Inflação e redução da desigualdade

Desigualdade social. O custo para reduzi-la compensa.

Desigualdade social. O custo para reduzi-la compensa.

Uma informação que não encontro: quanto da inflação nestes últimos anos é provocada pela redução da desigualdade? Vejo esse dado fundamental para determinar a real dimensão do problema inflação no Brasil.

Explico: nos últimos 12 anos o Brasil tem sido um dos países que mais reduziu a desigualdade no mundo. Ora, é claro que isso gera uma pressão de custos de uma maneira geral e, particularmente, nos setores intensivos em mão de obra.

Os economistas à direita aproveitam e entram de sola dizendo que a produtividade da economia brasileira está caindo (a The Economist dá uma mãozinha), afirmando que o brasileiro é preguiçoso.

Na verdade, o que ocorre é que a padaria que faturava R$ 30 mil/mês com 5 funcionários, quando o salário deles era de R$ 500/mês, tem sua “produtividade” alterada quando a desigualdade no país diminui. Desenhando:

Custo: R$ 2,5 mil em mão de obra. Resultado: R$ 30 mil em faturamento.
Produtividade: R$ 12 mil/funcionário.

Quando o salário sobe para R$ 800:

Custo: R$ 4 mil em mão de obra. Resultado: R$ 35 mil em faturamento.
Produtividade: R$ 8,75 mil/funcionário.

O empresário tem três saídas para o aumento no custo da mão de obra:

1) diminuir número de funcionários;
2) aumentar preços;
3) reorganizar o funcionamento do negócio.

Normalmente acontece a combinação de 1 e 2.

A padaria que eu frequento é um claro exemplo. Foi organizada para funcionar com 10 funcionários. Hoje atende mal porque, no mesmo modelo que exigia 10 pessoas para funcionar bem, atua hoje com 5 funcionários. Praticamente não há auto-serviço. Os clientes dependem totalmente dos funcionários para comprar o pão no tradicional modelo de bancada de sempre.

Se, analisando essa pauta, chegamos à conclusão que um peso considerável da inflação que nos atinge (40% ?), principalmente no setor de serviços, é oriunda da redução da desigualdade, me desculpem, mas isso não é o retorno da “chaga da inflação”, mas redistribuição da renda do país. Chequem os custos de serviços na Noruega!

Dores normais de quem está transformando uma sociedade pra melhor.

O colapso do governo do RN é por culpa da Copa?

Por Allan Patrick

Projeto inicial da Arena das Dunas.

Projeto inicial da Arena das Dunas. Aquele que só custaria R$ 300 milhões e se pagaria com a construção dos espigões ao redor.

Depois de acontecimentos como os que resultaram na Marcha do Fio de Aço ou a ameaça de prisão de secretários do governo estadual por descumprimento de ação judicial, cristaliza-se na mente de muitos potiguares a ideia de que o governo estadual (Rosalba Ciarlini/DEM) segue em marcha acelerada para repetir a tragédia da administração municipal de Micarla de Sousa (PV). A linha de raciocínio transmitida no boca-a-boca é que o governo está investindo todos os recursos do erário estadual na construção da Arena das Dunas e ignorando as demais demandas do serviço público.

O boato tem fundamento na imagem que o governo estadual transmite: praticamente não há uma semana em que não seja divulgada pela comunicação estatal uma visita da governadora ou do Secretário da Copa, Demétrio Torres, à obra da Arena das Dunas.

Quanto a esse boato, cabe esclarecer que não é verdadeiro. Isso é bom e é ruim ao mesmo tempo. O fato é que o governo estadual quase não está aplicando recursos públicos, no momento atual, na construção da Arena das Dunas. Por se tratar de uma Parceria Público-Privada (PPP), é a empresa construtora a responsável por angariar recursos. Sendo assim, a crise da administração estadual não afeta o ritmo da obra e esta não é desculpa para o atual colapso daquela. O Rio Grande do Norte só começará a pagar pela obra em 2015, ou seja, no próximo governo. Mas a partir daí terá esse compromisso por 20 anos, até 2035, totalizando R$ 1,2 bilhão em recursos públicos.

Outro fato relevante: colocar em funcionamento um estádio “moderno” não é nada barato. A pauta (o custo) da primeira partida oficial realizada no recém inaugurado Castelão, em Fortaleza/CE, foi de R$ 400 mil. Talvez duas partidas por ano no Rio Grande do Norte consigam bater esse valor. Quem ressarcirá a operadora da Arena das Dunas se não houver lucro em sua operação? Sim, você contribuinte potiguar. Assim está previsto no contrato da PPP.

Veja também:

A Copa do Mundo na Alemanha… e em Natal?

– Sou favorável a um plebiscito sobre a Arena das Dunas.

– Vale a pena gastar R$ 1,1 milhão por minuto em função da Copa?

– A Copa do Mundo em Natal. Vamos pagar quanto?

Esquerda, direita e responsabilidade fiscal

Por Allan Patrick

Ainda há, no Brasil de hoje, articulistas escrevendo nos nossos jornais sobre a irresponsabilidade fiscal da esquerda, em sintonia com a mesma fixação intelectual dos Tea Party da vida que azucrinam a vida pública, seja nos Estados Unidos ou na Alemanha. Não vou nem entrar no mérito do quanto de hipocrisia há nesses movimentos.

O problema dessa “fixação”, no Brasil, é o total desapego aos fatos. Basta ver a apresentação do Presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, à Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização da Câmara dos Deputados, ontem, 05/06/2012 (PDF), da qual eu destaco o gráfico sobre a nossa dívida pública líquida:

Queda na dívida pública brasileira no período de 2002 a 2012, coincidindo com o fim do governo PSDB e início dos mandatos de Lula e Dilma (PT).


Então fica claro como a água: no Brasil, a negligência com o nível da dívida pública é uma questão da direita, não da esquerda.

Espanha, futebol e crise econômica

Por Allan Patrick

Rodrigo Rato embolsou 1,2 milhão de euro mesmo após a intervenção no banco que dirigia.

Em junho de 2009, com a crise econômica já bem avançada, a Caja Madrid, controlada pelo governo regional de Madrid, sob administração do Partido Popular (PP), emprestou conjuntamente com o Santander, 150 milhões de euros ao Real Madrid para a aquisição dos passes dos jogadores Ronaldo e Kaká.

Qualquer esperança de lógica econômica nas ações da Caja Madrid se dissipou esta semana, quando o Bankia, resultado da fusão da Caja Madrid com outras caixas espanholas em 2010, foi alvo de uma intervenção pelo Banco Central local. Para evitar sua quebra receberá uma injeção de recursos entre 7 e 10 bilhões de euros (ao câmbio de hoje, entre 17 e 25 bilhões de reais) do combalido governo espanhol.

Numa demonstração de qual é a diferença entre o discurso e a prática no conservador Partido Popular, Rodrigo Rato, até então presidente da instituição bancária, receberá 1,2 milhão de euros de indenização pela demissão. Rodrigo, quando foi Ministro da Economia na primeira metade da década passada, defendeu, em sintonia com o governo do qual fazia parte, uma reforma trabalhista que reduziu o custo de demitir trabalhadores. (No passado mês de fevereiro, de volta ao poder, o PP aprovou nova reforma para reduzir ainda mais esse custo).

Veja também:

O Banco Santander e o Brasil.
O segundo tempo da crise econômica mundial.

O Museu das Docas de Londres

Por Allan Patrick

Museu das Docas de Londres. Foto: acervo pessoal.

Londres é uma cidade farta em museus e seria perda de tempo aqui falar sobre a maioria deles, muito mais bem descritos e analisados por outros blogueiros. Mas, há uma pequena pérola que passa desapercebida para a maioria dos turistas, visitantes e até mesmo para muitos londrinos. Estou falando do Museu das Docas de Londres (Museum of London Docklands).

O prédio do museu é um antigo armazém de açúcar e a viela onde está localizado era conhecida como “Bloody Alley” (beco sangrento, viela sangrenta) porque os estivadores que trabalhavam no local descarregando os navios tinham sempre suas mãos, pescoços e costas em carne viva por causa das péssimas condições de trabalho.

O museu conta a história dos portos e docas de Londres desde a fundação da cidade pelos romanos e é isso o que o torna tão especial, porque em essência narra a história econômica da cidade e, por tabela, do Império Britânico. Foi o único museu da cidade do qual eu fui – literalmente – expulso em razão do horário de fechamento.

Só nele é possível encontrar a informação de que, no século XVIII, um quarto da renda no Reino Unido era oriunda dos lucros dos senhores de engenho das Índias Ocidentais (colônias do Reino Unido no Caribe) e que um destes escravagistas, William Beckford, chegou a se tornar Prefeito de Londres, tal a influência política e econômica que exerciam no Império.

Essa acumulação primitiva de capital iria criar as condições para a deflagração da Revolução Industrial, colocando o Reino Unido na liderança econômica do mundo durante todo o século XIX o que resultou, claro, no período de máxima expansão das Docas de Londres, que o museu retrata muito bem.

Para um retrato perfeito da história econômica do Império Britânico, faltaria apenas um relato um pouco mais aprofundado da evolução do setor financeiro da cidade, muito ligado historicamente à força das conexões comerciais marítimas, que é abordado de forma um pouco superficial. Não deixa de ser curioso, posto que o a região das docas de Londres, onde o museu está, depois da desativação das atividades portuárias nos anos 1980, foi convertida em centro financeiro, praticamente tão importante quanto o da City de Londres.

Veja também:

A Europa que não conhecemos: a City de Londres.