Benefício Brasil

Por Allan Patrick

Mina no Chile. Foto: wikipédia.

Pode anotar: você nunca vai ler um editorial, ouvir um comentarista de rádio ou assistir um apresentador de TV falar no “Benefício Brasil“. Mas ele existe, como mostra a matéria de hoje do Brasil Econômico, sobre o aumento de 2% para 4% dos royalties na mineração:

Um dos argumentos dos defensores do aumento é que a taxa cobrada no Brasil é muito inferior à exigida em outros países. Na Austrália, por exemplo, ela é de 30%, e no Chile, de 14%. (grifo nosso)

Aí os empresários do setor de mineração protestam com a ladainha de sempre: a carga tributária sobre as empresas de mineração no Brasil é das maiores do mundo, por isso nossa situação é especial, os royalties tem que ser pequenos, blá blá blá. Será verdade? O governo propõe então reduzir impostos na mesma proporção do aumento dos royalties. O que o setor responde? (na mesma matéria do Brasil Econômico):

“Mas essa saída é meio complicada”, diz Roberta Marcuci Drumond, advogada especializada em direito tributário do escritório FH Cunha Advogados. “Dificilmente uma redução na carga tributária seria proporcional ao aumento no percentual de royalties“. (grifo nosso)

Anotem: dificilmente uma redução na carga tributária, uma das “maiores do mundo”, no setor de mineração, vai compensar um aumento pífio de 2% para 4% dos royalties (lembrando, Austrália = 30%,  Chile = 14%) . No Brasil, as mineradoras pagam “muito” imposto, né?

Benefício Brasil: conceito que nunca vai ser enunciado pelo seu comentarista econômico preferido.

O assassino norueguês e o feminismo

Por Allan Patrick

O Democracy Now! joga uma luz no anti-feminismo do assassino.

O assassino e autor do cruel massacre da ilha de Utoya, Anders Behring Breivik, em seu escatológico “manifesto”, uma espécie de amalgama de todos os delírios da extrema-direita ocidental, expressa opiniões sobre o feminismo que se encaixam perfeitamente com o masculinismo. Como vemos na entrevista realizada pelo Democracy Now! com Jeff Sharlet — autor do livro A Família, sobre uma soceidade fundamentalista cristã americana — à jornalista Amy Goodman, aqui traduzida (trata-se da transcrição de um diálogo ao vivo na TV, por isso a oralidade do texto):

AMY GOODMAN: Por todo seu manifesto, Breivik culpa a revolução feminista pela decadência da Europa. Ele afirma até mesmo que tentou medir a decadência relativa de cada país europeu com base na disposição das mulheres em “ficar”. Em determinada parte do manifesto, ele escreve: “Fato: 60-70% de todos os marxistas culturais/multiculturalistas são mulheres. Isso explica em parte porque à medida em que avança a revolução feminista, avança também o multiculturalismo, que lhe está diretamente ligado. Essas feministas, marxistas culturais, não apenas querem mais benefícios e direitos para si. Elas querem tudo, e foram mais ou menos premiadas com tudo o que poderiam sonhar em alcançar. Elas agora alcançaram a supremacia do matriarcado em assuntos domésticos e exercitam uma influência substancial na política.”

Ele também escreveu, “Fêmeas tem um capital erótico significativamente maior que o dos homens devido às diferenças biológicas (nos homens prevalecem as necessidades sexuais urgentes e portanto eles são facilmente manipulados).”

Jeff Sharlet, como isso se encaixa no contexto de sua ideologia?

JEFF SHARLET: É verdade — quero dizer, este tem sido um dos aspectos que tem passado batido e sobre o qual não se comentou o suficiente: como a crítica ao feminismo é central no seu manifesto. Você sabe, há enormes trechos onde de fato ele está pegando todas as bandeiras levantadas pela direita cristã americana. E vai mais além. A ponto de chegar aos limites mais extremos da direita cristã americana, propugnando que as mulheres não devem se aprofundar nos estudos. E ele se vê envolto em toda sorte de — esse frenesi de fertilidade, descrito por minha amiga Kathryn Joyce em seu livro, Quiverfull [sobre o movimento homônimo], que é uma grande fonte de informação sobre esse tema, que a direita cristã americana vê as mulheres cristãs — americanas e europeias — como de algum modo responsáveis por não estarem cumprindo seu dever em ter um número suficiente de filhos para competir com as muçulmanas. E você sabe que, por mais maluco que isso pareça ser — eu escrevi um outro livro sobre esse tema — há um monte de deputados no congresso americano que endossam essa ideologia. No manifesto está incluído um longo artigo de um americano chamado Phillip Longman e sua ideia de restauração do patriarcado como pré-condição para combater o islamismo.

E, claro, ele vai além, como acontece em muitos desses textos, essa constante descrição da moral sexual das mulheres. Ele diz que é possível medir a fraqueza e a capacidade dos países ocidentais em lutar contra o islamismo, como você afirmou, pela facilidade com que as mulheres “ficam”, o que ele afirma ter feito com seu grupo de amigos ao viajar pela europa e constatar, você sabe, com quantas mulheres eles eram capazes de dormir. Portanto há, quero dizer, esse tipo de — parece loucura, mas só até você começar a ver quais são suas fontes. E desde o começo, ele retorna a essa ideia fixa de que o feminismo, os direitos das mulheres, estão no coração dessa espécie de quinta coluna da resistência ocidental ao islamismo.

Também já foi relatado o comentário preconceituoso de Breivik em relação ao Brasil, essa nação destinada ao “fracasso” por causa da miscigenação. O “manifesto” de Breivik é um verdadeiro compêndio, muitas vezes baseado no Copiar/Colar, de todas as asneiras pronunciadas pela extrema-direita, de leste a oeste, de norte a sul.

O “zeitgeist” nórdico

Por Allan Patrick

Fronteira Dinamarca - Alemanha em julho/2011, antes da implantação da "blitz". Foto: arquivo pessoal do autor.

Zeitgeist é a palavra da moda quando se quer escrever sobre o caldo de cultura em que uma determinada sociedade está envolta. Há algumas semanas fui à Dinamarca visitar um amigo dos tempos do ensino médio. De lá seguimos para a Alemanha para ver o jogo da Seleção brasileira na Copa do Mundo de Futebol Feminino contra a Noruega. Algum desconforto com o zeitgeist nórdico já vinha me fazendo pensar em escrever algo sobre essa viagem. Mas os acontecimentos do fim de semana precipitaram as coisas.

A Dinamarca é uma nação admirável. Um país onde o estado de bem estar social é forte, a tributação é bastante progressiva, não só em termos fiscais, mas também ambientais. O meio público é fortemente regulamentado sob a perspectiva da qualidade de vida, como é o caso do mercado imobiliário e da construção civil. Isso sem que ninguém venha estribuchar afirmando que assim se cria um “ambiente ruim para fazer negócios”. Porém, maldito porém, meu amigo, que está no país há pouco tempo, menos de um ano, começou a me relatar, e naquele momento eu não refleti sobre o que ele dizia, cansado da viagem e dos planos para o dia seguinte, diversos casos de violência e insegurança que os dinamarqueses lhe contavam, invariavelmente envolvendo imigrantes. “Alguma TV privada deve ter lançado um programa policial”, pensei pra mim mesmo na hora.

E, de fato, aqui no Reino Unido, a iTV transmite um programa, Cops with Cameras, com uma boa audiência, que em termos de bizarrice não fica a dever a nenhuma Patrulha Policial. Outro dia eu o vi de relance enquanto jantava na residência estudantil e não pude deixar de notar a total ausência de vergonha na cara para fazer – e exibir na TV aberta – uma “operação especial”, com câmeras escondidas e policiais à paisana, para prender e esculachar um (01) vendedor de dvds piratas que tinha cinco (05) filmes falsificados na sua bolsa. Uau! (enquanto isso, na city londrina… deixa pra lá).

Tenho pra mim que esse mesmo tipo de programa deve estar fazendo sucesso lá pela Dinamarca. Como narrou o meu amigo, diversas cidades dinamarquesas desincentivam o uso de carros nos seus núcleo urbano (#parabénsDinamarca!), sendo comum que as pessoas, ao se deslocaram para uma cidade, deixem os seus veículos nos arredores, em grandes estacionamentos públicos, de onde se dirigem para os centros urbanos de trem.

Pois bem, teve início uma série de furtos de pertences deixados dentro dos veículos localizados nesses estacionamentos. Os furtos foram atribuídos a “europeus do leste”. O que a polícia fez? Tentou fazer algum tipo de monitoramento nesses locais? Começou uma investigação? Foi atrás do local onde esses produtos são comercializados? Tentou contactar a polícia polonesa, a quem “tradicionalmente” se joga a culpa por esses crimes? Nada disso, o governo nacional preferiu jogar o Tratado de Schegen no lixo e reativou controles migratórios na fronteira com a Alemanha, com o objetivo de fazer uma blitz ostensiva, com finalidades meramente eleitorais. Olha, gente, nem em Mossoró isso é levado mais a sério.

Junta-se aí também a vontade de evitar a vinda de refugiado africanos à Dinamarca. Afinal, o Quênia pode abrigar 380 mil refugiados da Somália (80 mil recém-chegados em apenas 10 dias, produto da seca desastrosa que assola a região), mas 15 mil líbios e tunesinos em toda a Europa continental é o fim do mundo, né?

Nesse ambiente político, não chega a ser uma surpresa, embora choque profundamente, a barbárie ocorrida na Noruega.

O zeitgeist vem sendo cultivado com muito esmero.

A Itália é diferente

Por Allan Patrick

A cada semana, um país na mira dos especuladores.

Por esses dias, várias notícias alarmistas tratavam do risco da Itália ter algum problema na rolagem de sua dívida pública. Na verdade eram especuladores se aproveitando, num momento em que venciam vários títulos da dívida italiana, para forçar pra cima os juros a serem pagos por aquele país no momento em que fazia a substituição dos títulos antigos por novos.

O motivo para acreditar que, embora a Itália tenha uma das maiores relações dívida pública/PIB do mundo (junto com o Japão), não vai ter problemas na rolagem dessa dívida, é que a maior parte dos credores são internos, ou seja, os próprios italianos – clientes do varejo – que não tem muito interesse em ataques especulativos ou corridas contra os bancos. A razão dessa insólita (e positiva) situação é que, ao contrário da crença “popular” – que afirma serem os povos da Europa do Norte poupadores e comedidos, enquanto os habitantes do Mediterrâneo não passam de latinos irresponsáveis – a Itália é o país com a maior taxa de poupança interna da Europa (informação importantíssima despretenciosamente escondida num relatório especial de 14 páginas da revista The Economist, edição de 11 de junho de 2011). Esqueçam aquelas historinhas publicadas nos cadernos de economia dos jornais brasileiros sobre a fábula de Jean de La Fontaine, onde a Alemanha normalmente é retratada como a nação das formigas, e os latinos como as cigarras.

Só pra concluir: o relatório da OECD em 2009 mostra que a Itália é o quinto país onde mais se trabalha na Europa (eu vi uma planilha com dados de 2010 mostrando o país em segundo lugar, mas perdi a referência). A Alemanha vem bem abaixo, em 23º. Tal como no Brasil, onde os estados do Rio de Janeiro e da Bahia normalmente estão nos primeiros lugares no número de horas trabalhadas, mas levam a má fama de terem trabalhadores “preguiçosos”, la dolce vita italiana pode estar muito presente na mente dos turistas, mas não tem amparo na realidade.

P.S.: que país na Europa lidera o número de horas trabalhadas há dez anos e mesmo assim é rotulado pela mídia, incluindo a TV alemã (a denúncia do preconceito está numa matéria da Al Jazeera), como uma terra de preguiçosos perdulários? Sim, ela mesma, a Grécia!

A Copa do Mundo na Alemanha… e em Natal?

Por Allan Patrick

Marta se despedindo da torcida após o jogo Brasil 3 x 0 Noruega. Foto: acervo pessoal do autor.

Aproveitando que estou em Londres estudando inglês e as distâncias na Europa são relativamente curtas, fui ver dois jogos da Copa do Mundo 2011 de Futebol Feminino. A primeira partida que vi, em Wolfsburgo, foi entre Brasil e Noruega. Realizei um de meus sonhos como fã de esporte: ver Marta jogando ao vivo. O Brasil ganhou sem grandes dificuldades, por 3 a 0.

Com grande tristeza vi dias depois, solitário, numa medíocre tela de notebook numa tarde chuvosa em Londres, a derrota do Brasil diante dos Estados Unidos. Doeu muito no meu coração. Ainda por cima tendo que aguentar a narração de Luciano do Valle e os comentários de Neto, repletos de pérolas machistas.

Marta ficou marcada pela torcida alemã durante o campeonato, sendo vaiada continuamente. Na sua visão, ela reclamava demais da arbitragem, gritava demais e outros que tais. Infelizmente, os torcedores locais confundiram a paixão que devotamos ao futebol com falsidade teatral. Bobagem. Os italianos falam com as mãos; da mesma forma também temos nossos arroubos expressivos: não conseguimos jogar uma partida de futebol com a tecla mute acionada. Temos que berrar e gesticular o tempo todo, esse é o nosso jeito (talvez um pouco de moderação seja um bom tempero). Testemunhei esse sentimento pessoalmente, pois toda vez que eu e um casal de amigos brasileiros, que assistíamos ao jogo contra a Noruega, comemorávamos um gol ou uma bela jogada, alemães que estavam sentados à nossa frente nos olhavam espantados, como se estivessem presenciando a chegada de marcianos à Terra.

Kumagai convertendo o último pênalti e dando o título ao Japão. Foto: acervo pessoal do autor.

Acabei comprando um ingresso para a final antes do Brasil ser desclassificado da Copa, num raro momento em que o sítio da FIFA colocou ingressos à venda.

A final, disputada no último domingo 17 de julho de 2011, foi bem animada (certamente, muito mais do que o chatíssimo Brasil x Paraguai que ocorria simultâneamente) e as japonesas merecidamente sagraram-se campeãs mundiais.

A “organização germânica”

Luciano do Valle deu um duro danado nos comentários machistas, mas não ficou só por aí. Não foi à Alemanha e narrou os jogos a partir do Brasil mesmo. Não se cansou, na cara de pau, de fazer elogios à “eficiência germânica” na organização dos jogos, sem ter ideia sobre o que estava falando.

Se no sítio da FIFA foi extremamente complicado comprar ingressos, na vizinhança dos estádios o que mais havia eram cambistas (por favor, antes de postar um comentário preconceituoso, aviso para poupar-lhe tempo: não, os cambistas não eram imigrantes do terceiro mundo, eram loiros dos olhos azuis e falavam perfeitamente alemão e inglês). As filas nos banheiros femininos eram enormes, pois pelo visto ninguém da organização acreditou que as mulheres iriam em massa assistir à Copa. Poucas pessoas do apoio entendiam ou falavam inglês. Os bares dos estádios não vendiam água, só refrigerante (a “módicos” € 4,50, cortesia do monopólio da Coca-Cola) e cerveja. O programa oficial da Copa, em língua inglesa, sempre estava esgotado nas lojas oficiais. Nos intervalos, as saídas de emergências e escadas ficavam abarrotadas de gente fumando (felizmente não houve nenhuma urgência). Em Wolfsburgo, dei o azar de ficar num setor da arquibancada próximo aos “vips” da Fifa. Resultado: o banheiro e o bar do andar foram fechados com exclusividade para eles. Centenas de pessoas tiveram que, no intervalo, se dirigir a outros andares para ir ao banheiro ou aos bares. Imaginem como não ficou congestionada a escada, já lotada de fumantes, numa situação como essa. Depois dizem que é só o Brasil que se acocora pras exigências bisonhas da FIFA…

Em Frankfurt, após a final, a multidão se dirigiu à estação de trem metropolitano mais próxima e não havia nenhuma indicação do destino dos trens e de suas respectivas plataformas. Por sorte, a primeira plataforma a que me dirigi era a correta. Mas vi centenas de pessoas subindo e descendo várias plataformas até encontrar a correta (se tivesse ocorrido algum tumulto, possível, porque havia alguns bêbados impertinentes, poderia ter acontecido um desastre). No mínimo a organização pensou que só torcedores do Eintracht Frankfurt, que já conhecem o estádio, iriam assistir a partida… porque bastavam 10 cartulinas e uma fita adesiva para esclarecer corretamente os destinos dos trens de cada plataforma da estação.

A Copa do Mundo em Natal?

Por várias vezes já expressei aqui meu ceticismo em relação a Natal sediar a Copa do Mundo:

Sou favorável a um plebiscito sobre a Arena das Dunas.
Vale a pena gastar R$ 1,1 milhão por minuto em função da Copa?
A Copa do Mundo em Natal. Vamos pagar quanto?

Mas agora, depois de ter sido espectador na Copa da Alemanha, mudo minha opinião: é plenamente possível realizar a Copa em Natal, desde que não seja construído um novo estádio. Os estádios alemães não são estruturalmente muito melhores do que o Machadão. A diferença fundamental, em termos de conforto, são as cadeiras. Em termos de infra-estrutura para a torcida, os principais defeitos do estádio natalense são a falta de acessibilidade e a absoluta carência de banheiros femininos. O resto é perfumaria (como telão, estrutura de bares, etc.). O que o Machadão realmente precisa é de carinho na sua conservação, o que nunca ocorreu na sua história. Até hoje, quase 40 anos depois de sua inauguração, seu entorno ainda não foi urbanizado (é um estádio construído no meio do barro que, em dia de chuva, vira lama).