O Maomé devasso e os embustes que circulam pela internet

Por Allan Patrick

Hoax da vida na Lua, do século XIX. Imagem: Wikipédia.

Hoax da vida na Lua, do século XIX. Imagem: Wikipédia.

Nós temos a tendência a pensar que os embustes, hoaxes e boatos virtuais que circulam pela internet são uma invenção recente, relacionado aos tempos modernos, à era digital ou – no máximo – à era da comunicação de massas inventada com a imprensa.

São tantos os casos criados na era digital que fica difícil escolher um especificamente como caso paradigmático. Mas na era do papel, talvez um de seus expoentes máximos sejam “Os Protocolos dos Sábios de Sião“.

O curioso é que, ainda antes da invenção da imprensa tipográfica por Gutembergue esse tipo de embuste já ganhava asas.

O trecho a seguir é de autoria de Edward Said, palestino cristão, da sua obra “A questão da Palestina“, e retrata a história da origem dos relatos do Maomé devasso na cultura ocidental:

Tomemos a história das relações entre muçulmanos e cristãos na região, conforme relatada por Norman Daniel em seu livro Islam and the West: The Making of an Image [O islã e o Ocidente: a construção de urna imagem]. Para um cristão oriental ou para um arabista israelense que vê o Islã ou a “mentalidade” árabe como seu inimigo, a obra de Daniel é com frequência uma fonte de vivo desconforto. O que ele mostra é que os cristãos sírios, entre eles são João Damasceno (ca.675-ca.749) e o filósofo Al-Kindi (801-873), foram os primeiros a fornecer ao cristianismo europeu material teológico e doutrinal (em geral caluniosos) para atacar o Islã e Maomé. Esse material chegou à cultura ocidental convencional, na qual ainda podem ser encontrados. A maioria dos estereótipos sobre Maomé como devasso, falso profeta e sensualista hipócrita teve origem nos cristãos sírios, que conheciam o árabe e uma ou outra língua eclesiástica e, por isso, podiam dar vazão a esses mitos sórdidos. Sua motivação era compreensível: o islamismo era uma religião de proselitismo e conquista, e os sírios, como reduto cristão, sentiam que era seu dever liderar o ataque contra o Islã – o que lhes renderia poderosos aliados europeus. É desse pano de fundo há muito esquecido que muitos dos ressentimentos contra cristãos e muçulmanos emanam hoje no Líbano.

Não é mera coincidência que, tanto no caso dos “Protocolos” como neste relato de Said, o alvo são minorias religiosas.