A pior coisa sobre o Brasil

Por Vincent Bevins

Correspondente no Brasil do Los Angeles Times.

Traduzido por Allan Patrick de The worst thing about Brazil – Revisão: aiaiai63. Links acrescentados na tradução.

A desigualdade no Brasil é tão onipresente que as pessoas aqui simplesmente não mais a percebem. Uma inesperada mensagem recebida do exterior me serve como lembrete deste tópico que é tão pouco debatido na sociedade brasileira, na mídia ou mesmo nas eleições. Foto: Tuca Vieira/Folha Imagem.

A desigualdade no Brasil é tão onipresente que as pessoas aqui simplesmente não a percebem mais. Uma inesperada mensagem recebida do exterior me serve como lembrete deste tópico que é tão pouco debatido na sociedade brasileira, na mídia ou mesmo no processo eleitoral. Foto: Tuca Vieira/Folha Imagem.

Eu vivo no Brasil há quatro anos, algo incrível em todos os sentidos, inclusive no fato de que eu já me adaptei à cultura local. Mas há aspectos que me pertubam, também. Mais do que qualquer outra coisa, eu detesto o fato de que me tornei insensível aos chocantes e brutais níveis de desigualdade que se encontram por aqui. Eu me acostumei, como se isso pudesse ser considerado normal.

Aliás, como a maioria dos estrangeiros no Brasil aprende rapidinho, esse é um dos pré-requisitos para se considerar um autêntico brasileiro. O verdadeiro nativo entende que essa desigualdade extrema é um fato da vida e tocar nesse assunto ou cruzar as fronteiras de classe é sinal de mau gosto. A tal ponto que demonstrar muita preocupação por esse assunto – ou desejar conhecer o Brasil mais além das rodinhas de elite – pode ser frequentemente considerado como “coisa de gringo”. Mas, quanto mais eu me vejo como “nativo” no que diz respeito a esse tema, mais desconfortável eu me sinto.

Recentemente, esse assunto voltou a me atingir como um raio quando eu recebi uma mensagem pelo WhatsApp, enviada por um amigo brasileiro visitando o meu país pela primeira vez. Ele escreveu de Nova Iorque:

“Uau, estou realmente impressionado com a igualdade social por aqui. Meus parabéns!”

E prosseguiu: “Os negros são parte da sociedade. Eles não estão excluídos como no Brasil.”

Pra todos os fins, metaforicamente, essas duas mensagens fizeram minha cabeça explodir. Eu nasci e me criei nos Estados Unidos, um país com muitos – muitos e bastante óbvios – problemas, provavelmente até mais que o Brasil, praticamente irrelevantes por aqui. Fora a nossa famosa propensão a bombardear países e matar centenas de milhares de pessoas sem enxergar muito bem qualquer efeito positivo nisso, a injustiça social sempre foi um dos nossos maiores problemas. Temos um dos piores níveis de desigualdade entre as nações mais desenvolvidas do mundo e pra mim é bem claro que enfrentamos um grave problema racial, especialmente no que diz respeito aos nossos concidadãos negros. E ainda por cima, nessa questão da desigualdade, o problema só está piorando, tanto assim que Obama chegou ao ponto de discursar recentemente sobre a necessidade de combater “a perigosa e crescente desigualdade”.

Talvez não sejam todos os brasileiros que enxerguem as coisas tão claras como o meu amigo fez quando foi aos Estados Unidos e à Europa. Mas o fato de que brasileiros tenham a sensação que, entre tantos lugares, logo Nova Iorque seja um paradigma de harmonia social é um lembrete chocante de quão profunda e problemática é a desigualdade no Brasil.

Mas é claro que eu não devia ter ficado surpreso. Quando cheguei aqui, flagrei constantemente aspectos da cultura que me pareciam vindos de outras eras. Duas portas distintas nos apartamentos (uma para a família, outra para os empregados). Jovens de classe média alta que nunca lavaram suas próprias roupas ou seus banheiros (e muito menos trabalharam antes de se formarem na faculdade) e que ocasionalmente deixavam escapar algum comentário racista ou classista – desses que lhe excluiriam permanentemente dos círculos sociais mais polidos em muitos outros lugares do mundo – como se não fosse nada.

Mas tudo isso se tornou normal pra mim, da mesma forma que, eu imagino, há muito tempo é para a maioria dos brasileiros.

Claro, pra mim é muito fácil abordar essa temática do preconceito ostensivo, já que sou um homem branco vindo dos Estados Unidos (ou ainda que fosse da Europa), lugares nos quais boa parte da classe média alta de São Paulo se espelha, mas nos quais ela seria, ironicamente, considerada grosseira, reacionária ou racista – e de péssimo gosto.

Você pode até argumentar, às vezes com razão, que pessoas como eu até se beneficiam desse preconceito, mesmo se não quisermos. Mas os amigos e colegas brasileiros que infelizmente tem feições africanas, indígenas ou são de origem operária, quando levantam esse tema, são silenciados e tratados como bolcheviques ou preguiçosos interesseiros desejosos de se aproveitar do sistema de cotas.

É verdade que o Brasil é um dos poucos países do mundo que melhoraram a distribuição de renda na última década. Mas, na busca da justiça social e do aumento da produtividade econômica, o país ainda tem um longo caminho pela frente. Se você observar, no entanto, como as eleições estão se desenrolando, poderá pensar que o que este país precisa é de algumas reformas tecnocráticas ou de um candidato menos atingido por acusações de corrupção que os outros. Se você prestar atenção à mídia, vai imaginar que os avanços sociais desde 2003 já foram suficientemente revolucionários e assustadores, ou que não há muito o que falar sobre eles. Claro que, se você escolher ao acaso qualquer grande jornal daqui, você vai chegar à conclusão que eles são escritos pela classe média alta branca para a classe média alta branca, e é isso mesmo.

Sobre os “rolezinhos” que ocorreram no início deste ano, houve um debate se o Brasil era uma sociedade ao estilo do “apartheid”. Eu entendo que essa definição não é correta, posto que não há qualquer sanção estatal pra esse tipo de divisão social. Um amigo me sugeriu que temos aqui um sistema de “castas”, o que, acredito, está mais próximo de representar a realidade. Ao ponto de descrever com exatidão a seguinte situação: para um filho ou filha da “classe média”, a ideia de apresentar no almoço de família de domingo um namorado ou namorada cuja origem seja de família operária é algo basicamente desconhecido. De fato, eu já encontrei pessoas das duas classes que me admitiram nunca terem tido uma conversa real e com substância com membros da outra classe.

Mas por que não falamos sobre isso? Porque é muito óbvio.

Governo obriga Receita a tirar grupo de Lina da fiscalização

Folha de S. Paulo –  22/08/2009 – Leonardo Souza – Leandra Peres – Da sucursal de Brasília

Cartaxo avisa subsecretário que não tem como segurá-lo

receitafederalA pouco mais de um ano das eleições, o governo federal decidiu intervir na Receita e mudar o responsável por auditar o recolhimento de impostos das maiores empresas do país.

Numa reunião tensa com a cúpula do órgão, o novo secretário da Receita Federal, Otacílio Cartaxo, avisou o subsecretário de Fiscalização “que não teria como segurá-lo” no cargo devido a pressões do ministro Guido MANTEGA (Fazenda).

Henrique Jorge Freitas é peça central num projeto elaborado pela ex-secretária Lina Vieira, que mudou o foco de ação da Receita: mais preocupada com grandes contribuintes, e não com pessoas físicas e pequenas empresas. Procurados pela Folha, o Ministério da Fazenda e a Receita Federal informaram que não iriam se manifestar.

No primeiro semestre deste ano em São Paulo, por exemplo, a Receita Federal autuou as grandes pessoas jurídicas em R$ 7,7 bilhões -mais do que o dobro no mesmo período do ano passado (R$ 3,1 bilhões).

Outro exemplo foi a ofensiva lançada contra os bancos para retomar uma cobrança de tributos questionada na Justiça estimada em R$ 20 bilhões.

Essa nova postura provocou protestos na iniciativa privada e descontentamento no governo. A Folha apurou que Lina Vieira foi demitida no dia 9 de julho, entre outros motivos, por não ter atendido a uma série de pedidos políticos.

A reunião de cúpula da Receita foi realizada na casa de Cartaxo, em Brasília. Foi convocada com o propósito de comunicar a dispensa dos servidores mais próximos de Lina.

Levante

A discussão avançou a madrugada e resultou num levante, não por causa da substituição dos cargos de confiança, mas pela suspeita de que ela estava sendo usada como pretexto para acobertar mudanças na política de cerco aos grandes contribuintes. Os presentes bateram pé pela permanência de Henrique Freitas. Cartaxo encerrou o encontro com a promessa de que voltaria a falar com o ministro Mantega.

Participaram da reunião outros dois ocupantes de cargos de confiança nomeados por Lina: Alberto Amadei, assessor especial da ex-secretária, e Marcelo Lettieri, coordenador-geral de Estudos. Amadei já foi avisado da exoneração. Lettieri também foi avisado que terá de sair, mas sua demissão ainda não foi consumada.

Tanto Amadei quanto Lettieri foram terça-feira ao Senado para acompanhar o depoimento de Lina, no qual a ex-secretária reafirmou que a ministra Dilma Rousseff (Casa Civil) lhe pediu para agilizar a investigação sobre os negócios da família do senador José Sarney.

Integrantes do Ministério da Fazenda consideraram inapropriada a atitude dos servidores e isso está sendo usado por MANTEGA como argumento para o afastamento dos dois.

Henrique Freitas não foi ao Congresso, porém. Até ontem ele se recusava a comentar à imprensa as declarações de Lina. A ex-secretária citou o funcionário como testemunha de parte de seu relato sobre o encontro com Dilma no Planalto.

A razão mais difundida pelo governo para a demissão de Lina foi uma divergência entre a Receita e a Petrobras sobre uma mudança de regime tributário adotada pela estatal.

Integrantes do governo culpam a ex-secretária, e sobretudo o departamento comandado por Freitas, pela queda na arrecadação verificada neste ano. Os números, contudo, mostram que a arrecadação deste ano se mantém dentro da média de crescimento histórico.

Petrobrás é que abriu o verbo

Folha de S. Paulo – 09/08/2009

Ex-Secretária da Receita Federal afirma que foi o Presidente da estatal quem revelou a senadores a manobra contábil da empresa

Em nota, Sergio Gabrielli nega ter se manifestado sobre a mudança do regime contábil da Petrobras antes da divulgação na imprensa
DA SUCURSAL DE BRASÍLIA
ANDREZA MATAIS E LEONARDO SOUZA

Lina Vieira. Foto: Marcello Casal Jr/ABr

Lina Vieira. Foto: Marcello Casal Jr/ABr

Responsabilizada no governo por não ter conduzido corretamente a polêmica sobre a manobra contábil adotada pela Petrobras para pagar menos impostos, a ex-secretária da Receita Lina Maria Vieira alega que foi a própria estatal que trouxe a público o assunto.

Segundo Lina, nem ela nem o fisco deram informações sobre o artifício, que permitiu à Petrobras deixar de pagar R$ 2,14 bilhões em impostos neste ano e que serviu de estopim para a criação de uma CPI no Senado.

Em entrevista à Folha, Lina disse que foi repreendida pelo líder do PT no Senado, Aloizio Mercadante (SP), que a acusou de ter “cometido um crime” e municiado a oposição com dados sobre a compensação de tributos.

A responsabilidade, segundo ela, foi do presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli. “Em momento algum, da minha boca saiu essa palavra [Petrobras]. Estávamos na comissão de acompanhamento da crise no Senado, e me limitei a mostrar a arrecadação e por que ela tinha caído, pela utilização da compensação. Agora, quem abriu o verbo foi o presidente da Petrobras, quem veio [ao Senado] e falou da mudança do regime foi ele.”

A ex-secretária contou que o ministro Guido MANTEGA (Fazenda) demitiu-a, no dia 9 de julho, dizendo que o episódio da estatal pesou na decisão do Palácio do Planalto.

Mercadante confirmou que conversou com Lina sobre a Petrobras, mas negou que a tenha culpado pela CPI. “Eu disse a ela, e publicamente, que achava um absurdo a discussão pública entre a Receita e a Petrobras porque equivaleria a quebrar o sigilo fiscal da Petrobras em uma matéria que envolvia milhares de empresas que fizeram a mesma opção -utilizar a MP 2.158 de 2001 para amortecer o impacto da desvalorização cambial sobre os seus balanços”, afirmou.

A primeira vez que Gabrielli falou com os senadores sobre a mudança do regime contábil foi em 24 de março, em audiência conjunta das Comissões de Assuntos Econômicos e Infraestrutura. Em 29 de abril, mais de um mês depois, a então secretária participou de um encontro com senadores da comissão de acompanhamento da crise econômica, que ocorreu no gabinete do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE).

Durante a reunião, cujo tema foi a queda na arrecadação e a redução no repasse de receitas da União para os Estados, Tasso perguntou por que as transferências da Cide (tributo sobre a venda de combustíveis) estavam baixas. Segundo Lina, um de seus assessores explicou que isso se devia à compensação de tributos feita por empresas do setor. “O senador perguntou: “Foi a Petrobras?” Dissemos que não poderíamos falar em nome de contribuinte”, contou ela.

Também estavam presentes o presidente da comissão, Francisco Dornelles (PP-RJ), Marco Maciel (DEM-PE) e Mercadante, que saiu antes do final.

Dias depois, disse Lina, Gabrielli voltou ao Senado e mais uma vez falou aos congressistas sobre a mudança do regime fiscal adotado pela empresa. Ele de fato teve uma conversa informal, no dia 14 de maio, organizada por Mercadante em seu gabinete. Participaram do encontro também os tucanos Tasso Jereissati, Arthur Virgílio (AM) e Sérgio Guerra (CE).

Por meio da assessoria de imprensa, Gabrielli diz que não se manifestou sobre a mudança do regime contábil da Petrobras antes da divulgação da questão na imprensa. A fala do dia 24, segundo a assessoria, “se refere à mudança no sistema contábil das empresas brasileiras” e não sobre a mudança contábil da estatal. Mas ao falar do assunto, ele afirmou que a mudança “não foi só com a Petrobras”.

A estatal informou ainda que as empresas brasileiras de capital aberto introduziram mudanças em suas contabilidades já no último trimestre de 2008 para adequá-las às normas que entraram em vigor no dia 1º de janeiro de 2009. Foi sobre essas mudanças a que se referiu Gabrielli no dia 24 de março, diz a nota da assessoria.

Fala de Sérgio Gabrielli em 24 de março de 2009:

“Então, o que aconteceu foi uma conjunção de impactos de mudança cambial (valorização do dólar) no quarto trimestre de 2008, e não foi só com a Petrobras isso. Isso deve ter acontecido com todas as empresas brasileiras que têm ativos no exterior, e que têm grandes estoques (estoques nesse caso, quer dizer mais que estoques de óleo e derivados, e inclui ativos no exterior – empresas). Isso significou, portanto, que tinha que se ajustar o imposto a ser pago (pagamos mais impostos). E isso foi o que aconteceu no último… Não é que houve um pagamento a mais e nós conversamos com a Receita Federal e teve um ajuste de conta. Não é isso. Houve uma mudança decorrente da transição que as empresas brasileiras tiveram no sistema contábil entre 2008 e 2009 (IFRS – International Financial Reporting Standards). E que isso impactou fortemente os resultados do quarto trimestre.” (grifo nosso)

Folha de S. Paulo – 09/08/2009

“Fui a Mantega e reclamei de Senador”

Lina Vieira afirmou que procurou o ministro Guido Mantega, da Fazenda, para dizer que não aceitava a forma como Aloizio Mercadante havia falado com ela sobre a Petrobras.
DA SUCURSAL DE BRASÍLIA

FOLHA – A sra. teve uma conversa dura com Aloizio Mercadante (PT-SP) e com outras pessoas do governo sobre o caso da Petrobras. Como foram essas discussões?

LINA VIEIRA – No final de abril, fomos a uma reunião no Senado. Os senadores queriam entender por que a arrecadação vinha caindo. Mostramos que se devia à queda industrial e a algo que não acontecia, que eram muitas compensações [tributárias]. O senador Tasso [Jereissati, PSDB-CE] perguntou por que o repasse da Cide para os Estados estava tão pequeno. Um assessor meu disse: “Houve compensações [na Cide] de R$ 4 bi e não sei quanto”. Tasso perguntou: “De quem, foi a Petrobras?” Eu disse que não podíamos falar o nome do contribuinte. Dias depois, o presidente da Petrobras foi lá e abriu, falou. Nós não falamos nada.

FOLHA – Mas como foi a conversa com Mercadante?

LINA – No final de maio, fomos ao Senado tratar de questões sobre portos secos. Foi no gabinete do Zambiasi [Sérgio, PTB-RS], lá estava Ideli [Salvatti, PT-SC]. Quando terminou, fomos a Mercadante, pois ele também está envolvido nesse assunto. Foi quando ele disse que eu tinha cometido um crime.

FOLHA – Onde foi a conversa?

LINA – Foi no gabinete dele. Em momento nenhum da minha boca saiu essa palavra [Petrobras].

FOLHA – A sra. tratou do tema da Petrobras com Mantega?

LINA – Eu fui até ele e disse que não aceitava a forma como Mercadante havia falado comigo. Disse que a responsabilidade pela informação ter vindo a público não era nossa.

Para entender o clima de 1964 – parte 2

Golpe de 1964. A pérola é d'O Globo. A Folha foi na mesma linha.

Golpe de 1964. A pérola é d'O Globo. A Folha foi na mesma linha.

Vamos agora à parte 2 desta série “Para entender o clima de 1964” (primeira parte aqui). Recapitulando: o blogueiro Miguel do Rosário fez uma interessante pesquisa na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro e fuçou as manchetes e o conteúdo do noticiário da imprensa no ano de 1964. Vamos ler agora o final do texto de Miguel:

Notas sobre a ditabranda (continuação)

Original publicado em 16/06/2009

Pois bem, faltava apagar a impressão de que a oposição ao governo Goulart se restringia a uma elite retrógrada e diminuta. Começam os preparativos para a MARCHA DA FAMÍLIA COM DEUS PELA LIBERDADE. Essa marcha será fundamental para a deflagração do golpe militar, porque sinaliza, junto à cúpula militar e política que o organizava, que havia uma quantidade considerável de gente, ao menos no Rio e São Paulo, chancelando o discurso midiático-conservador.

Os jornais passam a publicar, diariamente, em letras garrafais, manchetes como: AUMENTAM O NÚMERO DE ADESÕES À MARCHA EM DEFESA DA CONSTITUIÇÃO; ou MAIS DE 300 MUNICÍPIOS DE SÃO PAULO ENVIARÃO ÔNIBUS; e tantas outras. Os governos de SP, Minas e Rio participavam ativamente da organização do evento, cedendo empregados e recursos financeiros.

A Folha divulga ainda um comunicado da FIESP, orientando seus filiados a que liberassem seus empregados durante a tarde do dia da manifestação, e mesmo que fechassem os estabelecimentos.

Depois disso tudo, ocorre a manifestação, com a presença de meio milhão de pessoas (segundo os jornais, o que me faz pensar na metade disso), e daí edições inteiras dos jornais são dedicadas ao evento. Os editorais repetem sempre a mesma ladainha: de que havia sido um evento “espontâneo”. Sim, espontâneo… Os patrões “orientando” a presença de seus empregados na passeata, os jornais convocando a população… Tão espontâneo…

“Aquele mar humano formou-se espontaneamente, pelo natural”.

“E formou-se de súbito, quase por milagre, ao simples apelo de um grupo de mulheres e organizações femininas”.

“Nada de especial, nenhuma preparação psicológica.”

Enquanto isso, Lacerda afirma, na mesma edição, que: “O sr. João Goulart é um fascista a serviço do comunismo”, e “teremos guerra civil no Brasil a continuar a conspiração dos porões do palácio do presidente”.

Por curiosidade, confiram um dos gritos lançados pela multidão, na tal Marcha da Liberdade, segundo reportagem da Folha:

“Basta! Basta! Basta!”

E o jornal, não contente com uma manifestação tão deliciosamente “espontânea”, também incita as Forças Armadas para que restabelecessem a ordem. Publicam isso com todas as letras.

Trecho do editorial da Folha do dia 20 de março de 1964:

“Nossa opinião

O povo mesmo, não um ajuntamento suspeito e longamente preparado, reuniu-se espontaneamente, nas ruas desta cidade para exprimir seu sentimento e sua vontade. Foi uma dura lição para aqueles que necessitam de demorada propaganda, manipulação de cúpulas e tremendos dispositivos de força para concentrar massas humanas.”

A quem o editorial se referia? Claro! Aos trabalhadores e estudantes, cujas manifestações, segundo a Folha, eram “longamente preparadas” e necessitavam obrigar as pessoas a participarem delas através de “tremendos dispositivos de força”.

A Folha noticia que Lacerda se reúne, a portas fechadas, com Ademar de Barros e Magalhães Pinto. Eles realizam “conversas sigilosas”, diz o jornal no dia 26 de março. Uma semana depois, ocorrerá o golpe.

Por fim, uma pérola editorial lida uma semana antes do golpe militar:

“A última moda, entre os que refletem o pensamento do governo federal, é apregoar a necessidade de ‘democratização da imprensa'”.

(…)

Folha de São Paulo, 16 de abril de 1964. Duas semanas após o golpe, o apoio à formação do "novo governo"

Folha de São Paulo, 16 de abril de 1964. Duas semanas após o golpe, o apoio à formação do "novo governo"

Acontece o golpe. No dia seguinte, a Folha de São Paulo reproduz mensagem do governador Ademar de Barros: “o governador Ademar de Barros qualificou de ex-presidente da República ao sr. João Goulart”.

Muitas outras “mensagens” de Ademar de Barros são obedientemente reproduzidas pela Folha. O tal criticismo político da Folha, pelo jeito, nunca ocorreu junto a seus governadores. (…)

Editorial do dia 2 de abril de 1964, dia seguinte ao golpe:

“Não houve rebelião contra as leis, mas uma tomada de posição em favor da lei. Assim se deve enxergar o movimento que empolgou o país (…)”

No dia seguinte, 3 de abril, novo editorial justificando o golpe:

“O Brasil continua

Voltou a nação, felizmente, ao regime de plena legalidade que se achava praticamente suprimida nos últimos tempos do governo do ex-presidente João Goulart”.

Dessa vocês vão gostar. Capa da Folha de São Paulo do dia 3 de abril de 1964:

“Petrobrás sem nenhum comunista: ‘limpeza'”.

O militar indicado para comandar a Petrobrás informa aos jornais que irá realizar uma “limpeza” ideológica na estatal, demitindo sumariamente qualquer pessoa com suspeita de ligações com os “comunistas”.

Os EUA felicitam o novo governo. Um secretário de Estado dos EUA anuncia que “será aumentada a ajuda financeira ao Brasil”.

A Fiesp comunica, pelo jornal, suas congratulações aos vitoriosos do golpe. A Folha noticia que o Brasil terá novas eleições em uma semana; que essas eleições serão “indiretas”; e que haverá um “candidato único”, o Sr.Castello Branco, festejado pelo jornal como excelente nome para chefiar o Brasil. Quanta democracia! Quanta legalidade!

Esta série continua. Aguardem.

Para entender o clima de 1964 – parte 1

Capa da Folha em apoio ao AI-5. Sábado, 14 de abril de 1968.

Capa da Folha em apoio ao AI-5. Sábado, 14 de abril de 1968.

O blogueiro Miguel do Rosário fez uma interessante pesquisa na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro. Fuçou as manchetes e o conteúdo do noticiário da imprensa no ano de 1964. O resultado – um deprimente paralelo entre o passado e a atualidade – mostra porque o termo Partido da Imprensa Golpista (cujo acrônimo pig é a tradução de porco em inglês), criado por Paulo Henrique Amorim, é tão certeiro. Vamos ao texto de Miguel, longo porém necessário:

Notas sobre a ditabranda

Original publicado em 16/06/2009

Conforme já mencionei aqui, há muitos anos frequento a Biblioteca Nacional, que além de abrigar a maior variedade de livros do país, possui uma coleção microfilmada de todos os jornais brasileiros, de todos os tempos. As épocas que mais me interessam pesquisar, naturalmente, são aquelas de grande comoção nacional e por isso tenho fuçado sobretudo os meses de agosto de 1954, e março e abril de 1964.

Esta semana, passei uma tarde pesquisando as edições de março e abril de 1964 do jornal Folha de São Paulo, e topei com editoriais e notícias que, senão me causaram nenhuma surpresa, forneceram-me algumas peças para o quebra-cabeças que venho montando há tempos, tentando compreender um pouco mais a história contemporânea brasileira.

Por que houve um golpe militar no Brasil? Esta é uma questão que não pode, definitivamente, ser respondida com um dar de ombros. (…)

Devemos urgentemente, portanto, incluir nos acontecimentos de 1964 um ator político fundamental. Não se trata de culpar a mídia por tudo. Ao contrário, trata-se de lhe dar o status e o prestígio – para o bem e para o mal – que ela merece. Ela foi, afinal, um dos atores mais importantes da cena política que se descortinava e não se pode representar Othelo sem o personagem Iago. Os jornais eram tão cruciais nos anos 60 porque não havia uma tv relevante, as rádios eram fragmentadas, e não existia internet. A imprensa escrita constituía a grande, e única, tribuna política do país. Quer dizer, a imprensa não era apenas uma tribuna; era um Tribuno; os jornais brasileiros, como aliás seus congêneres em todo o mundo democrático ocidental, tinham opinião própria, muita opinião, sobre os fatos políticos.

Até aí tudo bem. Ocorre que em março de 1964, os jornais brasileiros deixaram de ser meros agentes de opinião (conservadora, católica, colonial, golpista) para se tornarem protagonistas naquele que certamente foi o mais terrível, o mais faccioso, o mais perverso crime jamais perpetrado contra o espírito de união nacional, contra a justiça, contra a democracia, contra a paz, contra a moral, contra nossa inocência e cordialidade, enfim contra todos os valores importantes por trás de uma nação como o Brasil.

Para começar, não éramos uma ditadura como a que existia em Cuba, com Fulgêncio Batista; nem uma autocracia medieval, como havia na Rússia cezarista. O Brasil possuía, em 1964, uma das democracias mais avançadas do mundo; aos trancos e barrancos, vinha se desenvolvendo a um ritmo invejável, a nível cultural, acadêmico, industrial, artístico, educacional, econômico, político. O Brasil havia produzido Guimarães Rosa, Glauber Rocha e Chico Buarque, apenas para citar três símbolos de uma cultura da qual parecia jorrar tanto entusiasmo e genialidade.

A academia brasileira vinha experimentando, por sua vez, um grande momento. O estereótipo do estudante sessentista, visto como baderneiro revolucionário e maconheiro, é injusto e preconceituoso. Tínhamos jovens estudiosos e politizados. O “engajamento” político dos anos 60 era autêntico, generoso, verdadeiro, criativo. O jovem que hoje participa de “micaretas”, lá atrás, estudava Marcuse, Nietszche e escutava Ismael Silva.

Quando abordamos o golpe militar, portanto, esse ato de barbárie que violentou um momento histórico tão importante, tão delicadamente belo e poderoso, é preciso analisar, atentamente, esse contexto.

(…)

Desde o final da II Guerra, quando a guerra fria ganha força no mundo, as notícias internacionais que chegam às redações brasileiras são publicadas com todos os filtros ideológicos impostos por Washington. O golpe de Estado contra Árbenz, na Guatemala, em 1954, por exemplo, assume ares de legalidade. A mesma coisa vale para a derrubada do regime democrático em Cuba, por Fulgêncio Batista.

A leitura da Folha de 1964 esclareceu um ponto para mim. As três personagens políticas mais importantes para a preparação e realização do golpe de Estado foram os governadores de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais: respectivamente, Ademar de Barros, Carlos Lacerda e Magalhães Pinto. Ademar entrava com dinheiro, Lacerda com um discurso incendiário e terrorista, Magalhães com os tanques de guerra.

A Folha reproduzia o terrorismo lacerdiano com uma placidez cúmplice apenas comparável à tolerância e pusilanimidade com que a Europa deixou Hitler crescer e rearmar a Alemanha. Infelizmente, os microfilmes da Biblioteca Nacional não estão digitalizados, o que permitiria uma reprodução fácil na internet. Mas eu fiz algumas anotações. O mais impressionante, de longe, é o discurso de Carlos Lacerda, muito parecido ao terrorismo esquizóide e delirante de um Olavo de Carvalho.

Lendo a Folha (eu já li também o Globo e o Correio da Manhã de 1964), pode-se constatar que o plano dos golpistas consistia nos seguintes pontos:

1) Associar o governo ao comunismo e à ilegalidade.
2) Causar a impressão de perigo imediato para as instituições.
3) Criar a impressão de que eles, a oposição conservadora, tinham imenso apoio popular.

As eleições presidenciais aconteceriam em 1965. Goulart e todos os seus aliados não faziam a menor menção de mudar isso. Nem lhes interessariam mudar. Lacerda, no entanto, lançava diariamente a suspeita de que as eleições não ocorreriam e que Goulart tentaria se “perpetuar no poder”. Lacerda pinta uma imagem cada vez mais diabólica do presidente Goulart, como se ele fosse um perigossíssimo comunista russo infiltrado no governo para derrubar a democracia brasileira. Aliás, quando o golpe ocorre, os jornais divulgam a seguinte afirmação de Lacerda: “A ditadura russa foi derrubada!” Podem rir.

Vejam o que Lacerda afirmava que Goulart faria nos próximos meses. A citação é textual (inclusive com itens numerados):

“1) Substituirá a Constituição por outra.
2) Dissolverá o Congresso Nacional.
3) Fará plesbicitos autoritários [essa é boa, héin?! Plebiscitos autoritários! Podiam ter ensinado essa ao Stálin, héin?]
4) Associação crescente entre comunismo e negocismo [!!!!!!!!!!! Não me perguntem o que é isso!]
5) Desmoralização das forças armadas.
6) Transformação do presidente em caudilho. Não haverá mais eleições.
7) Destruição da livre-iniciativa e sua substituição por um dirigismo incompetente e desvairado, logo substituído pelo controle totalitário de todas as atividades nacionais, inclusive o controle das consciências.”

A imprensa publicou esses tópicos sem permitir nenhuma resposta “do outro lado”, e, o pior, sem criticá-los; ao contrário, chancelava-os em seus editoriais, conforme se verá logo a seguir. Detalhe: o governo vinha negando veementemente esse tipo de acusação. Mas como negar “boatos” sem base nenhuma na realidade? Lacerda nem ninguém apresentava qualquer prova de suas acusações insanas. Mas pra que provas, quando se tem apoio midiático?

Esta série continua na parte 2.