Fluidez no trânsito é sinônimo de insegurança

Para diminuir o número de mortes nas ruas de São Paulo só mesmo reduzindo a velocidade dos carros – Por André Pasqualini

Avenida Paulista. Fonte: Wikipédia.

Avenida Paulista. Fonte: Wikipédia.

Diminuir a fluidez do tráfego. No momento, essa é a única maneira que eu vejo para diminuir o número de mortes no trânsito de São Paulo. Por isso, gostaria de começar uma campanha direcionada aos motoristas, aqueles que infelizmente acabam ditando os rumos das nossas políticas de mobilidade urbana. Mas por quê? Temos em torno de 1,5 mil mortes por ano no trânsito de São Paulo, sendo que mais da metade são pedestres. Enquanto em cidades europeias 75% dos mortos em acidentes de trânsito são motoristas e passageiros, em São Paulo, esse número é de 18%. Em números totais, ganhamos disparados em todos os quesitos, mas a questão do pedestre beira a carnificina. Temos mais chances de morrer atropelados em São Paulo do que na Faixa de Gaza em guerra.

Medidas simples poderiam reduzir drasticamente esse número. Mas como fazê-lo se as autoridades ainda têm dúvidas do que é mais importante, se a fluidez dos carros ou a segurança das pessoas? Vejam o que disse o nosso secretário de Transportes: “Há um limiar muito tênue entre fluidez e segurança; se aumentarmos a segurança piora a fluidez”.

Em Londres e Hamburgo, não há vias urbanas com velocidades acima de 50 km/h. Já em São Paulo, temos rodovias rasgando a cidade. Vejam a avenida Paulista, com limite de velocidade de 70 km/h. Uma via onde circulam diariamente 90 mil carros contra 1,2 milhão de pedestres. Isso mesmo, contra, pois esses limites a tornam uma das vias mais perigosas do Brasil para os pedestres. Em 2007, ocorreram 53 atropelamentos – e esse número só não é maior porque a lentidão colabora.

Continua…

Textos relacionados:

Por que diminuir a velocidade das vias?

Bicicleta versus Helicóptero

Hora do rush, São Paulo, percurso de 10 km. Esse é o cenário do desafio intermodal, uma disputa entre usuários de diversos meios de transporte (bicicleta, ônibus, trem, moto e helicóptero). Quem será o primeiro a chegar ao destino? O motorista? O motociclista? Ou quem vai de helicóptero?

O depoimento do usuário de helicóptero, o jornalista Milton Jung, pode ser lido aqui.

Dia Mundial Sem Carro

Fonte: apocalipse motorizado, blogue de articulações e reflexões para superar a sociedade do automóvel (adaptado)

Dia Mundial Sem Carro. Arte: Singer / World Carfree Network.

Dia Mundial Sem Carro. Arte: Singer / World Carfree Network.

Enfrentar a dependência do automóvel e suas patologias associadas parece tarefa impossível para um número cada vez maior de pessoas e para grande parte dos governantes.

Quem possui um carro (e algum dinheiro para sustenta-lo), passa a não enxergar nenhum outro horizonte de mobilidade urbana.

Do outro lado, vultuosos montantes envolvidos na construção e manutenção de tudo que os carros precisam para rodar (ruas, pontes, avenidas, combustível, pneus, autopeças, estacionamentos…) e quase 100 anos de técnicas de planejamento urbano e de políticas públicas voltados para atender o fluxo sempre crescente de automóveis deixaram o poder público amarrado ao problema, sem enxergar nem conseguir agir em favor das alternativas (a não ser quando a saturação de carros começa a ser um problema para os próprios carros).

Somado a estes elementos, interesses privados monumentais sustentam e estimulam o desperdício e o individualismo associados ao automóvel, em uma indústria responsável por boa parte do dinheiro em circulação no planeta (junto com as indústrias da guerra e do tráfico de drogas).

A epidemia mundial de cidades degradadas pela presença marcante do automóvel se alimenta desta tríade: indivíduos dependentes, iniciativas privadas altamente lucrativas e poder público inerte e/ou interessado no estímulo ao automóvel.

A proposta do Dia Sem Carro é, em primeiro lugar, experimentar outras formas de deslocamento e deixar o carro em casa. Vivenciar a cidade, seus problemas e belezas de maneira não-mediada é um remédio surpreendente para a carrodependência,  um antídoto para a degradação do tecido social, podendo inclusive resultar em transformações coletivas maiores e inesperadas.

Além disso o Dia Sem Carro é um momento de reflexão sobre o impacto do automóvel nas cidades e sobre a carrodependência urbana, momento de exigir condições de deslocamento dignas para quem não possui automóveis e de promover suas alternativas.