Votando em Natal e Parnamirim

Por Allan Patrick

Tal como fizemos na eleição de 2010, vamos publicar aqui uma breve análise dos candidatos a prefeito e vereador em Natal e Parnamirim (RN), cidades conurbadas onde votamos eu e minha esposa.

Em Natal, os candidatos a prefeito são:

Robério Paulino (PSOL) – 50

Robério é professor do Departamento de Políticas Públicas da Universidade Federal do Rio Grande do Norte e representa uma inflexão na forma como o PSOL vinha se apresentando no nosso estado. Deixou de ser um partido que era meramente contra algo para passar a ser também um partido/candidatura com propostas a mostrar à população. Entretanto, como grande parte da esquerda, tem dificuldade em traduzir todo o seu idealismo em propostas do dia-a-dia da população, no âmbito das competências de um município. Marcou um tanto ao colocar na pauta do debate público a dificuldade do natalense ter acesso à Via Costeira, cujos projetos de abertura à população estão sob ataque de grupos de pressão do setor hoteleiro. Ainda assim, faria muito bem a ele, e a boa parte do PSOL, um pouco de literatura sobre urbanismo, como Morte e Vida de Grandes Cidades, de Jane Jacobs, para aprimorar o discurso em campanhas municipais.

Hermano Morais (PMDB) – 15

Kalazans recebe a visita de Hemano Morais.

Hermano Morais, deputado estadual pelo PMDB, atua há muitos anos como parlamentar, inicialmente na Câmara de Vereadores de Natal e mais recentemente na Assembleia Legislativa Estadual. Embora tenha uma boa imagem pessoal como político e seja o segundo colocado nas pesquisas, pesa contra ele o apoio do grosso dos componentes da administração da atual prefeita, Micarla de Souza, que conta com 90% de rejeição da população natalense.

Kalazans é de total confiança, segundo Hermano.

Estão aí do lado, a título de exemplo, os tuítes de Kalazans Bezerra, que deixou a chefia do Gabinete Civil de Micarla pra ser candidato a vereador, como prova.

Não bastasse isso, aceitou que o seu vice fosse indicado pelo deputado estadual Antônio Jácome, eleito campeão de votos em 2010 com um discurso teocrático baseado na moral, nos bons costumes e na religião, para logo após a eleição ser expulso da Assembleia de Deus sob a acusação de adultério e prática de aborto.

Carlos Eduardo (PDT) – 12

Prefeito entre 2002 e 2008, é o candidato favorito do atual pleito, favorecido pela imensa impopularidade (90% de rejeição) da atual Prefeita, Micarla de Souza, que ao longo de seus 4 anos de mandato manteve um discurso público de contraste entre sua administração e a de Carlos, involuntariamente ajudando a manter seu nome em evidência. Eu tenho a tendência a achar mais fácil analisar políticos pelos defeitos que lhes atribuem do que pelos elogios. Nesse ponto, Carlos Eduardo sofre de duas críticas que para mim são virtudes: teve dificuldades em manter maioria na Câmara Municipal de Vereadores, embora fosse um prefeito popular (Micarla, do alto de sua rejeição de 90% da população, nunca teve apoio inferior a 90% entre os vereadores natalenses); apanhou feito judas na imprensa por ter criado um corredor de ônibus numa das principais avenidas da cidade (a Bernardo Vieira), o perfeito retrato da mediocridade da mídia local ao abordar temas como mobilidade urbana. Um outro fato positivo de seu mandato – e pouco conhecido pela população em geral – foi a atuação correta da ARSBAN (Agência Reguladora de Saneamento Básico), praticamente abandonada durante a gestão Micarla.

Rogério Marinho (PSDB) – 45

Como é tradicional no PSDB, Rogério Marinho adota um discurso cientificista de “melhoria da gestão” através da privatização dos serviços públicos. Quando questionado sobre os diversos escândalos de corrupção na atuação de prestadoras de serviço privadas nas unidades de saúde pública de Natal (vide Operação Assepsia), defende que sob sua administração será diferente e as terceirizações serão feitas com seriedade. Se conseguiria ou não aplicar esse modelo com honestidade, é pouco provável que venhamos a saber, pois está em quarto lugar nas pesquisas, mas o histórico não é favorável: durante a Operação Assepsia foi preso um procurador municipal, Alexandre Magno, que tem ligações políticas com Marinho.

FERNANDO MINEIRO (PT) – 13

Fernando Mineiro (PT) em campanha. Nossa opção para Prefeito de Natal.

Acompanhando o título do seu blogue de campanha, nesta eleição Eu voto Mineiro. Ele foi vereador em Natal de 1988 a 2002 (quando se elegeu deputado estadual). Desde o seu primeiro mandato, é uma espécie de nerd dedicado a procurar soluções para os problemas de Natal.

Fuçador de orçamentos públicos, já desmascarou diversas vezes o governo estadual, que choraminga crise na TV para justificar porque não compra cadeados pra uma penitenciária (propiciando a maior fuga de presidiários da história do Rio Grande do Norte), mas bate recordes de arrecadação e de gastos com publicidade. (Hermano Morais, também deputado estadual, tem mantido silêncio hermético sobre esses temas).

Antenado de tudo o que ocorre na cidade, já o encontrei diversas vezes na UFRN, sempre que há uma boa palestra ou debate sobre questões importantes, seja no campo do urbanismo, da cultura ou do desenvolvimento tecnológico. Tudo o que se espera de um administração municipal está lá, no seu programa de governo, muito bem escrito.

Câmara Municipal

Em Natal, há quase 500 candidatos a vereador, sendo impossível fazer qualquer análise digna sobre tantos nomes. Mas vale salientar que, diante do desastre que é a atual administração municipal, repudiada por 90% dos natalenses, 90% dos vereadores apoiam a atual Prefeita, Micarla de Souza. É um importante indicador para não votar nos candidatos à reeleição que fazem parte da base governista, que inclui também Paulinho Freire, Vice-Prefeito e leal escudeiro da titular, e Kalazans Bezerra, Chefe do Gabinete Civil durante quase todo o governo Micarla. Uma lista completa dos vereadores governistas pode ser encontrada no blogue do Centro Acadêmico de Direito da UFRN.

Hugo Manso (PT), 13611, é o nosso voto para vereador em Natal.

Meu voto neste caso vai para Hugo Manso (PT), 13611, Professor do IFRN, cidadão extremamente íntegro, ex-vereador, que saiu da Câmara Municipal com a mesma simplicidade e correção com que entrou. Perdeu a reeleição mesmo tendo sido aprovado nas urnas (seu número de votos aumentou), mas o quociente eleitoral e a coligação de então o derrubaram. Comprometido com todas as causas de urbanismo, cultura, educação, saúde pública, direitos humanos, esporte e lazer nas quais acreditamos. Já que vamos encerrar no fim deste ano uma das piores composições da história da Câmara Municipal de Natal, é bom recomeçar com ótimos quadros!

Parnamirim

Em Parnamirim, por incrível que possa parecer, a disputa está bastante acirrada. A incredulidade é pela competitividade do candidato do PV, Gilson Moura, nascido e criado politicamente na TV de Micarla e a ela ligado. Apesar da Operação Pecado Capital (ou, o que é mais provável, pelo seu desconhecimento por parte da população) e da proximidade política da prefeita pior avaliada da história no Brasil inteiro, Moura se mantém próximo do atual prefeito, Maurício Marques (PDT) – 12, nas pesquisas. Embora Maurício Marques esteja longe de ser um prefeito dos sonhos, a olhos vistos é possível constatar que as estruturas públicas (escolas, postos de saúde etc.) estão mais bem conservadas e cuidadas em Parnamirim do que em Natal, embora a capital tenha um orçamento bem mais generoso. Tentando descobrir as razões da popularidade de Moura, conversamos com dois de seus eleitores. Um, pequeno empresário, criticou a forma como a vigilância sanitária municipal age atualmente. Pelo tom de sua crítica, o desgosto é decorrente do bom trabalho da vigilância sanitária municipal! Por isso, é contrário à reeleição do atual prefeito! Outro eleitor foi beneficiado pela ação de um advogado indicado por Moura. Ou seja, puro clientelismo. É por essas razões que, em Parnamirim, estamos votando em Maurício Marques (PDT) – 12.

Eron (PT), 13123, opção para vereador em Parnamirim-RN.

Para vereador, com o intuito de bem fiscalizar qualquer um dos candidatos que venha a ser eleito como prefeito, nossa opção é por Eron (PT), 13123, tal como Hugo Manso professor do IFRN (Campus Parnamirim) e um candidato com capacidade para exercer um mandato no legislativo municipal que não se paute pelo clientelismo rasteiro tão comum nas nossas Câmaras Municipais.

Veja também:

– Análise do resultado da eleição em Natal.

– Democracia e eleições em Natal.

Se eu moro num apartamento de 62m2, por que um índio deve ter direito a 87 ha?

Por Allan Patrick

Uma latifundiária, nos dizeres de spam que circula por correio eletrônico e nas redes sociais.

Um dos tantos spams (mensagens eletrônicas, não-solicitadas, enviadas em massa) que circulam por aí demonstra grande indignação porque o cidadão X, que paga seus impostos e reside num apartamento de 62m2 numa grande cidade brasileira, deve tolerar que um povo nativo do Brasil (no popular, índios), ocupe imensas áreas como reservas. O texto segue argumentando que, na Raposa Serra do Sol, em Roraima, há 20 mil índios para 1.743.089 hectares, ou seja, 87,15 hectare por cada nativo! Um verdadeiro absurdo, “um imenso latifúndio”, conclui o texto.

Será mesmo? A comparação está correta, 62m2 do “cidadão de bem” urbano versus 87 hectares do índio “arruaceiro” e “improdutivo”?

Vamos fazer alguns cálculos. O cidadão urbano toma, todo dia, um belo e gostoso banho usando seu chuveiro elétrico de 5 KW. Vamos supor que a energia utilizada para fazer funcionar esse chuveiro venha da usina hidrelétrica de Balbina, localizada na Amazônia. O lago de Balbina ocupa 2.600 km2 (algumas fontes apontam para 2.360 km2, outras informam que pode chegar a 4.438 km2). Em condições ideais, com potência máxima, a usina gera 250 MW, embora a potência média gerada seja de 120 MW e a potência firme (nas condições mais adversas), seja de apenas 63 MW. Isso significa que, em condições quase ideais, temos:

250 MW de potência para 2600 km2 de área ocupada, ou seja, 0,09615 MW/km2, que, para facilitar a leitura, podemos converter para 96,15 KW/km2. Se o parâmetro for, como já sugerimos, um chuveiro elétrico mediano de 5 KW de potência, chegaremos ao número fatídico de que cada km2 de área inundada suporta apenas 19,23 chuveiros. Ou, para deixar esse dado ainda mais claro, cada chuveiro ligado corresponde a uma área inundada de 52 hectares.

Então, a questão que eu faria é: se nós, seres urbanos, podemos chegar a ocupar 52 hectares só pra tomar um banho, qual o mal em um brasileiro dos povos originários ocupar 87 hectares para todas as necessidades de sua vida?

P.S.: adicionalmente, Balbina gera 10 vezes mais CO2 que uma usina a carvão de mesma capacidade.