A Itália é diferente

Por Allan Patrick

A cada semana, um país na mira dos especuladores.

Por esses dias, várias notícias alarmistas tratavam do risco da Itália ter algum problema na rolagem de sua dívida pública. Na verdade eram especuladores se aproveitando, num momento em que venciam vários títulos da dívida italiana, para forçar pra cima os juros a serem pagos por aquele país no momento em que fazia a substituição dos títulos antigos por novos.

O motivo para acreditar que, embora a Itália tenha uma das maiores relações dívida pública/PIB do mundo (junto com o Japão), não vai ter problemas na rolagem dessa dívida, é que a maior parte dos credores são internos, ou seja, os próprios italianos – clientes do varejo – que não tem muito interesse em ataques especulativos ou corridas contra os bancos. A razão dessa insólita (e positiva) situação é que, ao contrário da crença “popular” – que afirma serem os povos da Europa do Norte poupadores e comedidos, enquanto os habitantes do Mediterrâneo não passam de latinos irresponsáveis – a Itália é o país com a maior taxa de poupança interna da Europa (informação importantíssima despretenciosamente escondida num relatório especial de 14 páginas da revista The Economist, edição de 11 de junho de 2011). Esqueçam aquelas historinhas publicadas nos cadernos de economia dos jornais brasileiros sobre a fábula de Jean de La Fontaine, onde a Alemanha normalmente é retratada como a nação das formigas, e os latinos como as cigarras.

Só pra concluir: o relatório da OECD em 2009 mostra que a Itália é o quinto país onde mais se trabalha na Europa (eu vi uma planilha com dados de 2010 mostrando o país em segundo lugar, mas perdi a referência). A Alemanha vem bem abaixo, em 23º. Tal como no Brasil, onde os estados do Rio de Janeiro e da Bahia normalmente estão nos primeiros lugares no número de horas trabalhadas, mas levam a má fama de terem trabalhadores “preguiçosos”, la dolce vita italiana pode estar muito presente na mente dos turistas, mas não tem amparo na realidade.

P.S.: que país na Europa lidera o número de horas trabalhadas há dez anos e mesmo assim é rotulado pela mídia, incluindo a TV alemã (a denúncia do preconceito está numa matéria da Al Jazeera), como uma terra de preguiçosos perdulários? Sim, ela mesma, a Grécia!

A revolta das elites e a crise grega

Por Allan Patrick

A crise fiscal na Grécia impede o Estado de agir para amenizar o impacto da crise econômica.

O filósofo espanhol Ortega y Gasset escreveu a obra “A Rebelião das Massas“, na qual opinou que a emergência das massas seria a grande ameaça aos “valores europeus”, pelo efeito destrutivo que teria sobre os padrões de qualidade na cultura e na política, mantidos até então num certo patamar pelas “elites”.

Christopher Lasch, pensador norte-americano, pelo contrário, situou o problema na nova elite, os burocratas, os tecnocratas, os “especialistas”, os gestores, apresentando-os como a verdadeira causa da decadência da cultura e identidade do Ocidente bem como da própria democracia. Sua obra chave é “A revolta das elites“, título escolhido justamente para se opor à obra de Gasset.

Toda essa introdução é para fazer referência a artigo recentemente publicado no blogue da Tax Justice Network (Rede pela Justiça Fiscal), sobre a calamitosa situação fiscal da Grécia, “The tax revolt of the elites” (A revolta – tributária – das elites), e que serve de base para o desenrolar deste texto, do qual alguns trechos traduzimos e adaptamos:

Como em muitos outros países, a vasta maioria da elite rica da Grécia foge da obrigação de pagar impostos sobre o patrimônio e a renda, deixando a cargo das famílias mais pobres e de classe média o peso de carregar o Estado nas costas, na forma de impostos sobre o consumo. Estima-se que o valor correspondente a 13,5 % do PIB é perdido anualmente na arrecadação tributária da Grécia em função da evasão fiscal.

Não é de surpreender que, nessas circunstâncias, o Estado grego enfrente uma grave crise fiscal. Will Hunton, do jornal britânico The Observer, anotou que “A Grécia foi saqueada por sua elite super-rica de banqueiros e armadores.  O país encampou tão entusiasticamente a doutrina conservadora de que a tributação é uma forma de escravidão, que o estado grego, em alguns pontos chave, já não é mais funcional” (original aqui).

Quem viaja com frequência percebe que a cultura da evasão fiscal já se enraizou na cultura das elites super-ricas da maior parte das nações.

Ao escrever sobre a “revolta das elites”, o ensaísta conservador Christopher Lasch alertou, ainda nos anos 1980, sobre o efeito corrosivo na sociedade quando a elite rica foge da responsabilidade para com a comunidade em que construiu sua riqueza. A ascensão do pensamento “libertário” de extrema direita durante os anos 1970 deu a essa poderosa elite a “base intelectual” – leia-se a “desculpa” – que ela precisava para justificar seu completo egoísmo e despreocupação com a sociedade da qual fazia parte.

Normalmente, a crítica ao pensamento de Lanch se faz num nível raso, acusando-o de querer devolver a sociedade atual ao estágio da Idade Média, sem profissionais especializados, como médicos, numa espécie de éden amish (exemplo aqui). Mas sua obra é bastante pertinente se pensarmos no exército de profissionais, como advogados, banqueiros e contadores, muitos dos quais intelectualmente brilhantes – a maioria muito bem pagos -, que se dedicam unicamente a tarefas sem retorno produtivo ou social, como é o caso dos que operam complexos mecanismos de evasão fiscal.