O machismo no CSI

Por Allan Patrick

CSI: redatores machistinhas.

CSI: redatores machistinhas.

Nesta semana do Dia Internacional da Mulher (2013), minha singela homenagem é exemplificar como o que aprendi com o feminismo, principalmente nos últimos 4 anos, me fez enxergar o mundo numa ótica diferente.

No mês passado, em busca de uma diversão ingênua, comecei a assistir a 1ª temporada do seriado CSI (acrônimo para Crime Scene Investigation, sobre um grupo de peritos criminais que fazem investigações policiais em Las Vegas). Adquiri o box do Volume 1 (por motivos mercadológicos, a 1ª temporada é vendida fatiada em volumes) e me sentei no sofá.

Infelizmente, não me diverti muito, porque o que passou nas telas, com uma frequência incômoda, beirou o insulto e a barbárie. Os tuítes que ia escrevendo ao final de cada episódio, comentando os posicionamentos machistas do seriado, foram se acumulando e, ao final do box, me senti obrigado a escrever um post dissecando o “conjunto da obra”.

(A seguir virão muitos SPOILERS – revelações do conteúdo da série)

1º episódio

No primeiro episódio, o destaque vai para o assédio moral e o descaso dos personagens masculinos em relação a Holly Gribbs, uma servidora pública novata que, a despeito de ter se graduado em Criminal Justice (um curso universitário que, nos EUA, é focado em temas do interesse de quem quer trabalhar nas forças policiais ou no sistema criminal) com as melhores notas da turma, é recebida com desdém pelo chefe do laboratório de criminalística, Jim Brass, pois “não tem experiência” (!?). Brass a coloca sob a supervisão de Gil Grissom, chefe da equipe de campo. Assim que a novata se apresenta a Grissom, a primeira coisa que este faz é lhe pedir uma doação de sangue, o que ela concede constrangida. Mais à frente no episódio descobrimos que esse sangue é utilizado para um teste forense, embora fique evidente que não era necessário sangue humano para tal. Foi apenas um “trote” na novata.

Paralelamente, outra personagem feminina que faz parte da equipe, Catherine Willows, se despede da filha pequena, com evidente sentimento de culpa, para ir trabalhar (nenhum dos personagens masculinos da série passa por esse constrangimento).

De volta a Brass, ele sugere a Grissom que leve a novata logo de cara para uma autópsia (embora essa não seja sua atribuição), pois “quem sabe assim ela desiste logo na primeira noite de trabalho”. Durante a autópsia, o médico legista dá uma indicação errada à caloura quando perguntado onde é o banheiro feminino, o que faz com que ela fique presa numa sala cheia de cadáveres cuja porta só abre pelo lado de fora. Como parte do “trote” planejado por Brass, ela deveria ficar lá presa por 8 horas. Mais tarde, Grissom resolve liberá-la da sala antes do “prazo” para em seguida deixá-la sozinha numa loja de conveniência, onde deverá colher evidências para descobrir a identidade de um assaltante.

Quando a história volta a se fixar na novata, ela está ligando para Catherine Willows e pedindo ajuda, porque a proprietária da loja não quer a solução do crime – mas sim reabrir a loja de qualquer jeito – e está de arma na mão constrangendo-a a sair do local (sim, claro, mulheres vítimas de violência estão por aí de arma na mão expulsando peritos da polícia dos locais do crime). Willows a convida para tomar um café e Gribbs desabafa, dizendo que está pensando em desistir do emprego. Sua colega a convence a continuar ao menos até que tenha solucionado seu primeiro caso, argumentando que só assim ela vai ter certeza se realmente é aquilo que quer fazer da vida.

O turno da noite prossegue e o chefe Brass, como forma de punir Warrick Brown (outro membro da equipe), o coloca como supervisor da novata. Brown sai na viatura com Gribbs e a deixa sozinha na cena de um outro crime. Em seguida, dirige-se a um drive-through para apostar no resultado de um jogo de futebol americano.

Catherine Willows é designada para investigar um caso de abuso sexual de uma criança. Ao invés da situação ser utilizada para ilustrar o combate à pedofilia, o enredo faz com que Willows, ao ter contato com a vítima, de idade próxima à de sua filha, se sinta mais uma vez culpada por trabalhar. Ela acaba arrumando uma desculpa para escapar do expediente e passa em casa para checar como está a filha.

Enquanto isso, o autor do crime, cuja cena Gribbs está analisando, volta ao local e o episódio se encerra com a notícia de que a novata foi baleada e corre sério risco de vida.

O assédio moral e o descaso dos colegas homens pela novata Holly Gribbs durante todo o episódio são tratados sem a menor empatia pela vítima, como se tudo o que ocorre fosse algo natural, normal e que está sujeito a ocorrer em qualquer ambiente de trabalho. C’est la vie.

A trama do CSI costuma incluir vários casos num único episódio. Além da história da novata, um outro caso, apurado por Nick Stokes (membro da equipe que não se envolve no enredo principal), é o da aplicação de um golpe muito conhecido no Brasil: o “Boa noite, Cinderela“. Mas a vítima é um homem e a meliante, uma mulher. Essa inversão de papéis, como veremos nos próximos episódios, é bem comum na série, ao menos no extrato temporal que analisamos.

2º episódio

Holly Gribbs não resiste aos ferimentos e falece. Brass suspende Brown por ele ter deixado a novata sozinha na cena do crime. Insatisfeito com a repercussão do caso, o comandante da polícia exonera Brass da chefia do laboratório de criminalística e o remove para a divisão de homicídios, promovendo Gil Grissom ao seu lugar. Grissom, para evitar mais “traumas” à equipe, perdoa Brown e o reincorpora ao time. Afinal, “todos” foram culpados pelo que ocorreu a Gribbs, já que ele próprio também a deixou sozinha numa cena de crime e Willows a incentivou a continuar na carreira. Na sua lógica, se punisse Brown com a demissão, teria que punir toda a equipe, inclusive ele mesmo.

Desta forma, o enredo coloca no mesmo patamar de “culpa” a negligência e o assédio moral dos homens da equipe à novata e as palavras de incentivo de Catherine Willows para que ela seguisse em frente no emprego.

O episódio não se resume a concluir a investigação da captura do assassino da novata. Há um outro caso de assassinato. Muito embora a violência doméstica afete muito mais as mulheres que os homens (daí a existência de leis como a Maria da Penha), o principal crime resolvido neste capítulo é o assassinato de um homem por sua namorada.

3º EPISÓDIO

O principal mistério a ser desvendado nesse episódio é o sequestro da esposa de um milionário de Las Vegas, enterrada viva em meio ao deserto nos arredores da cidade. A equipe tem que correr contra o tempo para desvendar o autor do sequestro e resgatá-la com vida.

Adivinhe quem é o culpado? A mulher! Sim, a mulher que nas cenas iniciais do episódio estava se debatendo dentro de um caixão, enterrada viva no meio do deserto! Ela é a culpada! A mirabolante trama revela que, na verdade, ela simulou o sequestro em cumplicidade com o amante, que depois a traiu para ficar com o total do resgate e a enterrou no deserto.

4º EPISÓDIO

Desta vez parece que teremos um caso clássico de violência contra a mulher! O corpo da vítima, com sinais de violência, é encontrado por pescadores num lago. Os principais suspeitos são o marido e o amante. Quem terá sido o culpado? Como será que os roteiristas vão dar um jeito de arrumar uma assassina para um caso em que todas as evidências apontam para dois homens?

Elementar, meu caro Watson! Os peritos descobrem que na verdade não houve homicídio, pois chegam à conclusão que a vítima estava só dentro de um barco quando morreu. Ela levou uma queda ao tentar religar o motor do barco (que parou de funcionar no meio do lago porque – veja só – ela esqueceu de abastecê-lo; ah, mulheres tolinhas que pensam que tem capacidade para sair por aí passeando de barco sozinhas), bateu com a cabeça, morreu e caiu no lago.

No outro caso deste episódio, a equipe do CSI desvenda o assassinato de um jovem que participava do trote de uma fraternidade universitária. O homicida mata o rapaz porque ele conseguiu cumprir uma das tarefas mais difíceis da gincana da fraternidade: uma garota deixou sua assinatura nas partes íntimas do calouro (essa gincana lembra até a de uma certa escola politécnica brasileira). Acontece que a garota era namorada do assassino, o que o motivou a cometer o crime. O CSI finalmente desvenda um delito em que um machista é culpado e vai preso! Mas a fraternidade permaneça impune, posto que um dos agentes do CSI prometeu a uma testemunha fazer vista grossa aos abusos ali cometidos se houvesse colaboração na investigação.

5º EPISÓDIO

O diretor de uma escola católica é assassinado. Você já está imaginando que o assassino é uma mulher… mas nesse caso errou! Porque o CSI descobre que na verdade são duas mulheres as culpadas! Mais precisamente, um casal de lésbicas, uma professora e a fundadora da escola, que vinham sendo chantageadas pelo diretor. Ele exigia dinheiro em troca de não expô-las publicamente. Apesar de toda a violência homofóbica contra o público LGBT, as primeiras pessoas homossexuais a aparecerem no CSI não são vítimas, mas homicidas (e mulheres!).

6º EPISÓDIO

O gráfico disseca o número de estupros: não comunicados, denunciados, levados a julgamento, que resultam em condenação e as falsas comunicações.

O gráfico disseca o número de estupros: não comunicados, denunciados, levados a julgamento, que resultam em condenação e as falsas comunicações (dois traços escuros).

Quando teve início esse episódio, pensei que os roteiristas queriam se redimir, com um caso de vítima de estupro e a descoberta do esqueleto de uma mulher, desaparecida há 5 anos, no sótão de uma casa. “Finalmente vão abordar o problema da violência contra a mulher!”, raciocinei ingenuamente. Mas que nada!

Embora o número de falsas comunicações do crime de estupro seja de apenas 1 para 500 crimes cometidos e mais de 90% das ocorrências permaneçam impunes (este sim seria um bom gancho para uma série dedicada a desvendar crimes aparentemente insolúveis, não?), o programa prefere tratar da exceção. E ainda o faz de forma a parecer que só por um grande acaso da sorte a armação foi desvendada.

A investigadora Catherine Willows encontra uma caixa de anticoncepcionais no armário da “vítima” e ao confrontá-la com “tamanha evidência” obtém a confissão da artimanha. Para um seriado que gosta de mostrar a mais alta tecnologia forense, esquecer que existem exames ginecológicos bem mais simples que permitem chegar a conclusões muito mais acuradas do que um duro interrogatório, é falha grave.

E quanto à mulher desaparecida, cujos restos foram encontrados após 5 anos? Toda a investigação leva a crer que foi assassinada pelo então namorado… até que, aos 44 do segundo tempo, descobre-se que na verdade ela foi assassinada por uma mulher! Que a matou para se casar com o seu namorado. É barbada: se quer desvendar os mistérios do CSI, desconfie sempre das mulheres.

7º EPISÓDIO

Neste capítulo, o CSI volta a abordar a questão da pedofilia, ao tratar do caso de uma garota continuamente violentada pelo pai, de quem fica grávida aos 13 anos e que, aos 19, descobre que ele também abusa de sua filha. Agora vai! CSI vai lavar a alma e tratar com seriedade o problema da violência contra a mulher. Não tem como errar!

Ah, mas como tem… o CSI é craque nisso. Vejam como o tema é tratado: o episódio abre com a notícia de um crime que despertou a atenção da mídia de todo o país. Quatro membros de uma família (pai, mãe e dois filhos) são barbaramente assassinados a facadas e apenas duas garotas sobrevivem, uma de 19 e outra de 6 anos. A equipe do CSI começa a desconfiar da adolescente sobrevivente por uma razão bem machista: ela fez sexo com o adolescente dono de uma moto cujas marcas de pneu foram encontradas no jardim da casa. Mas o rapaz revela que ele não esteve no local recentemente: a moto foi comprada em conjunto com outros três garotos, que também costumam usá-la. E, para surpresa dos investigadores e perfeita caracterização do slut-shaming da garota, em seus depoimentos todos eles confirmam que já se relacionaram com ela.

A polícia faz uma busca e apreensão na casa de um deles e descobre roupas sujas de sangue. Ele confessa que cometeu o crime a pedido da adolescente e ela confirma que mandou matar o pai por abusar dela e da filha. Pediu para matar ainda os irmãos e a mãe por eles não terem tomado qualquer iniciativa, durante todos esses anos, para protegê-la dos abusos do pai.

Inacreditavelmente, os roteiristas do CSI conseguiram elaborar um episódio sobre pedofilia em que o público não estabelece qualquer empatia com a vítima de pedofilia, apresentada como uma parricida depravada e insensível.

8º EPISÓDIO

É o único do início da série que não derrapa no machismo, ao tratar apenas de um acidente de carro e do segundo assassinato perpetrado por um serial killer.

Conclusões

Ao longo dos episódios, vamos constatando que há uma completa desconexão entre os crimes cometidos no mundo real e aqueles retratados no seriado. Até aí tudo bem, estamos falando de ficção. Mas, ao mostrar as mulheres majoritariamente como personagens ativas da violência cotidiana – até mesmo em situações de violência doméstica – a série presta um grande desserviço à educação do público quanto à relevância e urgência da questão da violência contra a mulher.

Poderíamos imaginar, com um toque de ingenuidade, que esta seria uma forma encontrada pela produção para “dar mais protagonismo” às mulheres. Ledo engano: primeiro, porque os criminosos são todos personagens rasos, à exceção justamente de um homem, Paul Millander, serial killer que terá destaque ainda em outros episódios no futuro da série. Ou seja, mesmo com as mulheres em grande número entre os criminosos, nem assim ganham destaque como vilãs.

Do lado da equipe do CSI, as mulheres assumem papel secundário e omitem-se totalmente em relação aos abusos praticados contra a investigadora novata – mesmo que, em última instância, esses abusos tenham levado à sua morte.

O resumo é terrível: mulheres são responsáveis por boa parte da violências mas sequer tem capacidade para produzir uma boa vilã, as causas para suas reações violentas, quando justas (a vítima de pedofilia e o casal de lésbicas chantageadas) são minimizadas, as investigadoras tem papel secundário (a que é mãe se sente culpada por trabalhar) e o assédio moral à servidora novata – com consequências dramáticas – sequer é tratado como um problema.

Atualização

O gráfico com o impressionante número de estupros não resolvidos pode estar até subdimensionado, segundo artigo num dos blogues da revista Slate (via feministacansada).

ATUALIZAÇÃO em 17/03/2013

Curiosamente, no mesmo dia em que este texto foi publicado, saiu um artigo no El País com várias estatísticas que fundamentam o nosso ponto.

Nassif errou feio

Por Allan Patrick

Luís Nassif errou feio ao promover um troll machista da pior espécie em seu blogue. Ao invés de pedir sinceras desculpas e reconhecer o erro, passou a atacar as feministas que, com argumentos muito bem construídos, o criticaram (“barraqueiras” segundo ele). E vem promovendo mais posts distorcidos sobre feminismo, cavando ainda mais fundo no poço de bobagens em que se enfiou. A história está esmiuçada no blogue da Lola.

Homofobia, machismo, cantadas e o politicamente correto

Por Allan Patrick

Não é evidente a contradição dos homofóbicos ao utilizarem como “justificativa” para sua covarde agressão a homossexuais o fato de terem sido “alvos” de cantadas? Por que não são justamente os homofóbicos/machistas que reclamam dos “chatos” do politicamente correto que pertubam a paz social com essa história de que cantadas grosseiras constituem assédio sexual?

Atualização em 18/11/2010:

E, como eu já imaginava, a desculpa é falsa, segundo reportagem do SBT.

Eu não tenho saudades de antigamente

Beatles, símbolo dos anos 1960.

Beatles, símbolo dos anos 1960.

Transcrevo aqui essa crônica de Luiz Carlos Azenha porque concordo totalmente com o que ele escreve: não tenho saudades de antigamente, dos tempos em que o machismo era regra e motivo de orgulho (mulheres eram proibidas por lei até mesmo de jogar futebol!), a homofobia campeava, os corruptos agiam em paz e, basicamente, “éramos felizes porque não sabíamos”.

Resmungos de quem olha adiante

Atualizado em 13 de agosto de 2009 às 19:30 | Publicado em 13 de agosto de 2009 às 18:06
por Luiz Carlos Azenha

Tenho uma certa preguiça quando cruzo com um modete que canta as virtudes do vinil, dos anos 60 e da Jovem Guarda. Perdôo os velhos saudosistas, mas nunca os jovens que sentem saudade de um tempo que não viveram.

Quando algum deles se aproxima e, notando meus cabelos grisalhos, tenta se enturmar falando que aqueles eram bons tempos eu respondo: Você sabia que minha vizinha fugiu para casar? Que meu vizinho ficou dois anos sem falar com o pai depois que ele (o Zé Roberto, não o pai dele) deixou o cabelo crescer? Que quando a agulha da vitrola quebrava era um deus-nos-acuda para arranjar outra?

É óbvio que, ao ouvir esses resmungos rabugentos, meu interlocutor sai às pressas e não deixa que eu complete o raciocínio.

Estou entre os que acreditam que tempos bons são os atuais. Por mais que fossemos inocentes e utópicos, éramos então — eu era criança nos anos 60 — prisioneiros de tantas convenções e regras moralistas que não é de estranhar que os Beatles tenham literalmente explodido para poder acompanhar a geração deles: de jovens bem comportados se converteram em viajantes do ácido lisérgico, o LSD de Lucy in the Sky with Diamonds, predecessor do ecstasy.

Naquele tempo ou você explodia — literal ou figurativamente — ou acabava fazendo tudo rigorosamente “como os nossos pais”. Pensar nisso era pior que pensar na prisão. Nossos pais não tinham podido estudar, não tinham podido viajar, não tinham podido mudar de emprego, não tinham podido correr riscos. O que quero dizer é que vivíamos em uma sociedade extremamente hierarquizada e provinciana. Se vocês acreditam que a panelinha do eixo Rio-São Paulo-Brasília é poderosa hoje, não imaginam como o Brasil era provinciano então.

E eu digo isso como filho de imigrante português, comunista, que enricou e faliu várias vezes ao longo da vida, que amava livros, jornais e as rádios BBC e de Moscou. Ou seja, eu era um outsider dentro de meu próprio grupo e talvez por isso pude sentir na pele a sensação de impossibilidade que fez minha vizinha fugir para poder casar. Sim, um dia acordamos e a notícia corria. A vizinha, que costumava embarcar em automóveis elegantes diante de casa — quando automóvel era um luxo e uma moça solteira não andava em um impunemente — tinha sido vista deixando a casa dos pais carregando malas. Nunca mais tivemos notícias dela.

Pois é por isso que eu não dou moleza quando cruzo com algum modete que idealiza em retrospectiva. Se perdemos alguma coisa no passado foi culpa das idéias que permearam o Século 20: o cientificismo deu ao homem um certo ar de invencibilidade que explodiu em guerras, em Hiroshima e nas catástrofes do socialismo real. A Ciência não resolveu nossos problemas, nem a Fé. O problema talvez seja a crença de que nossos problemas precisam ser resolvidos. Não dizem que o caminho da viagem é tão ou mais importante que o destino? Olhemos adiante, pois.

Mulheres: como conciliar carreira e filhos?

A jornalista e feminista portuguesa Inês Pedrosa, com muita perspicácia, falou sobre o tema na Festa Literária Internacional de Paraty (FLIP) de 2008. A fonte da notícia é o blogue Contemporânea, de Carla Rodrigues.

Diretora da revista Marie Claire, Inês Pedrosa proibiu que se perguntassem às mulheres como conciliavam carreira e filhos. A partir dessa ordem, passou a ser imprescindível fazer esta pergunta aos homens.

Entre os candidatos a Presidente da República de Portugal na eleição de 1996 estava o então Prefeito de Lisboa, Jorge Sampaio, que viria a ser o candidato eleito.

Jorge foi entrevistado por Inês, que lhe fez a referida pergunta e outras mais: se ele cozinhava, o que cozinhava, quais eram os seus pratos preferidos, se era a favor da interrupção voluntária da gravidez, etc.

O candidato começou a reclamar que ela estava gastando muito tempo com essas perguntas e que não haveria tempo de conversarem sobre suas ideias.

É precisamente o que acontece com as mulheres, encerrou ela.

Foi aplaudida de pé na FLIP.

Pense nisso na próxima vez que você ouvir essa pergunta quando a entrevistada for uma mulher, seja ela política ou profissional de qualquer outra área.

Veja também:

O machismo quase sutil.