A contemporaneidade do Exército Furioso

exército-furioso-cia-letrasExército Furioso é o título de um romance policial, publicado em 2011 pela autora e historiadora francesa Fred Vargas, conhecida aqui no Brasil pela defesa que fez em prol da liberdade do também escritor de romances policiais e perseguido político Cesare Battisti.

Embora não tenha sido escrito com a convulsão política que vivemos nos dias atuais no Brasil em mente, Exército Furioso tem como pano de fundo três instituições cujo apoio foram fundamentais ao golpe de 2016 e que se comportam de forma muito parecida às suas contrapartes brasileiras: polícia, mídia e judiciário.

Não se trata de uma coincidência surreal, mas da constatação de que o contexto político-econômico que aflige o Brasil não é tão diferente assim daquele que acomete o resto do mundo, inclusive os países ditos “civilizados”.

O romance em si é uma saborosa e divertida variante do clássico romance policial, em que uma investigação, tocada pelo protagonista Adamsberg, tenta desvendar um misterioso assassinato atribuído a forças do além.

Ao mesmo tempo, nosso herói-anti-herói também enfrenta o desafio de esconder um suposto assassino alvo de uma histérica caçada midiático-policial-judicial e simultaneamente cuidar de um pombo vítima de tortura, cujo autor – certamente um espírito de porco – também gostaria de encontrar. Para tudo isso conta com o apoio de uma equipe disfuncional e um filho de 28 anos que conheceu há pouco mais de um mês.

Fred Vargas nos diverte com sua fina ironia e seu conhecimento do folclore e das várias culturas francesas.

Minha leitura mais saborosa dos últimos tempos, realçada pelo contexto em que vivemos.

Daniel Dantas e o goleiro Bruno

Por Allan Patrick

Bruno, goleiro do Flamengo, é suspeito de ter cometido um crime bárbaro. Se for condenado em primeira instância, a partir desse momento sua situação criminal será semelhante à do banqueiro Daniel Dantas.

Vejamos, no entanto, o tratamento que o jornal O Globo dá aos dois casos. Primeiro, a foto de Bruno publicada pelo jornal, em contraste com os editoriais do caso Daniel Dantas.

O Globo, Editorial, 15/07/2008, “Estado Policial”

Foto do goleiro Bruno, preso, nas páginas d'O Globo. É isso que o jornal denominou de "cultura autoritária da invasão da privacidade" quando o criminoso era Daniel Dantas.

Por um desses paradoxos, é em plena democracia que se observam graves agressões a direitos constitucionais por parte do braço armado e jurídico do Estado, a Polícia Federal, juízes e procuradores. São desrespeitos sérios à Carta, mas os quais, por atingirem pessoas de má reputação e serem acompanhados de discursos maniqueístas de agentes públicos – do ministro da Justiça, Tarso Genro, ao delegado federal responsável pelo inquérito, Protógenes Queiroz – , tudo passa como se o zelo para com os ritos legais demonstrado pelo presidente do Supremo, Gilmar Mendes, fosse solerte manobra destinada a proteger bandidos.

Daniel Dantas, Naji Nahas, Celso Pitta e todos os demais visados pela Operação Satiagraha parecem já condenados a priori. Não se discute a folha corrida dos personagens, mas os riscos que os direitos individuais correm quando inquéritos tramitam de forma sigilosa por tempo excessivo, prisões são decretadas sem parcimônia em instâncias inferiores da Justiça e a máquina de investigação da Polícia Federal produz um relatório, como o do delegado Protógenes Queiroz, em que, num estilo messiânico, de luta do “bem” contra o “mal”, até o trabalho da imprensa é tachado de criminoso.

Ilustra bem o momento que se vive, perigoso para as liberdades, a afirmação do ministro da Justiça, Tarso Genro, à “Folha de S. Paulo”, de que acha muito difícil Daniel Dantas provar a inocência.

O pior é que a cultura autoritária da invasão da privacidade e da revogação, na prática, de outros direitos individuais conta hoje com um grande aparato de escuta eletrônica, acionado sem os devidos cuidados por juízes. As operadoras informam que havia no país, no ano passado, 409 mil linhas grampeadas, sendo que o número de grampos vinha crescendo à razão de 33 mil novas escutas por mês, revelou O GLOBO. No Rio, gravações foram permitidas sem que a polícia informasse o número a ser vigiado(!).

A espessa sombra de um estado policial cai sobre a sociedade. É inaceitável que, em nome de um bom propósito, o combate ao crime – não importa onde e por quem seja cometido – sirva de pretexto para ataques ao estado de direito.

O Globo, Editorial, 12/07/2008, “Defesa do Direito”

A questão é bem outra. A PF voltou a usar técnicas teatrais para dar realce a uma operação contra pessoas que atuam em áreas carregadas de simbolismo: mercado financeiro e política. E cabe mesmo à Justiça coibir excessos. É visível o prejulgamento numa série de análises e declarações, uma das características dos regimes ditatoriais. Há quem confunda prisão temporária e preventiva com o recolhimento ao xadrez para o cumprimento de pena. Estender sem critério prisão temporária é ressuscitar o regime militar, quando sequer era notificada a detenção de alguém.

Tentei encontrar uma foto de Daniel Dantas algemado no sítio d’O Globo (utilizando o google). A única que encontrei foi esta:

Daniel Dantas algemado. Compare o tratamento recebido pelo banqueiro com o do goleiro Bruno.

Cada um que tire suas conclusões.

Mafalda e os jornais

Via Los diarios no existen.

Mafalda e Libertad conversam sobre jornais.

Mafalda e Libertad conversam sobre jornais.

– Os jornais! … Os jornais inventam a metade do que dizem! – afirma Libertad.
– E ainda por cima os jornais não contam metade das coisas que acontecem. O resultado dessa soma é que os jornais não existem! – completa.

Textos relacionados:

A Lei de Aloysio Biondi.