A vida quer é coragem

GMT Editores Ltda/Sextante, selo Primeira Pessoa, 2011. 1ª edição. Autor: Ricardo Batista Amaral.

Resenha. (publicada originalmente na rede social skoob).

Uma biografia sem sal.

A vida quer é coragem. Capa da 1ª edição.

A biografia escrita por Ricardo Batista Amaral já se paga só por ter trazido a público a foto de Dilma, em pleno período ditatorial, altiva e dona de si na Audiência Militar, enquanto os oficiais auditores encobriam suas caras com vergonha do julgamento da história.

Isto posto, minha principal crítica é quanto a uma certa superficialidade do texto do autor, que evita, por exemplo, entrar em bolas divididas e dissecar controvérsias contemporâneas. Para uma personagem com uma história tão rica, a biografia é um tanto insossa.

Talvez a obra atinja um público maior ou diferente do que aquele que se auto-define como de esquerda, pois o autor se mostra um personagem político conservador, ao definir, numa passagem (pág. 63, 1ª edição) a ditadura militar como “Revolução Democrática” (sem aspas!) ou comprar sem pestanejar a versão do patronato sobre o Conselho Nacional de Jornalismo (Pág. 260).

Os pontos fortes da obra são, na minha opinião, os capítulos que narram a pré-história de Dilma (antes da redemocratização) e o trecho com os bastidores da Conferência sobre Mudanças do Clima em Copenhague, realizada em 2009, e que poderia ter ganho um capítulo próprio, não só pelo interesse que o assunto desperta, como pela pobreza da cobertura noticiosa a que o público teve acesso à época.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *