Saúde tem que ser questão de cidadania, não de direito do consumidor

Por Allan Patrick

É, resolver o problema da saúde inclui fazer "programa de índio". Indiferença e postura blasé nunca fizeram o mundo se mexer.

Resolver o problema da saúde inclui fazer “programa de índio”. Indiferença e postura blasé nunca fizeram o mundo se mexer.

Acordo nesta manhã de domingo de carnaval (10/02/2013) com o twitter natalense em polvorosa porque em um determinado hospital privado a filha de 7 anos de um frequentador dessa rede social aguardava há mais de 12 horas por um anestesista para fazer uma cirurgia. A situação foi resolvida e a cirurgia marcada para o período da tarde.

Aproveitei a oportunidade para conversar com um médico anestesista e me informar sobre o atendimento em hospitais privados em Natal. O fato é: tanto o hospital em questão como outro muito popular entre a classe média para partos e cirurgias obstétricas não tem em seus quadros profissionais anestesistas em regime de plantão ou ao menos de sobreaviso.

Do outro lado, hospitais públicos, com toda suas dificuldades e sofrendo inúmeros mal tratos por governantes desinteressados na saúde, seguram a onda com profissionais de plantão.

A cada dia que passa, com a estrutura de custos atual e para a qual não há perspectiva de alteração num futuro visível, não se deve esperar algo diferente da medicina privada: aparência em dia; bastidores chocantes.

Se a parcela da sociedade que tem poder, e aí se inclui a classe média, deixar um pouco de lado o seu viés mimizento, em que tenta resolver tudo pelo aspecto individual (“tenho plano de saúde e direitos do consumidor, logo tenho que estar a salvo, o resto do mundo que se vire”) e somar suas forças em soluções baseadas na cidadania, quem sabe possamos desfazer esse círculo vicioso.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *