Espanha, futebol e crise econômica

Por Allan Patrick

Rodrigo Rato embolsou 1,2 milhão de euro mesmo após a intervenção no banco que dirigia.

Em junho de 2009, com a crise econômica já bem avançada, a Caja Madrid, controlada pelo governo regional de Madrid, sob administração do Partido Popular (PP), emprestou conjuntamente com o Santander, 150 milhões de euros ao Real Madrid para a aquisição dos passes dos jogadores Ronaldo e Kaká.

Qualquer esperança de lógica econômica nas ações da Caja Madrid se dissipou esta semana, quando o Bankia, resultado da fusão da Caja Madrid com outras caixas espanholas em 2010, foi alvo de uma intervenção pelo Banco Central local. Para evitar sua quebra receberá uma injeção de recursos entre 7 e 10 bilhões de euros (ao câmbio de hoje, entre 17 e 25 bilhões de reais) do combalido governo espanhol.

Numa demonstração de qual é a diferença entre o discurso e a prática no conservador Partido Popular, Rodrigo Rato, até então presidente da instituição bancária, receberá 1,2 milhão de euros de indenização pela demissão. Rodrigo, quando foi Ministro da Economia na primeira metade da década passada, defendeu, em sintonia com o governo do qual fazia parte, uma reforma trabalhista que reduziu o custo de demitir trabalhadores. (No passado mês de fevereiro, de volta ao poder, o PP aprovou nova reforma para reduzir ainda mais esse custo).

Veja também:

O Banco Santander e o Brasil.
O segundo tempo da crise econômica mundial.

O Banco Santander e o Brasil

Por Allan Patrick

Na edição da revista The Economist publicada duas semanas depois que escrevi o texto “O segundo tempo da crise econômica mundial”, no qual citei as dificuldades do Banco Santander em passar adiante (securitizar) dívidas dos entes públicos regionais da Espanha, esse mesmo banco publicou um anúncio de página inteira, indicando a origem dos seus lucros no primeiro trimestre de 2011 (Q1 2011, na gíria do mercado).

Obviamente, o anúncio não foi uma resposta ao meu texto. Mas se eu, um simples blogueiro, fiz aquela leitura, com os dados disponíveis na imprensa, certamente centenas de analistas do mercado financeiro também fizeram. Essa sim foi a motivação para a publicação do anúncio, que vocês podem ver abaixo:

Distribuição geográfica dos lucros do Banco Santander Q1 2011. Fonte: The Economist, 09/jul/2011.

O maior banco da zona do euro faz questão de alardear que 25% dos seus lucros – a maior parcela – vem do Brasil. Um bom – e mau – sinal de como anda nossa economia.

Veja também:

O segundo tempo da crise econômica mundial.

O segundo tempo da crise econômica mundial

Por Allan Patrick

Protestos na Grécia. Foto: Wikipédia.

Tudo indica que se aproxima o segundo tempo da crise econômica mundial. Mas antes de falar sobre isso, vamos fazer uma breve recapitulação da fase aguda da crise em 2008. Quem teve a oportunidade de ver um filme como Inside Job ou ler algum livro sobre o assunto já deve estar a par de como os eventos se sucederam.

De início tinhamos uma bolha imobiliária no mercado americano, alimentada pelo sistema financeiro. Até os anos 1990, os bancos estavam submetidos a intensa regulamentação, o que – simplificando bastante – lhes impedia de agir tão temerariamente como fizeram na primeira década deste século XXI. Como funcionava essa bolha? As imobiliárias vendiam imóveis agressivamente, oferecendo condições extremamente atrativas de financiamento (e sem consulta ao “SPC e Serasa”!) a qualquer um, inclusive pessoas em situação financeira precária. Os beneficiários desses empréstimos eram conhecidos no mercado como ninjas (do inglês No Income, No Job, No Asset, ou sem renda, emprego ou bens).

Mas por que os bancos não se recusavam a financiar esses compradores que as imobiliárias displicentemente lhes encaminhavam? Por duas razões principais: a primeira é que o mercado imobiliário estava em alta. Portanto, se o banco empresta US$ 250 mil e um ano depois o cliente está inadimplente, toma a casa de volta e torna a vendê-la no mercado… agora por US$ 300 mil. Portanto, eram empréstimos com boas garantias (desde que o mercado imobiliário continuasse em ascensão).

A segunda razão para a despreocupação dos bancos era o fato de que eles não mantinham esses empréstimos em suas carteiras. Eles eram “empacotados” em fundos de investimento, avaliados por empresas de análise de risco (rating), e oferecidos ao mercado, que os adquiria. Esses fundos eram chamados de subprime porque se sabia que os tomadores dos empréstimos que constituiam os ativos desses fundos não eram pagadores de “primeira linha”.

Quando a música parou de tocar, ou seja, quando os imóveis alcançaram seu teto de valor, e o mercado começou a “perceber” a fragilidade do esquema, o banco de investimentos Lehman Brothers quebrou, porque tinha uma grande quantidade de fundos de investimento subprime em sua carteira que ainda não havia conseguido revender no mercado. Com a quebra do Lehman Brothers, no mercado financeiro todo mundo começou a desconfiar de todo mundo e ninguém emprestava a mais ninguém, dando o pontapé inicial à crise de 2008.

Muita gente se deu mal diretamente, como bancos europeus, que haviam adquirido grandes quantidades de quotas dos fundos subprime. A AIG, empresa seguradora, faliu estrepitosamente, pois vários bancos, por precaução, ao adquirirem quotas de fundos subprime, faziam seguros (tecnicamente, derivativos conhecidos como credit default swaps ou CDS) para se garantirem no caso dos fundos quebrarem, o que, de fato, veio a ocorrer. Não só os bancos que queriam se proteger pagaram por CDS junto à AIG, mas também especuladores que começaram a perceber que o castelo de cartas estava prestes a ruir. A AIG, ávida pelo lucro “fácil”, já que os fundos subprime tinham boas notas acreditadas pelas agências de risco, não se constrangeu e comprou “risco” em grandes quantidades. O salvamento da AIG pelo governo americano talvez tenha sido o evento singular na história da humanidade em que mais se transferiu dinheiro (US$ 55 bi) da coletividade (300 milhões de contribuintes americanos) para umas poucas centenas de indivíduos e corporações.

2011

E aí chegamos em 2011. Uma das consequências da crise de 2008 foi que todos os esquemas temerários do mercado financeiro ficaram vulneráveis, porque todos os agentes passaram a analisar com lupa o que acontecia. Desta forma, foram pegos com as calças na mão os bancos islandeses e irlandeses, envolvidos em suas próprias bolhas especulativas. Devedores temerários, como o governo grego, e quem teve que gastar muito dinheiro público para segurar o seu mercado bancário, como Irlanda, Portugal e Espanha, também passaram a sofrer um maior escrutínio em seus débitos.

A Grécia, que já era uma grande devedora, teve que adotar, sob pressão da União Europeia, uma agenda econômica recessiva, o que fez o seu PIB recuar e, portanto, o valor da sua dívida pública, em termos de % sobre o PIB, disparar. O que seria um problema da Grécia, na verdade é um problema alemão e francês, porque tal como o Lehman Brothers em 2008, os grandes bancos desses dois países estão carregados de títulos da dívida pública grega e, possivelmente, também de títulos de empresas privadas desse país. A quebra grega afetaria de forma imprevisível os dois gigantes da União Europeia. Até o momento a dívida grega vem sendo rolada, pois não é do interesse de ninguém que a música “pare” novamente, mas esse movimento não é indefinido. Um sintoma de que a situação pode estar se agravando é a notícia publicada no Wall Street Journal na semana passada indicando que o Santander não conseguiu passar adiante quotas de um fundo de investimento no qual havia empacotado títulos da dívida pública de governos regionais da Espanha. Ou seja, ficou com o pepino na sua própria carteira de crédito. Parece que a música vai parar de tocar…

Consequências

Na melhor hipótese, teremos uma repetição dos acontecimentos de 2008. Em tese, poderia ocorrer uma nova disparada temporária do dólar no Brasil, pois investidores afetados pela crise tentariam fazer caixa vendendo ativos no país. De um modo geral, a situação econômica no mundo seria bem pior do que em 2008, pois estaríamos falando de uma queda dentro da queda… um cenário temerário.

Mas, também hipoteticamente, o Brasil pode vir a passar mais uma vez incólume por esse segundo tempo da crise. Tudo vai depender da China. Paradoxalmente, por esse país ainda se concentrar, de um modo geral, na produção de itens de baixo custo, talvez sua economia não seja tão afetada por uma recaída europeia e americana.

Veja também

Como a crise atual (2008) se compara com a de 1929?
Europa: um desastre da Grécia à Letônia.
O Banco do Brasil salvou o país da crise.
– Tudo o que publicamos sobre a crise financeira.

Europa: um desastre da Grécia à Letônia

Crise na Zona do Euro: o caminho da servidão, da Grécia a Letônia

A maioria dos meios de comunicação bate o pé na gravidade das dificuldades que a Grécia atravessa (e também Espanha, Irlanda e Portugal) no contexto europeu. Eles apenas fazem eco da crise muito mais severa, devastadora e potencialmente letal que assola as economias pós-soviéticas vinculadas ao plano de integração na Zona do Euro. Não há dúvida de que esse silêncio se deve a que, aquilo por que esses países vem passando constitui uma prova sumária do horror destrutivo do neoliberalismo. A análise é de Michael Hudson e Jeffrey Sommers.

Por Michael Hudson e Jeffrey Sommers. Tradução: Katarina Peixoto (com modificações). Original no Counterpunch.

A maioria dos meios de comunicação bate o pé na gravidade das dificuldades que a Grécia atravessa (e também Espanha, Irlanda e Portugal) no contexto europeu. Eles apenas fazem eco da crise muito mais severa, devastadora e potencialmente letal que assola as economias pós-soviéticas vinculadas ao plano de integração na Zona do Euro.

Não há dúvida de que esse silêncio se deve a que, aquilo por que esses países vem passando constitui uma prova sumária do horror destrutivo do neoliberalismo. O mesmo horror da política européia, que consiste em tratar esses países de forma bem diferente da prometida, não os ajudando a se desenvolverem em termos europeus ocidentais, masa os tratando como áreas meramente prontas a serem colonizadas como mercados financeiros e de exportação, destituindo-lhes de suas mais-valias econômicas, de sua mão de obra qualificada – e praticamente de toda sua força laboral em idade de trabalhar -, de seus bens imóveis e de prédios, e de qualquer outra coisa herdada da era soviética.

Localização da Letônia na União Europeia.

A Letônia vem passando por uma das piores crises econômicas ocorridas em todo o mundo. E não se trata somente de uma questão econômica, mas também demográfica. A diminuição brusca de seu Produto Interno Bruto (PIB), em 25,5% nos dois últimos anos (quase 20% só no último) já constitui a pior queda bianual de que se tem registro. as previsões mais otimistas do Fundo Monetário Internacional (FMI) antecipam uma queda adicional de 4%, a qual faria com que o afundamento da economia letã superasse em cifras as da Grande Depressão dos Estados Unidos. E as más notícias não acabam aí. O FMI prevê que, em 2009, houve um déficit total na conta de capital e financeira de 420 bilhões de euros, aos quais acrescentaram-se mais 150 bilhões (9% do PIB) em 2010.

Além disso, o setor público letão acumula dívida rapidamente. A Letônia passou a ter uma dívida que, em 2007, representava 7,9% do PIB, com uma projeção para este ano de cerca de 74%. A previsão indica que, no melhor cenário possível, se estabilizaria em 89% em 2014. Isto poria o país muito longe dos requisitos impostos pelo Tratado de Maastricht sobre os limites da dívida pública para poder fazer parte da Zona do Euro. Por isso, conseguir entrar na Zona do Euro tem sido o principal pretexto utilizado pelo Banco Central da Letônia para justificar as dolorosas medidas de austeridade que permitam estabilizar o valor da moeda. Para manter o valor da moeda tem-se destinado quantidades imensas de reservas monetárias que poderiam ser investidas na economia do país.

Mesmo assim, ninguém nos países ocidentais parece estar se perguntando o que pode ter provocado a quebra da Letônia, que se estende ao resto das economias bálticas e a outras áreas pós-soviéticas, sendo o caso mais extremo o letão. Agora que faz quase vinte anos de sua liberação da velha URSS, em 1991, dificilmente a causa de seus problemas podem ser unicamente atribuídas ao sistema soviético. Nem sequer se pode culpar somente a corrupção, uma herança do período de dissolução da URSS, sem dúvida, embora tenha engordado, tornado-se mais intensa e alcançado o tatus de cleptocracia sob a batuta de banqueiros e investidores ocidentais. Foram os neoliberais ocidentais que financiaram essas economias, graças às “reformas favoráveis aos negócios”, que receberam o aplauso entusiasta do Banco Mundial, de Washington e de Bruxelas.

Joseph Stiglitz, James Tobin e outros economistas proeminentes têm começado a dizer que há aspectos radicalmente negativos na ordem financeira trazida pelos homens de negócios depois do colapso soviético. Certamente, o caminho empreendido pela Europa Ocidental depois da Segunda Guerra Mundial não foi o da economia neoliberal. Contudo, o novo experimento báltico tem o antecedente do ensaio geral imposto na boca do fuzil pelos Chicago Boys no Chile. Na Letônia os consultores procediam de Georgetown, mas a ideologia era a mesma: desmantelar o setor público e influir internamente nos processos de decisão política.

Na aplicação deste experimento cruel nos estados do extinto bloco soviético, a ideia era dar aos bancos ocidentais, aos investidores financeiros e, especialmente, aos economistas do “livre mercado” (assim chamados porque distribuíram a propriedade pública praticamente de graça, livre de impostos, dando um novo significado ao termo “free lunch”) um cheque em branco para redesenhar economias inteiras. Dado como a coisa terminou, parece que todos os desenhos foram iguais. Os nomes dos indivíduos eram distintos, mas a maioria estava vinculado ou financiados por Washington, Banco Mundial e União Européia. E, visto que os patrocinadores eram as instituições financeiras ocidentais, não deveríamos nos surpreender em demasia diante do fato de que imporiam um modelo que atendesse seus interesses.

Tratou-se de um plano que nenhum governo democrático ocidental jamais teria podido aprovar. Repartiram as empresas públicas entre indivíduos cuja missão era vendê-las rapidamente a investidores ocidentais e a oligarcas que transfeririam seu dinheiro de forma segura a paraísos fiscais.

Continua…

Comentário por Allan Patrick

Impressionante como as características do furacão econômico que varre Letônia correspondem exatamente ao que Naomi Klein escreveu em seu livro “A Doutrina do Choque“, que eu recorrentemente cito neste caderno.

Veja também:

O Haiti e a Doutrina do Choque.

Islândia sob ataque.