A Copa do Mundo na Alemanha… e em Natal?

Por Allan Patrick

Marta se despedindo da torcida após o jogo Brasil 3 x 0 Noruega. Foto: acervo pessoal do autor.

Aproveitando que estou em Londres estudando inglês e as distâncias na Europa são relativamente curtas, fui ver dois jogos da Copa do Mundo 2011 de Futebol Feminino. A primeira partida que vi, em Wolfsburgo, foi entre Brasil e Noruega. Realizei um de meus sonhos como fã de esporte: ver Marta jogando ao vivo. O Brasil ganhou sem grandes dificuldades, por 3 a 0.

Com grande tristeza vi dias depois, solitário, numa medíocre tela de notebook numa tarde chuvosa em Londres, a derrota do Brasil diante dos Estados Unidos. Doeu muito no meu coração. Ainda por cima tendo que aguentar a narração de Luciano do Valle e os comentários de Neto, repletos de pérolas machistas.

Marta ficou marcada pela torcida alemã durante o campeonato, sendo vaiada continuamente. Na sua visão, ela reclamava demais da arbitragem, gritava demais e outros que tais. Infelizmente, os torcedores locais confundiram a paixão que devotamos ao futebol com falsidade teatral. Bobagem. Os italianos falam com as mãos; da mesma forma também temos nossos arroubos expressivos: não conseguimos jogar uma partida de futebol com a tecla mute acionada. Temos que berrar e gesticular o tempo todo, esse é o nosso jeito (talvez um pouco de moderação seja um bom tempero). Testemunhei esse sentimento pessoalmente, pois toda vez que eu e um casal de amigos brasileiros, que assistíamos ao jogo contra a Noruega, comemorávamos um gol ou uma bela jogada, alemães que estavam sentados à nossa frente nos olhavam espantados, como se estivessem presenciando a chegada de marcianos à Terra.

Kumagai convertendo o último pênalti e dando o título ao Japão. Foto: acervo pessoal do autor.

Acabei comprando um ingresso para a final antes do Brasil ser desclassificado da Copa, num raro momento em que o sítio da FIFA colocou ingressos à venda.

A final, disputada no último domingo 17 de julho de 2011, foi bem animada (certamente, muito mais do que o chatíssimo Brasil x Paraguai que ocorria simultâneamente) e as japonesas merecidamente sagraram-se campeãs mundiais.

A “organização germânica”

Luciano do Valle deu um duro danado nos comentários machistas, mas não ficou só por aí. Não foi à Alemanha e narrou os jogos a partir do Brasil mesmo. Não se cansou, na cara de pau, de fazer elogios à “eficiência germânica” na organização dos jogos, sem ter ideia sobre o que estava falando.

Se no sítio da FIFA foi extremamente complicado comprar ingressos, na vizinhança dos estádios o que mais havia eram cambistas (por favor, antes de postar um comentário preconceituoso, aviso para poupar-lhe tempo: não, os cambistas não eram imigrantes do terceiro mundo, eram loiros dos olhos azuis e falavam perfeitamente alemão e inglês). As filas nos banheiros femininos eram enormes, pois pelo visto ninguém da organização acreditou que as mulheres iriam em massa assistir à Copa. Poucas pessoas do apoio entendiam ou falavam inglês. Os bares dos estádios não vendiam água, só refrigerante (a “módicos” € 4,50, cortesia do monopólio da Coca-Cola) e cerveja. O programa oficial da Copa, em língua inglesa, sempre estava esgotado nas lojas oficiais. Nos intervalos, as saídas de emergências e escadas ficavam abarrotadas de gente fumando (felizmente não houve nenhuma urgência). Em Wolfsburgo, dei o azar de ficar num setor da arquibancada próximo aos “vips” da Fifa. Resultado: o banheiro e o bar do andar foram fechados com exclusividade para eles. Centenas de pessoas tiveram que, no intervalo, se dirigir a outros andares para ir ao banheiro ou aos bares. Imaginem como não ficou congestionada a escada, já lotada de fumantes, numa situação como essa. Depois dizem que é só o Brasil que se acocora pras exigências bisonhas da FIFA…

Em Frankfurt, após a final, a multidão se dirigiu à estação de trem metropolitano mais próxima e não havia nenhuma indicação do destino dos trens e de suas respectivas plataformas. Por sorte, a primeira plataforma a que me dirigi era a correta. Mas vi centenas de pessoas subindo e descendo várias plataformas até encontrar a correta (se tivesse ocorrido algum tumulto, possível, porque havia alguns bêbados impertinentes, poderia ter acontecido um desastre). No mínimo a organização pensou que só torcedores do Eintracht Frankfurt, que já conhecem o estádio, iriam assistir a partida… porque bastavam 10 cartulinas e uma fita adesiva para esclarecer corretamente os destinos dos trens de cada plataforma da estação.

A Copa do Mundo em Natal?

Por várias vezes já expressei aqui meu ceticismo em relação a Natal sediar a Copa do Mundo:

Sou favorável a um plebiscito sobre a Arena das Dunas.
Vale a pena gastar R$ 1,1 milhão por minuto em função da Copa?
A Copa do Mundo em Natal. Vamos pagar quanto?

Mas agora, depois de ter sido espectador na Copa da Alemanha, mudo minha opinião: é plenamente possível realizar a Copa em Natal, desde que não seja construído um novo estádio. Os estádios alemães não são estruturalmente muito melhores do que o Machadão. A diferença fundamental, em termos de conforto, são as cadeiras. Em termos de infra-estrutura para a torcida, os principais defeitos do estádio natalense são a falta de acessibilidade e a absoluta carência de banheiros femininos. O resto é perfumaria (como telão, estrutura de bares, etc.). O que o Machadão realmente precisa é de carinho na sua conservação, o que nunca ocorreu na sua história. Até hoje, quase 40 anos depois de sua inauguração, seu entorno ainda não foi urbanizado (é um estádio construído no meio do barro que, em dia de chuva, vira lama).