Esquerda, direita e responsabilidade fiscal

Por Allan Patrick

Ainda há, no Brasil de hoje, articulistas escrevendo nos nossos jornais sobre a irresponsabilidade fiscal da esquerda, em sintonia com a mesma fixação intelectual dos Tea Party da vida que azucrinam a vida pública, seja nos Estados Unidos ou na Alemanha. Não vou nem entrar no mérito do quanto de hipocrisia há nesses movimentos.

O problema dessa “fixação”, no Brasil, é o total desapego aos fatos. Basta ver a apresentação do Presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, à Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização da Câmara dos Deputados, ontem, 05/06/2012 (PDF), da qual eu destaco o gráfico sobre a nossa dívida pública líquida:

Queda na dívida pública brasileira no período de 2002 a 2012, coincidindo com o fim do governo PSDB e início dos mandatos de Lula e Dilma (PT).


Então fica claro como a água: no Brasil, a negligência com o nível da dívida pública é uma questão da direita, não da esquerda.

O proletariado não curte o feriadão

Traduzo abaixo texto de Ignacio Escolar, publicado no seu blogue Escolar.net, um dos principais da blogosfera espanhola. O original pode ser encontrado aqui.

Parece um conto de Charles Dickens, mas não ocorreu na Inglaterra do século XIX. Foi na Gandia (Valência, Espanha) do século XXI. Franns Melgar, boliviano, imigrante, não documentado, trabalhava das onze da noite às onze da manhã numa padaria industrial em troca de uma diária de 23 euros: o preço de 23 baguetes de pão francês. Há algumas semanas, uma máquina cortou seu braço e o patrão decidiu que se safar era mais importante que o braço de Melgar, sendo assim levou o trabalhador até próximo à porta do hospital, pediu que ele mentisse sobre o acidente, jogou o braço no lixo, limpou o sangue, limpou a máquina e continuou com a produção. Parece que também limpou a consciência, pois em declarações ao jornal Levante, disse que “a culpa foi toda dele” (Melgar) porque “estava bêbado”. Os médicos tentaram reimplantar o braço, mas só conseguiram encontrá-lo várias horas depois, no meio do lixo, quando já era tarde. Diferentemente do empregado, o proprietário da padaria não teve seu nome divulgado.

Dizem que a esquerda é carta fora do baralho neste século porque não existe mais o proletariado. Falso: os trabalhadores de Dickens continuam por ai, do mesmo modo que a exploração patronal. Só que agora eles são chamados de imigrantes ilegais e não têm direito a voto. Não existem, não são nada, não são ninguém.

Esta tarde, antes de escrever esta coluna, liguei para a assessoria de imprensa do Ministério do Trabalho (da Espanha) para obter algumas informações importantes: o valor da multa que paga o empregador que não formaliza o contrato de seus trabalhadores, o número de acidentes de trabalho na Espanha e quantos destes afetam imigrantes sem contrato. Não souberam me responder. A única resposta: “É que amanhã é feriado em Madri”.

Veja ainda a matéria do jornal Público, para o qual Escolar colabora, sobre a notícia: Un empresario tira el brazo de un empleado ‘sin papeles’ a la basura después de sufrir un accidente laboral.

Atualização em 11/06/2009:

A panificadora foi fechada e o governo estuda um meio de regularizar a situação do imigrante, por razões humanitárias.