O segundo tempo da crise econômica mundial

Por Allan Patrick

Protestos na Grécia. Foto: Wikipédia.

Tudo indica que se aproxima o segundo tempo da crise econômica mundial. Mas antes de falar sobre isso, vamos fazer uma breve recapitulação da fase aguda da crise em 2008. Quem teve a oportunidade de ver um filme como Inside Job ou ler algum livro sobre o assunto já deve estar a par de como os eventos se sucederam.

De início tinhamos uma bolha imobiliária no mercado americano, alimentada pelo sistema financeiro. Até os anos 1990, os bancos estavam submetidos a intensa regulamentação, o que – simplificando bastante – lhes impedia de agir tão temerariamente como fizeram na primeira década deste século XXI. Como funcionava essa bolha? As imobiliárias vendiam imóveis agressivamente, oferecendo condições extremamente atrativas de financiamento (e sem consulta ao “SPC e Serasa”!) a qualquer um, inclusive pessoas em situação financeira precária. Os beneficiários desses empréstimos eram conhecidos no mercado como ninjas (do inglês No Income, No Job, No Asset, ou sem renda, emprego ou bens).

Mas por que os bancos não se recusavam a financiar esses compradores que as imobiliárias displicentemente lhes encaminhavam? Por duas razões principais: a primeira é que o mercado imobiliário estava em alta. Portanto, se o banco empresta US$ 250 mil e um ano depois o cliente está inadimplente, toma a casa de volta e torna a vendê-la no mercado… agora por US$ 300 mil. Portanto, eram empréstimos com boas garantias (desde que o mercado imobiliário continuasse em ascensão).

A segunda razão para a despreocupação dos bancos era o fato de que eles não mantinham esses empréstimos em suas carteiras. Eles eram “empacotados” em fundos de investimento, avaliados por empresas de análise de risco (rating), e oferecidos ao mercado, que os adquiria. Esses fundos eram chamados de subprime porque se sabia que os tomadores dos empréstimos que constituiam os ativos desses fundos não eram pagadores de “primeira linha”.

Quando a música parou de tocar, ou seja, quando os imóveis alcançaram seu teto de valor, e o mercado começou a “perceber” a fragilidade do esquema, o banco de investimentos Lehman Brothers quebrou, porque tinha uma grande quantidade de fundos de investimento subprime em sua carteira que ainda não havia conseguido revender no mercado. Com a quebra do Lehman Brothers, no mercado financeiro todo mundo começou a desconfiar de todo mundo e ninguém emprestava a mais ninguém, dando o pontapé inicial à crise de 2008.

Muita gente se deu mal diretamente, como bancos europeus, que haviam adquirido grandes quantidades de quotas dos fundos subprime. A AIG, empresa seguradora, faliu estrepitosamente, pois vários bancos, por precaução, ao adquirirem quotas de fundos subprime, faziam seguros (tecnicamente, derivativos conhecidos como credit default swaps ou CDS) para se garantirem no caso dos fundos quebrarem, o que, de fato, veio a ocorrer. Não só os bancos que queriam se proteger pagaram por CDS junto à AIG, mas também especuladores que começaram a perceber que o castelo de cartas estava prestes a ruir. A AIG, ávida pelo lucro “fácil”, já que os fundos subprime tinham boas notas acreditadas pelas agências de risco, não se constrangeu e comprou “risco” em grandes quantidades. O salvamento da AIG pelo governo americano talvez tenha sido o evento singular na história da humanidade em que mais se transferiu dinheiro (US$ 55 bi) da coletividade (300 milhões de contribuintes americanos) para umas poucas centenas de indivíduos e corporações.

2011

E aí chegamos em 2011. Uma das consequências da crise de 2008 foi que todos os esquemas temerários do mercado financeiro ficaram vulneráveis, porque todos os agentes passaram a analisar com lupa o que acontecia. Desta forma, foram pegos com as calças na mão os bancos islandeses e irlandeses, envolvidos em suas próprias bolhas especulativas. Devedores temerários, como o governo grego, e quem teve que gastar muito dinheiro público para segurar o seu mercado bancário, como Irlanda, Portugal e Espanha, também passaram a sofrer um maior escrutínio em seus débitos.

A Grécia, que já era uma grande devedora, teve que adotar, sob pressão da União Europeia, uma agenda econômica recessiva, o que fez o seu PIB recuar e, portanto, o valor da sua dívida pública, em termos de % sobre o PIB, disparar. O que seria um problema da Grécia, na verdade é um problema alemão e francês, porque tal como o Lehman Brothers em 2008, os grandes bancos desses dois países estão carregados de títulos da dívida pública grega e, possivelmente, também de títulos de empresas privadas desse país. A quebra grega afetaria de forma imprevisível os dois gigantes da União Europeia. Até o momento a dívida grega vem sendo rolada, pois não é do interesse de ninguém que a música “pare” novamente, mas esse movimento não é indefinido. Um sintoma de que a situação pode estar se agravando é a notícia publicada no Wall Street Journal na semana passada indicando que o Santander não conseguiu passar adiante quotas de um fundo de investimento no qual havia empacotado títulos da dívida pública de governos regionais da Espanha. Ou seja, ficou com o pepino na sua própria carteira de crédito. Parece que a música vai parar de tocar…

Consequências

Na melhor hipótese, teremos uma repetição dos acontecimentos de 2008. Em tese, poderia ocorrer uma nova disparada temporária do dólar no Brasil, pois investidores afetados pela crise tentariam fazer caixa vendendo ativos no país. De um modo geral, a situação econômica no mundo seria bem pior do que em 2008, pois estaríamos falando de uma queda dentro da queda… um cenário temerário.

Mas, também hipoteticamente, o Brasil pode vir a passar mais uma vez incólume por esse segundo tempo da crise. Tudo vai depender da China. Paradoxalmente, por esse país ainda se concentrar, de um modo geral, na produção de itens de baixo custo, talvez sua economia não seja tão afetada por uma recaída europeia e americana.

Veja também

Como a crise atual (2008) se compara com a de 1929?
Europa: um desastre da Grécia à Letônia.
O Banco do Brasil salvou o país da crise.
– Tudo o que publicamos sobre a crise financeira.

Caçadores de mitos: capital financeiro

Por Allan Patrick

Paul Krugman

Paul Krugman.

Eu costumo caminhar na esteira quase todo dia. E para passar o tempo assisto à Bloomberg. Há um aspecto que eu gosto: muitos números dos fundamentos da economia são divulgados em estado bruto, sem nenhum tipo de intermediário que lhe aplique um verniz ideológico. O aspecto chato é o rosário de economistas, quase sempre do mercado financeiro, repetindo constantemente o mesmo mantra em prol do capital especulativo. Por isso eu admiro o economista Paul Krugman, Prêmio Nobel de 2008. Porque ele lê os números e elabora uma análise aparentemente sem compromisso com lóbis do setor financeiro. Como nesta entrada do seu blogue, que traduzo a seguir, onde discorre sobre a influência do capital financeiro em economias do terceiro mundo:

9/11/2009 – Caçadores de mitos do sistema financeiro, Episódio Terceiro Mundo

Um argumento que eu continuo ouvindo é que “Bem, talvez a China não tenha recebido muito capital externo, então você não pode atribuir sua evolução recente às modernas finanças internacionais, mas diversos outros países em desenvolvimento  estão crescendo rapidamente graças ao capital financeiro.”

E minha resposta é uma pergunta: de quem vocês estão falando?

Desde o começo dos anos 1980, houve três grandes ondas de fluxo de capital financeiro para países em desenvolvimento.

A primeira onda teve como destinatário os países da América Latina que liberalizaram o comércio e abriram seus mercados como consequência da crise da dívida dos anos 1980. Essa onda chegou ao fim dolorosamente, com a crise mexicana de 1995 e com a prolongada crise argentina que veio a estourar em 2002.

A segunda onda atingiu as economias do Sudeste Asiático em mediados dos anos 1990, quando o milagre econômico dos tigres asiáticos havia alcançado seu auge. Essa onda também se encerrou dolorosamente, com a crise de 1997-8.

A terceira onda foi dirigida às economias do leste europeu em mediados desta década. Esta onda também está se encerrando dolorosamente, no presente momento.

Houve alguns bons exemplos de desenvolvimento econômico extraordinário desde os anos 1980. Mas eu não estou ciente de nenhum caso que tenha sido conduzido principalmente por capital financeiro externo. O ponto aqui não é se o movimento internacional de capitais é necessariamente algo ruim – esse é um tema bastante quente, a propósito. O ponto é que não há qualquer evidência nítida que fluxos de capital financeiro resultem ser uma fonte relevante de sucesso econômico.

Brasil versus China: previdência e saúde pública

Adib Jatene. Foto: Janine Moraes/ABr.

Adib Jatene. Foto: Janine Moraes/ABr.

Ainda sobre a entrevista de Adib Jatene ao UOL Notícias, destacamos a comparação com a China e a Europa/Canadá:

UOL Notícias: Porque a Previdência se retirou da saúde?
Adib Jatene: O número de aposentados cresceu. Hoje, cerca de 30 milhões de brasileiros vivem com recursos da Previdência. Paga-se pouco, mas dá para o sujeito viver. Então, como ainda dizem que a população não tem nenhum benefício? Quer comparar o nosso sistema de saúde com o da França ou Canadá? Eles gastam US$ 2.500 per capita. Isso dá quase R$ 5.000 per capita. Nós dispomos de apenas R$ 650 per capita. É desonesto fazer esse tipo de comparação. As pessoas se esquecem da evolução dos países. Os países da Europa ocidental se desenvolveram com a Revolução Industrial. Naquele período, houve uma grande migração das pessoas para as cidades. Só que os trabalhadores não tinham nenhum direito. Trabalhavam 16 horas por dia, inclusive crianças. O que aconteceu? Surgiu Karl Marx, que escreveu uma doutrina sobre a exploração do trabalhador pelo capital. Mas eles passaram por isso 200 anos antes. E, nessa época, esses países tinham colônias. Eles drenavam a riqueza do resto do mundo. As grandes cidades da Europa foram construídas no século 19. É uma história absolutamente distinta da nossa. A China, hoje, tem um grande desenvolvimento econômico, mas não dá nada para o trabalhador. E todo mundo acha formidável a China. No Brasil, pelo menos, o trabalhador tem aposentadoria. (grifo nosso)

Quer comparar o nosso sistema de saúde com o da França ou
Canadá? Eles gastam US$ 2.500 per capita. Nós dispomos de R$ 650.

UOL Notícias: Quer dizer que o Brasil optou por um modelo de desenvolvimento mais humano?
Adib Jatene: A sociedade brasileira decidiu garantir ao menos a previdência e a saúde, e se engrandece com essa escolha. Está cuidando daqueles que podem menos e dando as mínimas condições de sobrevivência. Mas o setor da saúde não tem o mínimo de recursos para dar assistência à toda população. Como o Brasil não tem o volume de recursos suficientes para fazer o saneamento, o transporte, a segurança, a habitação. O Brasil ainda é um país pobre, que se industrializou muito recentemente. Nós temos de correr atrás do prejuízo. Mas houve um setor da nossa sociedade que se desenvolveu, que vive hoje como se estivesse num país de US$ 40 mil de renda per capita. É este setor que tem grande compromisso de corrigir as desigualdades.

Atualização em 06/11/2009:

Outros trechos desta mesma entrevista:

Saúde pública: o que o SUS consegue fazer?

Diagnóstico da saúde pública no Brasil.

Textos relacionados:

Relações de trabalho na China.

China versus Brasil.

Os procedimentos complexos e o SUS.

Relações de trabalho na China

Praça da Paz Celestial.

Praça da Paz Celestial.

Volto a um tema que me interessa muito: a China. Porque se tem um assunto que me causa um certo desconforto, é o absoluto desconhecimento da realidade desse país. O quão desinformados estamos sobre como as coisas acontecem por lá. Isso me leva a ser cada vez menos paciente com quem repete a lenga-lenga de que os chineses estão progredindo porque trabalham muito (16h/dia, dizem), não tem direitos trabalhistas, previdência nem assistência médica pública. Porque as informações que eu colho aqui e acolá me revelam uma realidade muito mais complexa. Vejamos esta matéria do Wall Street Journal.

Protesto violento expõe desafios a reforma da siderurgia chinesa
Sky Canaves e James T. Areddy – 31/07/2009
The Wall Street Journal, de Tonghua, China

Quando Chen Guojun assumiu o cargo de gerente geral da Tonghua Iron & Steel, deveria ter sido um passo à frente no esforço apoiado pelo governo chinês para consolidar a gigantesca indústria siderúrgica do país.

Mas, em vez disso, a chegada de Chen se tornou o trágico símbolo dos desafios enfrentados por Pequim enquanto tenta transformar o inchado cenário industrial que surgiu no país.

Na sexta-feira passada, depois de ficarem sabendo que a empresa privada que empregava Chen planejava assumir o controle da estatal Tonghua Iron & Steel, milhares de trabalhadores, preocupados com a possibilidade de perderem seus empregos, promoveram um protesto violento e interromperam a produção da usina, localizada num bairro coberto por cinzas nesta cidade no nordeste da China.

Enquanto se espalhavam os boatos de que o Grupo Jianlong, empregador de Chen, planejava demitir operários, um grupo deles encontrou o executivo de 41 anos e o espancou gravemente, afundando seu crânio. Depois os operários bloquearam as ruas próximas da fábrica e arremessaram tijolos para afastar a polícia e os paramédicos que tentavam alcançar Chen.

Para entender o porque de uma reação de tal gravidade, temos que parar a leitura aqui e dar um salto para um parágrafo quase no meio da matéria:

As siderúrgicas chinesas têm quadros de pessoal gigantescos. A Shanghai Baosteel emprega mais de 108.000 pessoas. A japonesa Nippon Steel Corp., cuja produção é bem maior, emprega cerca de 17.000. O governo central acusou as pequenas siderúrgicas, controladas pelos governos provinciais, de terem controle ambiental fraco, de consumir eletricidade e outros recursos valiosos de modo pouco eficiente e de inundar o mercado com produtos de baixa qualidade. (grifo nosso)

O Journal sugere que os cortes poderiam ser brutais (+ de 80%). A violência contra a pessoa do gerente foi intolerável e imperdoável. No entanto, como qualquer literatura de psiquiatria básica esclarece, o desemprego é um fator motivador de suicídio. Quantos não morreriam entre as dezenas de milhares de demitidos? Por que essa informação sempre é escondida do público (como ocorreu com ex-funcionários do Banco do Brasil nos anos 1990)? De volta à matéria:

Amedrontadas, as autoridades locais anunciaram na televisão na noite de sexta-feira que os planos da Jianlong de comprar a Tonghua Iron & Steel foram cancelados. Quando os protestos acalmaram e as autoridades conseguiram chegar a Chen, cinco horas depois de ele ser atacado, ele, que era pai de dois filhos, já estava morto. (grifo nosso)

Como é que é? Autoridades amedrontadas? Na China? Não estou questionando o fato narrado pelo Journal. Respeito sua credibilidade jornalística construída ao longo de décadas. O meu questionamento é em relação a nossa ignorância da realidade chinesa, cuja imagem não casa com “autoridades amedrontadas”.

A violência em Tonghua motivou um debate de intensidade incomum na mídia chinesa e entre especialistas no tratamento dos recursos humanos durante fusões. “Esse caso faz soar um alarme necessário”, diz Li Xinchuang, vice-presidente do Instituto de Planejamento e Pesquisa da Indústria Metalúrgica da China, um centro de estudos do governo que ajudou a traçar a política oficial para a indústria siderúrgica. “Antes, (as reestruturações) se preocupavam apenas com os benefícios para os governos locais e as empresas, mas os interesses dos empregados deveriam receber muito mais atenção.”(grifo nosso)

Debate de intensidade incomum? Quer dizer então que a questão não foi simplesmente resolvida com a tropa de choque e tanques? Houve debate público? Na mídia? O governo chinês parou de consultar os Chicago boys?

Mesmo antes, a China vinha enfrentando dificuldades para avançar em seu esforço para consolidar o setor. A indústria siderúrgica chinesa é de longe a maior do mundo, respondendo ano passado por cerca de 38% da produção mundial. Essa fatia só tem crescido, em meio à recessão mundial. A produção chinesa subiu 6% no primeiro semestre, enquanto a mundial encolheu 21% no mesmo período.

Enquanto isso, no nosso país a Vale permanece como uma vendedora de pedras, sem agregar valor à matéria-prima que exporta do Brasil. E é aplaudida por muita gente.

Mas a indústria chinesa do aço é fragmentada em mais de 800 produtores. A Shanghai Baosteel Group, há muito tempo a maior siderúrgica do país, respondeu por cerca de 5% das quase 500 milhões de toneladas de aço produzidas no país ano passado. Já na Coreia do Sul, a Pohang Iron & Steel Co., ou Posco, foi responsável por mais de 60% do aço produzido no país no ano passado.

Os planos para a indústria siderúrgica têm enfrentado a resistência dos governos locais donos das empresas, que consideram as usinas uma fonte importante de receita tributária e empregos. “As questões mais profundas nas outras fusões que acompanhei foram políticas e tributárias, como quem manda no quê”, diz Thomas Wrigglesworth, analista do Citigroup em Hong Kong. Quando as fusões realmente ocorrem, ele afirma que geralmente a produção não diminui.

Os chineses não querem virar suco.

Os chineses não querem virar suco.

Na lógica do Wall Street Journal, empresas aumentarem seus lucros é virtuoso. Ótimo, concordo. Mas governos querendo preservar sua arrecadação para manter o serviço público funcionando e empregados querendo manter seus salários para sobreviver, é visto pelo WSJ como o 8º pecado capital.

Embora violência como a de Tonghua seja incomum, especialistas em questões trabalhistas dizem que os trabalhadores estão ficando mais firmes quando sentem que seus interesses estão ameaçados.

Colaboraram Gao Sen, de Tonghua, e Ellen Zhu e Bai Lin, de Xangai)

Hã? Direitos trabalhistas? Na China? Perdoem-me pela ironia, pois tento acompanhar pela internet os acontecimentos naquele país e já era do meu conhecimento que lá a situação não é como a maior parte dos meios de comunicação retrata e muita gente, ingênuamente repete. Desde janeiro de 2008 que vigora uma legislação trabalhista razoavelmente rigorosa, inclusive com um órgãos de solução de conflitos trabalhistas que se assemelham, de certa forma, ao que é a nossa justiça trabalhista.

Textos relacionados:

Brasil versus China: previdência e saúde pública.

China versus Brasil.

Flexibilidade trabalhista e desemprego.

Por que o IPI foi reduzido para carros importados?

Eu vi no Conversa Afiada o comentário de um leitor que fazia uma pergunta pertinente e importante, cuja resposta muita gente desconhece. Por que o governo federal havia concedido a redução do IPI também para automóveis importados, se o objetivo da medida era estimular a produção de automóveis nacionais?

Organização Mundial do Comércio (OMC, WTO em inglês). Fonte da imagem: wikipédia.

Organização Mundial do Comércio (OMC).

A resposta é a seguinte: desde que o Brasil aderiu ao GATT (General Agreement on Tariffs and Trade ou Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio) vigora no país a cláusula que proíbe dar tratamento diferenciado a produtos nacionais e estrangeiros. O GATT, atualmente, foi sucedido pela Organização Mundial do Comércio (OMC ou WTO, World Trade Organization, em inglês). Essa cláusula é conhecida como “tratamento não menos favorecido extensível ao importado“.

Até aí tudo bem, mas vejamos o que é que a China faz. Essa notícia eu peguei no China Law Blog, escrito por um advogado americano que vive em Pequim. Vejamos um trecho da nota que ele publicou no dia 11 de abril deste ano (2009), sobre empresas estrangeiras que tentam vender para o grande público consumidor chinês, de menor renda (mercado low cost). O texto está sob a forma de diálogo entre a empresa estrangeira (Company) e o advogado (Me). Minha tradução vem após o texto original.

China Business. Which Comes First The Wealth Or The Low End?

Company: Local government is telling us that unless we get legal…. and fast ….they are going to shut us down.

Me: Okay. What’s “get legal” mean.

Company: Register our business in China. Get on the grid for taxes, etc.

Me: Okay. No problem.

We then talked a bit and it very quickly became clear that the first thing this company needed to do was to register as a Wholly Foreign Owned Entity (WFOE).

Me: We can register you as a WFOE, no problem, but this is going to mean you are going to have to pay in minimum required capital, probably of around $240,000.

Company: That’s a lot of money for us, but we can do it if we have to.

Me: We will see if we can get it for less and it may be possible as China is certainly more interested in getting foreign businesses now than it was a year ago. How many employees do you have?

Company: Sixty.

Me: You realize you are going to have to start paying all sorts of taxes for those employees.

Company: Yes. All of them?

Me: It certainly sounds to me like you are going to have to pay all of them. It sounds to me like you have the local government breathing down your neck right now and it is doing so because your competitors have asked it to. Right?

Company: Yes. That is exactly what is going on.

Me: Now you realize that typically, these employer taxes mean that for every 100 RMB you are paying your employees, you are going to end up paying an additional 35 RMB or so in various employer type taxes. On top of that, you are going to have to start paying corporate taxes.

Company: I’ve heard that, but if I really have to do that, I am going to get killed. There is no way I can compete with the Chinese companies if I am going to have to pay all those taxes. There is just no way. If I am going to start paying those, I am going to have to raise my prices so high nobody is going to come in here any more. This isn’t even fair. I am certain non of my Chinese competitors are paying these taxes, I just know it.

Me: Yeah, you could very well be right.

Company: So what am I supposed to do?

Me: Isn’t it pretty much the case that if you don’t register as a WFOE and start paying your taxes you will be closed down?

Company: Yes.

Me: Do you really have a choice?

Company: This is ridiculous though. The whole system is set up so that foreign companies cannot compete.

Me: (thinking this, but realizing there is no point in saying it). Well actually, the system is now set up so that you and the Chinese companies actually are supposed to pay pretty much the exact same taxes. The problem isn’t so much “the system” as the way “the system” actually functions in real life.

Company: I am going to have to figure out how I can justify higher prices to my customers….

Minha tradução para os pontos mais importantes:

Negócios na China. O que vem primeiro, os clientes ricos ou o mercado popular?

Fábrica na China. Foto por Taro Taylor.

Fábrica na China. Foto por Taro Taylor.

Empresa: O governo local está pedindo que a gente se legalize ou ele vai fechar a empresa.

Eu: Ok. O que você quer dizer com “se legalize”?

Empresa: Registrar nosso negócio na China. Começar a pagar impostos, etc.

Eu: Sem problemas.

(…)

Eu: Você se tocou que vai ter que pagar impostos sobre todos os seus (60) empregados?

Empresa: Sim. Todos eles?

Eu: Acho que você vai ter que pagar por todos eles. A impressão que me dá é que o governo local está fungando no seu cangote a pedido dos seus concorrentes. É isso?

Empresa: Sim. É exatamente isso que está acontecendo.

Eu: Você percebeu que vai ter que pagar 35 yuans de contribuição previdenciária para cada 100 yuans que gastar na sua folha de pagamento. E além disso, vai ter que pagar os demais impostos normais a uma pessoa jurídica?

Empresa: Eu ouvi falar, mas se eu fizer isso, vou quebrar. Não tenho como concorrer com essas empresas chinesas se eu começar a pagar todos esses impostos. De jeito nenhum. Se eu for pagar tudo isso, meus preços vão subir tanto que ninguém mais vai querer comprar alguma coisa de mim. Não é justo. Estou certo que meus concorrentes chineses não pagam esses tributos, eu sei disso.

Eu: É provável que você esteja certo.

(…)

Empresa: Isso é ridículo. O sistema todo é montado de um jeito que uma empresa estrangeira não pode competir.

Teoricamente, as empresas estrangeiras ou os seus países de origem poderiam pedir a arbitragem da OMC. Se ela decidir a favor do país estrangeiro, este fica autorizado a impor sanções comerciais à China. Mas, no momento, ninguém quer se indispor com o maior mercado consumidor do mundo. Essa é a globalização à chinesa.

Atualização em 26/11/2009:

O Ministério da Fazenda encontrou uma forma de contornar essa questão: decidiu prorrogar a redução da alíquota do IPI apenas para veículos com motor flex, restringindo assim, de maneira indireta, o benefício apenas a fabricantes estabelecidos no Brasil.

Textos relacionados:

Uma montadora de automóveis brasileira?

Nacionalização da GM, o carro elétrico e o futuro do Brasil.

O livre-comércio é sempre a resposta?