Bolsa-família atende 45 milhões de americanos

Por Allan Patrick

Food stamp, o bolsa-família dos EUA. Foto: USDA.gov

Foi notícia na edição de 16 de julho de 2011 da revista The Economist e dá uma ideia do tamanho da crise que atinge a população do Estados Unidos:

Em abril, o programa food stamp (o bolsa-família dos EUA) atendeu 45 milhões de pessoas ou um de cada sete americanos.

O custo anual do programa este ano chegou a US$ 65 bilhões!

E o Departamento de Agricultura, que administra o programa, reconhece que apenas dois terços dos que poderiam se habilitar a receber o pagamento fizeram sua inscrição.

O benefício médio é de 133 dólares e o máximo atinge 200 dólares.

O Itaú na Economist

Por Allan Patrick

Anúncios de contracapa do Itaú na Economist.

Há duas semanas eu escrevi sobre um anúncio do Banco Santander na revista The Economist, mas em termos de anúncios quem tem me chamado a atenção na revista é o Banco Itaú. Desde que cheguei aqui em Londres, tenho comprado todas as semanas a revista, e sem exceção, sempre está lá um anúncio de página inteira do Banco Itaú. Com tanta regularidade, nem a IBM, a Toyota e a Samsung, outros dos anunciantes mais frequentes da revista. Certamente, é o maior anunciante da revista que não tem os leitores como potencial clientela. Mais recentemente, o Itaú tem sido mais ousado, e ocupa a contracapa edição sim, edição não.

Exemplo de edições da Economist que tiveram anúncio do Itaú na contracapa.

O interessante é que, após décadas em que as empresas e analistas brasileiros sofriam com a fraqueza da marca “Brasil”, que aos olhos estrangeiros mal se diferenciava da América Latina como um todo, o Itaú está aparentemente dando um passo atrás, ao se anunciar como um o “banco global da América Latina”. Sim, o Itaú é o maior banco privado do Brasil. Mas sua presença na Argentina, Uruguai, Paraguai e Chile é tímida. E, fora desse conjunto de países na América do Sul, é um banco irrelevante em termos de varejo. E a presença na imprensa de economia londrina do nome Brasil é muito mais forte do que América Latina.

Qual será o objetivo do banco? Valorizar a “marca” e, portanto, seu posicionamento na mente dos analistas de mercado no exterior? A categoria América Latina (onde há concorrentes maiores, como o próprio Santander) é a correta?

Sobre essa campanha há um comunicado à imprensa, insosso e pouco explicativo, divulgado no começo do ano.

Veja também:

O Banco Santander e o Brasil.

Rádio escuta

Por Allan Patrick

Estava ouvindo o rádio e um professor de economia falou:

– O nosso congresso parece cada vez mais com o cidadão comum, deixa tudo pra última hora, como na entrega do imposto de renda, que a maioria de nós só transmite perto da meia noite do último dia do prazo, faz promessas impossíveis que quebra logo em seguida, como nós fazemos na virada do ano, e só está interessado em gratificação imediata, sem pensar no longo prazo.

Bem, não era exatamente no rádio, mas no iPod (cumpre a mesma função nos dias de hoje!). E não era uma rádio brasileira, mas um podcast do New York Times.

O fim do caso DSK?

Por Allan Patrick

Num caso criminal em que a promotoria se dedicou a acusar a vítima, não chega a me estranhar que o advogado de defesa praticamente confesse a culpa do cliente:

E por fim, eu gostaria de dizer isso, dizer publicamente, e com orgulho. Hoje é um dia extraordinário, é um evento extraordinário que um promotor se apresente no fórum e afirme publicamente que não vai apresentar a denúncia, concluindo que a testemunha de acusação não é digna de crédito. Eu estou nesse ramo há 35 anos. Eu penso que nunca vi uma situação como essa. Portanto eu dou todo o crédito a Cy Vance [promotor do caso].

Benjamin Brafman, criminalista, advogado de Dominique Strauss-Kahn, o ex-diretor do FMI.

Recapitulando: a promotoria, ao invés de denunciar o acusado do estupro, promoveu o linchamento moral da vítima, apesar das evidências materiais do estupro (sim, do estupro, não de uma mera relação sexual) que corroboram o depoimento da vítima. O New York Times publicou uma matéria dando apoio à promotoria e revelando uma ligação telefônica realizada pela vítima do estupro, no dia seguinte ao ocorrido, no qual ela teria afirmado que “ele tem um monte de dinheiro e agora eu sei o que vou fazer”. Toda a imprensa foi na linha dessa matéria, dando um peso extraordinário a essa declaração e entrando no clima de desmoralizar a vítima. O advogado da vítima, depois de mais de um mês, finalmente têm acesso à gravação e desmente o seu conteúdo. Conteúdo que, se fosse verdadeiro, não teria nada de mais, pois é bastante razoável que a vítima de um crime nutra ódio pelo agressor e queira prejudicá-lo de todas as maneiras possíveis.

Espero que algum jornalista conhecedor do submundo das varas criminais de Nova Iorque traga à luz no futuro um livro narrando os detalhes dessa história.

Veja também:

O estranho caso DSK.

O SUS na Economist

Por Allan Patrick

É preciso investir mais para ter um melhor Sistema Único de Saúde (SUS).

O Sistema Único de Saúde foi recentemente retratado numa matéria da revista The Economist (edição de 30/julho/2011), An injection of reality (“Uma injeção de realidade”).

A matéria começa elogiando o sistema criado pela Constituição de 1988, que fundiu os sistemas públicos pré-existentes (um para o povão, outro para os contribuintes da previdência). Este modelo dual, segundo a The Economist, continua vigente em boa parte da América Latina. É essa a razão pela qual ainda encontramos no nosso país pessoas de mais idade que se lembram “do tempo em que a saúde pública era eficiente”. Eu mesmo nasci em um hospital público. No entanto, a razão dessa “qualidade” era a ausência de universalidade, levando uma parcela majoritária da população ao desamparo.

A revista reconhece que o sistema não possui o financiamento adequado, como já relatamos tantas vezes aqui neste caderno. E informa que o gasto com o SUS é de apenas 3,1% do PIB.

Interessante notar a franqueza do professor de um MBA em saúde de uma faculdade particular brasileira ao sugerir que o atendimento básico de saúde seja privatizado e que o estado fique apenas com os procedimentos de maior complexidade e atendimento de emergência – justo aqueles que custam mais caro e que nenhuma empresa privada ou Oscip deseja assumir.

Veja também:

Há verba suficiente para a saúde?

SUS, Brasilianas.org e carga tributária.

Transplante de medula óssea e o SUS.

Os procedimentos complexos e o SUS.

Diagnóstico da saúde pública no Brasil e Saúde pública: o que o SUS consegue fazer?