Obama e Osama

Por Allan Patrick

Obama e equipe acompanham operação que resultou no assassinato de Bin Laden. Foto: Pete Souza.

Não surpreende que tenha sido no governo de Barack Obama que os Estados Unidos tenham tido sucesso em montar uma operação para assassinar o seu assim denominado “inimigo público número 1”, Osama Bin Laden. Desde a campanha eleitoral para Presidente em 2008, que Obama já anunciava como a sua principal promessa para a política externa e de guerra ao terror a retirada do grosso das tropas americanas do Iraque (de fato, deixaram o país dois terços do seu contingente) e o reforço no cenário de guerra do AfPak. Recentemente escrevi sobre Onde os homens conquistam a glória, última obra do jornalista Jon Krakauer. No transcorrer do livro, fica claro que o governo Bush negligenciou propositadamente a ação militar no Afeganistão, abandonando a busca de Bin Laden em troca da, digamos assim, mais lucrativa aventura no Iraque. Analistas bem informados apontam que as mudanças recentes no ambiente político do Oriente Médio facilitaram a possível delação de Osama. Ainda assim, para o bem e para o mal,o crédito pelo “sucesso” da operação é de Obama.

Não vou entrar no mérito da ilegalidade e do péssimo exemplo para a comunidade internacional provocado por essa operação, pois esses temas já foram muito bem abordados pelo juiz Marcelo Semer.

Consequências

Já há congressistas americanos propondo o fim da ajuda militar ao Paquistão (e não são os pacifistas de sempre) e é possível que os Estados Unidos se retirem do Afeganistão como se retiraram do Iraque, abandonando as tarefas rotineiras de vigilância e mantendo apenas uma equipe de “instrutores” e um contingente na capital meramente suficiente para manter sob controle o governo formal (situação não muito diferente de quando a União Soviética deixou o país em 1988). Um acordão com o talibã, agora que o espantalho Bin Laden não está mais presente, pode selar a situação.

Em relação ao Paquistão, um não-país criado apenas como contraponto à Índia e mantido unido meramente pelos interesses da cleptocracia militar, o panorama é bem mais complexo, pois há sinais de que a Arábia Saudita está estreitando laços, num momento em que a região pode voltar a ser “esquecida” pela opinião pública mundial.

A fábrica de comunicados à imprensa

Nesse episódio, chega a ser grotesco a quantidade de informações manifestamente falsas que o Pentágono consegue plantar na imprensa, a maioria sem muito questionamento. Vou relacionar apenas algumas que percebi:

– Seu assassinato ocorreu numa troca de tiros (depois foi publicado desmentido informando que ele estava desarmado).

– Uma mulher foi morta na operação quando era usada como escudo humano (desmentido).

– Seu corpo foi jogado ao mar para respeitar as tradições muçulmanas (as ditaduras argentina e brasileira não foram tão criativas!).

E a campeã de todas, usada para justificar Guantánamo e os métodos de tortura, escondendo simultâneamente o verdadeiro delator de Osama:

– O seu esconderijo foi descoberto porque prisioneiros torturados em Guantánamo revelaram quem era o mensageiro de Osama (qualquer grupo clandestino de fundo de quintal muda seu modus operandi depois que pessoas-chave caem em poder do inimigo; achar que Bin Laden usava o mesmo mensageiro de dez anos atrás é muita ingenuidade).

O jornal Público fez uma matéria sobre o cipoal de contradições.

Onde os homens conquistam a glória

Por Allan Patrick

Capa da edição brasileira. Companhia das Letras.

Acabei de ler, praticamente num fôlego, o último livro de Jon Krakauer, recém lançado no Brasil pela Companhia das Letras, Onde os homens conquistam a glória. Krakauer é mais conhecido por ser autor de Na natureza selvagem, que serviu de base para o filme homônimo. Eu gosto do autor e de seu estilo jornalístico – suas obras são grandes reportagens -, mas esse livro em especial me tocou porque o personagem principal, Patrick Tillman, além de meu xará, tinha a minha mesma idade e, terceira coincidência inquietante, um irrequieto espírito idealista. Os nossos conceitos pré-estabelecidos e estereótipos nos ensinam que um jogador de futebol americano da liga profissional NFL, que se alista no exército depois do 11 de setembro, deve ser um brutamontes sedento de sangue e não um ateu leitor de Chomsky.

Mas o autor não se limita a narrar a história de Tillman. Ele vai muito além e faz um balanço inquietante da trágica maneira como as operações no Iraque e no Afeganistão foram (mal) conduzidas. De como Bin Laden quase foi capturado e depois praticamente deixado de lado. Revela o verdadeiro caráter (ou a sua falta) do incensado General Stanley McChrystal no episódio da morte de Tillman. E mostra ainda como as Forças Armadas dos EUA lidam pessimamente com episódios de fogo amigo, o que as condena a não aprender com seus erros e, portanto, a repeti-los de forma trágica.

O destino incerto do Afeganistão

Excelente matéria publicada no El País e escrita por Ramón Lobo, um dos melhores correspondentes de guerra em atividade no mundo: La incierta papeleta de Afeganistán. Apenas para aguçar a curiosidade, traduzo aqui o último parágrafo do texto:

A política pública, que se desenvolve a partir do comportamento apresentado pelos agentes políticos diante dos cidadãos, por vezes não tem muita relação com a política privada, que transcorre nos bastidores. O ex-vice-presidente dos Estados Unidos, Dick Cheney, um mestre do malabarismo e da ação no limite da legalidade, visitou há alguns anos o Parlamento afegão. Antes de adentrar no recinto um de seus assessores lhe explicou que se tratava de um Legislativo um pouco especial, repleto de narcotraficantes e senhores da guerra. “Bom, igual ao nosso”, exclamou.