Zygmunt Bauman e o caos em Londres

Por Allan Patrick

Queria acrescentar mais algumas informações para contextualizar melhor a situação em Londres. Primeiro para esclarecer que, embora racismo e preconceito estejam sim presentes – e com força – no país, Londres é, na comparação com outros países europeus por onde passei nos últimos dois anos, o lugar que me deu a impressão de ser mais relaxado em relação a esse tema.

Quando estive em Madri no final de 2008 – e olha que a crise mal tinha começado – senti um clima muito ruim em relação a imigrantes e estrangeiros. O mesmo clima que o diretor mexicano Iñarritú retratou em Biutiful. Nas minhas visitas à Alemanha e à Dinamarca fiquei me perguntando porque tanta nóia com muçulmano – me custou muito ver algum por aquelas bandas. E quando vi eram turcos, os mais laicos e relaxados praticantes do islamismo.

Aqui em Londres eu vejo casais interétnicos praticamente todos os dias – coisa que só testemunhei com mais frequência num lugar, o Brasil -, rodas de amigos de diferentes origens em parques, restaurantes ou bares. Ouço pelo menos de 6 a 7 línguas diferentes em qualquer passeio pela cidade.

Vejo indianos hindus, muçulmanos, cristão, sikhs e ateus. Vejo mulheres muçulmanas usando véu, não usando véu ou deixando só os olhos à vista. E aqui, ao contrário da França e de outros países da Europa continental, não há movimento popular nem político expressivo exigindo proibição de véus. Parêntesis: numa rápida visita à loja de luxo Harrods e aos bairros nobres da cidade percebemos a expressiva quantidade de árabes ricos que vivem na cidade. Como ninguém por aqui rasga dinheiro, deixam que Sarkozy et caterva façam propaganda gratuita para atrai-los a Londres. Fecha parêntesis.

Mas por que então toda essa confusão na cidade? Sim, a desigualdade, os cortes nos gastos sociais e a economia andando de lado são fatores muito importantes a levar em consideração. Mas um ponto muito importante e que possivelmente faz a diferença é a ideologia do consumismo, como muito bem ressalta o sociólogo Zygmunt Bauman.

Em Londres, proliferam os salões de beleza. Foto: acervo pessoal.

Esse é um dos aspectos da vida em Londres sobre o qual eu ainda pretendia escrever. De um modo geral, na Europa ainda há uma certa despreocupação com o consumismo e a vaidade pessoal (nos seus aspectos mais patológicos) quando usamos como base de comparação o Brasil, onde nossas vidas e conversas parecem girar apenas sobre compras, produtos, marcas, cosméticos, perfumes e cirurgias plásticas. Entretanto, nesse caso Londres é muito parecida com nossa realidade. Uma de minhas surpresas nos meus primeiros dias na cidade foi o desfile de grifes e a proliferação de salões de beleza. As pessoas são muito preocupadas com as aparências. Só aqui na rua da residência estudantil, há três salões. Peloamordedeus, não estou dizendo que a violência é culpa de excesso de salões de beleza! São dois sintomas diferentes de uma mesma fonte.

Não é a toa que os saques se concentraram principalmente em lojas de celulares e aparelhos eletrônicos. A ideologia do ter venceu a do ser por goleada.

Veja também:

Você com revólver na mão é um bicho feroz.

Leiam:

– Modernidade líquida.

– Vida para consumo.

– O mal-estar da pós modernidade.

– Amor líquido.

Ou qualquer outro material do Bauman que aparecer pela frente.

Orgasmo S.A.

Orgasmo S.A. (Orgasm Inc. no original) é um curioso documentário sobre a indústria farmacêutica. Inicialmente, a cineasta Liz Canner aceitou a tarefa de editar vídeos eróticos a serem utilizados num processo de análise duma droga produzida por uma indústria farmacêutica.

Seu empregador está desenvolvendo o que espera ser a primeira droga “viagra” para mulheres a ser aprovada pela FDA (a Anvisa dos Estados Unidos) com o objetivo de tratar uma nova doença: a Disfunção Sexual Feminina (FSD na sigla em inglês). Liz obteve permissão da empresa para filmar seu próprio documentário. Inicialmente, ela planejava fazer um filme sobre ciência e o prazer, mas ela logo passa a suspeitar que seu empregador, aliado a um conjunto de outras empresas do ramo farmacêutico, poderia estar tentando tirar vantagem das mulheres (e potencialmente pondo em risco sua saúde) em busca de lucros bilionários.

Residentes no Canadá podem ver o documentário na íntegra na página da CBC.ca.

Criança, a alma do negócio

O Instituto Alana é uma ONG que desenvolve atividades em prol da defesa dos direitos das crianças e dos adolescentes relacionadas a relações de consumo em geral, bem como ao excessivo consumismo ao qual são expostos. Promove a divulgação do documentário “Criança, a alma do negócio”, cuja resenha transcrevemos na sequência.

Por que meu filho sempre me pede um brinquedo novo? Por que minha filha quer mais uma boneca se ela já tem uma caixa cheia de bonecas? Por que meu filho acha que precisa de mais um tênis? Por que eu comprei maquiagem para minha filha se ela só tem cinco anos? Por que meu filho sofre tanto se ele não tem o último modelo de um celular? Por que eu não consigo dizer não? Ele pede, eu compro e mesmo assim meu filho sempre quer mais. De onde vem este desejo constante de consumo?

Este documentário reflete sobre estas questões e mostra como no Brasil a criança se tornou a alma do negócio para a publicidade. A indústria descobriu que é mais fácil convencer uma criança do que um adulto, então, as crianças são bombardeadas por propagandas que estimulam o consumo e que falam diretamente com elas. O resultado disso é devastador: crianças que, aos cinco anos, já vão à escola totalmente maquiadas e deixaram de brincar de correr por causa de seus saltos altos; que sabem as marcas de todos os celulares mas não sabem o que é uma minhoca; que reconhecem as marcas de todos os salgadinhos mas não sabem os nomes de frutas e legumas. Num jogo desigual e desumano, os anunciantes ficam com o lucro enquanto as crianças arcam com o prejuízo de sua infância encurtada. Contundente, ousado e real este documentário escancara a perplexidade deste cenário, convidando você a refletir sobre seu papel dentro dele e sobre o futuro da infância.

Direção Estela Renner
Produção Executiva Marcos Nisti
Maria Farinha Produções

Atualização (30/07/2009)

Esqueci de postar os enlaces para o filme nos formatos AVI (700 MB), MP4 (196 MB) e o arquivo ISO (2,6 GB) para queimar um DVD. A obra é copyleft, portanto pode ser distribuída livremente.

A McMansão

Uma típica McMansão de subúrbio.

Uma típica McMansão de subúrbio.

McMansão é um termo pejorativo utilizado para descrever um casa de classe média alta, com grande área edificada (mais de 250m²), e rapidamente construída, utilizando-se de modernas técnicas que reduzem o emprego de mão de obra, de forma semelhante ao modo de produção industrial de comida utilizado pela rede de fast food McDonald’s.

Sua escala é ampla e imponente, mas reflete uma tentativa de ostentação desprovida de integridade arquitetônica.

A proliferação dos subúrbios nos Estados Unidos (semelhantes aos condomínios fechados horizontais no Brasil) provocada pela facilidade do crédito imobiliário naquele país, levaram a uma bolha imobiliária que foi um dos componentes fundamentais da crise financeira atual (2009).

A McMansão constituiu um dos símbolos dessa era de consumismo desenfreado e inflação de ativos.