A contemporaneidade do Exército Furioso

exército-furioso-cia-letrasExército Furioso é o título de um romance policial, publicado em 2011 pela autora e historiadora francesa Fred Vargas, conhecida aqui no Brasil pela defesa que fez em prol da liberdade do também escritor de romances policiais e perseguido político Cesare Battisti.

Embora não tenha sido escrito com a convulsão política que vivemos nos dias atuais no Brasil em mente, Exército Furioso tem como pano de fundo três instituições cujo apoio foram fundamentais ao golpe de 2016 e que se comportam de forma muito parecida às suas contrapartes brasileiras: polícia, mídia e judiciário.

Não se trata de uma coincidência surreal, mas da constatação de que o contexto político-econômico que aflige o Brasil não é tão diferente assim daquele que acomete o resto do mundo, inclusive os países ditos “civilizados”.

O romance em si é uma saborosa e divertida variante do clássico romance policial, em que uma investigação, tocada pelo protagonista Adamsberg, tenta desvendar um misterioso assassinato atribuído a forças do além.

Ao mesmo tempo, nosso herói-anti-herói também enfrenta o desafio de esconder um suposto assassino alvo de uma histérica caçada midiático-policial-judicial e simultaneamente cuidar de um pombo vítima de tortura, cujo autor – certamente um espírito de porco – também gostaria de encontrar. Para tudo isso conta com o apoio de uma equipe disfuncional e um filho de 28 anos que conheceu há pouco mais de um mês.

Fred Vargas nos diverte com sua fina ironia e seu conhecimento do folclore e das várias culturas francesas.

Minha leitura mais saborosa dos últimos tempos, realçada pelo contexto em que vivemos.

O fim do caso DSK?

Por Allan Patrick

Num caso criminal em que a promotoria se dedicou a acusar a vítima, não chega a me estranhar que o advogado de defesa praticamente confesse a culpa do cliente:

E por fim, eu gostaria de dizer isso, dizer publicamente, e com orgulho. Hoje é um dia extraordinário, é um evento extraordinário que um promotor se apresente no fórum e afirme publicamente que não vai apresentar a denúncia, concluindo que a testemunha de acusação não é digna de crédito. Eu estou nesse ramo há 35 anos. Eu penso que nunca vi uma situação como essa. Portanto eu dou todo o crédito a Cy Vance [promotor do caso].

Benjamin Brafman, criminalista, advogado de Dominique Strauss-Kahn, o ex-diretor do FMI.

Recapitulando: a promotoria, ao invés de denunciar o acusado do estupro, promoveu o linchamento moral da vítima, apesar das evidências materiais do estupro (sim, do estupro, não de uma mera relação sexual) que corroboram o depoimento da vítima. O New York Times publicou uma matéria dando apoio à promotoria e revelando uma ligação telefônica realizada pela vítima do estupro, no dia seguinte ao ocorrido, no qual ela teria afirmado que “ele tem um monte de dinheiro e agora eu sei o que vou fazer”. Toda a imprensa foi na linha dessa matéria, dando um peso extraordinário a essa declaração e entrando no clima de desmoralizar a vítima. O advogado da vítima, depois de mais de um mês, finalmente têm acesso à gravação e desmente o seu conteúdo. Conteúdo que, se fosse verdadeiro, não teria nada de mais, pois é bastante razoável que a vítima de um crime nutra ódio pelo agressor e queira prejudicá-lo de todas as maneiras possíveis.

Espero que algum jornalista conhecedor do submundo das varas criminais de Nova Iorque traga à luz no futuro um livro narrando os detalhes dessa história.

Veja também:

O estranho caso DSK.

O estranho caso DSK

Por Allan Patrick

DSK é a sigla que identifica o político francês Dominique Strauss-Kahn, preso nos Estados Unidos sob a acusação de estupro, solto sob fiança e, recentemente, liberado das acusações pela promotoria numa carta estranhíssima, que mais parece um libelo de acusação moral à vítima, mas que não aborda o que deveria ser o elemento essencial do caso, ou seja, a ocorrência ou não do estupro, pois até a defesa admite a existência de um ato sexual. A desmoralização da vítima chega ao requinte de informar que ela colocou um dependente indevido na declaração de imposto de renda. Acusam-na ainda de mentir para conseguir um visto de residência nos Estados Unidos (como tantos imigrantes desesperados), de mentir sobre sua renda para conseguir morar numa residência subsidiada (outro ato de desespero numa terra estranha) e de ter amigos envolvidos no mundo do crime (uma consequência óbvia de viver numa má vizinhança). Todas situações menos graves do que o direito de fuga enunciado pelo Ministro Marco Aurélio do STF.

Parte do noticiário marrom acusa a camareira de ser uma prostituta e de ter feito um programa com DSK. É um fato fora de lógica numa análise minimamente equilibrada, dado o controle taylorista de produtividade no trabalho a que são submetidos empregados em funções manuais em qualquer grande corporação nos Estados Unidos. Nunca haveria espaço para uma camareira de uma cadeia de hotéis fazer um “intervalo” no seu trabalho para agir dessa maneira. Qualquer supervisor minimamente competente detectaria essa situação. Esse tipo de acusação é mais uma evidência de que houve violência do que um prova de inocência do acusado, tanto é assim que essa linha de raciocínio não foi utilizada nos canais oficiais, apenas nas declarações anônimas à imprensa.

A carta da promotoria não cita, mas a camareira também é “acusada” de ter cedido sua conta bancária para movimentações num total de “cem mil dólares” num período de dois anos. E, ainda, de ter ligado no dia seguinte à divulgação do caso para um amigo, que se encontrava preso, e dito que tentaria se beneficiar do fato do acusado ser rico. Daria um bom romance de Dostoiévski.

O pente fino sobre a vida da camareira é um claro indício que a equipe de investigação contratada por DSK e liderada pelo seu advogado, Benjamin Brafman, trabalhou duro na busca de indícios para desmoralizar a vítima. A camareira teve seu sigilo bancário e telefônico violados, sua vida privada virada do avesso e seus pequenos desvios escancarados em praça pública. Toda essa situação me lembra dois filmes: O Advogado do Diabo, com Keanu Reeves, e Conduta de Risco, estrelado por George Clooney, além do caso de um certo caseiro…

Eu me pergunto que financista, banqueiro ou político de alto escalão resistiria a uma devassa como essa.

Atualização em 20/07/2011:

Mario Vargas Llosa, o escritor peruano, publicou em 17/07/2011 um artigo no jornal El País, Derecho de pernada, dando sua opinião sobre o caso (aqui traduzido para o português). Conforme ele relata:

Os médicos que examinaram a camareira da Guiné, que denunciou o político francês por tê-la obrigado a praticar sexo oral com ele, detectaram que ela estava com um ligamento do ombro rompido, hematomas na vagina e as meias rasgadas. A polícia, por sua vez, comprovou a existência, tanto na parede quanto no tapete do quarto, de sêmen que a camareira afirma ter cuspido, enojada, logo depois que o suposto autor do crime ejaculou. Esses são fatos objetivos e a Justiça deverá determinar se o sexo oral foi forçado, como ela declara, ou consensual, como diz Strauss-Kahn.

Ou seja, como relatei neste post, a vítima foi alvo de um assassinato de caráter. Mas os fatos estão aí, e eles até agora não foram contestados.

Atualização em 16/08/2011:

O exame médico confirmou o estupro (via Público.es e tvnet).

Veja também:

O fim do caso DSK?

A Comédia do Poder

Por Allan Patrick

Comédia do Poder. Cartaz do filme.

Recentemente faleceu o diretor francês Claude Chabrol e, quando fucei sua filmografia, notei que tinha o DVD de um dos seus filmes e que ainda não havia tido a oportunidade de assistir: A Comédia do Poder. A personagem principal do filme é claramente inspirada na juiza francesa Eva Joly, que foi responsável pela condução da investigação de inúmeros casos de corrupção, inclusive do escândalo da privatização da Elf Aquitaine, a Petrobrás francesa. Deixo aqui bem claro que nutro uma grande admiração por Joly, ao ponto em que adquiri dois exemplares de um mesmo livro seu porque não percebi que eram títulos diferentes da mesma obra, nas edições espanhola e argentina. Quem tiver a oportunidade de ler o seu livro vai compreender muito bem a barra pesada que enfrentaram (e ainda enfrentam) as autoridades que participaram da Operação Satiagraha e perder a ingenuidade de imaginar que essas ocorrências são práticas habituais no Brasil e inusuais no “mundo desenvolvido”.

Voltando ao filme. Foi difícil assisti-lo por inteiro. Jeanne Charmant-Killman, inpirada em Eva Joly, é caracterizada como uma mulher fútil e autoritária. Não se sente qualquer empatia por ela. Os corruptos acusados são representados por personagens tolos, ingênuos e que figuram quase como vítimas do autoritarismo da juiza-personagem, que decide a seu bel prazer – por vezes antes mesmo de ouvir seus depoimentos – prendê-los apenas para atrapalhar o seu estilo de vida. O filme mal dá uma noção dos crimes investigados, tratados sempre de relance, en passant. O filme insinua que o marido da personagem Charmant-Killman tentou se suicidar em função dela ser uma pessoa distante, fria, frígida e workaholic. Além de  ter lhe aplicado um golpe do baú. É a mesma exploração que a imprensa fez em relação a Joly, cujo marido de fato faleceu em decorrência de um suicídio. No mundo real, Joly era uma imigrante pobre oriunda da Noruega (sim, os países nórdicos já foram pobres num passado nem tão distante!) que trabalhou como doméstica na residência da família Joly, estudou, graduou-se em direito, fez carreira na magistratura francesa e casou com o filho da família, Pascal Joly.

Embora o filme seja classificado como uma comédia, não consegui rir em nenhum momento. A impressão que se tem é que a juiza Charmant-Killman é uma ressentida que persegue uma série de homens de sucesso por inveja deles terem amantes mantidas luxuosamente (há diversas referências durante o filme a esse tipo de detalhe). Os atos judiciais, como a coleta de depoimentos, são encenados de forma a parecer quase uma cena de bar ou um achaque por parte da juiza. Mesmo se admitindo que há uma ampla liberdade artística na representação de atos da vida real, a sua exposição é feita quase na forma de um deboche. Será esse o humor que o diretor desejava apresentar?

Só para dar uma noção ao leitor brasileiro da gravidade dos fatos investigados por Eva Joly, a carreira política de Helmut Kohl, o homem tido como um dos principais responsáveis pela reunificação da Alemanha, acabou porque nesse processo se descobriu que parte das comissões e desvios da privatização da Elf foram destinadas ao financiamento de suas campanhas eleitorais. Sim, a corrupção na França respingou na sisuda e “proba” Alemanha.

O filme tem entre seus patrocinadores o Canal+ e o grupo Le Figaro. Não posso deixar de anotar que parte das investigações de Eva Joly revelaram que a mídia também recebia sua parte nas “comissões”pagas nos casos de corrupção apurados. As conclusões eu deixo a critério do leitor.

A França precisa de um Bezerra da Silva

Por Allan Patrick

A França precisa mais de um Bezerra da Silva e menos de um Sarkozy ou de um Le Pen.

Estava lendo no jornal espanhol Público uma matéria sobre o show midiático que Sarkozy está organizando para expulsar ciganos da França (veja aqui). Uma notícia trágica sobre um fato que, se estivesse ocorrendo num Estado pária, seria denominado apropriadamente como “limpeza étnica”. Lá no meio da matéria consta a informação de que, na verdade, o retorno dos ciganos é “voluntário” e não uma expulsão, pois eles estão aderindo a um programa de “Ajuda ao retorno humanitário”, que paga 300 euros por adulto e 100 euros por criança para famílias que queiram retornar aos seus países de origem. Há semelhanças aí com certas prefeituras do Sudeste que, nos períodos em que o Brasil passava por sucessivas crises econômicas, pagavam para que os nordestinos voltassem “para casa”. O jornal ressalta que muitos ciganos aceitam até mesmo de bom grado a passagem de avião, a “ajuda humanitária” e vão passar uma temporada de férias com a família em seus países, retornando à França um ou dois meses depois. Para a direita, esta seria a prova inconteste da indolência desse povo e de seu caráter imoral.

Eu sei que o assunto é trágico, como trágica é também a situação nas nossas favelas, mas me veio à cabeça como a França se beneficiaria de um Bezerra da Silva. Ao cantar com ironia certeira que “malandro é malandro e mané é mané”, debocharia de Sarkozy e exaltaria a esperteza cigana. Porque, diante de tanta estupidez, uma argumentação racional se torna inútil. O deboche se torna o melhor remédio para desmascarar a xenofobia demagógica.