Biutiful

Por Allan Patrick

Cartaz para o cinema de Biutiful

Finalmente tive a oportunidade de ver Biutiful no cinema, neste fim de semana. Como todos os filmes do mexicano Alejandro González Iñárritu que tive a oportunidade de ver, tem uma narrativa social muito forte e personagens e histórias construídas a partir dos que estão à “margem” do mundo, de forma muito intensa e real. Sinto-me tão desconfortável vendo seus filmes quanto lendo uma obra de Dostoiévski, Émile Zola ou Victor Hugo.

Mas, para citar mais uma vez Ortega y Gasset, “Eu sou eu e minhas circunstâncias“, o que me tocou pessoalmente em relação ao filme foi que fiz, como turista, uma viagem a Madri no final de 2008 e, apesar de me concentrar nas amenidades que agradam um viajante, não pude deixar de notar diversas disfunções sociais que o filme relata com muita precisão. Imaginei que o filme tivesse sido planejado no pós-crise, mas em realidade ele começou a ser rodado exatamente no mesmo período em que estive na Espanha, momento em que o país mal havia entrado na ressaca do estouro da bolha imobiliária e ainda surfava o fim da onda da euforia desfrutada desde a adesão ao euro.

Três episódios que me marcaram nessa viagem foram testemunhar o covarde abuso verbal de um membro da polícia nacional em relação a um imigrante africano (tanto destempero policial, no Brasil, eu só testemunhei em São Paulo), a tentativa de duas crianças de me aplicarem um golpe num caixa eletrônico e a abordagem agressiva de um agenciador de garotas de programa. Todos esses fatos ocorridos na Gran Vía, a principal avenida de Madri. (O filme se passa em Barcelona, mas para o assunto que estamos tratando, sinto dizer, não há diferença, para além do bairrismo, entre catalães e madrilenhos).

Mídia

Não pude deixar de notar, ao pesquisar para escrever este texto, que o jornal espanhol Público, que se posiciona mercadologicamente como progressista e de esquerda, publicou à época do lançamento do filme uma resenha em que acusa a obra de fazer “exploração da miséria“. Surpreendente, não fosse pelo fato de que o jornal pertence ao Mediapro, conglomerado de mídia catalão interessado em vender uma outra imagem de Barcelona (Vicky Cristina Barcelona, de Woody Allen, foi produzido pelo Mediapro).

A Comédia do Poder

Por Allan Patrick

Comédia do Poder. Cartaz do filme.

Recentemente faleceu o diretor francês Claude Chabrol e, quando fucei sua filmografia, notei que tinha o DVD de um dos seus filmes e que ainda não havia tido a oportunidade de assistir: A Comédia do Poder. A personagem principal do filme é claramente inspirada na juiza francesa Eva Joly, que foi responsável pela condução da investigação de inúmeros casos de corrupção, inclusive do escândalo da privatização da Elf Aquitaine, a Petrobrás francesa. Deixo aqui bem claro que nutro uma grande admiração por Joly, ao ponto em que adquiri dois exemplares de um mesmo livro seu porque não percebi que eram títulos diferentes da mesma obra, nas edições espanhola e argentina. Quem tiver a oportunidade de ler o seu livro vai compreender muito bem a barra pesada que enfrentaram (e ainda enfrentam) as autoridades que participaram da Operação Satiagraha e perder a ingenuidade de imaginar que essas ocorrências são práticas habituais no Brasil e inusuais no “mundo desenvolvido”.

Voltando ao filme. Foi difícil assisti-lo por inteiro. Jeanne Charmant-Killman, inpirada em Eva Joly, é caracterizada como uma mulher fútil e autoritária. Não se sente qualquer empatia por ela. Os corruptos acusados são representados por personagens tolos, ingênuos e que figuram quase como vítimas do autoritarismo da juiza-personagem, que decide a seu bel prazer – por vezes antes mesmo de ouvir seus depoimentos – prendê-los apenas para atrapalhar o seu estilo de vida. O filme mal dá uma noção dos crimes investigados, tratados sempre de relance, en passant. O filme insinua que o marido da personagem Charmant-Killman tentou se suicidar em função dela ser uma pessoa distante, fria, frígida e workaholic. Além de  ter lhe aplicado um golpe do baú. É a mesma exploração que a imprensa fez em relação a Joly, cujo marido de fato faleceu em decorrência de um suicídio. No mundo real, Joly era uma imigrante pobre oriunda da Noruega (sim, os países nórdicos já foram pobres num passado nem tão distante!) que trabalhou como doméstica na residência da família Joly, estudou, graduou-se em direito, fez carreira na magistratura francesa e casou com o filho da família, Pascal Joly.

Embora o filme seja classificado como uma comédia, não consegui rir em nenhum momento. A impressão que se tem é que a juiza Charmant-Killman é uma ressentida que persegue uma série de homens de sucesso por inveja deles terem amantes mantidas luxuosamente (há diversas referências durante o filme a esse tipo de detalhe). Os atos judiciais, como a coleta de depoimentos, são encenados de forma a parecer quase uma cena de bar ou um achaque por parte da juiza. Mesmo se admitindo que há uma ampla liberdade artística na representação de atos da vida real, a sua exposição é feita quase na forma de um deboche. Será esse o humor que o diretor desejava apresentar?

Só para dar uma noção ao leitor brasileiro da gravidade dos fatos investigados por Eva Joly, a carreira política de Helmut Kohl, o homem tido como um dos principais responsáveis pela reunificação da Alemanha, acabou porque nesse processo se descobriu que parte das comissões e desvios da privatização da Elf foram destinadas ao financiamento de suas campanhas eleitorais. Sim, a corrupção na França respingou na sisuda e “proba” Alemanha.

O filme tem entre seus patrocinadores o Canal+ e o grupo Le Figaro. Não posso deixar de anotar que parte das investigações de Eva Joly revelaram que a mídia também recebia sua parte nas “comissões”pagas nos casos de corrupção apurados. As conclusões eu deixo a critério do leitor.

Capitalismo, uma história de amor

Capitalismo: uma história de amor. De Michael Moore.

Por Allan Patrick

Acabei de ver o último filme de Michael Moore, Capitalism: A Love Story. Incisivo como suas obras anteriores, me prendeu do começo ao fim. Além de abordar Wall Street com a mesma técnica que adotou ao tratar das empresas de seguro saúde americanas em Sicko, Moore coloca na tela várias histórias que já são conhecidas de quem teve a oportunidade de ler suas obras. Os relatos de pilotos de companhias aéreas americanas que tem salários tão pequenos que precisam se registrar no programa de food stamps (o bolsa família americano; horror, quer dizer que há um bolsa família nos Estados Unidos??) já estavam presentes em Cara, cadê o meu país? Mas desta vez não é apenas George Bush o único político a dar vexame. O Senador democrata Christopher Dodd é mostrado embolsando, de forma legal mas imoral, US$ 1 milhão em empréstimos graciosamente subsidiados pela Countrywide (atualmente incorporada ao Bank of America). E depois a turma do complexo de vira-latas vem dizer que nós é que somos um povo corrupto. A propósito, o mês passado eu tinha visto a notícia de que esse Senador não seria candidato à reeleição, mas a matéria não dizia o porque. Pois é, agora fiquei sabendo que o filme de Michael Moore foi a pá de cal nas pretensões do Senador. Recomendo fortemente o filme que, por enquanto e tragicamente, não foi lançado no Brasil, estando disponível apenas em DVD no exterior (na Amazon, por exemplo).

Orgasmo S.A.

Orgasmo S.A. (Orgasm Inc. no original) é um curioso documentário sobre a indústria farmacêutica. Inicialmente, a cineasta Liz Canner aceitou a tarefa de editar vídeos eróticos a serem utilizados num processo de análise duma droga produzida por uma indústria farmacêutica.

Seu empregador está desenvolvendo o que espera ser a primeira droga “viagra” para mulheres a ser aprovada pela FDA (a Anvisa dos Estados Unidos) com o objetivo de tratar uma nova doença: a Disfunção Sexual Feminina (FSD na sigla em inglês). Liz obteve permissão da empresa para filmar seu próprio documentário. Inicialmente, ela planejava fazer um filme sobre ciência e o prazer, mas ela logo passa a suspeitar que seu empregador, aliado a um conjunto de outras empresas do ramo farmacêutico, poderia estar tentando tirar vantagem das mulheres (e potencialmente pondo em risco sua saúde) em busca de lucros bilionários.

Residentes no Canadá podem ver o documentário na íntegra na página da CBC.ca.

Olhos Azuis

Esse é o título de um documentário sobre um seminário cuja temática é o racismo. A autora e condutora do seminário é Jane Elliott, ex-professora do primário em uma cidade de 800 habitantes no interior do estado norteamericano de Iowa.

O curioso é que por estes dias, ao mesmo tempo em que descobri esse documentário, um amigo que passou um ano na Flórida fazendo seu pós-doutorado me narrou uma situação incômoda pela qual ele passou. Estava na fila de uma lanchonete de fast-food e foi atendido, muito mal, por uma funcionária negra. Após pagar pelo seu pedido, notou que o próximo cliente na fila era negro e foi atendido maravilhosamente bem. Desabafou sua insatisfação com a situação. No entanto, pedi para ele assistir o filme e refletir sobre a questão.

O documentário costumava ser exibido no canal GNT e pode ser encontrado no youtube. Este é o seu início:

O exercício de Elliott foi desenvolvido quando dava aulas para a terceira série e foi resultado do assassinato de Martin Luther King. Na noite de 4 de abril de 1968, Jane Elliott sintonizou sua televisão para se informar sobre o assassinato. Uma cena que ela se lembra vividamente é a de um repórter, com o microfone apontado para um líder negro local, perguntando “Quando o nosso líder (John F. Kennedy) foi morto há alguns anos sua viúva nos mateve unidos. Quem controlará o seu povo?” Ela lembra o estranhamento que aquilo lhe causou. “Afinal, John F. Kennedy não era o presidente de todos os americanos, inclusive os negros?” Não deveriam os brancos americanos estar indignados também com a morte de King? Foi ali, na sua sala de estar que ela decidiu combinar uma aula que havia planejado sobre índios americanos com a lição sobre King para a série “O herói do mês” de fevereiro. Ela iria usar como norte para a experiência o provérbio “Oh Deus, não me permita julgar um homem até que eu ande um quilômetro com os seus sapatos.”

crianças1

Foto por Anthere.

Steven Armstrong foi a primeira criança a chegar à sala de aula de Elliot, no dia seguinte, pedindo informações sobre o assassinato de King no dia anterior. Depois que o resto da turma chegou, Elliot perguntou o que eles sabiam sobre negros. As crianças responderam com vários estereótipos raciais, como “negros eram preguiçosos”, “negros eram mudos” ou “não conseguiam se manter nos empregos”. Ela então perguntou a estas crianças se elas gostariam de descobrir como era para ser uma criança negra e elas concordaram.

Nesse dia, uma terça-feira, ela decidiu fazer o grupo das crianças de olhos azuis superior ao outro, dando-lhes alguns privilégios, como o direito de repetir a refeição no almoço, acesso ao novo salão de ginástica e cinco minutos extras no recreio. Ela não permitiu que as crianças de olhos azuis e castanhos bebessem água no mesmo lugar. Ela se pôs a elogiar as crianças de olhos azuis por serem trabalhadoras e inteligentes. Os castanhos, por outro lado, foram desmotivados. Ela até fez essas crianças usarem fitas em torno de seus pescoços.

Foto por Christiaan Briggs.

Foto por Christiaan Briggs.

Inicialmente, houve resistência entre as crianças à idéia de que as de olhos castanhos não eram iguais às de olhos azuis. Para reverter essa situação, ela usou uma pseudo-explicação científica, afirmando que a melanina era responsável pela coloração dos olhos castanhos e que sua presença esteva associada à pouca inteligência e à preguiça. Em pouco tempo, a resistência inicial arrefeceu. Aqueles que foram considerados como “superiores” se tornaram arrogantes, autoritários e desagradáveis para os seus colegas de classe “inferiores”. Suas notas também melhoraram, e foram capazes de fazer exercícios de matemática e ler textos que antes pareciam estar além de sua capacidade. Os colegas “inferiores” também se transformaram: em crianças tímidas e subservientes, mesmo aquelas que tinham sido anteriormente dominantes na classe. Seu desempenho acadêmico tornou-se sofrível, mesmo com as tarefas simples de antes.

No dia seguinte, Elliott inverteu o exercício, tornando as crianças de olhos castanhos superiores. Embora essas crianças tenham mal-tratado os de olhos azuis de forma semelhante ao que havia ocorrido no dia anterior, Elliott relatou que a intensidade era muito menor. Às 14:30 dessa quarta-feira, Elliott disse às crianças de olhos azuis que retirassem seus colares e as crianças choraram e se abraçaram. Para refletir sobre o ocorrido, ela incentivou as crianças a escreverem cartas sobre a experiência a Coretta Scott King.

Fonte: Artigo sobre Jane Elliott na wikipédia.

Textos relacionados:

Racismo e política de cotas.