Biutiful

Por Allan Patrick

Cartaz para o cinema de Biutiful

Finalmente tive a oportunidade de ver Biutiful no cinema, neste fim de semana. Como todos os filmes do mexicano Alejandro González Iñárritu que tive a oportunidade de ver, tem uma narrativa social muito forte e personagens e histórias construídas a partir dos que estão à “margem” do mundo, de forma muito intensa e real. Sinto-me tão desconfortável vendo seus filmes quanto lendo uma obra de Dostoiévski, Émile Zola ou Victor Hugo.

Mas, para citar mais uma vez Ortega y Gasset, “Eu sou eu e minhas circunstâncias“, o que me tocou pessoalmente em relação ao filme foi que fiz, como turista, uma viagem a Madri no final de 2008 e, apesar de me concentrar nas amenidades que agradam um viajante, não pude deixar de notar diversas disfunções sociais que o filme relata com muita precisão. Imaginei que o filme tivesse sido planejado no pós-crise, mas em realidade ele começou a ser rodado exatamente no mesmo período em que estive na Espanha, momento em que o país mal havia entrado na ressaca do estouro da bolha imobiliária e ainda surfava o fim da onda da euforia desfrutada desde a adesão ao euro.

Três episódios que me marcaram nessa viagem foram testemunhar o covarde abuso verbal de um membro da polícia nacional em relação a um imigrante africano (tanto destempero policial, no Brasil, eu só testemunhei em São Paulo), a tentativa de duas crianças de me aplicarem um golpe num caixa eletrônico e a abordagem agressiva de um agenciador de garotas de programa. Todos esses fatos ocorridos na Gran Vía, a principal avenida de Madri. (O filme se passa em Barcelona, mas para o assunto que estamos tratando, sinto dizer, não há diferença, para além do bairrismo, entre catalães e madrilenhos).

Mídia

Não pude deixar de notar, ao pesquisar para escrever este texto, que o jornal espanhol Público, que se posiciona mercadologicamente como progressista e de esquerda, publicou à época do lançamento do filme uma resenha em que acusa a obra de fazer “exploração da miséria“. Surpreendente, não fosse pelo fato de que o jornal pertence ao Mediapro, conglomerado de mídia catalão interessado em vender uma outra imagem de Barcelona (Vicky Cristina Barcelona, de Woody Allen, foi produzido pelo Mediapro).

Made in Madrid

Por Allan Patrick

De vez em quando eu me vejo na obrigação de publicar algo sobre os casos de corrupção que pipocam no exterior, apenas para desmitificar o complexo de vira-latas nelsonrodriguiano das pessoas que repetem o chavão anti-povo de que o Brasil é a terra da corrupção. A nota é do blogue de Ignacio Escolar e vai aqui traduzida:

Um novo milagre desses que só acontecem na corte de Esperanza Aguirre (N. do T.: governadora da Comunidade Regional de Madri), a condessa de Fundescam (N. do T.: uma ONG que só existia no papel, presidida pela governadora e que financiava campanhas do seu Partido Popular) a Comunidade de Madri gastou 1.250.000,00 euros numa campanha publicitária fantasma da qual ninguém ouviu falar, tendo desaparecido sem deixar nenhum rastro, como se tivesse sumido no Triângulo das Bermudas (ou quem sabe em algum outro paraíso fiscal). É o primeiro caso conhecido de publicidade clandestina, um verdadeiro oxímoro. Essa invenção tinha por nome Made in Madrid e, teoricamente, esse dinheirão foi investido em anúncios e em merchandising, em 50 mil folhetos e 100 mil canetas com o simpático bordão. Se você tiver um em casa, guarde-o bem, pois a pesar da extensa tiragem é alvo de colecionadores: nada se sabe dos folhetos, das canetas nem do próprio Made in Madrid; uma campanha que, casualmente, foi encomendada a um dos fornecedores habituais da trama Gürtel (N. do T.: extenso caso de corrupção, investigado sob pelo juiz Baltasar Garzón, envolvendo o Partido Popular) e que, também por coincidência, foi escolhido em procedimento emergencial às vésperas das eleições regionais de 2007.

P.S.: não é a toa que Baltasar Garzón é tratado pelo Tribunal Supremo da Espanha de modo semelhante ao juis De Sanctis no nosso STF.

Veja também:

José Saramago defende o juiz Baltasar Garzón.

Atualização em 12/04/2010:

A Carta Maior publicou um artigo mais extenso sobre o tema: clique aqui.