PT, Lula, Maluf e Haddad

Por Allan Patrick

Lula, Fernando Haddad e Paulo Maluf. Foto: Folha de S. Paulo/UOL.

Fiquei surpreso com o frisson nas redes sociais em torno do apoio do PP (leia-se Maluf) à pré-candidatura de Fernando Haddad, que provavelmente disputará pelo PT a eleição para Prefeito de São Paulo este ano.

Ora, se o PP já vinha apoiando e participando do Governo Lula (e agora, do Governo Dilma) há vários anos, o que há de novidade numa aliança, ainda no primeiro turno, na disputa para a Prefeitura de São Paulo? O PP só não apoiou Dilma no primeiro turno da última eleição presidencial por conta da ação pessoal do seu presidente nacional, Francisco Dornelles (primo de Aécio Neves), para mantê-lo neutro como forma de “apoio” indireto ao então candidato a presidente pelo PSDB, José Serra.

Saldo

De benéfico, para Haddad, está claro que é o aumento do tempo de seu programa no horário eleitoral gratuito na TV. Condenável essa atitude de se aliar a Maluf para conseguir tempo de TV? Poderia agir de um modo diferente? Infelizmente, vivemos numa democracia de massas com um sistema de comunicação social público extremamente oligopolizado e de pensamento único, portanto é provável que a pergunta tenha sentido unicamente retórico e simplesmente não exista alternativa para um candidato competitivo agir de modo diferente (quando Erundina foi eleita prefeita, nos final dos anos 1980, não havia segundo turno, o cenário portanto era outro).

O outro candidato principal, José Serra, apesar do festival de horrores revelados na obra A Privataria Tucana, nunca é questionado na mídia por suas opções éticas (quando isso ocorre, o profissional questionador prejudica sua carreira).

Efeito

Será indolor o apoio de Maluf? De forma alguma! Além da questão moral, em que normalmente nos deixamos manipular pelos relativismos mais simplistas, existe um prejuízo muito real da coligação com o PP no âmbito da formulação e execução de políticas públicas. No âmbito federal, a entrada do PP no governo transformou o Ministério das Cidades de uma instituição preocupada em planejar cidades para pessoas (o que lhe rendia críticas diárias na imprensa de que “não fazia nada”), tentando colocar em prática o Estatuto das Cidades, para um ministério rodoviarista na pior tradição possível: promove e financia viadutos, duplicação de avenidas e construção de conjuntos habitacionais sem a contrapartida de infraestrutura e em localidades distantes de empregos e oportunidades de lazer e cultura. É provável que um possível governo Haddad venha a pagar o mesmo preço em São Paulo. Não será ele o único culpado pelo congestionamento final, dada a popularidade que o uso do carro ainda goza em nossa sociedade, mas talvez o responsável pela morte do fio de esperança da reversão desse estado de coisas.

Valerá a pena? Os pragmáticos tem uma resposta pronta: a diferença na vida das pessoas entre os governos de Fernando Henrique e Lula paga o preço de aceitar um PP na coalizão. Dirão mais: a fracassada aposta rodoviária no transporte individual será, com certeza, redobrada num governo Serra (que recentemente afirmou “investir em ônibus em SP vai causar mais engarrafamentos“), enquanto num governo Haddad estará ainda sujeita a disputa.

 

Lula, cestas básicas e o bolsa família

Por Allan Patrick

Presidente Lula. Ricardo Stuckert/ABr

Presidente Lula. Ricardo Stuckert/ABr

Recebi este vídeo pelo correio eletrônico de um amigo que pedia ajuda para elaborar uma resposta a quem lhe tinha enviado originalmente o arquivo. O vídeo mostra o Presidente Lula, nos dias atuais, defendendo o Bolsa Família e, na sequência, o candidato Lula, nos anos 1990, criticando a distribuição de cestas básicas. Seria, portanto, uma prova da “contradição” e “incoerência” das ações e pensamentos do Presidente da República. O remetente original se referia a este material como “o vídeo do século”.

O que esse viral revela, na realidade, é a profunda incompreensão de setores da classe média sobre a forma de funcionamento dos programas de assistência social, seja porque estes setores estão muito mal informados, com acesso apenas a informações distorcidas sobre tais programas, seja pelo próprio desinteresse dessas pessoas em conhecer as condições de vida dos segmentos mais desassistidos da sociedade.

Na resposta ao meu amigo, disse-lhe que:

Lula está absolutamente certo nas duas falas. O Bolsa Família é um programa republicano: cumpriu as formalidades legais, o cidadão que vive na miséria tem o direito de recebê-lo, qualquer que seja sua opinião sobre quem ele bem entender. Exatamente o contrário das distribuições de cestas básicas, dentaduras e outros favores típicos dos coronéis de antanho. De fato, o Bolsa Família dificulta a ação da prática da troca de favores por votos, criticada pelo Lula dos anos 1990 no vídeo que você me enviou. Não é por outro motivo que o PFL/DEM está murchando a passos largos: sua fonte de votos, o assistencialismo coronelista, está desaparecendo, pois um sistema transparente, público – e republicano! – de assistência social foi criado. As pessoas não são mais escravas dos coronéis.

O marketing de Lula

Por Allan Patrick

De vez em quando republico aqui o texto de algum blogue que chama minha atenção. O Tijolaço, blogue do Deputado Federal Brizola Neto (PDT-RJ), vem mantendo um ótimo nível em seus textos. E, neste que transcrevo logo abaixo, mostra como Lula se aproveita do tom preconceituoso da mídia para “vender seu peixe” perante a população. A imprensa ridiculariza o Presidente por carregar um isopor na cabeça, mas não percebe o elitismo dessa situação, que cria uma empatia de Lula com o povo e, inclusive, previne este contra outras “crises” fabricadas nas redações.

Lula, o farofeiro (O Globo).

O “marmiteiro” de 1946 e o “farofeiro” de 2010

Tijolaço.com – Por Brizola Neto – 13/01/2010.

Outro dia eu disse aqui que a elite brasileira odeia os pobres. E odeia mesmo. Faz mais de uma semana – e eu venho me contendo, pra não ser injusto com um simples aproveitamento de uma situação curiosa – que O Globo se aproveita da foto em que o presidente da República  carrega uma caixa de isopor na praia.

Publicada originalmente com o título de “a farofa do Lula”, a foto vem servindo há uma semana de motivo para charges de Chico Caruso, que colocam a cena numa escala evolutiva (e involutiva) do macaco para o homem.

Politicamente, não causa mossa ao presidente. Afinal, qualquer um de nós, um dia, carregou uma geladeira de isopor. Ou viu alguém, muito gentil, carregar para nós.

Mas é reveladora do elitismo da nossa mídia. Usar uma geladeira de isopor e, ainda por cima, carregá-la? Como não há um “negrinho” para fazer isso? Ou, melhor ainda, um criado de libré para trazer um uísque na bandeja?

O problema não é Lula ser um “farofeiro”. É o povo ser farofeiro.

Cuidado, elitistas. A candidatura do Brigadeiro Eduardo Gomes entrou em colapso quando disseram que ele dispensava o “voto dos marmiteiros”. Esta questão de ser aristocrata só esbarra num “probleminha”. Marmiteiro ou farofeiro, o povão agora vota, D. Maria Antonieta…

Bolso de pobre cheio ativa economia mais que desoneração

Presidente Lula. Ricardo Stuckert/ABr

Presidente Lula. Foto: Wilson Dias/ABr

Impressiona como Lula consegue traduzir ao grande público temas complexos. Nesse discurso, conseguiu explicar muito bem o conceito de progressividade fiscal (grifo nosso):

“Bolso de pobre cheio ativa economia mais que desoneração”
Valor Econômico – 24/06/2009
Reuters, do Rio

Ao criticar empresários que nem sempre repassam as desonerações fiscais para os consumidores, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu ontem, no Rio, a distribuição direta de recursos à população como o melhor meio de se ativar a economia.

Segundo Lula, cada real dado às famílias mais pobres é certamente revertido em consumo.

Tenho tido reuniões no Ministério da Fazenda e dito que, em vez de desonerar tudo, por que não dar para os pobres? Às vezes, desoneramos e vocês (empresários) não passam para o preço do produto“, disse o presidente Lula em discurso durante sua participação no lançamento do projeto de revitalização do Porto do Rio.

Ele lembrou que, desde que assumiu o governo, as desonerações sobre produtos como máquinas, automóveis e eletrodomésticos, entre outros, somam R$ 100 bilhões. “Imaginem R$ 100 bilhões na mão do povo”, declarou o presidente.

Como exemplo, o presidente voltou a lembrar que o fim da CPMF (imposto do cheque) não provocou uma redução nos preços dos produtos no país. Mas admitiu que a redução de impostos promovidas para enfrentar a crise têm estimulado o consumo de veículos e eletrodomésticos.

Ele salientou ainda que desonerações para classes mais altas normalmente não se revertem em consumo.

“Cada real que você dá na mão de um pobre ele volta automaticamente para o comércio, para o consumo e vai reativar a economia. Um real para mil pessoas são mil reais para o comércio”, disse Lula. “Ele (o pobre) não vai para o banco, para o derivativo, é isso que precisamos fazer para a economia deste país crescer“.

Lula também defendeu o nível da carga tributária brasileira como mecanismo de política social. “A carga tributária da América Central é 9% ou 10%. Um país com essa carga não tem Estado, porque o Estado não pode cuidar de nada“, afirmou. No Brasil, a carga é de 38,45% do Produto Interno Bruto (PIB).

Em São Paulo, onde participou de inauguração de novo prédio do complexo hospitalar Albert Einstein, o ministro da Saúde, José Gomes Temporão, queixou-se, em discurso, da rejeição da CPMF pelo Congresso Nacional. “É preciso resolver a questão do financiamento da saúde pública no país. Se a CPMF não tivesse sido rejeitada, o orçamento da saúde seria o dobro do atual. Hoje temos R$ 50 bilhões disponíveis. Com a CPMF esse valor seria de R$ 93 bilhões.

O presidente, que também participou do evento, fez um discurso lido, sem retomar o tema. O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), e o prefeito da capital, Gilberto Kassab (DEM), também discursaram. Serra louvou a parceria entre os governos federal, estadual e municipal. (Colaborou Yan Boechat, de São Paulo)

Atualização em 04/07/2009:

Enquanto isso, Serra reduz ICMS para iates e veleiros.

Textos relacionados:

Fim da CPMF afetou poder de fiscalização da Receita Federal.

Wall Street e o imposto sobre transações financeiras.