Os caminhões são culpados pelos congestionamentos em Natal?

Por Allan Patrick

Quando em 2011 eu estive estudando inglês em Londres por três meses, uma das minhas maiores surpresas foi com o trânsito da cidade. Embora seja uma megalópole com 15 milhões de habitantes no total da sua região metropolitana, seu trânsito é melhor do que o de Natal/RN (1,35 milhão de habitantes) tanto no aspecto quantitativo quanto qualitativo. É possível até que essa seja a avaliação do senso comum, conhecendo-se de antemão que o sistema de transporte público londrino é muito bom; não é tão surpreendente portanto que o trânsito seja quantitativamente (respeitando-se a proporção) menor na cidade inglesa, conforme podemos ver abaixo, em imagens que valem por mil palavras:

Ponte de Westminster, vista do London Eye. Aproximadamente 20h.

Ponte de Westminster, vista do London Eye. Aproximadamente 20h (verão de 2011). Foto: acervo pessoal.

A foto acima parece incrível, não? Apenas um veículo (um ônibus) na ponte que fica no centrão da cidade, ao lado do Parlamento (o complexo do qual o Big Ben é a torre do relógio), às 20h. E mais cedo, será que o trânsito estava mais intenso?

Ponte de Westminster, vista do London Eye. Aproximadamente 19:15. Verão de 2011. Foto: acervo pessoal.

Ponte de Westminster, vista do London Eye. Aproximadamente 19:15. Verão de 2011. Foto: acervo pessoal.

Mesmo essa foto tendo sido tirada próximo às 19h, mais perto da hora de ponta do tráfego, nem se compara com a situação na Ponte de Igapó, em Natal/RN, cujo trânsito é costumeiramente muito, mas muito mais pesado.

Dito isso, o que realmente me surpreendeu em Londres no trânsito foi a perspectiva qualitativa. Há diversas normas que desestimulam o uso do carro, mas o trânsito de veículos utilitários, comerciais e de transporte público é incentivado, o que gera cenas como a retratada na foto abaixo (me perdoem a pouca qualidade da imagem, não tinha em mente este post no momento de registrá-la).

Cena típica do trânsito londrino: apenas veículos comerciais e de transporte público. Foto: acervo pessoal.

Cena típica do trânsito londrino: apenas veículos comerciais e de transporte público. Foto: acervo pessoal.

Na imagem vemos cinco carros, quatro dos quais vans comerciais e um (preto, à esquerda) táxi, além de um ônibus. Caminhões, apesar de não terem sido flagrados na foto, também são muito comuns. É natural que seja assim, é o comércio, a indústria, os serviços, enfim, a movimentação de mercadorias que fazem a economia de uma cidade girar. Nada mais justo, portanto, que estes veículos tenham privilégio no seu deslocamento.

Toda essa introdução foi para preparar o espírito de quem lê este post para enxergar de maneira diferente do habitual a seguinte nota, publicada nesta quinta-feira, 11/04/2013, pela Prefeitura de Natal:

Trânsito de caminhões na cidade será regulamento pela Semob

A Prefeitura do Natal vai regulamentar o trânsito de caminhões com peso superior a cinco (05) toneladas nas avenidas de tráfego intenso no município de Natal, nos horários compreendidos entre 5h e 20h, de segunda à sexta-feira. A regulamentação será feita pela Secretaria de Mobilidade Urbana (Semob).

A notícia foi transmitida nesta quinta-feira, dia 11, pela secretária da Semob Elequicina Santos ao vereador Júlio Protásio (PSB), autor do projeto de lei que tem como objetivo desafogar o trânsito de Natal nos horários de pico, minimizando os transtornos causados pelo tráfego de veículos pesados nos principais corredores viários da cidade, evitando congestionamento e prejuízos à malha viária.

A Semob vai definir quais são os corredores e instalar as placas de sinalização para em seguida promover o cumprimento da regulamentação. A expectativa do órgão é que o trânsito tenha um ganho considerável em fluidez e que o sistema viário sofra menor impacto nos próximos anos, melhorando a qualidade da malha viária e reduzindo o número de buracos nas vias.

O que atrapalha o trânsito – é a triste realidade que nos custa enxergar – não são os caminhões, veículos comerciais ou ônibus, mas os automóveis utilizados para transporte individual de pessoas. Os carros são a forma mais ineficiente, do ponto de vista energético e econômico, de se transportar uma pessoa, além de serem também a mais poluente e que mais males causa à saúde.

A medida apresentada pela Prefeitura à sociedade, através da imprensa, – esperamos que apenas ainda como proposta e não como fato consumado – é inócua se o objetivo é promover o fluxo do trânsito, agindo apenas na psique de motoristas de carros, mas é extremamente prejudicial não só à economia da cidade como também do estado, já que prejudica sobremaneira a operação do Porto de Natal, responsável por escoar cerca de 1/3 das exportações potiguares.

Alternativa

Infelizmente, com a imaturidade atual da opinião pública (e publicada), que enxerga fluidez de carros como um conceito mais importante do que fluidez de pessoas, Natal/RN está sujeita a medidas danosas à sua economia e população.

Mas, mesmo na prisão de pensamento que a “sociedade do automóvel” nos encaixa, é possível raciocinar medidas para dar maior “fluidez” ao trânsito sem prejudicar de forma tão intensa a economia da cidade. Para dar apenas um exemplo, poderíamos – com um investimento muito modesto – aproveitar as linhas férreas que servem a cidade, construindo um entreposto de cargas em Parnamirim ou São José de Mipibu para aproveitar a linha sul da CBTU que conecta essas cidades até o Porto de Natal, bastando para isso reativar o pequeno trecho da Rua Chile que liga a estação ferroviária da Ribeira às docas.

Também a um custo relativamente baixo, seria possível acrescentar um ramal à linha norte da CBTU, conectando-a ao aterro sanitário de Ceará Mirim, eliminando assim entre cem a duzentas viagens diárias de caminhões de coleta de lixo pelas avenidas mais congestionadas da cidade, como a Av. Bernardo Vieira e Tomaz Landim.