Um primeiro balanço da administração municipal de Natal

Por Allan Patrick

Carlos Eduardo em entrevista ao RN TV 1ª edição de 05/02/2012.

Carlos Eduardo em entrevista ao RN TV 1ª edição de 05/02/2012.

O ano começou promissor para Natal, com uma nova gestão municipal disposta a colocar os serviços públicos da cidade para funcionar, cumprindo ao menos os anseios básicos do eleitorado. No segundo turno da eleição, fiz questão de tornar público meu voto no então candidato e atual prefeito, Carlos Eduardo. Ontem, 05/02/2012, na 1ª edição do RN TV (programa noticioso da afiliada local da Rede Globo), ao meio dia, ele foi entrevistado durante 15 minutos. Em meio a várias considerações sobre a “reconstrução” de Natal nas diversas áreas (saúde, educação, pavimentação, pagamentos atrasados, …), entendo que o ponto mais positivo da entrevista foi o anúncio de que a Prefeitura não mais desapropriará imóveis para viabilizar as obras de mobilidade da Copa do Mundo, uma vitória importante dos movimentos sociais, em especial da Associação Potiguar de Atingidos pela Copa 2014 e do Comitê Popular Copa 2014 Natal-RN.

E é justamente por esse bom começo e pelo ressurgimento, por mais incipiente que seja, de um sentimento de pertencimento entre natalenses e sua cidade, que me sinto compelido a fazer uma observação crítica sobre o que parece ser o ponto mais fraco no rol das ideias desta administração.

Já na segunda-feira (04/02/2012), o RN TV 2ª edição (noturno), levou ao ar uma matéria sobre o problema do trânsito em Natal. A reportagem nasceu com uma premissa ruim: “a cidade é carente de infra-estrutura para o tamanho de sua crescente frota de carros, que já chega a 300 mil veículos”. É uma meia-verdade, pela simples razão de que é impossível, em qualquer lugar do mundo, atender às demandas infinitas de recursos que a massificação do transporte automotivo individual gera.

(Segundo o censo do IBGE de 2010, Natal tem cerca de 270 mil domicílios. Isso nos dá aproximadamente 1,1 veículo por domicílio. Uma estatística que não é diretamente comparável, mas mesmo assim surpreende, é que 55,5% dos domicílios de Nova Iorque não tem registro de nenhum veículo. Mostra como estamos sim saturados de carros em qualquer escala de comparação.)

Sinto ser o portador da má notícia de que o trânsito não vai melhorar alargando esta ou qualquer outra via da cidade. Foto: Canindé Soares.

Sinto ser o portador da má notícia de que o trânsito não vai melhorar alargando esta ou qualquer outra via da cidade. Foto: Canindé Soares.

Pois bem, nessa matéria da segunda-feira, um secretário do município apontou como “solução” para os principais eixos de tráfego urbano de Natal o “alargamento” de ruas. Como não haverá desapropriação de imóveis e as leis da física permanecem imutáveis, já é de se imaginar quem serão as vítimas: canteiros, áreas verdes e calçadas, ou seja, os poucos espaços que hoje, de um modo ou de outro, estão a salvo para os pedestres.

Do mesmo modo se expressou o Prefeito em sua entrevista, pois ao falar em mobilidade urbana, tratou de viadutos, avenidas e túneis. Tal qual seu subordinado, nenhuma palavra sobre transporte público.

Se o objetivo do trânsito de uma cidade fosse levar carros de um lado pro outro, seria até possível concordar com essa linha de pensamento, mas a malha de transporte existe para levar pessoas, não carros. Até porque carros são a forma mais ineficiente de transportar pessoas, qualquer que seja o ponto de vista da análise: econômico, ambiental, de saúde pública (efeito da poluição) ou de saúde individual (cardiopatias, problemas respiratórios, na coluna e outros mais).

Portanto, não há como se falar em soluções para a mobilidade urbana sem que a ÊNFASE seja voltada para o transporte público e para o seu complemento natural, o pedestre/ciclista. Só desta forma é que realmente teremos o poder de alterar substancialmente para melhor a qualidade de vida dos habitantes da cidade e, de fato, melhorar o “fluxo” do trânsito.

Não é justo, porém, “fulanizar” essa culpa na figura do Prefeito se, infelizmente, o que ele defende nada mais é do que o conceito absolutamente arraigado nos setores mais “empoderados” (classe média e elite) de nossa cidade, para quem mobilidade urbana é sinônimo de fluxo de automóveis. Nesse sentido, não está fazendo nada mais do que exprimir o sentimento comum dessa sociedade.

A figura pública natalense que conseguir romper essa amarra, desconfio, é séria candidata a ser figura marcante de nossa história.

Enquanto isso, nos resta o trabalho de formiguinha dos ativistas interessados (ciclistas, pedestres, usuários de transporte público) em construir uma sociedade menos centrada no carro e mais na cidadania.

5 thoughts on “Um primeiro balanço da administração municipal de Natal

  1. Patrick, coincidência ou não, acabo de chegar ao Rio e gastar quase duas horas dentro de um taxi para sair do aeroporto do Galeão e chegar ao meu hotel no bairro do Flamengo. Em condições mais favoráveis gasto cerca de 30 minutos. O Rio é um excelente exemplo do que se tornará Natal no médio prazo … Mesmo considerando que as opções de transporte publico aqui funcionarem melhor que aí, a maioridade das ações dos poderes municipais e federais ainda é no sentido de privilegiar os automóveis de passeio com ampliações / criações de vias e viadutos por todo lado. A modesta expansão das linhas de metrô e trem de superfície sofrem lobby freqüente dos dirigentes das presas de ônibus. Assim vamos caminhando para o caos de forma coesa na maioria de nossas capitais brasileiras. E que venham a copa do mundo e as olimpíadas …

    • Nina, a minha esperança é essa. Natal ainda é uma cidade que pode ser “consertada”. Basta começar a tomar o rumo certo.

  2. A elite brasileira em geral, apenas preocupa-se consigo, não tem um projeto público e é excludente em suas propostas. As cidades são exclusividade dos carros (grandes, de luxo..), como os céus para os (seus) helicóteros. Quem se importa com “o resto” se a vida pode ser reduzida aos ambientes exclusivos, as áreas reservadas, espaços de convivencia entre iguais que fazem questão de se diferenciar dos “demais”. Natal não escapa a esta lógica da “elite branca” e até a dita classe média parece ter comprado a idéia, ao privilegiar a aquisição do carro ao invés de pressionar por um transporte público eficaz e qualidade. Pena, cabe aqui lamentar, mas isso não é novo, apenas a continuação do mesmo…

    • Estamos observando esse mesmo comportamento até no condomínio de apartamentos. Vizinhos muito preocupados com a qualidade do espaço interno de suas unidades, mas absolutamente desinteressados em qualquer melhoria nas áreas comuns.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *