As calçadas de Londres

Por Allan Patrick

Achei interessante preservar aqui um comentário que fiz no blogue da Lola em Peregrinação por uma cidade sem calçada:

Ah, Lola, um troll comenta que você foi a Roma só pra falar das calçadas… E se eu disser que estou quase completando meu terceiro mês em Londres admirando as calçadas da cidade 🙂

Ao contrário do que o troll poderia pensar, não fiquei sentado no meio fio admirando os paralelepípedos ou o cimento 🙂 … e sim a vida urbana. Os casais, pais ou mães levando os seus filhos em carrinhos para passear, fazendo compras, levando-os às creches ou escolas… Tudo isso à pé, porque as calçadas – não em todos os bairros, é verdade – geralmente são amplas e planas. É tão bonito ver crianças de 3 anos andando de patinete, sem medo de cair num desnível ou sem ter que apelar pra perigosa rua…

Cumprir todas as necessidades do dia-a-dia sem ter que babar por uma Toyota Hilux, como a nossa classe média faz! O resultado são cidades e pessoas mais saudáveis 🙂

13 de agosto de 2011 05:19

Fico pensando, o que é melhor para minha cidade, Natal? Isto:

Calçadas regulares favorecem o uso de patinetes por crianças, o deslocamento de pessoas portadoras de necessidades especiais, de idosos e, por que não?, de quem apenas gosta de caminhar. Foto: Juliana Rocha.

Isto:

Rua tomada dos carros para os pedestres em Londres. Foto: acervo pessoal.

Ou soluções pró-automóvel, como a proposta de ampliar para dez faixas a Av. Roberto Freire? Já parou pra pensar em dez faixas nas condições da BR-101, como na foto abaixo?

Um típico dia na BR-101 em Natal. Foto: Canindé Soares.

O pior é que entre amigos de classe média, em Natal, só ouço elogios a essa violência contra nossa cidade 🙁 …

Veja também:

Democracia vai além do voto.

20% dos deslocamentos na Grande Natal são feitos de bicicleta.

Democracia vai além do voto

Por Allan Patrick

Acessibilidade também é condição essencial para uma sociedade democrática. Foto por Allan Patrick. CC BY-SA 2.5 Brasil.

O Domingo passado foi o dia de exercemos um direito importante e fundamental no processo democrático: o voto.

Mas a democracia não se resume unicamente ao direito de votar e ser votado. Digo isso porque, enquanto caminhava de casa até o colégio onde voto, me deparei com uma situação que, a cada dia, me desperta mais antipatia.

Próximo ao colégio havia um terreno baldio onde, há um ano e meio mais ou menos, teve início a construção de um prédio residencial. Ok, até aí tudo bem. O que me deixou irritado é o que vocês podem ver aí na foto. Como o terreno era baldio, não existia calçada, apenas areia. Um cadeirante, por exemplo, não poderia prosseguir nesse caminho (seu direito constitucional de ir e vir constrangido), mas uma série de pessoas com algum grau de dificuldade de locomoção ainda teriam condições para utilizar essa via.

Mas a construtora piorou a situação: ao dar início à urbanização da calçada, elevou-a em cerca de 20 cm, com três fileiras de tijolos. Sim, a construtora aparentemente está cumprindo a legislação, pois reservou espaço para a a rampa – bastante inclinada por sinal. Mas notem que a rampa é uma solução paliativa para um problema que a própria construtora está criando, ao construir uma calçada tão elevada. Passada a ressaca da eleição, era essa mensagem que eu queria deixar: temos que exercitar a democracia não apenas no momento do voto, mas no nosso dia-a-dia, respeitando o direito das minorias e incluindo todas as pessoas, independente de suas circunstâncias individuais, na nossa sociedade.

Veja também:

As calçadas de Londres.