Declaração de voto 2014 – RN

Por Allan Patrick

Coloco aqui minha declaração de voto para as eleições de 2014 na ordem solicitada pela urna eletrônica.

Deputado Federal

Hugo Manso 1366 é o nosso candidato a Deputado Federal.

Hugo Manso 1366 é o nosso candidato a Deputado Federal.

Hugo Manso 1366 (PT). É o único candidato no Rio Grande do Norte que está chamando a atenção para a responsabilidade de decidir o que fazer com o multibilionário Fundo do Pré-Sal. Sua proposta, adequada à situação de nosso estado e ao porte do fundo, é progressivamente federalizar o ensino médio, amarrando recursos estaduais atualmente destinados a ele ao custeio de creches públicas e escolas de ensino fundamental. Eleitores à esquerda tem se sentido órfãos com a saída de Fátima Bezerra para o Senado. Na matemática do voto proporcional, a coligação onde o PT se insere tem boa chances de eleger 3 deputados federais. Hugo Manso, até onde as pesquisas mostram, tem ótimas chances de ser o terceiro colocado, mantendo a representação do PT-RN na Câmara dos Deputados. Representação esta que foi fundamental na expansão do ensino federal no RN, que conta hoje com 19 campi do IFRN e duas universidades federais com vários campi: UFRN e Ufersa. Hugo é ainda comprometido com causas pouco comuns à maioria dos candidatos, como Ciência & Tecnologia e a garantia de um estado laico.

Deputado Estadual

Fernando Mineiro 13666 (PT). A voz mais independente e crítica na Assembleia Legislativa, foi eleito parlamentar do ano em 2013.

Senadora

Fátima Bezerra 131 (PT). Candidata ao Senado, foi durante 12 anos Deputada Federal. Mostrou como transformações sociais importantes podem ocorrer a partir de um instrumento de poder tão pequeno (apenas 1/513 avos da Câmara dos Deputados!), ao focar o seu mandato na expansão do ensino federal no Rio Grande do Norte, provocando uma pequena revolução social no estado.

Governador

Robinson Faria 55 (PSD). Única alternativa com chances reais de derrotar a coligação popularmente conhecida como Acordão e que reúne todos os ex-governadores do Rio Grande do Norte. Apesar de ser o atual vice-governador, é o político fora do PT que está há mais tempo na oposição ao atual governo estadual, com quem rompeu há três anos. Boa parte do Acordão continua na base do atual governo – um dos mais impopulares da história – ou convenientemente mal acabou de passar pra oposição.

Presidenta

Dilma, Presidenta, 13.

Dilma, Presidenta, 13.

Dilma 13 (PT). O Brasil é o país relevante que mais reduziu a desigualdade social nos últimos 12 anos. Mais devagar do que gostaríamos, mas reduziu. Os demais candidatos, ou não tem viabilidade eleitoral ou simplesmente ignoram a questão (como Marina e Aécio), o que é simplesmente vergonhoso se lembrarmos que essa é a pior característica do Brasil.

Hugo Manso lança site

Nota do Caderno: Hugo Manso 1366 é o nosso candidato a Deputado Federal para as eleições deste ano de 2014 no Rio Grande do Norte*

Hugo Manso 1366 é o nosso candidato a Deputado Federal.

Hugo Manso 1366 é o nosso candidato a Deputado Federal.

O fundador do PT no RN e vereador em Natal, Hugo Manso, lança o site de sua campanha nesta segunda-feira, dia 17/08, no endereço HugoManso1366.com.br. Candidato a Deputado Federal, o parlamentar natalense trabalha para suceder Fátima Bezerra como representante do PT do Rio Grande do Norte na Câmara dos Deputados.

Tendo dedicado sua atuação na Câmara Municipal do Natal à defesa da cultura e da saúde, Hugo Manso agora coloca como um dos focos de sua campanha a federalização do ensino médio. Baseada no sucesso da expansão do IFRN – do qual é professor – que hoje está espalhado por todo o Rio Grande do Norte com 19 campi, Hugo Manso pretende trabalhar sua proposta no Congresso para aproveitar a oportunidade única que se abre nos próximos quatro anos com o início da aplicação na educação dos recursos do Fundo Social do Pré-Sal.

Os Institutos Federais tem constituído uma rede de excelência e levam estudo de qualidade com formação profissional – além de oportunidades de trabalho – a todos os cantos do estado. Nessa proposta, o governo estadual teria que firmar seu compromisso em redirecionar todo o seu esforço atual com o ensino médio para o fundamental, sem redução do montante orçamentário para a área de educação.

O evento de lançamento será realizado pela internet, através de twitcam a ser transmitida a partir das 21h da segunda-feira, 17/08, pelo twitter @hugomansopt.

(*)  Apesar do título eleitoral nos prender à circunscrição estadual, não podemos deixar de compartilhar nossa admiração por outros parlamentares federais, como Paulo Teixeira 1398 (PT-SP) e Érika Kokay 1331 (PT-DF).

Não se pode ser neutro num trem em movimento

Por Allan Patrick

Vamos pegar aqui o gancho do título da autobiografia de Howard Zinn, “Você não pode ser neutro num trem em movimento“, para analisar o segundo turno das eleições em Natal, para o qual se apresentam como candidatos Carlos Eduardo (PDT) e Hermano Morais (PMDB).

Num primeiro momento, é muito natural, depois de uma campanha construída de baixo pra cima, com o pé no chão, de baixo custo, tendo o tempo todo contra si as pesquisas de intenção de voto, um sentimento de frustração por ter deixado de estar no segundo turno por uma diferença inferior a dois mil votos (num universo de 430 mil).

Não vamos ficar em cima do muro no 2º turno em Natal. Nosso voto será 12.

Mas manter-se neutro numa disputa de segundo turno resulta em assumir também uma grande responsabilidade sobre o destino da cidade nos próximos quatro anos. Natal está numa situação de terra arrasada. E sua recuperação não pode ser feita num passe de mágica por algum indivíduo. Será necessário um esforço coletivo muito grande. Nesse contexto é que o PT decidiu apoiar no segundo turno o candidato do PDT, Carlos Eduardo, e nós concordamos com esse apoio.

Quando declaramos nosso voto no primeiro turno em Fernando Mineiro, fizemos um balanço das qualidades e defeitos de cada candidatura. Carlos Eduardo, pelo lado negativo, é criticado pela gestão na saúde e pelo rol de alianças que compos para sustentar sua campanha, principalmente a união com o PSB da ex-prefeita e governadora Vilma de Faria, sua vice. Mas é bom lembrar também que o PSB não é uno e também tem nos seus quadros a competente Júlia Arruda, vereadora reeleita.

A administração de Carlos Eduardo como prefeito teve também seus bons momentos. Se o corredor de ônibus da Av. Bernardo Vieira, reforma viária que lhe rendeu um bombardeio de críticas da imprensa local, peca é por não ser mais extenso. Sua tradicional dificuldade em manter maioria na Câmara Municipal de Natal mostra o empenho em tentar preservar um espaço do serviço público municipal, sempre muito mal-tratado, a salvo do clientelismo mais rasteiro.

Se há algum erro na tomada de posição do PT, na nossa avaliação, é no momento em que afirma categoricamente “que não irá participará da futura administração municipal, em caso de vitória do candidato do PDT”, compromisso este que deve ter sido necessário para obtenção de uma declaração consensual em relação ao voto do segundo turno. Porque, como já dissemos, os próximos quatro anos serão muito importantes para a recuperação de Natal, cidade onde vivemos e estão nossas famílias e amig@s. Tanto mal-trato à máquina pública municipal e seus servidores fizeram com que a Prefeitura seja carente de quadros, uma das razões pelas quais quase meio-bilhão de reais em projetos com verba reservada no orçamento da união para Natal não tenham sido aplicados nos últimos anos. Será que, nesse contexto, assumir, desde já, uma atitude neutra de observador é o melhor caminho? Inclusive porque, até onde se sabe, o trabalho feito pelas pessoas ligadas ao PT na última administração de Carlos Eduardo teve bons resultados para a cidade e gozou de autonomia e respeito para ser desenvolvido. Não seria tampouco correto assumir a posição de adesão em troca de cargo A ou B. O desenrolar dos fatos é que mostrará se o compromisso com um conjunto de ideias progressistas se manterá para um futuro mandato.

Enfim, do outro lado estão o atual vice-prefeito, praticamente todo o PV de Micarla e até forasteiros adeptos da homofobia mais rasteira. Não, não dá pra ser neutro nessas circunstâncias.

Veja também:

Votando em Natal e Parnamirim (eleições 2012).

Análise do resultado da eleição em Natal

Câmara Municipal de Natal. Foto: Rodrigo Sena/Tribuna do Norte.

Vou prescindir de fazer uma análise sobre o resultado da eleição em Natal porque o blogueiro Daniel Dantas foi mais rápido e objetivo (cliquem para consultar a íntegra dos posts):

1) #ForaMicarla, #RevoltadoBusao e o avanço das esquerdas em Natal.

A esquerda em Natal teve um grande avanço nesta eleição – ainda que muitos discordem e para desespero de uns tantos reacionários da taba (…)

2) @mineiropt13: Uma vitoriosa campanha.

Essa foi uma eleição que me encheu de orgulho e esperança – ainda que haja uma frustração muito delicada no ar devido à evidente manipulação de números em Natal e outras cidades. Vi a campanha do deputado Fernando Mineiro (PT) nascer de maneira simples.  (…)

3) Da minha lista ideal, oito foram eleitos (acerca da nova composição da Câmara Municipal de Natal, CMN).

4) Dez eleitos na lista que contra-indiquei (ainda sobre a CMN).

Veja também:

Democracia e eleições em Natal.
Votando em Natal e Parnamirim.

Democracia e eleições em Natal

Por Allan Patrick

Câmara Municipal de Natal. Foto: Rodrigo Sena/Tribuna do Norte.

Em tempos de eleição, surgem sempre debates interessantes sobre política e democracia. É conhecida a frase de Winston Churchill durante um debate na Casa dos Comuns (a Câmara dos Deputados do Reino Unido):

“A democracia é a pior forma de governo, salvo todas as demais formas que têm sido experimentadas de tempos em tempos”.

Não tenho muita admiração por frases feitas e chavões, mas esse é um raro caso em que se conseguiu exprimir em tão poucas palavras vários tratados de ciência política.

Na mesma linha, na obra  “Conversas com jovens diplomatas“, o ex-Ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, revela que, ao mesmo tempo em que ouve e dialoga com os movimentos sociais, inclusive os contrários à “globalização”, mesmo sendo ele um dos principais articuladores das rodadas de negociação da OMC (Organização Mundial do Comércio), se opõe à extinção desse organismo multilateral. E explica:

E, outro dia, recebi um grupo formado por várias ONGs e outras entidades – entre elas, a Rebrip, que tem feito parte das nossas delegações à OMC. A representante da Rebrip é uma pessoa cordata, de boa disposição – sentimos quando há boa disposição ou quando não há disposição alguma, que a pessoa sé quer colocar seu ponto e acabou-se. Ela fez sua observação, até com bastante simpatia, mas foi algo assim: “Nós estamos chegando a uma posição agora, que é para acabar com a OMC”. Respondi: “Olha, para isso, não contem comigo”. Digo isso porque leio frequentes críticas: “A OMC foi criada pelo imperialismo” Tudo isso pode ser parte da verdade. A verdade, em história, em ciências sociais, é sempre uma coisa muito complexa.  A verdade, ao longo da história, não tem uma dimensão única.
Volto ao paralelo que fiz mais cedo na palestra entre a democracia e o multilateralismo. Quando eu era jovem e irreverente, achava que a democracia não tinha nenhuma importância, porque a democracia no Brasil servia apenas para perpetuar privilégios. O poder econômico tinha enorme influência nas eleições. Acabava-se tendo governos que não tinham capacidade ou desejo de fazer as coisas que eram necessárias para o povo brasileiro. Ou, quando tinha o desejo, o governo caía rapidamente. Como minha geração viveu vinte anos de ditadura militar, passei a valorizar muito mais aquelas liberdades formais que antes via com certo desprezo. Percebi que era por meio dessas regras formais que tínhamos de tentar fazer valer os nossos valores. E a mesma coisa se aplica, creio eu, no comércio internacional em relação à OMC.
A OMC é injusta? É injusta, sim. Ela privilegia os interesses – ou a visão – do mundo dos países mais ricos? privilegia, pois foi feita fundamentalmente por eles. Mas ela oferece um quadro jurídico, dentro do qual operamos. Esse quadro jurídico tem que ser permanentemente reformado. É o que estamos tentando fazer agora. Temos meios de tentar fazer valer nossas posições, nossos interesses e nossos valores. (págs. 83 e 84, 1ª edição)

Há duas alternativas a instituições como a OMC: o unilateralismo, que obviamente privilegia sobremaneira as maiores potências; o multilateralismo ponderado, como é o caso do FMI e do Banco Mundial, em que mandam os que detem “mais ações”. Parodiando Churchill, a lição de Celso Amorim é que a OMC é a pior forma possível de democracia nas relações internacionais, salvo todas as outras.

Mas onde eu quero chegar com esse papo? Descendo de volta e colocando os pés no chão da eleição em Natal, noto que há uma candidatura (evito citar nomes porque minha intenção não é fulanizar a questão) à Câmara Municipal de Natal bastante popular na cidade. Não nego os méritos desta pessoa que é candidata – antes de mais nada merece nossos aplausos por sair do sofá e tentar construir um mundo melhor – cujo discurso incisivo em defesa da educação pública e dos professores ficou conhecido em todo o Brasil, através das redes sociais, em mediados do ano passado. Mas fico com uma pulga atrás da orelha por causa do lema de campanha adotado: a professora que calou os deputados.

Fazer críticas à nossa Assembleia Legislativa é necessário e imperioso! Tal como a nossa Câmara Municipal de Natal (CMN), o legislativo estadual do Rio Grande do Norte necessita de uma vigorosa renovação. A CMN tem 80% de seus integrantes dando apoio a uma administração municipal que conta com 95% de reprovação popular. A Assembleia, à semelhança, dá apoio quase unânime (de 24 deputad@s, há um ou dois na oposição) a um governo estadual cuja curva de avaliação segue no mesmo rumo decadente da administração municipal de Natal. Num aspecto muito mais prosaico, mas ao mesmo tempo revelador, um dos posts mais populares neste caderno é o Marcco e os atos secretos da Assembleia Legislativa do RN, sobre uma batalha legal que o Ministério Público vem travando contra a nomeação por ato secreto de servidores pela Assembleia Legislativa.

É compreensível, portanto, o sentimento de repulsa popular que nos leva a desejar votar em alguém para “calar os deputados”. Mas, hipoteticamente, e se o resultado fosse mesmo esse? Ficaríamos felizes? Será que é esse o tipo de renovação que nós desejamos? A que quer silenciar? Como ficariam as discussões sobre o plano diretor? As audiências públicas? As causas ambientais que, mesmo com esses ambientes legislativos inóspitos, uns poucos parlamentares combatentes vem conseguindo levar adiante?

Não existe meia-democracia ou ditadura que nos é a favor (a não ser na mente dos ingênuos saudosos de 1964). Há várias boas opções de candidatos e candidatas à Câmara Municipal de Natal que se recusam a fazer o jogo do clientelismo e não caem no discurso fácil do “sou contra tudo isso que aí está”. Poucas dessas candidaturas serão eleitas, infelizmente. Por isso, é preciso redobrar a atenção no momento da escolha.

Veja também:

– Votando em Natal e Parnamirim, nossa análise dos principais candidatos nas duas cidades e declaração de voto para prefeito e vereador.

– Análise do resultado da eleição em Natal.