Sobre armas e massacres

AR-15

Fuzil AR-15 semi-automático. TheAlphaWolf/Wikipedia.

Por Allan Patrick

Com o recente massacre ocorrido na Escola Sandy Hook, em Newtown, Coneticute, surge pela enésima vez a pergunta: há alguma relação entre controle de armas e a erupção desses eventos catastróficos? Tem se formado um consenso nos últimos anos de que essa relação não existe, sob o argumento de que há outros países, como Suíça ou Canadá, onde também há um grande percentual da população com armas em casa e esses eventos não ocorrem. Mas o diabo está nos detalhes. A NRA, o grupo de lobby das armas, não age nos Estados Unidos unicamente em favor do direito ao cidadão de ter armas. Ela atua no sentido de tornar o comércio e porte de armas tão livre e amplo quanto o de qualquer mercadoria (*). Há, portanto, uma diferença qualitativa relevante entre como estão armados os estadounidenses e os suíços e canadenses. Estes últimos tem, em geral, armamento de caça ou proteção pessoal.

Uma arma de caça pode até matar um elefante com um tiro, mas não dispara onze tiros por segundos. Uma arma do tipo AR-15 no Brasil em posse de bandidos é notícia. A posse de uma arma deste porte por uma professora pré-escolar,  nos Estados Unidos, não é notícia. E, sim, há uma enorme diferença entre tentar perpetrar um massacre com uma faca, um revólver ou um fuzil de repetição. A capacidade de reação a um ataque surpresa com esse último, estejam as vítimas armadas ou não, é muito baixa.

Eu sugiro a quem estiver interessado em confirmar a “naturalidade” e a ampla disseminação de armamento pesado nos EUA a procurar assistir algum episódio do programa Doomsday Preppers, do National Geographic, que relata como famílias e indivíduos americanos se “preparam” para eventos catastróficos.

De outra parte, um comentário para quem crê na inexistência de islamofobia, racismo e outros preconceitos: já perceberam a diferença no tratamento dos grupos a que pertencem os autores de massacres? Se um muçulmano comete um massacre desse porte, o ato é automaticamente “terrorismo” e as “causas” giram em torno das “características” culturais do seu grupo. Se o negro é o autor, o rumo do debate gira ao redor da insuficiência de rigor da legislação penal. Mas, se um indivíduo dentro da normatividade (sim, o “pobre” e “sofrido” homem branco hétero) comete uma barbaridade como esta, trata-se de um “louco”, um indivíduo desgarrado agindo unilateralmente. É tabu fazer qualquer julgamento de fundo sobre o seu meio (**).

(*) sua maior derrota até o momento é o porte em aviões, que continua absolutamente proibido. Cortesia de Bin Laden.

(**) você já viu por aí alguma análise sobre o caldo de cultura de machismo e misoginia, ingrediente fundamental para o massacre de Realengo? Não? Experimente.