Música e cultura do Saara Ocidental

Por Allan Patrick

Localização do Saara Ocidental. Fonte: wikipédia.

O Saara Ocidental, como já falamos aqui uma vez mas não faz mal repetir, é a última nação africana a permanecer como colônia. Tal como ocorreu com o Timor Leste, que foi invadido e ocupado pela Indonésia quando Portugal se retirou do país, o Saara foi invadido pelo Marrocos quando o regime franquista começou a desmoronar na Espanha. Parte do seu povo vive discriminado como pessoas de segunda classe em sua própria nação e os demais vivem nas poucas regiões livres do país, em meio ao deserto do Saara, ou em acampamentos de refugiados na Argélia. O país é dividido por um muro de 2700km de extensão, com mais de 5 milhões de minas, construído pelo Marrocos para separar as regiões do país sob seu domínio daquelas que os próprios saaráuis controlam.

No último mês de abril, representantes do país estiveram no Brasil para tentar convencer nossas autoridades a reconhecerem o país (entre nossos vizinhos, Uruguai, Bolívia, Suriname, Guiana, Paraguai e Venezuela já mantem relações diplomáticas com o Saara).

Mas eu abri esse post foi pra falar de música, porque o programa Mediterráneo da Radio3 da Espanha – um dos melhores de world music gratuitamente disponíveis na internet – dedicou toda uma edição ao Saara Ocidental. Apesar de todas as provações do povo saaráui, sua cultura musical resiste. É só clicar play e ouvir.

Veja também

A última colônia africana.

Ajude a reconstruir o Sebo Cata Livros

Por Allan Patrick

Na madrugada da última quarta-feira, 16/02/2011, mais um pedacinho da cultura potiguar se foi. Foi vítima de um incêndio o Sebo Cata Livros, localizado no bairro de Morro Branco em Natal. A foto abaixo foi tirada por mim neste sábado, 19/02/2010, mostrando a triste situação atual do Sebo:

Destruição no Sebo Cata Livros

Já está em andamento uma campanha de doações. Livros, CDs e DVDs podem ser entregues na pastelaria Preto&Branco, quase vizinha ao Sebo. Passei lá ontem e deixei uma dezena de livros. Vou fazer outra vistoria na minha biblioteca para recolher mais livros cuja releitura não me interessa mais e dar essa contribuição para a reabertura do Cata Livros.

Ética, cidadania e cultura de um povo

Por Allan Patrick

Obra de Ha-Joon Chang é a principal referência.

O título se refere a uma apresentação que fiz recentemente na Ufersa (Universidade Federal Rural do Semi-Árido) em Mossoró. Escalado de última hora para substituir o palestrante de uma jornada universitária de educação fiscal*, minha tarefa era desenvolver o tema da cidadania. Como é costume, quando se abre o debate em eventos como esse, surgem os questionamentos sobre a pouca qualidade do gasto público no Brasil. Entendo ser este o reflexo de uma carga tributária cuja arrecadação é direcionada para gastos que não tem retorno social expressivo, como é o caso dos encargos da dívida pública inflados por altas taxas de juros. Também é o fruto da falta de informação acerca dos números da máquina pública. Evidentemente, um evento como esse tem o objeto de colaborar para sanar essa lacuna.

Eventualmente, esses debates fluem para tratar de temas como a “natureza” do povo brasileiro, “inepto” para ser cidadão, pagar impostos e aferir corretamente o seu emprego. Com base nessas percepções do “senso comum” e com a inestimável ajuda da obra “Os Maus Samaritanos” (brevemente comentada aqui), do professor de economia coreano Ha-Joon Chang (da Universidade de Cambridge), construimos uma apresentação para “chocar” quem entende que países desenvolvidos, como Japão e Alemanha, o são por motivos “culturais”, agraciados por uma “ética” e “cultura” próprias para o trabalho. Afinal, quem nunca ouviu falar em Max Weber e “A ética protestante e o espírito do capitalismo”?

Não descarto falhas na apresentação, em função da correria que foi o seu preparo, nem da superficialidade do material, afinal são meras telas de uma apresentação, não uma obra com pretensões acadêmicas (para isso, deixo como sugestão a leitura de Ha-Joon Chang).

Ética, cidadania e cultura de um povo (PDF), 262 KB

* O Programa Nacional de Educação Fiscal (PNEF) é um projeto que visa levar ao conhecimento de estudantes do ensino fundamental, médio e superior, noções do papel social dos tributos e da alocação, gestão e fiscalização dos gastos públicos.

14 de Julho

1

Avante, filhos da Pátria,
O dia da Glória chegou.
O estandarte ensangüentado da tirania
Contra nós se levanta.
Ouvis nos campos rugirem
Esses ferozes soldados?
Vêm eles até nós
Degolar nossos filhos, nossas mulheres.
Às armas cidadãos!
Formai vossos batalhões!
Marchemos, marchemos!
Nossa terra do sangue impuro se saciará!

2

O que deseja essa horda de escravos
de traidores, de reis conjurados?
Para quem (são) esses ignóbeis entraves
Esses grilhões há muito tempo preparados? (bis)
Franceses! Para vocês, ah! Que ultraje!
Que élan deve ele suscitar!
Somos nós que se ousa criticar
Sobre voltar à antiga escravidão!

3

Que! Essas multidões estrangeiras
Fariam a lei em nossos lares!
Que! As falanges mercenárias
Arrasariam nossos fiéis guerreiros (bis)
Grande Deus! Por mãos acorrentadas
Nossas frontes sob o jugo se curvariam
E déspotas vis tornar-se-iam
Mestres de nossos destinos!

4

Estremeçam, tiranos! E vocês pérfidos,
Injúria de todos os partidos,
Tremei! Seus projetos parricidas
Vão enfim receber seu preço! (bis)
Somos todos soldados para combatê-los,
Se nossos jovens heróis caem,
A França outros produz
Contra vocês, totalmente prontos para combatê-los!

5

Franceses, em guerreiros magnânimos,
Levem/ carreguem ou suspendam seus tiros!
Poupem essas tristes vítimas,
que contra vocês se armam a contragosto. (bis)
Mas esses déspotas sanguinários
Mas esses cúmplices de Bouillé,
Todos esses tigres que, sem piedade,
Rasgam o seio de suas mães!…

6

Entraremos na batalha
Quando nossos antecessores não mais lá estarão.
Lá encontraremos suas marcas
E o traço de suas virtudes. (bis)
Bem menos ciumentos de suas sepulturas
Teremos o sublime orgulho
De vingá-los ou de segui-los.

7

Amor Sagrado pela Pátria
Conduza, sustente nossos braços vingativos.
Liberdade, querida liberdade
Combata com teus defensores!
Sob nossas bandeiras, que a vitória
Chegue logo às tuas vozes viris!
Que teus inimigos agonizantes
Vejam teu triunfo e nossa glória

Meninos, eu vi

Ariano Suassuna!

Ariano Suassuna. Foto de minha autoria!

Ariano Suassuna nos deu o prazer de uma visita. Hoje Mossoró foi dormir mais feliz.

Como sempre, sua aula espetáculo foi magnífica. A minha memória só me permitir lembrar que ele declamou uma cantiga que, quando criança, sua mãe lhe cantava para dormir. É sobre um fidalgo português que vai em busca de Dom Sebastião no Marrocos. Encontra apenas uma cova e, ao seu lado, um mouro que lhe diz:

“Esse cavaleiro, amigo,
morto está nesse pragal,
com as pernas dentro dágua,
e o corpo no areal,
sete feridas no peito,
cada uma mais mortal,
por uma lhe entra o sol,
por outra entra o luar,
pela mais pequena delas
um gavião a voar.”