A obra do artista

A obra do artista. Frei Betto.Editora Ática, 3ª edição, 1997.

Pág. 36 – Galileo escrevia em toscano

Se o magistério eclesiástico já conhecia as ideias de Copérnico desde 1533, como se explica a perseguição a Galileu no século XVII? O físico brasileiro Moacir Lacerda sugere que, talvez, por ele ter escrito em toscano e, portanto, permitido ao povo o acesso às suas teorias.

Pág. 41 – Einstein definindo ciência

Num artigo escrito em 1941, Einstein diz que “ciência é o esforço secular de reunir, através do pensamento sistemático, os fenômenos perceptíveis deste mundo, numa associação tão completa quanto possível. Falando claramente, é a tentativa de reconstrução posterior da existência pelo processo da conceituação”.

Pág. 159 – Lema positivista da Bandeira do Brasil.

Lamentável é que o lema positivista — O amor por princípio, a ordem pelo progresso — tenha sido suprimido em sua melhor parte.

Pág. 202 – Sobre a origem da vida e o parentesco de todas as formas de vida.

A ciência ainda não consegue explicar como átomos e moléculas se reúnem para formar a célula, filha de moléculas replicantes. Uma coisa é certa: todas as formas de vida possuem o mesmo tipo de código genético. Isso comprova que há um parentesco evolutivo entre bactérias e camarões, baleias e coqueiros, orquídeas e mulheres. Há proteínas semelhantes nas bactérias e nos seres humanos. Obra de arte, a célula congrega cerca de vinte tipos de aminoácidos — o alfabeto de todos os seres vivos — que, por sua vez, dependem de aproximadamente 2.000 enzimas específicas. Biólogos calcularam que possibilidade existe de 1.000 enzimas se acercarem ordenadamente até produzirem uma célula viva. O resultado é de 101000 contra 1! A mesma probabilidade que você tem de a gema e a clara de seu omelete se reconstituirem no ovo ou de o dicionário embutido num computador ser atacado por um vírus que misture de tal modo os vocábulos que resulte num texto como Grande Sertão, Veredas, de Guimarães Rosa. O que levou um dos descobridores da estrutura do DNA, Francis Crick, prêmio Nobel de Biologia, a reconhecer: “Um homem sensato, armado de todo o saber à nossa disposição hoje, teria a obrigação de afirmar que a origem da vida parece atualmente dever-se a um milagre, tantas são as condições a reunir para viabilizá-la”.