Cultura de estupro para leigos

Por Allan Patrick

Uma das grandes dificuldades para leigos, principalmente homens, em entender a Marcha das Vadias, é a falta de percepção do que é a cultura de estupro e sua presença em nossa sociedade. Muitos sentem-se sinceramente ofendidos com o slogan “ensine a não estuprar“, que não enxergam como o oposto da culpabilização da vítima.

Este mês, num dos fóruns de discussão que frequento na internet, surgiu uma conversa que é praticamente uma ilustração da frase feita “quer que eu desenhe?” que costuma encerrar debates acalorados na internet, quando uma das partes não entende conceitos básicos. O tópico tinha início com essa imagem:

Cultura de estupro. Mais claro, impossível.

Seguida de vários comentários contendo piadas de estupro. (Nesse mesmo fórum os frequentadores costumam se perguntar porque há poucas mulheres a frequentá-lo!?).

Para quem não quer se dar ao trabalho de ler as letras miúdas da notícia mostrada na imagem, trata-se de uma decisão esdrúxula do Tribunal de Justiça de Goiás, que absolveu um cidadão que violentou sexualmente um homem (por duas vezes) e uma mulher. Afinal, segundo o tribunal, a primeira violência ocorreu “durante uma orgia”, então “tudo vale”, mesmo que o segundo ato tenha ocorrido num terreno baldio para onde o casal foi levado e onde ocorreu a segunda violência (o que contraria até a lógica irracional do acórdão!). Cultura de estupro juridicamente aprovada!

P.S.: essa mesma notícia foi publicada na época (2004) num sítio de grande audiência na área jurídica (o Conjur, de propriedade de Márcio Chaer) com o nefasto subtítulo: “Pela culatra“.

Veja também:

O fim do caso DSK?

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *