Surge a autocrítica do primeiro mandato de Dilma

Por Allan Patrick

Dilma em evento na Fiesp. Foto: Marcelo Camargo/ABr.

Dilma em evento na Fiesp. Foto: Marcelo Camargo/ABr.

Não é mais prática neste Caderno a mera republicação de conteúdo, mas vamos aqui abrir uma exceção para chamar a atenção a um texto com uma excelente autocrítica registrada pela ex-Presidenta Dilma Rousseff sobre a condução da economia no seu primeiro mandato. O original foi publicado no Jornal GGN sob o título Dilma ao GGN: privatização, apagão e Estado de exceção.

Cometi equívoco, sim.

Erramos ao julgando que as isenções para as contribuições à Previdência, de quase R$ 30 bi, mais as do IPI poderiam resultar em aumento do investimento. Fizemos várias reuniões para discutir se as medidas contracíclicas ampliariam a demanda, neutralizaria o movimento de redução da atividade econômica.

Tínhamos um problema grave no câmbio. Ele veio de R$ 1,70 e chegou aos R$ 2,00. Aí ficamos mais aliviados. No entanto, nosso comércio com os Estados Unidos estava com déficit. O ajuste dos EUA foi em cima de salários e de benefícios. Decidimos então baixar o custo do trabalho, já que vivíamos uma fase de pleno emprego. Achávamos que melhoraria a atividade econômica.

A prática comprovou que serviu apenas para recomposição de margem. Fragilizou a gente, quando era mais necessário enfrentar a crise econômica. Perdemos R$ 40 bilhões de receita básica.

A vida mostrou que foi uma avaliação errada. Foi uma quantidade enorme de isenções fiscais.

O segundo equívoco foi achar que daria para fazer ajuste apenas cortando as despesas. Todos os países que saíram da recessão tiveram que aumentar a receita. Só com cortes de despesas, apenas se aprofunda ainda mais a crise. Os cortes fiscais que fizemos significou uma recomposição da receita perdida com as isenções. Nossa força seria a CPMF, que poderia arrecadar R$ 38 bilhões.

Não foi Joaquim Levy que bolou os ajustes fiscais. O Guido deixou quase todas as reformas prontas. Fizemos o aperfeiçoamento do seguro desemprego, resolvemos a questão da pensão-viúva.

Agora confiram aqui com nossa avaliação registrada em fevereiro deste ano: A economia no governo Dilma em 2015.

Não escrevo isso para me vangloriar, mas para fazer uma nova autocrítica da esquerda e do PT. Primeiramente à própria Dilma por não expor claramente esse raciocínio no início do seu segundo mandato. Ao não agir assim, Dilma deixou estupefata sua base de apoio à esquerda e permitiu que a narrativa do “assumiu o discurso e a prática neoliberal do perdedor” propagado pela extrema esquerda antipetista fosse ganhando ares de verdade entre seus apoiadores, um dos ingredientes relevantes do processo de deslegitimação democrática que resultou no impeachment.

Não ajudou também que parte expressiva da esquerda do PT, ao invés de fazer essa análise autocrítica do conjunto, preferiu a saída fácil de atacar Joaquim Levy. Talvez porque reconhecer o que Dilma agora expos resultaria numa verdadeira e incômoda autocrítica, já que membros desses setores foram responsáveis diretos pela implementação dessas políticas econômicas no primeiro mandato de Dilma que resultaram, ao final, no insucesso fiscal.

Atualização em 15/11/2016:

Novo texto no blog de Luís Nassif que ajuda na composição do quadro: O Xadrez da teoria que produziu 12 milhões de desempregados.