Arábia Saudita, paraíso da escravidão moderna

Por Allan Patrick

Imigrantes na Arábia Saudita. Foto: AFP via Allvoices.

Existem diversas formas de manifestação contemporânea do trabalho escravo. Uma das mais disseminadas e, paradoxalmente, menos divulgada é a da exploração de imigrantes nos países ricos da península arábica.  Embora tenhamos no Brasil diversas ocorrências de escravidão por dívida – que nos envergonham gravemente – ao menos os nossos agentes públicos, como os fiscais do trabalho, dentro das suas possibilidades, agem para combater essa prática.

No caso da Arábia Saudita, a situação é muito pior, pois é uma prática respaldada pelo governo. País que só aboliu a escravidão tradicional em 1962, a Arábia Saudita mantém um sistema legal generoso com patrões que abusam de empregados imigrantes, mantendo-os coagidos sob o poder de domínio em relação aos seus vistos. Os imigrantes só podem sair legalmente da Arábia Saudita e retornar à seus países com o “de acordo” de seus patrões, uma porta aberta ao abuso. Hoje (26/06/2011), o dominical britânico The Observer aborda, na reportagem Lost in a wilight world, far from home – migrante ate mercy of Saudi ‘madams’ os abusos sofridos pelas cerca de 500 mil empregadas domésticas estrangeiras que vivem na Arábia Saudita, a maioria originária de regiões pobres da Índia e das Filipinas. Uma pena que a CartaCapital, que detem os direitos para publicar em português matérias do The Observer, dê preferência a reportagens sobre fofocas políticas do que a investigações de peso, como esta.

Um ponto que pessoalmente me irrita nessa questão é que, por ter um marco legal tão “favorável” ao empregador, a Arábia Saudita é tida pelo Banco Mundial como um dos melhores países do mundo na lista do relatório Doeing Business, sobre o qual já escrevi aqui no caderno. E esse relatório, como uma praga, vira e mexe aparece como ponto de referência dentro da administração pública brasileira. Fruto dos inúmeros acordos de consultoria internacional entre a administração pública e as agências internacionais, como o Banco Mundial.

Veja também:

Banco Mundial, o relatório Doeing Business e a escravidão.

Caça às bruxas. Século 21. Ano 2010

Por Allan Patrick

Uma pequena pausa para tratar de um assunto fora do tópico deste caderno. Enquanto a imprensa nacional e internacional gasta litros de tinta e horas de reportagem para tratar de democracia em Cuba e no Irã, numa monarquia absolutista conhecida como Arábia Saudita (saudita porque pertencente à família Saud), dá-se a condenação à pena de morte por decapitação de um ser humano acusado de… bruxaria! Isso mesmo, você não leu errado, bruxaria! A matéria pode ser vista na Agence France-Presse (em inglês). A repercussão na imprensa internacional e nacional, face ao absurdo da situação, é praticamente nula.