O que aprendi sendo xingado na internet

Por Allan Patrick

Atualização de uma resenha publicada no skoob.

Antes de mais nada, para que não fique nenhum mal entendido e alguém imagine que sou um troll anti-sakamoto, esclareço que adquiri três exemplares desse livro, um pra mim, dois para doá-los à biblioteca pública da universidade onde estudei (UFRN). Além disso, sou contribuinte mensal da ONG Repórter Brasil, dirigida pelo jornalista.

A minha primeira bronca com a obra é o apelo ao ponto de vista “isentão” que Sakamoto faz ao analisar a crise política atual, que vem desde 2014. Ele afirma que o radicalismo contemporâneo não é produto do extremismo alimentado pela direita mas de um “monstro que foi alimentado pelos dois mais importantes partidos políticos brasileiros” (pág. 10 da minha edição, de 2016).

Minha segunda bronca é com sua abordagem crítica em relação ao bolsa família (pág. 44), como se este não fosse um dos programas com maior acúmulo de dados e pesquisas acadêmicas mostrando sua eficiência. Sua crítica ao bolsa família parece ser direcionada a agradar o leitor de classe média alta carregado de preconceitos contra o programa.

Mas tem mais, Sakamoto arruma tempo pra bater palma pros programas sociais do governo FHC (pág. 111) e ataca o PT por ser muito “pragmático”, pois faz alianças políticas de “conveniência”.

Hora, mas não era ele que poucas páginas atrás tentava agradar o leitor ogro inimigo do bolsa família?

Como é normal nesse tipo de crítica ao PT, Sakamoto deixa de indicar qual seria a alternativa a esse pragmatismo.

Fechar o poder legislativo? Viver em permanente estado de conflagração? Já vimos que isso não dá certo.

Ao mesmo tempo em que acusa o PT de ser pragmático, põe nesse partido também a culpa pelos radicais de direita serem como são! (pág. 112).

A incoerência não para aí, pois apesar de atacar o PT por seu “pragmatismo”, condena quem se recusa a atender aos grandes meios de comunicação (o popular “PIG”) e recomenda à esquerda ser mais “pragmática” no trato com a imprensa (pág. 59). Deixa em segundo plano a questão da democratização dos meios de comunicação.

Qual seria a diferença, em termos de moral, entre o PP de Maluf e uma TV que desvia R$ 1 bilhão por meio da sonegação tributária?

Pra mim, o autor, por quem tenho imenso respeito como profissional, saiu menor deste livro.

One thought on “O que aprendi sendo xingado na internet

  1. Caro Patrick, bom ver tua crítica sobre esse livro. Só tinha visto elogios a ele. Por vezes gosto do Sakamoto, mas me incomoda algumas colunas que ele escreve- e esse livro é composto pelo menos parcialmente delas. Valeu pelo retorno do blog! Abraços

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *