As casas uivantes e a crise mundial

Casas num subúrbio no Arizona. Foto por k.obscura

Casas num subúrbio no Arizona. Foto por k.obscura

Estamos cansados de ouvir a frase feita “isto é apenas a ponta do iceberg!” Mas neste caso da crise financeira, a cada dia que passa formamos a convicção que não há analogia mais apropriada. O texto traduzido a seguir é do blogue Perogrullo, de Pepe Cervera, acessado via Escolar.net.

As casas uivantes

Nos subúrbios do Arizona os moradores e os serviços de emergências estão se deparando com um inesperado problema causado pela crise imobiliária. À medida em que os proprietários deixam de pagar as hipotecas de suas McMansões, os bancos os despejam e tomam as casas. Eles preferem deixar as casas fechadas – na prática abandonadas – porque se as levarem a leilão no mercado terão que registrar o prejuízo contábil correspondente à desvalorização que elas sofrerem no arremate. Resultado: as casas ficam abandonadas à própria sorte sob o sol do Arizona até que o vento ou a poeira acionem o alarme de incêndio. As prefeituras, responsáveis pelo serviço de bombeiros, estão quebradas (quem pagou IPTU?) e não atendem essas pseudo-emergências, até porque a lei só permite aos bombeiros desligar o alarme com autorização do proprietário. Nessas circunstâncias, podem levar dias ou até mesmo semanas para encontrá-lo; e, como não há fumaça, os serviços de emergência não estão autorizados a entrar nas residências. Desse modo, nos condomínios onde as casas estão se tornando escombros pela ação dos elementos, várias delas uivam até que suas baterias se acabem. Os vizinhos não tem mais remédio que aguentar e esperar que a natureza resolva o problema pela ação inexorável da Segunda Lei da Termodinâmica. É isso: no mais país mais rico do mundo, subúrbios repletos de casas abandonadas cujo som ambiente é um coro de alarmes que decaem até o esgotamento: bem vindos ao futuro! Dica do BLDG Blog.

Mais dia, menos dia, os bancos terão que registrar os prejuízos em sua contabilidade. Não é a toa que já tem tanta gente protestando contra a marcação a mercado, ou seja, contra a obrigatoriedade de revisar os valores dos ativos. A crise ainda não mostrou toda sua força. Por enquanto, essas casas ainda compõem ativos reluzentes nos balanços apresentados em Wall Street. Mas, que outros esqueletos estarão nos armários do bancos americanos?

Textos relacionados:

Risco moral.

O subúrbio americano.

Qual o maior problema econômico dos Estados Unidos?

Krugman: o Estado salvou o mundo da crise.

Como a crise atual (2008) se compara com a de 1929?

A bolha imobiliária

Por Allan Patrick

Esse gráfico da revista The Economist mostra o tamanho do tombo no mercado imobiliário americano e me faz crer que a crise ainda revelará más notícias para diversos vários países, principalmente a Espanha, onde os preços de imóveis ainda estão nos patamares de 2007:

Evolução dos preços de imóveis na Espanha, Irlanda, Grã-Bretanha, Alemanha e EUA.

Evolução dos preços de imóveis na Espanha, Irlanda, Grã-Bretanha, Alemanha e EUA.

Fonte: The Economist, via Escolar.net e Las penas del Agente Smith.

Também me leva a conjecturar que a bolha imobiliária em Natal pode desinflar de um modo mais bruco do que eu pensava e comentava com amigos, posto que há muitos imóveis na nossa cidade que pertencem a investidores espanhóis e eles podem eventualmente ser levados a vender esse ativos para cobrir perdas a serem registradas, no futuro, em seu país de origem.