De volta ao Brasil

Por Allan Patrick

Se o voo não atrasar, pela hora que eu agendei a publicação deste post devo estar chegando de volta a Natal, depois de minha temporada de três meses estudando inglês em Londres. Uma cidade da qual eu sabia muito pouco mas que gostei quase de cara. Foram 90 dias sem precisar dirigir um carro e curtindo a vida comum de um londrino. Adorei passear pelas livrarias, bibliotecas, museus e descansar nos parques nos dias de sol (é, de vez em quando ele aparece).

Acima de tudo, foi muito bom conviver com tanta gente diferente na escola. Perceber as diferenças culturais. A tailandesa que nunca tinha ouvido falar em Marlon Brando ou no filme O Poderoso Chefão, a coreana que não sabia o que era o Papa (atenção: não quem era o Papa, mas o que), o jovem e ingênuo paquistanês que afirmou em sala de aula nunca ter visto um transexual (mas estava sentado ao lado de uma!), o professor polonês que queria dar aulas de karatê ao invés de inglês, o professor romeno de quem me tornei amigo, o colega siciliano de residência estudantil, rei da simpatia e da picardia, o coreano que chegou na casa só sabendo dizer “Hi!” e que evoluiu bastante no seu nível de inglês e se emocionou (eu também) na nossa despedida, as colegas japonesas, o argelino, os dois amigos do Cazaquistão (ele russo, ela cazaque) e a República de Aguascalientes  (uma brincadeira com os quatro mexicanos que passaram pela casa, todos do mesmo pequeno estado e que não se conheciam previamente, uma coincidência tão extraordinária como se eu tivesse encontrado três outros potiguares por aqui).

O Museu das Docas de Londres

Por Allan Patrick

Museu das Docas de Londres. Foto: acervo pessoal.

Londres é uma cidade farta em museus e seria perda de tempo aqui falar sobre a maioria deles, muito mais bem descritos e analisados por outros blogueiros. Mas, há uma pequena pérola que passa desapercebida para a maioria dos turistas, visitantes e até mesmo para muitos londrinos. Estou falando do Museu das Docas de Londres (Museum of London Docklands).

O prédio do museu é um antigo armazém de açúcar e a viela onde está localizado era conhecida como “Bloody Alley” (beco sangrento, viela sangrenta) porque os estivadores que trabalhavam no local descarregando os navios tinham sempre suas mãos, pescoços e costas em carne viva por causa das péssimas condições de trabalho.

O museu conta a história dos portos e docas de Londres desde a fundação da cidade pelos romanos e é isso o que o torna tão especial, porque em essência narra a história econômica da cidade e, por tabela, do Império Britânico. Foi o único museu da cidade do qual eu fui – literalmente – expulso em razão do horário de fechamento.

Só nele é possível encontrar a informação de que, no século XVIII, um quarto da renda no Reino Unido era oriunda dos lucros dos senhores de engenho das Índias Ocidentais (colônias do Reino Unido no Caribe) e que um destes escravagistas, William Beckford, chegou a se tornar Prefeito de Londres, tal a influência política e econômica que exerciam no Império.

Essa acumulação primitiva de capital iria criar as condições para a deflagração da Revolução Industrial, colocando o Reino Unido na liderança econômica do mundo durante todo o século XIX o que resultou, claro, no período de máxima expansão das Docas de Londres, que o museu retrata muito bem.

Para um retrato perfeito da história econômica do Império Britânico, faltaria apenas um relato um pouco mais aprofundado da evolução do setor financeiro da cidade, muito ligado historicamente à força das conexões comerciais marítimas, que é abordado de forma um pouco superficial. Não deixa de ser curioso, posto que o a região das docas de Londres, onde o museu está, depois da desativação das atividades portuárias nos anos 1980, foi convertida em centro financeiro, praticamente tão importante quanto o da City de Londres.

Veja também:

A Europa que não conhecemos: a City de Londres.

Um dos pequenos grandes crimes da ditadura militar

Por Allan Patrick

Palácio da Alvorada, uma das principais vítimas. Foto: wikipédia.

Limpando as gavetas para arrumar a bagagem para o meu retorno ao Brasil, tenho encontrado minhas anotações de artigos da imprensa londrina sobre o Brasil. Numa delas, a revista do Wall Street Journal de 23 de junho de 2011 publica uma matéria, Dreaming of Brasília, mostrando como os militares jogaram literalmente no lixo móveis desenhados por Niemeyer, fazendo a fortuna  de antiquários que resgataram essas preciosidades e às venderam, principalmente, a compradores em Nova Iorque.

A matéria mostra que, aos poucos, com o avanço dos sucessivos regimes democráticos, a cidade vai se recuperando do período de trevas.

Bolsa-família atende 45 milhões de americanos

Por Allan Patrick

Food stamp, o bolsa-família dos EUA. Foto: USDA.gov

Foi notícia na edição de 16 de julho de 2011 da revista The Economist e dá uma ideia do tamanho da crise que atinge a população do Estados Unidos:

Em abril, o programa food stamp (o bolsa-família dos EUA) atendeu 45 milhões de pessoas ou um de cada sete americanos.

O custo anual do programa este ano chegou a US$ 65 bilhões!

E o Departamento de Agricultura, que administra o programa, reconhece que apenas dois terços dos que poderiam se habilitar a receber o pagamento fizeram sua inscrição.

O benefício médio é de 133 dólares e o máximo atinge 200 dólares.

O Itaú na Economist

Por Allan Patrick

Anúncios de contracapa do Itaú na Economist.

Há duas semanas eu escrevi sobre um anúncio do Banco Santander na revista The Economist, mas em termos de anúncios quem tem me chamado a atenção na revista é o Banco Itaú. Desde que cheguei aqui em Londres, tenho comprado todas as semanas a revista, e sem exceção, sempre está lá um anúncio de página inteira do Banco Itaú. Com tanta regularidade, nem a IBM, a Toyota e a Samsung, outros dos anunciantes mais frequentes da revista. Certamente, é o maior anunciante da revista que não tem os leitores como potencial clientela. Mais recentemente, o Itaú tem sido mais ousado, e ocupa a contracapa edição sim, edição não.

Exemplo de edições da Economist que tiveram anúncio do Itaú na contracapa.

O interessante é que, após décadas em que as empresas e analistas brasileiros sofriam com a fraqueza da marca “Brasil”, que aos olhos estrangeiros mal se diferenciava da América Latina como um todo, o Itaú está aparentemente dando um passo atrás, ao se anunciar como um o “banco global da América Latina”. Sim, o Itaú é o maior banco privado do Brasil. Mas sua presença na Argentina, Uruguai, Paraguai e Chile é tímida. E, fora desse conjunto de países na América do Sul, é um banco irrelevante em termos de varejo. E a presença na imprensa de economia londrina do nome Brasil é muito mais forte do que América Latina.

Qual será o objetivo do banco? Valorizar a “marca” e, portanto, seu posicionamento na mente dos analistas de mercado no exterior? A categoria América Latina (onde há concorrentes maiores, como o próprio Santander) é a correta?

Sobre essa campanha há um comunicado à imprensa, insosso e pouco explicativo, divulgado no começo do ano.

Veja também:

O Banco Santander e o Brasil.