Espanha, futebol e crise econômica

Por Allan Patrick

Rodrigo Rato embolsou 1,2 milhão de euro mesmo após a intervenção no banco que dirigia.

Em junho de 2009, com a crise econômica já bem avançada, a Caja Madrid, controlada pelo governo regional de Madrid, sob administração do Partido Popular (PP), emprestou conjuntamente com o Santander, 150 milhões de euros ao Real Madrid para a aquisição dos passes dos jogadores Ronaldo e Kaká.

Qualquer esperança de lógica econômica nas ações da Caja Madrid se dissipou esta semana, quando o Bankia, resultado da fusão da Caja Madrid com outras caixas espanholas em 2010, foi alvo de uma intervenção pelo Banco Central local. Para evitar sua quebra receberá uma injeção de recursos entre 7 e 10 bilhões de euros (ao câmbio de hoje, entre 17 e 25 bilhões de reais) do combalido governo espanhol.

Numa demonstração de qual é a diferença entre o discurso e a prática no conservador Partido Popular, Rodrigo Rato, até então presidente da instituição bancária, receberá 1,2 milhão de euros de indenização pela demissão. Rodrigo, quando foi Ministro da Economia na primeira metade da década passada, defendeu, em sintonia com o governo do qual fazia parte, uma reforma trabalhista que reduziu o custo de demitir trabalhadores. (No passado mês de fevereiro, de volta ao poder, o PP aprovou nova reforma para reduzir ainda mais esse custo).

Veja também:

O Banco Santander e o Brasil.
O segundo tempo da crise econômica mundial.

Flexibilidade trabalhista e desemprego

Roger Agnelli

Roger Agnelli

Por Allan Patrick

Estamos acostumados a ler, ouvir ou ver na TV o mantra de que é preciso “flexibilizar” os direitos trabalhistas para aumentar o nível de emprego. Inclusive, Roger Agnelli, Presidente da Vale do Rio Doce, declarou que esse tipo de medida ajudaria a ganhar tempo contra a atual crise econômica e financeira.

Normalmente, costuma-se utilizar como principal exemplo da vantagem da flexibilização trabalhista a menor taxa de desemprego nos Estados Unidos em relação à “inflexível” Europa. Numa matéria do  Financial Times traduzida e publicada pelo Valor Econômico, discretamente em meio a um longo texto, surgem algumas evidências em contrário:

Hoje, ser francês poderia não ser tão desfavorável. A taxa de desemprego na França (embora já elevada) subiu apenas um ponto percentual, para 9,3%, desde 2007. Na Alemanha, a taxa, na realidade, caiu de 8,4% para 7,7%.

Robert Reich

Robert Reich

“O mercado de trabalho americano é extraordinariamente flexível, [o que] em tempos normais é uma grande vantagem”, diz Robert Reich, que foi secretário do Trabalho do presidente Bill Clinton. “Quando temos um declínio econômico como este, essa mesma flexibilidade pode ser um grande empecilho.” As empresas nos dois lados do Atlântico apressaram-se em reduzir custos assim que a demanda esfriou, mas os empregadores americanos têm o denominado direito de demitir pessoas “à vontade” – a qualquer momento e por qualquer razão.

Quando o pânico varreu o país em 2008, as companhias valeram-se desse direito para enxugar suas folhas de pagamento, que constituem cerca de 70% dos custos da maioria das companhias. Economistas viram, horrorizados, a escalada da eliminação de empregos: 380 mil em outubro, 597 mil em novembro, 681 mil em dezembro.

Além de perderem mais empregos, há ainda um agravante para os norteamericanos:

Diferente dos europeus, muitos americanos que perderam seus empregos descobriram não ter como compensar a perda de sua renda. O seguro-desemprego estatal, que cobre aproximadamente um terço do salário, geralmente exige que a pessoa tenha trabalhado em tempo integral durante pelo menos um ano em seu último emprego. Mais da metade dos desempregados não conquistou esse direito.

Textos relacionados:

Relações de trabalho na China.

Gravidez, discriminação e a efetiva tutela jurisdicional.

A Vale e o valor.