O Museu das Docas de Londres

Por Allan Patrick

Museu das Docas de Londres. Foto: acervo pessoal.

Londres é uma cidade farta em museus e seria perda de tempo aqui falar sobre a maioria deles, muito mais bem descritos e analisados por outros blogueiros. Mas, há uma pequena pérola que passa desapercebida para a maioria dos turistas, visitantes e até mesmo para muitos londrinos. Estou falando do Museu das Docas de Londres (Museum of London Docklands).

O prédio do museu é um antigo armazém de açúcar e a viela onde está localizado era conhecida como “Bloody Alley” (beco sangrento, viela sangrenta) porque os estivadores que trabalhavam no local descarregando os navios tinham sempre suas mãos, pescoços e costas em carne viva por causa das péssimas condições de trabalho.

O museu conta a história dos portos e docas de Londres desde a fundação da cidade pelos romanos e é isso o que o torna tão especial, porque em essência narra a história econômica da cidade e, por tabela, do Império Britânico. Foi o único museu da cidade do qual eu fui – literalmente – expulso em razão do horário de fechamento.

Só nele é possível encontrar a informação de que, no século XVIII, um quarto da renda no Reino Unido era oriunda dos lucros dos senhores de engenho das Índias Ocidentais (colônias do Reino Unido no Caribe) e que um destes escravagistas, William Beckford, chegou a se tornar Prefeito de Londres, tal a influência política e econômica que exerciam no Império.

Essa acumulação primitiva de capital iria criar as condições para a deflagração da Revolução Industrial, colocando o Reino Unido na liderança econômica do mundo durante todo o século XIX o que resultou, claro, no período de máxima expansão das Docas de Londres, que o museu retrata muito bem.

Para um retrato perfeito da história econômica do Império Britânico, faltaria apenas um relato um pouco mais aprofundado da evolução do setor financeiro da cidade, muito ligado historicamente à força das conexões comerciais marítimas, que é abordado de forma um pouco superficial. Não deixa de ser curioso, posto que o a região das docas de Londres, onde o museu está, depois da desativação das atividades portuárias nos anos 1980, foi convertida em centro financeiro, praticamente tão importante quanto o da City de Londres.

Veja também:

A Europa que não conhecemos: a City de Londres.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *