Sobre o desapontamento da Economist com o Brasil

Por Allan Patrick

Anúncios de contracapa do Itaú na edição inglesa da Economist. 2011.

Anúncios de contracapa do Itaú na edição inglesa da Economist. 2011.

A edição impressa da revista The Economist do último 28 de setembro (2013), trouxe um relatório especial sobre o Brasil (Has Brazil blown it?), elencando uma série de razões pelas quais acredita que o país perdeu o seu rumo:

1) A economia cresceu pouco em 2012, apenas 0,9%.

2) Protestos das jornadas de junho mostraram que o país tem graves problemas de custo de vida, má qualidade do serviço público e de corrupção na política.

3) Seu código tributário resulta numa tributação muito pesada.

4) O setor público está inchado.

5) A tributação sobre a folha de pagamentos é elevada.

6) A seguridade social é generosa.

7) O gasto em infraestrutura é pequeno.

8) A economia brasileira precisar ser mais aberta.

A origem da crítica

Antes de entrar no mérito dessas questões, não posso deixar de lembrar de um texto que postei aqui em 2011, quando estava estudando inglês em Londres: O Itaú na Economist. Nele eu relatava minha surpresa com o fato do banco brasileiro Itaú estar publicando patrocínio na página mais nobre e cara da edição inglesa da revista, o que não faz sentido se tivermos em vista que é um banco de varejo concentrado no mercado brasileiro e de mais alguns países vizinhos.

Esse mistério foi desvendado em março deste ano, em matéria publicada no jornal Brasil247: “Malan é a ponte entre oposição e mídia global“. Tal como no caso das campanhas eleitorais, em que os financiadores de campanha obtêm em troca da contribuição financeira a exposição de suas ideias, desde um ponto de vista privilegiado, aos candidatos, aparentemente a revista passou a ouvir com atenção as opiniões de Pedro Malan, conselheiro do Banco Itaú, em deferência pelos anúncios publicados.

Um breve parêntesis: Malan foi Ministro da Fazenda (1995-2002) durante o governo do Presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC) e, passou a fazer parte do conselho de administração do Unibanco (2003-), então um dois maiores bancos brasileiros. Em função da exposição de clientes do banco a derivativos, durante a crise financeira de 2008, em quase R$ 1 bilhão, sua posição no mercado brasileiro foi fragilizada, levando-o a sucumbir a uma fusão com o Itaú.

Os argumentos técnicos

Voltando aos dados econômicos e argumentos apresentados pela revista para construir a tese de que o Brasil está desandando, começamos pelo crescimento do PIB, de apenas 0,9%. O foco exclusivo nesse índice mascara que, nesse mesmo ano, a desigualdade de renda continuou a cair fortemente, em sintonia com o ocorrido durante a última década. É uma análise míope quando se enxerga apenas o PIB e se ignora o índice de Gini, que é muito mais apropriado para aferir se a vida das pessoas está melhorando ou não, o que em última instância é o objetivo final da condução macroeconômica de um país.

O argumento (2) (protestos de junho) é incompatível com o (4) (estado inchado), pois o norte principal dos protestos foi, exatamente, por mais investimento estatal no transporte público.

A crítica à carga tributária “pesada” (3) não deixa de ser irônica, pois quem elevou o seu patamar de 27% para 36% do PIB foi justamente o governo FHC, quando Pedro Malan era o comandante da equipe econômica.

Rotular a seguridade social brasileira de “generosa” (6) é estar absolutamente desconectado da realidade do país, onde nem mesmo os políticos mais à direita no espectro político fazem afirmações nesse sentido. Para ampararmos nossa opinião em dados: em 2009, 54% dos aposentados recebiam o benefício mínimo. Usar o exemplo extremo da aposentadoria aos 54 anos, sujeita a diversos condicionantes, inclusive o fator previdenciário, que reduz fortemente os benefícios e faz com que pouquíssimos contribuintes se aposentem nessa idade, é faltar com a honestidade no equilíbrio objetivo dos fatos.

Classificar a tributação previdenciária de elevada (6) é um argumento antigo, utilizado costumeiramente para justificar os altos índices de desemprego no Brasil. O fato é que, mesmo com essa tributação “maléfica”, e com apenas 0,9% de crescimento do PIB, o desemprego vem se reduzindo com força, resultando, por consequência, na melhora das contas da Previdência Pública. Aliás, essa redução tem sido tão forte que Pérsio Arida, membro da equipe econômica de Pedro Malan como Presidente do Banco Central, recentemente defendeu políticas públicas para aumentar o desemprego no país.

O gasto em infraestrutura é pequeno (7), verdade, mas como resultado do fato de que, mesmo nos governos Lula e Dilma, há uma enorme carência de servidores públicos com formação em engenharia, já que persiste o temor reverencial à contratação desse tipo de profissional, sob a ameaça de “inchar o estado brasileiro”. Sem esses profissionais, torna-se impossível investir diretamente em infraestrutura ou criar editais para concessão à iniciativa privada dessas obras. Fazer a crítica do estado “inchado” (4) ao mesmo tempo em que se nota a falta de investimento em infraestrutura (7) é carecer de visão sistêmica do conjunto e se apegar a números pinçados a torto e a direito.

Por fim, a crítica à “economia fechada” (8) do Brasil não resiste a um passeio pelos supermercados brasileiros, onde é comum encontrar chocolates da marca mais vendida (Kitkat da Nestlé) fabricados em Perm, na Rússia (13 mil km de distância geográfica do Brasil) ou sachês de café para máquinas expressas (fabricadas na Itália ou na China) compostos de grãos brasileiros torrados e moídos… na Espanha! Sem falar que todas as companhias telefônicas são estrangeiras (a última exceção, a Oi, acaba de se fundir com uma operadora portuguesa), além da maioria das companhias elétricas.