Cultura do automóvel e violência policial

Por Allan Patrick

Infelizmente, o que deveria ter sido festa acabou em violência. Fonte: Blog do Daniel Dantas.

Infelizmente, o que deveria ter sido festa acabou em violência. Fonte: Blog do Daniel Dantas.

Há 28 anos, Natal foi palco da tragédia do Baldo, em que a ação de um motorista ensandecido resultou na morte de 19 pessoas e na decadência do carnaval de rua da cidade. Desde então, com exceção de algumas iniciativas, embora muito criativas, esse período passou a ser, principalmente para as classes média e alta, um complemento do veraneio ou um momento para viajar.

Uma dessas luzes no carnaval da cidade é o bloco do Baiacu na Vara, que desde 1990 percorre as ruas do bairro da Redinha na quarta-feira de cinzas. Ontem (13/02/2013), a festa correu o sério risco de se transformar numa tragédia, absolutamente evitável. Imaginemos se trezentos carros estivessem numa carreata: uma viatura da Polícia Militar iria agredir os motoristas, jogar spray de pimenta e disparar ao ar pra que os carros lhe cedessem passagem? Lógico que não! Fariam o óbvio: contornariam ou pegariam um desvio. Mas como eram 3 mil foliões – pedestres, que, na nossa sociedade violentamente desigual, são pouco mais que nada -, a viatura se achou no direito de passar pelo meio do bloco “na marra”.

(Quem é cidadão-pedestre sabe como um carro já é agressivo de per si, ainda mais quando tenta forçar passagem contra pessoas. Mas o cidadão-motorista – e esse é um dos efeitos mais perniciosos da cultura do automóvel – não consegue enxergar sua própria projeção de agressividade aos pedestres. Testemunho isso diariamente na nossa cidade. Como não faço de carro a maior das minhas viagens, pego carona com frequência com grande variedade de amigos e colegas de trabalho. É impressionante como pessoas extremamente gentis e cordatas no “mundo real” se transformam quando estão ao volante, menosprezando e pondo em risco a vida de seres humanos os quais, em outro contexto, tratariam com carinho.)

Numa situação como essa, claro, em meio a uma multidão anônima, essa projeção de “poder” atrai negatividade, e garrafas d’água e latas foram arremessadas, o que aparentemente precipitou a reação destemperada dos policiais. A atenção ao chamado acabou ficando de lado e inclusive se vê no vídeo que foi preciso pedir o reforço de outras viaturas, também deslocadas de suas atividades para dar conta do caos em que a situação se tornou.

A violência foi transmitida e denunciada ao vivo, via twitter, pelo vereador Hugo Manso, que, sempre com muita ponderação, tentou acalmar os ânimos e chamar os policiais à conversa, no que infelizmente não foi correspondido.

O interessante, do ponto de vista sociológico, em acompanhar o desenrolar dos fatos pelo twitter, é a possibilidade de enxergar com muita clareza como a narrativa reverbera de forma diferente em públicos distintos. Entre tuiteiros de classe média alta, tipicamente cidadãos-motoristas, cuja experiência de vida lhes tira a capacidade de sentir empatia pelo cidadão-pedestre – e muitos sequer percebem isso – o sentimento era de estranheza com o “por que as pessoas não saem do meio e deixam a via livre à viatura?”, exigência esta que nunca imaginariam razoável fazer de seus pares motoristas num congestionamento.

Há aí também um outro triste viés, que o natalense conhece bem mas quem é de fora pode notar pelas fotos ou pelo vídeo. A Redinha (e a zona norte de Natal como um todo), é um bairro popular. O tuiteiro de classe média alta está acostumado, no seu carnaval em Pirangi, no litoral sul, ao policial simpático, que patrulha à pé, dá boa tarde e orienta os foliões. Não consegue “entender” então, porque alguém agiria com violência contra esses servidores públicos no cumprimento de suas funções, pois não percebe que nossa sociedade desigual condiciona a polícia a ter comportamentos diferentes de acordo com o “público” com o qual se relaciona.

Isso me lembra de quando vi uma palestra em 2008, do então Secretário Nacional de Segurança Pública, Ricardo Balestreri. Era um tempo em que eu mesmo ainda não tinha me desvencilhado da cultura do automóvel e ainda me pegava em várias situações raciocinando como cidadão-motorista. Balestreri conseguiu fazer ver à plateia, composta basicamente por estudantes de direito, policiais e autoridades públicas, como o modelo de policiamento feito de dentro de um automóvel tinha que ser repensando em favor das patrulhas a pé. Que carros deveriam ser usados para o que foram inventados: transportar pessoas de um lugar para outro. Que um patrulhamento à pé, para além do estreitamento de laços do policial com as comunidades e cidadãos, tinha como resultado um patamar de qualidade muito maior do que o feito a partir de um automóvel. Parece papo esotérico quando se é cidadão-motorista – e a luz de um giroflex exerce ainda um fascínio muito grande no tão impreciso conceito de “sensação de segurança” – mas à medida em que a gente se torna mais e mais pedestre, percebemos o quão certo ele estava.

Atualização em 18/02/2013

Ivênio Hermes fez uma análise da situação do ponto de vista da boa técnica de ação policial.

Saúde tem que ser questão de cidadania, não de direito do consumidor

Por Allan Patrick

É, resolver o problema da saúde inclui fazer "programa de índio". Indiferença e postura blasé nunca fizeram o mundo se mexer.

Resolver o problema da saúde inclui fazer “programa de índio”. Indiferença e postura blasé nunca fizeram o mundo se mexer.

Acordo nesta manhã de domingo de carnaval (10/02/2013) com o twitter natalense em polvorosa porque em um determinado hospital privado a filha de 7 anos de um frequentador dessa rede social aguardava há mais de 12 horas por um anestesista para fazer uma cirurgia. A situação foi resolvida e a cirurgia marcada para o período da tarde.

Aproveitei a oportunidade para conversar com um médico anestesista e me informar sobre o atendimento em hospitais privados em Natal. O fato é: tanto o hospital em questão como outro muito popular entre a classe média para partos e cirurgias obstétricas não tem em seus quadros profissionais anestesistas em regime de plantão ou ao menos de sobreaviso.

Do outro lado, hospitais públicos, com toda suas dificuldades e sofrendo inúmeros mal tratos por governantes desinteressados na saúde, seguram a onda com profissionais de plantão.

A cada dia que passa, com a estrutura de custos atual e para a qual não há perspectiva de alteração num futuro visível, não se deve esperar algo diferente da medicina privada: aparência em dia; bastidores chocantes.

Se a parcela da sociedade que tem poder, e aí se inclui a classe média, deixar um pouco de lado o seu viés mimizento, em que tenta resolver tudo pelo aspecto individual (“tenho plano de saúde e direitos do consumidor, logo tenho que estar a salvo, o resto do mundo que se vire”) e somar suas forças em soluções baseadas na cidadania, quem sabe possamos desfazer esse círculo vicioso.

Um primeiro balanço da administração municipal de Natal

Por Allan Patrick

Carlos Eduardo em entrevista ao RN TV 1ª edição de 05/02/2012.

Carlos Eduardo em entrevista ao RN TV 1ª edição de 05/02/2012.

O ano começou promissor para Natal, com uma nova gestão municipal disposta a colocar os serviços públicos da cidade para funcionar, cumprindo ao menos os anseios básicos do eleitorado. No segundo turno da eleição, fiz questão de tornar público meu voto no então candidato e atual prefeito, Carlos Eduardo. Ontem, 05/02/2012, na 1ª edição do RN TV (programa noticioso da afiliada local da Rede Globo), ao meio dia, ele foi entrevistado durante 15 minutos. Em meio a várias considerações sobre a “reconstrução” de Natal nas diversas áreas (saúde, educação, pavimentação, pagamentos atrasados, …), entendo que o ponto mais positivo da entrevista foi o anúncio de que a Prefeitura não mais desapropriará imóveis para viabilizar as obras de mobilidade da Copa do Mundo, uma vitória importante dos movimentos sociais, em especial da Associação Potiguar de Atingidos pela Copa 2014 e do Comitê Popular Copa 2014 Natal-RN.

E é justamente por esse bom começo e pelo ressurgimento, por mais incipiente que seja, de um sentimento de pertencimento entre natalenses e sua cidade, que me sinto compelido a fazer uma observação crítica sobre o que parece ser o ponto mais fraco no rol das ideias desta administração.

Já na segunda-feira (04/02/2012), o RN TV 2ª edição (noturno), levou ao ar uma matéria sobre o problema do trânsito em Natal. A reportagem nasceu com uma premissa ruim: “a cidade é carente de infra-estrutura para o tamanho de sua crescente frota de carros, que já chega a 300 mil veículos”. É uma meia-verdade, pela simples razão de que é impossível, em qualquer lugar do mundo, atender às demandas infinitas de recursos que a massificação do transporte automotivo individual gera.

(Segundo o censo do IBGE de 2010, Natal tem cerca de 270 mil domicílios. Isso nos dá aproximadamente 1,1 veículo por domicílio. Uma estatística que não é diretamente comparável, mas mesmo assim surpreende, é que 55,5% dos domicílios de Nova Iorque não tem registro de nenhum veículo. Mostra como estamos sim saturados de carros em qualquer escala de comparação.)

Sinto ser o portador da má notícia de que o trânsito não vai melhorar alargando esta ou qualquer outra via da cidade. Foto: Canindé Soares.

Sinto ser o portador da má notícia de que o trânsito não vai melhorar alargando esta ou qualquer outra via da cidade. Foto: Canindé Soares.

Pois bem, nessa matéria da segunda-feira, um secretário do município apontou como “solução” para os principais eixos de tráfego urbano de Natal o “alargamento” de ruas. Como não haverá desapropriação de imóveis e as leis da física permanecem imutáveis, já é de se imaginar quem serão as vítimas: canteiros, áreas verdes e calçadas, ou seja, os poucos espaços que hoje, de um modo ou de outro, estão a salvo para os pedestres.

Do mesmo modo se expressou o Prefeito em sua entrevista, pois ao falar em mobilidade urbana, tratou de viadutos, avenidas e túneis. Tal qual seu subordinado, nenhuma palavra sobre transporte público.

Se o objetivo do trânsito de uma cidade fosse levar carros de um lado pro outro, seria até possível concordar com essa linha de pensamento, mas a malha de transporte existe para levar pessoas, não carros. Até porque carros são a forma mais ineficiente de transportar pessoas, qualquer que seja o ponto de vista da análise: econômico, ambiental, de saúde pública (efeito da poluição) ou de saúde individual (cardiopatias, problemas respiratórios, na coluna e outros mais).

Portanto, não há como se falar em soluções para a mobilidade urbana sem que a ÊNFASE seja voltada para o transporte público e para o seu complemento natural, o pedestre/ciclista. Só desta forma é que realmente teremos o poder de alterar substancialmente para melhor a qualidade de vida dos habitantes da cidade e, de fato, melhorar o “fluxo” do trânsito.

Não é justo, porém, “fulanizar” essa culpa na figura do Prefeito se, infelizmente, o que ele defende nada mais é do que o conceito absolutamente arraigado nos setores mais “empoderados” (classe média e elite) de nossa cidade, para quem mobilidade urbana é sinônimo de fluxo de automóveis. Nesse sentido, não está fazendo nada mais do que exprimir o sentimento comum dessa sociedade.

A figura pública natalense que conseguir romper essa amarra, desconfio, é séria candidata a ser figura marcante de nossa história.

Enquanto isso, nos resta o trabalho de formiguinha dos ativistas interessados (ciclistas, pedestres, usuários de transporte público) em construir uma sociedade menos centrada no carro e mais na cidadania.

Corrupção, esse mal capitalista, e o que nos toca fazer

Por Allan Patrick

Hospital da Mulher, Mossoró/RN. Foto: O Mossoroense.

Hospital da Mulher, Mossoró/RN, um dos alvos da Operação Assepsia. O esquema de terceirizar  serviços públicos em larga escala com fins ilícitos nasceu na Espanha. Foto: O Mossoroense.

Quando conversamos com as pessoas, percebemos uma ingenuidade quase provinciana,  um sentimento amplo e difuso (a vontade que dá é de usar mais uma vez o famigerado palavrão alemão: zeitgeist), de que o Brasil é, inconteste, inigualável, o campeão mundial da corrupção. Basta abrir o facebook e constatar in loco. Ou, se preferir averiguar acrescentando um toque de humor, conferir o desopilante Classe Média Sofre.

Mas não é assim. Somos muito exagerados na nossa auto depreciação. Infelizmente, a corrupção é uma característica intrínseca a todo sistema onde o vil metal é cultuado como o valor moral último da sociedade, até mesmo por aqueles que se dizem seguidores de um Deus maior.

Estes dias (janeiro/2013), a Espanha, já assolada pela crise econômica, vê com furor tornar-se público mais um escândalo de corrupção, possivelmente o maior desde o fim do franquismo: Álvaro Lapuerta e Luis Bárcenas, tesoureiros do Partido Popular (PP), ideologicamente afim ao brasileiro Democratas e atualmente governando a maioria das regiões autônomas e o governo central espanhol, tiveram reveladas suas contas secretas em paraísos fiscais.

Essas contas eram abastecidas por dinheiro ilegal proveniente de diversas fontes, dentre as quais as empresas envolvidas no escândalo Gürtel, que consistia em fraudar terceirizações das comunidades autônomas e prefeituras administradas pelo PP (alguém mais aí pensou na Associação Marca?), além de burlar restrições à construção civil estabelecidas em planos diretores e áreas de proteção ambiental.

Essas contas eram utilizadas para abastecer remessas periódicas à Espanha, onde eram convertidas em dinheiro vivo e distribuídas em envelopes, de forma sistemática e praticamente mensal, a todos os integrantes mais graduados do Partido, incluindo-se aí o atual primeiro-ministro, Mariano Rajoy, Rodrigo Rato (ex-presidente do FMI) e várias outras figuras expressivas do partido. O procedimento teria se iniciado em 1997, quando da chegada ao poder de José Maria Aznar e o esquema foi trazido à luz da imprensa em meio à uma briga interna no partido provocada pela desconfiança de que Bárcenas estivesse desviando recursos das contas para uso próprio.

O Colégio Público Santa Catalina, em Majadahonda, abandonado à espera da demolição (2009). Foto: acervo pessoal.

O Colégio Público Santa Catalina, em Majadahonda, abandonado à espera da demolição (2009). Foto: acervo pessoal.

Numa investigação séria, como a deste caso, que já vinha acontecendo há vários anos, cruzam-se várias fontes, provas documentais e testemunhos (ao contrário da Ação Penal 470). Uma das testemunhas mais relevantes é José Luís Peñas, ex-vereador de Majadahonda, na região metropolitana de Madri.

(Por uma dessas coincidências da vida, entre 1987 e 1990 morei nessa cidadezinha. E, na virada de 2008 para 2009, tive a oportunidade de voltar para visitá-la. Qual não foi minha supresa ao tomar conhecimento que a escola pública onde havia estudado seria demolida para se tornar uma praça, ao custo de 20 milhões de euros e seria substituída por uma escola “concertada” – entidade privada, gratuita para os alunos, mas custeada com recursos públicos – mantida por uma associação “sem fins lucrativos”. Essas escolas costumam ser, na Espanha, 70% mais caras do que as públicas. Não levei muito tempo para chegar à conclusão que alguma coisa cheirava mal nessa fúria terceirizadora de atividades fins do estado.)

Voltando à investigação judicial do caso, que teve à sua frente o infatigável Baltasar Garzón, arrisco-me a afirmar que a mais expressiva violência à independência do judiciário em um país da Europa Ocidental neste século XXI ocorreu com sua expulsão da carreira judiciária em função da sua investigação neste caso. Publicamos aqui, em 2010, uma nota de José Saramago em solidariedade a Garzón. Sempre, nessas horas, surge o comentário bisonho sobre o fato da Espanha ser a “periferia” da Europa e “lá” ser “normal” que essas coisas “estranhas” aconteçam. Mas a União Europeia, tão ciente de suas cláusulas democráticas, e os demais países “paladinos” da democracia europeia, mantiveram-se em perfeito silêncio sobre esse ataque frontal à independência do poder judiciário.

Para acrescentar o insulto à injúria, o Partido Popular aprovou no ano passado uma anistia fiscal para quem repatriasse ao país os investimentos que estivessem escondidos em paraísos fiscais, a qual foi prontamente aproveitada pelo tesoureiro, Bárcenas, para legalizar (lavar com amparo legal) o saldo do dinheiro sujo mantido no exterior.

Talvez o leitor, em sua inocência, atribua essa situação à “cultura ibérica”. Sinto informar, entretanto, que Eva Joly, magistrada francesa, vive praticamente exilada em sua Noruega natal, após ter sido massacrada durante anos pela mídia da França, por suas investigações no Caso Elf, a ponto de toda uma obra cinematográfica ser produzida para difamá-la, resenhada aqui em A Comédia do Poder. Sobre os Estados Unidos, desfaça-se de sua inocência aqui.

Então, não há solução?

Claro que há. Mas não há nenhuma fórmula mágica nem bala de prata para tratar o problema, só muito trabalho. Aqui mesmo em Natal houve a #revoltadobusão, pá de cal do governo Micarla. De que lado você estava? Apoiando o movimento ou reclamando do trânsito? Só o Carnatal pode atrapalhar o trânsito, né? E quando da ocupação da Câmara Municipal de Natal? Tuítou contra esses jovens “baderneiros”? Ficou em cima do muro? Indiferente? Em silêncio?

Já nos ensinou Martin Luther King sobre os neutros e indiferentes:

Temos que refletir sobre esta geração. Não apenas pelas palavras ofensivas e pelos atos de violência dos maus, mas pelo silêncio aterrador e a indiferença das pessoas boas que ficam por ali dizendo “tenha paciência”.

 

It may well be that we will have to repent in this generation. Not merely for the vitriolic words and the violent actions of the bad people, but for the appalling silence and indifference of the good people who sit around and say, “Wait on time”

 

“Remaining Awake Through a Great Revolution”, sermon at the National Cathedral, 31 March 1968, published in A Testament of Hope (1986)