O que Dubai tem que o Brasil não tem?

Por Allan Patrick

Burj Al Arab, hotel de luxo símbolo de Dubai.

Este ano de 2009 foi pródigo em artigos tecendo loas ao Emirado de Dubai (um dos 7 que formam os Emirados Árabes Unidos), paraíso fiscal localizado no Golfo Pérsico. Foi até palco de novela (Caminho das Índias).

Em abril, a jornalista Eliane Catanhêde publicou artigo (a íntegra pode ser lida em meio a este texto) na Folha de S. Paulo, cujo eixo principal destacamos aqui:

O que Dubai tem que o Brasil não tem? Essa é fácil. Tem decisão política, infraestrutura, planejamento. E não tem sujeira nem violência. O fato de ser uma faixa habitada entre os encantos do deserto e o mar muito azul, com calor todo o ano, ajuda, claro. Mas não chega a ser realmente decisivo. Mais do que as condições naturais, em que jamais poderia competir com o Brasil, pesam as decisões governamentais que tanto faltam no nosso país.

De um lado, o xeque Mohammed al Maktoum preserva a identidade e os direitos básicos dos cidadãos; de outro, investe tudo no turismo e corta impostos. Para começo de conversa, Dubai tem a sua própria companhia aérea, a Emirates, privada, com rotas para todos os continentes. Depois, ele atraiu com terrenos e incentivos as grandes redes hoteleiras do mundo, e os hotéis são fantásticos, para todos os gostos e bolsos. O marketing é a alma do negócio. E do país.

O petróleo, hoje, só responde por 3% a 5% do PIB, contra 20% do turismo. O xeque pode ser o símbolo do passado, com seu regime, seus trajes e suas manias, mas é bem mais moderno do que os políticos brasileiros, em muitos sentidos. No Brasil, os políticos querem jatinhos só para eles próprios voarem por aí.

(grifo nosso)

Que decisões governamentais foram essas de que fala a jornalista?  Cito algumas. Em 2003, o Emir Sheikh Mohammed transformou o país num hermético paraíso fiscal (fonte: Tax Justice Network, PDF). Favoreceu a especulação imobiliária, através da Nakheel Properties, que desenvolveu projetos bizarros e megalomaníacos, como The World e Palmeira Jumeirah. Utilizou-se da mão-de-obra quase escrava de trabalhadores miseráveis provenientes da Índia e do Sudeste Asiático.

Esta semana veio a notícia bombástica: o fundo soberano, Dubai World, do qual a Nakheel Properties era uma subsidiária, anunciou uma moratória, suspendendo pagamentos de uma dívida que chega a quase US$ 80 bilhões. Em bom português, deu um calote monumental.

Qual a resposta à pergunta que intitula este texto? O Emir é um símbolo do passado, com práticas típicas do coronelismo mais atrasado que o Brasil já teve. O seu “novo jeito de governar”, com “corte de impostos”, especulação financeira e imobiliária, e exploração de mão-de-obra, não tem nada de novo e não serve de lição para ninguém, muito menos para os brasileiros. O que nós precisamos é abandonar o complexo de vira-lata que faz crer a alguns que somos a nação mais original do mundo em má-governança.

Textos relacionados:

Risco moral.

Mercenários adoram paraísos fiscais.