O lado sujo do futebol

1ª edição, 2014, Editora Planeta

Pág. 46 – Uso político da Receita Federal pela Ditadura Militar.

Pelé se recusou a jogar a Taça Independência, em 1972, um dos eventos em homenagem aos 150 anos do Grito do Ipiranga. Apelidado de forma ufanista de Minicopa, o torneio contou com a participação de 20 equipes. O Brasil foi o campeão, com gol de Jairzinho, o Furacão da Copa de 1970, na vitória por 1 a 0 sobre Portugal. Do time que entrou em campo na decisão, no Maracanã, havia seis titulares do Mundial do México. Mas Pelé não estava lá.

Em retaliação, a Receita Federal começou a investigar os ganhos do jogador e o autuou em mais de R$ 1,1 milhão, em valores atualizados, por declarar ao Imposto de Renda menos de um quarto do que realmente recebia. A CBD e o Santos, clube de Pelé na época, arcaram com mais de 55% do valor da multa. A investigação do regime militar mostraria ainda que, entre 1965 e 1973, o jogador recebeu da CBD ao todo cerca de US$ 320 mil (aproximadamente R$ 1,5 milhão).

Pág. 85 e 86 – Possível explicação para o acontecido com Ronaldo na final de 1998.

Em seu livro, o cientista político Jorge Caldeira diz que tudo não passou de uma sucessão de equívocos. Não houve convulsão. Ronaldo tinha histórico de sonambulismo. Segundo Caldeira, o que aconteceu se enquadra mais num caso de “parassonia”, no qual a emissão de ondas no cérebro produzem movimentos corporais involuntários durante o sono. Algo sem maiores consequências. Porém, assustado com o que testemunhou, o lateral Roberto Carlos, que dividia o quarto com Ronaldo, deu o alerta e desencadeou uma reação atabalhoada que levou jogadores e a comissão técnica ao frenesi.

O episódio pode, sim, ser revelador de falta de profissionalismo: dirigentes de qualquer equipe de alto nível deveriam conhecer detalhadamente o histórico dos atletas que a compõem. Se o sonambulismo de Ronaldo era público e implicava a possibilidade de “parassonia”, todos deveriam ter sido alertados, especialmente o colega de quarto do craque. Aparentemente, nada disso aconteceu. Ainda assim, mesmo que o Brasil não tivesse perdido a final apenas por jogar pior que a França, seria impossível atribuir responsabilidade pelo desastre a Ricardo Teixeira. Porém, como veremos a seguir, o cartola sofreu as consequências da convulsão que não houve muito mais do que o próprio Ronaldo. Coisas do destino.

Pág. 135 – Competições esportivas de policiais civis e federais, além de confraternizações de juízes federais, ocorrendo na Granja Comary da CBF.

Importante registrar que essa certeza resultou de uma estratégia cultivada ao longo de muitos anos. Teixeira promoveu campeonatos de futebol de policiais civis e federais na Granja Comary, sede da seleção brasileira. O mesmo lugar foi cedido para confraternização de juízes federais. A CBF chegou a patrocinar um congresso da Associação dos Delegados da Polícia Federal. Sem falar nos voos da alegria das Copas de Estados Unidos e França, nas quais autoridades — inclusive desembargadores de Justiça — viajaram com tudo pago pela entidade dirigida por Teixeira.