Kobo ou Kindle?

Por Allan Patrick

Com a chegada ao Brasil do Kobo, por meio da Livraria Cultura, e do Kindle da Amazon, vendido por meio do Ponto Frio e da Livraria da Vila, temos a presença no Brasil dos dois principais leitores de livros eletrônicos à venda no mundo.

Kindle, um leitor eletrônico perfeito em sua simplicidade.

Kindle, um leitor eletrônico quase perfeito em sua simplicidade. Foto: acervo pessoal.

São importantes também no mercado de livros eletrônicos o iPad e os tablets que rodam o sistema Android. Mas ao contrário dos comparativos insossos que relacionam vantagens e desvantagens de cada plataforma, eu vou ser aqui bem sincero: na minha perspectiva é horrível ler livros eletrônicos num tablet. A tela cansa a vista e a dificuldade de se concentrar só na leitura do texto é imensa, dadas as tantas opções de distração que a conexão à internet oferece, como correio eletrônico, noticiário, vídeos, jogos, twitter e outras redes sociais.

Já os leitores eletrônicos especializados, como o Kobo e o Kindle, além de mais baratos, tem telas que são praticamente tão agradáveis à leitura quanto um texto impresso em papel. E não vem com distrações embutidas de fábrica.

Desde 2011 tenho um kindle que sempre funcionou perfeitamente. Um raro dispositivo eletrônico que nunca apresentou defeito, mal funcionamento ou travamento. Devido ao seu baixo consumo, a bateria tem grande longevidade, na casa das semanas. E é um produto que não transmite a sensação artificial de ficar defasado tecnologicamente com a passagem do tempo.

O Kobo na sua situação mais comum: travado na mensagem "Please Charge Your eReader", apesar de ter passado toda uma noite conectado ao carregador.

O meu Kobo na sua situação mais comum: travado na mensagem “Please Charge Your eReader”, apesar de ter passado toda uma noite conectado ao carregador. Foto: acervo pessoal.

No finzinho do ano passado [dezembro/2012], comprei um Kobo, e – apesar de compartilhar com o Kindle as qualidades de um equipamento especializado na leitura de livros eletrônicos – não poderia estar mais decepcionado. Por duas vezes ele apresentou um travamento que exigiu um reset de harware (algo tão comum que qualquer busca no google mostra 40 mil ou mais resultados). Até que neste fim de semana nem com esta solução consegui trazê-lo de volta à vida. Felizmente, meu acervo nele ainda não incluia nenhuma obra paga (a biblioteca de livros gratuitos é bem provida) ou – muito mais importante – anotações, o que poderia aí sim representar uma pequena catástrofe intelectual.

Além dos inúmeros resultados que o google mostra em suas pesquisas sobre travamentos do Kobo (em várias línguas, o que mostra que o problema não é especificamente do lote da Livraria Cultura; aliás, o meu aparelho eu adquiri, durante uma viagem, na WHSmith), batendo papo no twitter também me deparei com outras “vítimas”.

Então, se você está procurando um leitor eletrônico de livros, eu não poderia ser mais enfático em sugerir o Kindle da Amazon, apesar de estar ciente da carga de energia negativa que circunda a empresa.

P.S.: refiro-me em todo texto às versões básicas do kindle, não à versão fire, que não difere muito de um tablet comum, com todos as suas virtudes e defeitos.

Atualização em 22/04/2013:

Após 15 dias trocando mensagens com a assistência técnica sobre o problema no Kobo, descobri que, para sua solução, seria necessário enviar o aparelho para os Estados Unidos ou Canadá [Nota: isso para quem, como eu, adquiriu o produto no exterior, a Livraria Cultura trata localmente quem comprou por meio dela o aparelho] junto com um envelope pré-pago para devolução, solução esta que funciona muito bem dentro do próprio país de envio, mas que não está prevista pela União Postal Universal e não funciona para encomendas internacionais.

Sendo assim, e já tendo o aparelho como perdido, procurei um amigo com talento hacker e abrimos o Kobo, pois a minha desconfiança era que o problema estava de alguma forma relacionado à bateria ou ao seu sistema de recarga.

Kobo com a capa traseira retirada. Foto: acervo pessoal.

Kobo com a capa traseira retirada. Foto: acervo pessoal.

Para abri-lo, meu amigo utilizou uma faca, o que exige certa habilidade manual (ele é um frequentador assíduo do iFixit, sítio com dicas para abrir e reparar equipamentos eletrônicos).

Nada de extraordinário foi feito: os parafusos mais próximos da bateria (que fixam a placa à parte frontal do “gabinete” do eReader), foram retirados e reafixados com um pouco menos de pressão que a original e, voilá, o aparelho voltou a dar sinal de vida quando conectado ao carregador. Checamos ainda se a bateria estava folgada ou não (aparentemente não), e conseguimos fechar de volta a tampa traseira. Tudo voltou mais ou menos ao normal.

Alívio ao ver o Kobo de volta à vida. Foto: acervo pessoal.

Alívio ao ver o Kobo de volta à vida. Foto: acervo pessoal.

Já a confiança para adquir ebooks vai demorar a retornar. Até lá, ele vai ser utilizado apenas com material de domínio público e, na necessidade de comprar um livro eletrônico, torcer para estar disponível no acervo da Amazon para o Kindle.

Manteremos este post atualizado caso haja novidades no funcionamento (ou não!) do Kobo.

Atualização:

Nem um mês depois, o Kobo morreu definitivamente.