foi nomeado embaixador de Honduras na ONU).

Tudo parece indicar que as necessidades econômicas o fizeram girar à esquerda, ainda que não se possa descartar que sob a assessoria de algum dos acima mencionados. Segundo suas próprias declarações, ele esteve batendo à porta dos organismos financeiros de Washington e não recebeu apoio, foi assim que encontrou em Hugo Chávez um cofre aberto num momento em que o petróleo alcançava o pico mais alto no mercado internacional. Originalmente, o acordo consistia em nos vender petróleo, a preço de mercado, pelo qual o governo pagaria a curto prazo 60 centavos por dólar do custo real enquanto que os outros 40 centavos iriam a um fundo de empréstimo para gasto social. Esse empréstimo teria 25 anos de prazo, com um por cento de juros, sendo considerado uma verdadeira “pechincha”.

Logo em seguida veio a Alternativa Bolivariana para os Povos da América, através da qual Chávez ofereceu cem tratores e mais dinheiro em empréstimos. Os tratores chegaram há dois meses mas até agora ainda não foram colocados em uso e os empréstimos ainda não foram sacados, salvo o fundo petroleiro que não se sabe onde está ou como foi investido.

Refletindo sobre a questão anterior, muitos de nós nos perguntamos se realmente o governo do presidente Zelaya empreendeu mudanças políticas palpáveis, estruturais e reais no rumo de uma sociedade menos desigual e mais justa ou, pelo contrário, tudo é fachada e retórica. Honduras experimentou reformas significativas desde que Mel é Presidente? Você pode citar algum exemplo dessas mudanças?

No meu entendimento, não houve mudanças de fundo, mas sim decisões polêmicas que foram minando sua relação com os empresários, os políticos tradicionais e o poder judiciário. Por exemplo, quando os preços do petróleo estavam muito altos ele iniciou um processo de leilão de combustíveis e contratou um assessor norteamericano (Robert Meyeringh), mas seu plano não pode ser executado porque o governo não tem instalações de armazenamento de combustível e quando tentaram desapropriar os tanques da empresa Distribuidora de Productos de Petróleo S.A. (Dippsa), a iniciativa esbarrou em decisões judiciais. Esse foi um dos embates que perdeu contra empresas privadas e o judiciário.

Em seguida, tentou regulamentar o tráfego de veículos para diminuir o consumo de combustível, mas do mesmo modo uma decisão judicial o impediu sob o argumento de limitar o direito de ir e vir.

Uma das medidas que provocou comoção entre os empresários foi em janeiro deste ano, quando subiu o salário mínimo em 60%, o que desatou uma onda de críticas por parte dos empresários e vários meios de comunicação produziram campanhas mal intencionadas para minar sua imagem, o que só fez fortalecê-la perante a maioria, que é pobre, pois frequentemente se enfrentava com líderes empresariais e os donos da mídia, algo que os presidentes anteriores não faziam. Então, passou a ser parte dos “descamisados” e ainda que muitos não acreditassem nos seus discursos, ao serem consultados mostravam-se ao menos felizes com as atitudes desafiadoras do “Presidente diante dos poderosos da oligarquia deste país” como ele costumava dizer.

De vez em quando me comunico com uma amiga nicaraguense que trabalhou comigo em projetos de cooperação no país. Desde a entrada de Daniel Ortega como Presidente da Nicaragua, acompanhou até Cuba dezenas de pessoas de sua cidade para que fossem operadas da vista, dentro da denominada “Operação Milagre“. Qual o benefício de Honduras por ter entrado na ALBA?
A verdade é que a presença cubana e a “Operação Milagre”, onde também está envolvida a Venezuela, teve inicio em Honduras muito antes da sua  entrada na ALBA. De fato, a presença de brigadas cubanas começou depois da passagem do furacão Mitch, em outubro de 1998, quando o país foi destroçado. Os médicos cubanos se caracterizam por irem a lugares remotos, onde seus correspondentes hondurenhos não vão, motivo pelo qual muita gente tem apreço pelo seu trabalho. Além disso, Cuba formou dezenas de hondurenhos pobres na Escola Latinoamericana de Medicina em Havana, enquanto que na Venezuela foram operadas centenas de pessoas com problemas de vista na “Operação Milagre”. Instruídos por assessores cubanos, professores hondurenhos ensinaram a ler milhares de analfabetos, especialmente gente do campo.

No entanto, os benefícios da ALBA ainda não estão muito claros porque o país não esteve muito tempo nesse sistema. Entretanto, os cem tratores doados pela Venezuela já estão no país e o fundo de empréstimo criado, supostamente seria utilizado em algumas obras sociais que cuja definição ainda não havia sido feita pelo governo de Zelaya porque a esta altura do ano não estava pronto o orçamento de 2009.

A burguesia hondurenha, os deputados, o exército, etc. discrepavam das decisões e do governo de Mel. A consulta popular para perguntar sobre a criação de uma assembleia constituinte que desembocasse numa nova constituição foi a gota d’água e disparou a revolta dos setores reacionários. O Presidente expôs quais as reformas que pretendia introduzir na constituição se finalmente houvesse uma constituinte?

Ele sempre insistiu que não pensava na reeleição e que entregaria o poder em janeiro de 2010 como era devido. No entanto, a Constituição hondurenha na sua maior parte pode ser reformada pelo Congresso Nacional e só há oito artigos fora de seu alcance. São os que tem relação com a forma de governo, incluindo os períodos presidenciais. Esses artigos são denominados de “pétreos” porque não podem ser reformados, salvo por uma constituinte, portanto por dedução pode-se dizer que ele tentaria criar as condições para uma reeleição. Além disso, havia o antecedente de que a maioria dos países da ALBA mudaram suas constituições para permitir a reeleição.

Não é nenhum segredo que Mel está isolado até dos deputados de seu próprio partido. Além disso, seu mandato se acaba em poucos meses e não pode ser reeleito. Portanto, sua debilidade é manifesta e seus dias na política estão contados. Você acredita que Mel pensava na fundação de uma força política que pudesse optar ao poder num futuro?

Eu penso que sim, posto que a Constituição aceita reformas econômicas e sociais, mas não as políticas, por exclusão pode-se dizer que ele buscava as condições propícias para a reeleição, incluindo a dele mesmo pois apesar de que já tinha três anos de governo, era bastante popular. De fato, uma pesquisa do Cid-Gallup publicada há alguns meses por La Prensa, um jornal adversário, revelou que ele era mais popular que Porfirio Lobo Sosa, o mesmo candidato que derrotou em novembro de 2005. Seguindo com a ideia da reeleição, recordemos o exemplo “Chavista”, no qual uma das bases ideológicas é que uma “revolução” não pode ser executada em quatro anos, sendo um “projeto” de longo prazo.

Se Ronald Reagan ressuscitasse, observaria que chegaram ao poder seus dois inimigos dos anos 1980 na América Central: a Frente Sandinista na Nicaragua e a Frente Farabundo Martí em El Salvador. Além do mais, Honduras, o país que serviu como base militar e de operações para Estados Unidos em sua luta contra as guerrilhas da Nicaragua, El Salvador e Guatemala, tem agora um presidente que empreendeu medidas políticas progressistas e que além disso comparte inquietudes e discursos com figuras como Fidel Castro ou Hugo Chávez. Esse cenário era impensável inclusive há apenas cinco anos. O que está mudando na América Central?

Parece-me que é o mesmo fenômeno em toda a América Latina (Venezuela, Paraguai, Argentina, Chile, Brasil, Equador, Bolívia, Nicaragua, El Salvador e, quase, o México). Tem a ver com o desencanto com a “democracia”. O povo é chamado a votar a cada quatro ou seis anos mas depois das eleições passa para segundo plano enquanto deputados, ministros, funcionários e o próprio presidente repartem com seus amigos empresários os contratos, os acertos confidenciais e todo tipo de verba pública. Então a alternativa que encontraram foram os partidos de esquerda, sobre tudo agora que há um marco legal para que cheguem ao poder e que não há a propaganda como nos anos 1980, onde rótulos como “socialista” e “comunista” eram o equivalente a ser o diabo.

Começam a respirar os novos ares e aromas que chegam da América do Sul e, concretamente, da Venezuela, Bolívia, Equador, Argentina, etc?

Definitivamente, ainda que, para desgraça da maioria dos hondurenhos, tenhamos uma oligarquia que se preocupou em não oferecer uma educação decente às massas, de modo que muita gente é facilmente manipulada, a tal ponto que neste momento a sociedade está polarizada após o golpe e estamos voltando à época onde ser de “esquerda” era uma heresia e não enxergam a questão de fundo: os golpistas destruiram em um dia o que levou 28 anos para construir, uma débil democracia, uma criaturazinha que ainda estava se formando e que agora já não existe por culpa do afã de poder de poucos e pela ignorância de muitos

Regressando ao golpe de estado atual, surpreendeu-me o respaldo internacional colhido por Mel. Roberto Micheletti, o presidente de fato, está totalmente isolado. Curiosamente isso não aconteceu nos golpes de estado da Venezuela em 2002 nem no Haiti em 2004. O modus operandi foi similar: sequestro do Presidente, documento falso de renúncia e nomeação de um fantoche de transição. Nesses dois capítulos, a imprensa internacional e muitos governo esconderam o caráter golpista com manipulação informativa. A que se deve esse apoio internacional histórico que está recebendo o governo de Mel? Talvez haja o temor de que se esse governo golpista se mantém, estoure uma espécie de “guerra fria” e a instabilidade se espalhe na região e afete os investimentos das empresas do norte?

Eu penso que em parte se deve à atual tendência de união dos governos latinoamericanos, marcados por diversos tipos de socialismo, onde, se bem é certo que o mercado é importante, também se valoriza as pessoas. Do mesmo modo, o governo de Barack Obama mostra um caráter mais flexível para quem pensa diferente. Talvez se quem estivesse no poder fosse George Bush nesta altura já teria reconhecido o governo golpista. Além disso, parece-me que os militares, políticos e empresários hondurenhos agiram sem consultar. Quer dizer, historicamente os golpes de estado na América Latina tiveram a autorização ou foram promovidos pelos Estados Unidos e de lá o reconhecimento do novo governo se espalhava para sua área de influência. Acredito que, neste caso, não houve “permissão”.

Qual o cenário que você prevê para o país nos próximos meses?

Muita incerteza e instabilidade. Se esse governo ficar, muita gente, dentro e fora, não vai aceitá-lo e Honduras pode ficar isolada. Se Zelaya regressar vai se deparar com um Congresso, um Poder Judiciário, um Ministério Público e um Exército afinados com o outro lado e não vão deixá-lo governar.

Qual foi o papel dos Estados Unidos em Honduras nos últimos anos e agora no golpe de estado? Alguma mudança foi percebida desde que Barack Obama é Presidente?

Estados Unidos sempre foi um apoio financeiro para Honduras, em todos os sentidos. Seja diretamente ou por permitir que quase cem mil hondurenhos residam lá com visto de trabalho. Entretanto, na última década e desde a queda do Muro de Berlim perdemos importância estratégica, ao menos aparentemente, e a participação dos embaixadores se limitou a criticar algumas determinações dos governantes sem se aprofundar muito. De fato, quando Zelaya deu o giro à esquerda nomearam como embaixador Hugo Llorens, um diplomata que não é dado a confrontos e que soube levar a situação com declarações “suaves” e não-intervencionistas. Acredito que Obama é bastante tolerante mas esperamos decisões importantes na próxima semana.

Diante da situação de Honduras, qual o papel que deveriam adotar países como a Espanha ou mesmo a União Europeia?

Parece-me que foi fundamental o papel do secretário de Relações Exteriores, Miguel Ángel Moratinos, ao solicitar a retirada dos embaixadores europeus, o que foi feito ontem. Suas palavras foram fortes, contundentes, ao dizer que o governo de fato nem sequer deve tentar entrar em contato com as autoridades espanholas porque não vai ter resposta. Nesse sentido devem ser todos os esforços, para isolar um governo que ninguém elegeu e que ninguém quer, salvo alguns empresários e seus empregados, que são “convidados” a participar em marchas e manifestações a favor de Roberto Micheletti, um político de quinta categoria que nem sequer conseguiu ganhar as eleições internas de seu partido no passado mês de novembro.

Entrando um pouco no papel da sociedade nos acontecimentos, em algum lugar li que Honduras não dispõe de organizações sociais fortes e experientes. Entretanto, está havendo mobilização do povo e de suas organizações em defesa da legalidade democrática? Você acredita que essa mobilização é fundamental para retomar a normalidade política e para que Mel regresse ao país e à presidência, da mesma maneira que aconteceu em 2002 na Venezuela quando o povo saiu às ruas em defesa de Hugo Chávez?

São várias coisas. Em primeiro lugar é verdade que não há organizações fortes, pois predomina a cultura da indiferença. Os que estão se mobilizando a favor de Zelaya são os sindicalistas e professores que foram vilipendiados durante anos e cujo prestígio estava muito baixo. Também os camponeses. Mas somos muitos os que não estamos com Micheletti, que tampouco estamos com Zelaya, mas que estamos com a lei e a Constituição e deploramos o golpe, mas não encontramos onde nos encaixarmos nas manifestações contra os golpistas. Os que protestam tem também a desvantagem de que estão sendo controlados pelos militares, pois muita gente foi impedida de chegar até Tegucigalpa, sendo detidos na estrada. Além do mais, várias redes de televisão e de rádio e a maioria do jornais formaram parte do complô golpista e agora se negam a relatar os protestos contra o novo governo e sobredimensionam as manifestações a favor. Enquanto isso, os militares mantém sob controle alguns canais e jornais que eram afins ao governo anterior ou que estão tentando informar de maneira imparcial.

Por diversos meios se comenta que o exército começou a repressão. Inclusive citam nomes como Rafael Alegría da Via Campesina ou militantes do partido Unificação Democrática. Essas notícias estão certas?

É verdade que várias pessoas que se manifestaram contra o governo foram surradas e feridas pelos soldados e policiais. Outros foram detidos e liberados em poucas horas.

Por outro lado, os que participam nas manifestações a favor do governo são protegidos pelas forças da ordem. Por certo, ontem publicamos uma fotografia de um dos manifestantes “pró-governo”. Era um guarda-costas que fez vários disparos quando dois grupos de opositores se encontraram. Isso mostra que muitos desses manifestantes são gente da elite que deixarou a comodidade de suas mansões e empresas para protestar contra o capeta Chávez e seu filho, Mel, mas vão acompanhados de seus capangas, que além de defendê-los vão lá pra provocar tumulto.

Outra situação sobre a qual temos lido é que os meios que não são afins aos golpistas estão sendo silenciados e amordaçados. Você e o Diario Tiempo estão passando por essa situação?

Em Tegucigalpa, no dia do golpe, no domingo, 28 de junho, um caminhão com soldados esteve rondando as instalações do Diario Tiempo, enquanto em San Pedro Sula um contingente de soldados chegou até as instalações do Canal 11, uma empresa do mesmo grupo, e pediu ao pessoal da segurança que abrisse os portões porque iam entrar, no momento em que um jornalista entrevistava via telefone Enrique Flores Lanza, um dos ministros de Zelaya.

Os guardas disseram não e, depois de várias ligações entre executivos e oficiais, eles optaram por não entrar, mas ficaram do lado de foram brandindo seus fuzis.

Outra coisa que se deve investigar é que os exemplares do jornal “desaparecem” muito rápido das bancas. Hoje eu recebi uma chamada de um leitor de Tegucigalpa e ele me disse que às 08 da manhã já não havia exemplares, mas não sabemos se alguém os está comprando em grande quantidade para que não cheguem ao público. A mesma coisa acontece em San Pedro Sula e em outras cidades.

Na terça fomos o único jornal que mostrou na primeira página e com foto o grande enfrentamento entre o exército e os manifestantes em Tegucigalpa. Hoje voltamos a informar sobre os protestos em todo o país enquanto os outros meios praticam autocensura sob o argumento de que querem “a paz” e o regresso “da ordem”.

A União Internacional de Trabalhadores na Alimentação, através de sua sede na América Latina (Rel-Uita), para dar um exemplo, apresentou um documento de apoio ao Presidente Zelaya em nome das 374 organizações que dela fazem parte e que estão situadas em 120 países do mundo. Houve um apoio real de outras organizações e da esquerda social internacional ao presidente legítimo de Honduras?

Até agora, o apoio de organizações não repercutiu em Honduras, salvo a convocatória de uma marcha em Paris por sindicatos e organizações latinoamericanas a ser realizada hoje, quinta-feira. As informações se concentraram nos esforços da OEA, da ONU e dos países.

Nota do autor (Vicente Boix): para acompanhar a atualidade de Honduras, além de visitar o Diario Tiempo http://www.tiempo.hn/, você também pode ir à web da União Internacional de Trabalhadores na Alimentação, http://www.rel-uita.org/ Nela poderão ser encontradas entrevistas, artigos, vídeos fotografias, etc. e todo o material que está sendo enviado pelo jornalista italiano Giorgio Trucchi, que atualmente está cubrindo o golpe de estado em Tegucigalpa.

Textos relacionados:

Para entender o golpe em Honduras.

Para entender o golpe em Honduras – 2.

Um golpe se chama pelo nome: golpe.

Surge a oportunidade de dividir melhor o bolo.

Para entender o golpe em Honduras – 2

Repressão militar em Honduras. Foto: Esteban Felix

Repressão militar em Honduras. Foto: Esteban Felix

Vou dar continuidade ao texto anterior, sobre o golpe em Honduras. Em primeiro lugar, registro que Ignacio Escolar continua acompanhando a situação em Honduras e atualizou o seu texto que traduzi anteriormente.

Bom, de início vale ressaltar que boa parte da discussão (eu diria trolagem) que circula pela blogosfera é sobre se Manuel Zelaya violou ou não a Constituição de Honduras. Os defensores do golpe de estado costumam argumentar que, de acordo com o art. 239 da Lei Maior hondurenha, transcrito a seguir, Manuel Zelaya deveria ser deposto porque propôs um referendo para aprovar a sua reeleição e estender seu mandato por mais quatro anos.

“O cidadão que tenha desempenhado a titularidade do Poder Executivo não poderá ser presidente ou indicado. Quem transgredir essa disposição ou propuser a sua reforma, assim como aqueles que o apoiarem direta ou indiretamente, perderão imediatamente seus respectivos cargos e ficarão inabilitados por dez anos para o exercício de qualquer função pública.”

Fonte: Eduardo Guimarães.

A muito custo consegui encontrar, via google, o texto literal da pergunta que seria feita no referendo:

“¿Está usted de acuerdo que en las elecciones generales de noviembre de 2009 se instale una cuarta urna para decidir sobre la convocatoria a una Asamblea Nacional Constituyente que apruebe una nueva Constitución política?”

“Você está de acordo que, nas eleições gerais de novembro de 2009, haja uma quarta urna para decidir sobre a convocatória de uma Assembleia Nacional Constituinte que aprove uma nova Constituição política?”

Fonte: Salvadoreños en el mundo.

Repressão dos golpistas. Fonte: Boby's blog.

Repressão praticada pelos golpistas. Fonte: Boby's blog.

Alguém viu aí uma referência à reeleição ou à extensão de mandato? “Ah, mas a Constituinte vai aprovar uma Constituição que permitirá a reeleição” dirá o entusiasta do golpe. Será? Já combinaram com os eleitores se eles vão aprovar a convocação de uma Constituinte? E com os hipotéticos deputados que a comporão? Por que a oposição golpista tinha tanta certeza de que perderia a eleição? São tão ruins de voto assim? Se a oposição reflete a maioria silenciosa da população, por que o medo desse referendo? Medo de fraude? Mas não é a oposição quem controla a Justiça Eleitoral?

Sim, a propósito, por essa lógica dos golpistas, Honduras nunca poderá ter uma Assembléia Constituinte. Risível esse argumento.

Isso para não falar que o mandato de Zelaya se encerrava agora, em novembro de 2009, quando – se aprovado o referendo – a população poderia responder se desejava ou não uma nova Assembleia Constituinte. Ou seja, a Constituinte desenvolveria seus trabalhos com Manuel Zelaya fora do Poder Executivo e sem a caneta do Diário Oficial para influenciá-la. Mas a oposição golpista chorou e pediu pro exército tomar a bola e parar o jogo. Não sabem perder.

Post Scriptum

O referendo sequer tinha valor legal. Era uma consulta informal com vistas a angariar apoio moral para aprovar a realização do referendo sobre a Assembleia Constituinte concomitante à eleição presidencial.

Atualização em 01/07/2009:

Flávio Aguiar publicou um artigo na Carta Maior ironizando essa lógica do ia (Zelaya ia implantar uma Constituinte, ia aprovar a reeleição, ia ficar permanentemente no poder, ia implantar uma ditadura, ia …).

Atualização em 07/07/2009:

Para entender o golpe em Honduras – 3.

Golpistas trapalhões

Idelber Avelar, no Biscoito Fino e a Massa, chamou a minha atenção para uma informação fundamental que Escolar destacou: a falsa “carta-renúncia” de Manuel Zelaya está com data de três dias antes do golpe. Ricardo Noblat publicou essa barriga para defender a quartelada.

O melhor lugar para encontrar informações sobre o andamento do golpe é o twitter do @iavelar.

Carta renúncia falsa. Nem a data os golpistas acertaram.

Carta renúncia falsa. Nem a data os golpistas acertaram.

Para entender o golpe em Honduras

Militares golpistas em Honduras restringem trabalho da imprensa. AFP PHOTO / Orlando SIERRA.

Militares golpistas em Honduras restringem o trabalho da imprensa. AFP PHOTO / Orlando SIERRA.

Ignácio Escolar, sempre muito bem informado, faz a análise do golpe em Honduras (minhas observações entre colchetes):

1 – O que estava convocado para hoje, que os golpistas impediram, não era a reeleição permanente de Zelaya nem a presidência vitalícia. Nem sequer a reforma da Constituição. O que estava sendo votado era um referendo não-vinculante para perguntar aos hondurenhos se eles gostariam de, nas próximas eleições de novembro, votar também pela criação de uma assembleia constituinte para reformar a Constituição. Resumindo: era algo tão inofensivo como perguntar se era possível perguntar pela reforma da Constituição.

2 – A atual Constituição de Honduras estabelece um mandato único de cinco anos para os presidentes. Zelaya termina seu mandato em novembro e, em qualquer caso, não poderia se candidatar à reeleição porque nessa data não estaria aprovada a reforma constitucional que ele propõe. Como muito, seria possível votar que em novembro os eleitores votassem pela possibilidade de uma reforma constitucional. Ele mesmo negou em várias entrevistas que tivesse a intenção de se candidatar à reeleição.

3 – O Parlamento está em confronto com o Presidente, entre outros motivos, porque Zelaya, que concorreu às eleições pelo Partido Liberal, fez uma política de esquerda e se aliou com Hugo Chávez. Há poucos dias, o Parlamento aprovou uma lei para proibir que se realizasse qualquer tipo de consulta popular 180 dias antes das eleições. É uma norma ad hoc feita [casuisticamente] para impedir o referendo proposto por Zelaya.

4 – O Tribunal Supremo que ordenou a expulsão de Zelaya do país (segundo a explicação surrealista dos golpistas) não é um Tribunal Supremo comparável aos europeus [ou ao brasileiro STF]. Seu nome é Tribunal Supremo Electoral (TSE), sua composição é toda emanada do Parlamento (ou seja, dos partidos que confrontam Zelaya; os golpistas que aprovaram o golpe militar) e entre suas atribuições está regular as eleições mas não deter [muito menos expulsar] presidentes eleitos. Não é a primeira trapaça dessa “instituição”. Quando Zelaya, inesperadamente, ganhou as eleições, o TSE atrasou em mais de um mês a sua posse com base em desculpas “técnicas”.

5. Os golpistas falsificaram também uma carta de renúncia de Zelaya – que o seu suposto autor negou – onde ele assegura que deixou o cargo por motivos de saúde. O Congresso votou sua destituição e nomeou um novo presidente utilizando-a como pretexto.

Carta renúncia falsa de Manuel Zelaya, divulgada pelos golpistas e utilizada pelo Congresso como base para declarar vago o cargo de Presidente. Fonte: El Mundo (ESP)

Carta renúncia falsa de Manuel Zelaya, divulgada pelos golpistas e utilizada pelo Congresso como base para declarar vago o cargo de Presidente. Fonte: El Mundo (ESP)

Post Scriptum

Como o Esquerdopata bem registrou, a Folha de S. Paulo e a Globo apoiam o golpe. Eduardo Guimarães também escreveu sobre o papelão da mídia brasileira.

Atualização em 07/07/2009

Para entender o golpe em Honduras – 2.

Para entender o golpe em Honduras – 3.