Kobo ou Kindle?

Por Allan Patrick

Com a chegada ao Brasil do Kobo, por meio da Livraria Cultura, e do Kindle da Amazon, vendido por meio do Ponto Frio e da Livraria da Vila, temos a presença no Brasil dos dois principais leitores de livros eletrônicos à venda no mundo.

Kindle, um leitor eletrônico perfeito em sua simplicidade.

Kindle, um leitor eletrônico quase perfeito em sua simplicidade. Foto: acervo pessoal.

São importantes também no mercado de livros eletrônicos o iPad e os tablets que rodam o sistema Android. Mas ao contrário dos comparativos insossos que relacionam vantagens e desvantagens de cada plataforma, eu vou ser aqui bem sincero: na minha perspectiva é horrível ler livros eletrônicos num tablet. A tela cansa a vista e a dificuldade de se concentrar só na leitura do texto é imensa, dadas as tantas opções de distração que a conexão à internet oferece, como correio eletrônico, noticiário, vídeos, jogos, twitter e outras redes sociais.

Já os leitores eletrônicos especializados, como o Kobo e o Kindle, além de mais baratos, tem telas que são praticamente tão agradáveis à leitura quanto um texto impresso em papel. E não vem com distrações embutidas de fábrica.

Desde 2011 tenho um kindle que sempre funcionou perfeitamente. Um raro dispositivo eletrônico que nunca apresentou defeito, mal funcionamento ou travamento. Devido ao seu baixo consumo, a bateria tem grande longevidade, na casa das semanas. E é um produto que não transmite a sensação artificial de ficar defasado tecnologicamente com a passagem do tempo.

O Kobo na sua situação mais comum: travado na mensagem "Please Charge Your eReader", apesar de ter passado toda uma noite conectado ao carregador.

O meu Kobo na sua situação mais comum: travado na mensagem “Please Charge Your eReader”, apesar de ter passado toda uma noite conectado ao carregador. Foto: acervo pessoal.

No finzinho do ano passado [dezembro/2012], comprei um Kobo, e – apesar de compartilhar com o Kindle as qualidades de um equipamento especializado na leitura de livros eletrônicos – não poderia estar mais decepcionado. Por duas vezes ele apresentou um travamento que exigiu um reset de harware (algo tão comum que qualquer busca no google mostra 40 mil ou mais resultados). Até que neste fim de semana nem com esta solução consegui trazê-lo de volta à vida. Felizmente, meu acervo nele ainda não incluia nenhuma obra paga (a biblioteca de livros gratuitos é bem provida) ou – muito mais importante – anotações, o que poderia aí sim representar uma pequena catástrofe intelectual.

Além dos inúmeros resultados que o google mostra em suas pesquisas sobre travamentos do Kobo (em várias línguas, o que mostra que o problema não é especificamente do lote da Livraria Cultura; aliás, o meu aparelho eu adquiri, durante uma viagem, na WHSmith), batendo papo no twitter também me deparei com outras “vítimas”.

Então, se você está procurando um leitor eletrônico de livros, eu não poderia ser mais enfático em sugerir o Kindle da Amazon, apesar de estar ciente da carga de energia negativa que circunda a empresa.

P.S.: refiro-me em todo texto às versões básicas do kindle, não à versão fire, que não difere muito de um tablet comum, com todos as suas virtudes e defeitos.

Atualização em 22/04/2013:

Após 15 dias trocando mensagens com a assistência técnica sobre o problema no Kobo, descobri que, para sua solução, seria necessário enviar o aparelho para os Estados Unidos ou Canadá [Nota: isso para quem, como eu, adquiriu o produto no exterior, a Livraria Cultura trata localmente quem comprou por meio dela o aparelho] junto com um envelope pré-pago para devolução, solução esta que funciona muito bem dentro do próprio país de envio, mas que não está prevista pela União Postal Universal e não funciona para encomendas internacionais.

Sendo assim, e já tendo o aparelho como perdido, procurei um amigo com talento hacker e abrimos o Kobo, pois a minha desconfiança era que o problema estava de alguma forma relacionado à bateria ou ao seu sistema de recarga.

Kobo com a capa traseira retirada. Foto: acervo pessoal.

Kobo com a capa traseira retirada. Foto: acervo pessoal.

Para abri-lo, meu amigo utilizou uma faca, o que exige certa habilidade manual (ele é um frequentador assíduo do iFixit, sítio com dicas para abrir e reparar equipamentos eletrônicos).

Nada de extraordinário foi feito: os parafusos mais próximos da bateria (que fixam a placa à parte frontal do “gabinete” do eReader), foram retirados e reafixados com um pouco menos de pressão que a original e, voilá, o aparelho voltou a dar sinal de vida quando conectado ao carregador. Checamos ainda se a bateria estava folgada ou não (aparentemente não), e conseguimos fechar de volta a tampa traseira. Tudo voltou mais ou menos ao normal.

Alívio ao ver o Kobo de volta à vida. Foto: acervo pessoal.

Alívio ao ver o Kobo de volta à vida. Foto: acervo pessoal.

Já a confiança para adquir ebooks vai demorar a retornar. Até lá, ele vai ser utilizado apenas com material de domínio público e, na necessidade de comprar um livro eletrônico, torcer para estar disponível no acervo da Amazon para o Kindle.

Manteremos este post atualizado caso haja novidades no funcionamento (ou não!) do Kobo.

Atualização:

Nem um mês depois, o Kobo morreu definitivamente.

27 thoughts on “Kobo ou Kindle?

  1. Muito bom o texto! Acho a observação sobre a tela fundamental. Chego a caracterizar o uso de “e-paper” (essa tela branca que não tem iluminação própria) uma pequena revolução tecnológica. É ideal para aparelhos que não precisam imitar um carro alegórico com mais de 2 bilhões de cores e o brilho de um pequeno holofote na nossa cara. Já existem relógios, leitores e outros equipamentos que usam esta tecnologia de tela (e-paper) e acho que esta veio para ficar!
    Parabéns pelo post! Como sempre, muito bom!!!

  2. eu ainda não tive coragem de abrir o meu, comprei um kobo glo a 10 dias e a uns 3 a tela tá congelada, nao liga com reset basico, ou qualquer outro procedimento sugerido pela kobo, pois a livraria cultura pulou fora, não quer nem saber do problema e a kobo decretou que foi mal uso ( nao tive nem tempo de usar ) e que não
    vai trocar nem consertar.

  3. Comprei o meu Kobo recentemente e estou muito feliz com ele. Estou orando pra que não dê problema nenhum, pois já vi que o negócio de garantia é complicado…
    Pra mim ele está sendo muito útil, pois tenho a Síndrome do Olho Seco e não consigo ler no computador sem que meus olhos ardam pra caramba, então, eu que sou concurseira estou fazendo um bom uso. Pq estudar já é desgastante, imagina com os olhos vermelhos e ardendo? A minha bateria é que não está durando muito, mas é pq eu uso muito também e leio muito arquivos em PDF (que exigem que eu mexa mais na página). No mais, eu acho que esse negocinho foi uma incrível invenção, meus olhos agradecem.

    • Concordo plenamente, o uso do Kobo ou do Kindle é muito, mas muito mais confortável que a tela de um computador ou tablet 🙂

    • Se ainda não tiver, considere urgentemente comprar uma capa para ele. Seu Kobo e seu bolso agradecem.

  4. Obrigado pelo post… Estou namorando a muito tempo um e-reader e estava na dúvida entre o kobo e o kindle… Agora não tenho mais dúvida…

  5. Gostaria de saber se é possível transferir documentos em .doc ou .pdf para o Kindle conectando um pen drive no aparelho?

    • Não. E minha experiência com PDFs, tanto no kindle como no kobo, é ruim. Para esse tipo de arquivo, prefiro o iPad.

      • Faço aqui uma retificação: se o arquivo PDF for predominantemente de texto e tiver pouca formatação, é factível lê-lo no kindle.

  6. Gostaria de saber se não cansa a vista, igualmente, o fato do tamanho do aparelho Kindle ser de 6”. Quero dizer o seguinte, será que o tablet com tamanho 10.1 tela led ou lcd não compensa o cansaço na vista?

    • O tamanho não atrapalha a leitura. A qualidade da leitura no kindle ou no kobo é praticamente a mesma do papel. Nesse ponto eu ponho a mão no fogo pra afirmar que os ereaders são muito melhores que os tablets. Sugiro você ir a uma livraria cultura (pra ver o kobo) ou a alguma loja de informática (várias já estão vendendo o kindle) e constatar in loco.

  7. Gente , comprei um kobo mini á 3 meses e estava apaixonada , porem desde o inicio , achei que seu material era frágil , então , já que tinha comprado e no melhor estilo ” agora já foi ” comecei a tomar o dobro de cuidado. O carregava dentro de uma capa de silicone dentro da minha mochila de notebook , certo dia fui liga-lo e ele estava com metade da imagem no livro que eu estava lendo e metade na proteção de tela. mexi, resetei etc e nada , mandei e-mail, tirei fotos , perdi tempo para eles concluírem que era mau-uso , então estou com o dito-cujo parado, fechado e pagando e o pior nem tem conserto , então amigos , pesquisem melhor , o kobo é feito de casca de ovo .

    • Fernanda, entendo sua situação. O meu, apesar de ter sido “salvo” ao final do post voltou a “morrer”. E parece que agora não tem mais jeito.

  8. Acabei de receber o Kobo mini aparentemente responde a todos os comandos, porém aparentemente a algo solto dentro do dispositivo, entrei em contato com o SAC, e me disseram que seria normal será mesmo?

  9. agradeço o post. Tava pensando num aura hd, mas fiquei pensando: Imagine se depois da garantia ele quebra, onde é assistência técnica? E em tudo que vi na internet a resposta é: Dançou!!
    Moral da estória: Não vale a pena a comprar. Como pode quererem vender um aparelho de 660 reais que vc nao pode consertar se der problema?
    Absurdo!

  10. Olá, Allan, sou uma total ignorante no assunto. Me interessei em comprar um e-reader pelo fato de não morar no Brasil, pensando na facilidade que seria poder comprar e-books ao invés de trazer os livros que me interessam ler a cada visita ao Brasil. Queria saber quanto aos títulos em português oferecidos no Kindle, como tenho acesso à eles? HAvia pensado que a livraria cultura poderia oferecer um acervo melhor, mas com seu post agora fiquei na dúvida… Vc poderia me dar uma opinião? Como é a oferta de títulos no Kindle e se difere muito da oferta do Kobo?

    • Maíra, o catálogo varia de loja para loja (Kindle, Kobo & Apple, pra citar as que eu costumo consultar). Mas, no geral, livros novos tem sido publicados simultaneamente nos três. Você pode, para testar com mais calma, instalar o programa leitor do Kindle e do Kobo no seu computador ou tablet e experimentar um ou dois livros, antes de comprar o aparelho eletrônico eReader (que, de fato, é muito mais confortável à leitura que um tablet ou computador).

  11. Olá Allan! Estou na dúvida entre o kindle paperwhite e o iPad mini. Mais concordo com você que uma das vantagens que o kindle tem é não ter acesso as distrações das redes sociais que o pc, o celular ou o próprio tablet oferece. Por isso estou muito tentada a comprá-lo. Você tem qual kindle? Só encontrei no site do ponto frio o kindle paperwhite e um outro que parece ser mais antigo, pois não possui a iluminação e o touch. Você sabe me dizer qual é o modelo que mais vale a pena? Obrigada.

    • Klicia, o meu kindle é o de terceira geração, lançado em 2010 e descontinuado em 2012. Ele não é touch e vinha com um mini teclado para anotações. Particularmente, acho que era melhor assim. Pelas características das telas dos ereaders, o touch não funciona tão bem quanto num tablet.

      Esse modelo mais simples do kindle à venda no Ponto Frio é touch, a diferença para o paperwhite é apenas o fato de não ter iluminação. Esta só faz diferença à noite e é muito conveniente para quem está num avião e não deseja incomodar a vizinhança com a luz de leitura ou pra quem gosta de ler à noite na cama e não quer incomodar o(a) companheiro(a).

      Outra característica interessante do kindle, quando comparado ao iPad, é que existe uma página nas “nuvens”, http://kindle.amazon.com, onde é possível consultar os trechos que você grifou nos seus livros, sendo permitido até mesmo copiar e colar esses trechos, o que é muito conveniente para quem faz pesquisas acadêmicas, por exemplo. No iPad não existe essa possibilidade.

  12. Eu estava em dúvida, mas agora não sobrou nada. Eu pensei em comprar um Kobo pelos prêmios que me incentivariam a ler mais, porém do que adianta se não é algo que durará. P.S: Você viu que agora estão vendendo o Kindle com 3G? Incrível.

  13. Caro Alan, parabéns pelo post, é legal quando é feito por um consumidor e não por um fórum pago ou em cima do muro. Há alguns meses depois de muita resistência comprei um smart phone samsung…. Adorei a conectividade e resolvi abandonar o transporte do lap top com um tablet, e consegui.. Depois de pesquisar muito comprei o galaxy note 10.1 e fiquei satisfeito com o produto, aliás viciei, achei um problema: a conectividade com outros produtos via cabo ficou difícil pois encontrar os cabos era complicado ou muito mas muito caros. Recentemente comprei outro galaxy note versão 2014 editon, ou seja em 8 meses um smart e dois tablet de última geração e bem carinhos por sinal… Sempre pesquiso muito antes de comprar e algumas coisas melhoraram nos dois aparelhos co irmãos… A entrada para os cabos é similar as do celular e já fica mais fácil achar outros conectores… Acho que o 2014 aquece mais e seu uso é menos intuitivo em relação a teclas, atalhos enfim (talvez seja o costume mas muda bastante) ele está dando alguns problemas no andróide… mas a resolução de tela e fantástica mesmo, o processador e relativamente mais rápido mas a versão 2013 tem alto falantes frontais e parecem mais lógicos e funcionais que os laterais do 2014… Em relação aos e.readers excelente suas recomendações nunca usei um e como leio muito, muito mesmo ainda não acho confortável no tablet principalmente pelo uso da bateria, por isso opto pelo bom, velho e eterno livro…. anida acho os e.Readers caros … Mas fiquei tentado a experimentar depois do seu post…..Desculpe escrever tanto….mas é um bom sinal….Um grande abraco…Edu

  14. Comprei um KOBO Aura HD em agosto de 2013.

    Uma decepção:

    1) A bateria não dura 2 meses como alegado, pelo contário, a bateria diminui em saltos.
    2) È mais lento que o Kindle.

    Apesar disto, estava me atendendo razoavelmente bem.

    O problema é que, depois de uns 6 meses, o cristal (ou epink) vazou. Segundo a assistencia técnica por alguma pancada. Pancada esta que não percebi, pois usava sempre com capa protetora.

    E agora? o que faço? Virou lixo?

    abs

  15. Tenho um Kobo Glo, acerca de 01 ano. Total decepção. O interruptor liga/desliga não mais funciona. O Aparelho travou de vez, e nem com o reset ele dá sinal de vida. Entrei em contato com a Kobo no Brasil, relatei o problema e eles apenas o encerraram dizendo estar – espante – resolvido ( ????????). Os livros baixados estão todos em epub no cartão de memória, pois ví que o aparelho não consegue processar os livros e trava. Agradeço o Post, pois estava pensando comprar um outro Kobo, mas, pelo visto o que eu tenho tem um endereço ……. ………… Lixo.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *