A Vale e o valor

Por Allan Patrick

Roger Agnelli. Foto: Wellington Pedro/Imprensa MG

Foi notícia há duas semanas a substituição do principal executivo da mineradora Vale, Roger Agnelli. A CartaCapital, na sua edição nº 641 (13/04/2011), anunciou o fim da era Agnelli nos seguintes termos:

A substituição no comando da Vale coloca fim ao que se tornou uma disputa política e acende o debate sobre o papel da companhia no desenvolvimento do País.

Segundo o noticiário, o governo federal estaria intervindo na Vale porque ela não estaria agregando valor à sua cadeia produtiva, sendo pouco mais do que um operador de logística e transporte de commodities. Seria desejo do governo que a empresa investisse pesadamente em siderurgia, para agregar mais valor à sua produção exportando aço ao invés de minério de ferro. A Vale, capitaneada por Agnelli, seria contrária à esta abordagem porque, de acordo com seu CEO, lucraria mais mantendo seu plano de negócios nas bases atuais.

A mídia tradicional preferiu tratar do assunto como uma intervenção estatal em assuntos privados. Já a blogosfera neoliberal teceu pesadas críticas com base no conceito econômico de valor.

Estou longe de ser um especialista em economia, mas gostaria de compartilhar meus pensamentos sobre essa última crítica.

Na história da economia já houve um tempo em que a maior parte dos estudiosos defendia que todo o valor emanava da terra, que seria a única fonte de riqueza. Esses pensadores formaram a escola fisiocrática, a primeira a abordar a economia de forma científica. Seu raciocínio era bastante lógico num mundo em que as atividades predominantes se concentravam na agricultura e na pecuária.

Com a evolução no pensamento econômico e os estudos de Adam Smith, David Ricardo e Karl Marx, passou a prevalecer a teoria do valor trabalho, segundo a qual, grosso modo, o valor é uma decorrência da quantidade de trabalho aplicada na produção de uma mercadoria.

A Escola Austríaca, composta dentre outros por Friedrich Hayek, entende que o que determina o valor de um produto é o seu valor subjetivo e sua utilidade marginal. Nessa perspectiva, o valor de um produto é determinado pelos desejos e necessidades da sociedade, não pela quantidade de trabalho empregada em sua produção. Artigo recente da revista The Economist ajuda a entender esse ponto de vista, quando, ao tratar da economia australiana, ilustra que:

Five years ago a shipload of iron ore bought 2,200 flatscreen TVs, says Glenn Stevens, governor of the Reserve Bank of Australia (RBA). Now it buys 22,000.

(Há cinco anos, um navio carregado com minério de ferro era capaz de comprar 2.200 aparelhos de TV de tela plana, afirma Glenn Stevens, Diretor do Banco Central da Austrália. Hoje ele compra 22.000.)

Na perspectiva da escola austríaca (“neoliberal”), está certa a Vale em manter o seu foco na produção mineral, já que o valor desta mercadoria tem crescido no mercado internacional face a produtos industrializados. No caso particular “minério de ferro” x “aço”, isto ocorreria, segundo estes estudiosos, porque há uma grande capacidade de produção siderúrgica ociosa no mundo, principalmente na China. Portanto, seria ineficiente, do ponto de vista econômico, e na realidade não “agregaria valor”, a Vale atuar no ramo siderúrgico no Brasil.

Maus samaritanos. Editora Elsevier/Campus.

Em 2009 publicamos um breve excerto do livro Maus samaritanos, do economista coreano Ha-Joon Chang. Basicamente, Chang mostra como a economia coreana evoluiu de uma situação comparável à de Moçambique atual para se tornar uma das economias mais importantes do mundo. Como fez isso? Agregando “valor trabalho” à sua produção. Tal como havia ocorrido no Japão, onde conglomerados como Mitsubishi e Toyota evoluiram da produção de comodities e têxteis para indústrias com perfil tecnológico mais avançado, a Coreia do Sul também promoveu a mesma mudança em seus grandes conglomerados, como o Hyundai. Devemos ressaltar que esse processo não é indolor nem infalível, como mostra a bilionária falência do Grupo Daewoo.

Está errada a visão da Escola Austríaca? Eu diria que não, mas ao mesmo tempo esclareceria que ela não é contrária nem incompatível com a teoria do valor trabalho. Mas mostra a realidade numa perspectiva diferente. Uma tonelada de minério de ferro, na cotação atual (abril/2011), pode ter um valor subjetivo tal que do ponto de vista do balanço da empresa (e do país) manter esse plano de negócios seja uma boa ideia no curto prazo. Mas, como seu valor trabalho é baixo (ao menos, muito mais baixo do que uma TV de tela plana), a riqueza obtida nessa produção é distribuída a poucos indivíduos (trabalhadores e acionistas), enquanto que na fabricação de produtos mais sofisticados, com mais “valor trabalho” agregado, a gama de profissionais envolvidos (operários, engenheiros, designers, publicitários, etc.) é muito mais extensa e a distribuição interna de riqueza no país é muito mais interessante, ao menos se o que se deseja é construir um país capitalista com uma classe média massificada.

Um exemplo claro dessa situação? Duas economias que cresceram fortemente e de forma consistente nos últimos quatro anos na América do Sul foram Brasil e Peru. O Brasil optou, bem ou mal, por um modelo que teve algum sucesso na distribuição de renda. O Peru, com números percentuais parecidos (como o crescimento do PIB), manteve-se fiel ao modelo austríaco, por assim dizer. O resultado foi avaliado pelas urnas: o presidente brasileiro, Lula, deixou o governo com 90% de aprovação e elegeu sua sucessora; o presidente peruano, Alan García, deixa em breve a presidência com péssimos índices de avaliação popular e sem conseguir emplacar um candidato que lhe seja simpático sequer entre os 5 mais bem votados à sua sucessão.

Adendo sobre o excesso de capacidade siderúrgica ociosa no mundo

Apenas 20% da capacidade siderúrgica chinesa opera em condições tecnológicas competitivas no âmbito internacional. Os outros 80% são extremamente dependentes de mão-de-obra em condições de trabalho aviltantes, câmbio extremamente favorável e subsídio estatal (é uma herança do trágico século XX, quando a China espalhou siderúrgicas pelo país por razões militares, não econômicas).

O transporte interoceânico é um dos principais geradores de poluição por carbono (CO2, 4,5% do total mundial), óxidos de enxofre (SOx, 4%) e óxidos de nitrogênio (NOx, 7%) (vide Redução dos impactos ambientais causados pelo transporte marítimo, pág. 02). O transporte de derivados, como o aço, é ambientalmente mais eficiente do que o de matérias-primas brutas.

Outra crítica digna de nota é que os defensores do valor marginal costumam se utilizar da Austrália e do Chile como exemplos de sucesso. No entanto, trata-se de paises com grande produção de comodities e população modesta (21,45 e 17 milhões de habitantes, respectivamente), não sendo possível tê-los como ponto de comparação para o Brasil, que com 190 milhões de habitantes está na categoria dos países baleia, não podendo assegurar uma qualidade de vida adequada à toda sua população com base exclusivamente na exploração de produtos primários.

Veja também:

O livre-comércio é sempre a resposta?

Flexibilidade trabalhista e desemprego.

Nike e o valor agregado.

Onde os homens conquistam a glória

Por Allan Patrick

Capa da edição brasileira. Companhia das Letras.

Acabei de ler, praticamente num fôlego, o último livro de Jon Krakauer, recém lançado no Brasil pela Companhia das Letras, Onde os homens conquistam a glória. Krakauer é mais conhecido por ser autor de Na natureza selvagem, que serviu de base para o filme homônimo. Eu gosto do autor e de seu estilo jornalístico – suas obras são grandes reportagens -, mas esse livro em especial me tocou porque o personagem principal, Patrick Tillman, além de meu xará, tinha a minha mesma idade e, terceira coincidência inquietante, um irrequieto espírito idealista. Os nossos conceitos pré-estabelecidos e estereótipos nos ensinam que um jogador de futebol americano da liga profissional NFL, que se alista no exército depois do 11 de setembro, deve ser um brutamontes sedento de sangue e não um ateu leitor de Chomsky.

Mas o autor não se limita a narrar a história de Tillman. Ele vai muito além e faz um balanço inquietante da trágica maneira como as operações no Iraque e no Afeganistão foram (mal) conduzidas. De como Bin Laden quase foi capturado e depois praticamente deixado de lado. Revela o verdadeiro caráter (ou a sua falta) do incensado General Stanley McChrystal no episódio da morte de Tillman. E mostra ainda como as Forças Armadas dos EUA lidam pessimamente com episódios de fogo amigo, o que as condena a não aprender com seus erros e, portanto, a repeti-los de forma trágica.

Eva Joly e o referendo na Islândia

Por Eva Joly. Publicado originalmente no The Guardian e traduzido pelo resistir.info. Adaptado para o português brasileiro por este blogue.

Islândia, combata esta injustiça

(Este artigo foi escrito antes do referendo de 09/Abril/2011, vencido pelo povo islandês com 59,1% de votos “não” contra 40,9% de “sim”)

Eva Joly. Foto: Marie-Lan Nguyen/Wikipédia.

No sábado o povo islandês vota em referendo sobre se o Estado islandês e portanto os cidadãos deveriam garantir o chamado pedido de indenização do Icesave. O Icesave era um banco com contas de depósito que prometia as melhores taxas de juro do mercado. Quando o banco faliu, levantou-se a questão de se o fundo de garantia de depositantes islandês [Nota: semelhante ao Fundo Garantidor de Créditos (FGC) brasileiro] – uma instituição privada financiada pelos bancos – deveria ter o apoio dos contribuintes. Ao invés de deixar os depositantes perderem o seu dinheiro ou mesmo à espera de compensação do espólio da bancarrota, os governos do Reino Unido e da Holanda (onde os produtos Icesave eram comercializados) decidiram reembolsar os depositantes dos seus próprios países. O reembolso incluía todo o principal, enquanto os proveitos dos juros temerariamente altos dos depositantes que se arriscaram foram acrescentados como bônus.

A seguir as autoridades britânicas e holandesas foram junto ao governo islandês e reclamaram, referindo-se à regulamentação da UE, que a compensação era de fato da responsabilidade do contribuinte islandês e que a Islândia tinha de reembolsar plenamente os britânicos e holandeses.

As exigências à Islândia são enormes, considerando a dimensão da sua população – £3,5 bilhões [€3,97 bilhões] equivale a uma exigência ao contribuinte britânico de £700 bilhões [€795 bilhões]. Tal exigência é contestável, tem uma duvidosa base legal e uma ainda mais duvidosa base moral.

Com uma disposição semelhante, os povos da Irlanda, Grécia, Portugal e outros países da UE teriam de aceitar uma garantia total de todos os empréstimos feitos por prestamistas comerciais, deixando portanto tanto as instituições financeiras como os possuidores de títulos livres de qualquer responsabilidade. Por que isto? Será que isto foi discutido adequadamente? Será a ideia de que contribuintes deveriam necessariamente garantir prestamistas privados uma proposta aceite habitualmente? Será de supor que o empréstimo temerário não tenha consequência?

Ao invés de aplicar os métodos costumeiros de cancelamento (writing off) da dívida, parece que foi criado um consenso invisível – que recorda a frase de Chomsky da “conspiração inconsciente” – de que os excessos financeiros e os empréstimos temerários da década passada serão transferidos para os contribuintes no futuro imprevisível. Em resultado disso, cidadãos através de toda a Europa estão a enfrentar cortes em serviços públicos, elevações de impostos e aumentos maciços no desemprego.

Até agora, problemas graves de dívida soberana eram limitados a países em desenvolvimento, frustrando o desenvolvimento social e econômico real. Mas agora os problemas que povos em alguns dos mais pobres países no Sul têm estado a enfrentar durante décadas estão a atingir o Norte.

É neste contexto que o referendo do Icesave é tanto significativo como importante para a Europa e para todo o vasto mundo. É evidente que o processo democrático está a faltar. Não houve debate público para decidir se, como questão de princípio, contribuintes deveriam salvar ou não instituições financeiras. Duvido seriamente que os contribuintes europeus pensem que isto é justo e razoável. Não está claro se isto é uma posição ideológica ou uma questão prática. E se for puramente prática, será sustentável?

A crise financeira provocou um sofrimento inimaginável para milhões de pessoas que perderam suas casas, empregos e pensões. Estes homens e mulheres sabem o que estas perdas significam, enquanto financeiros internacionais, banqueiros e possuidores de títulos fogem à plena compensação, com os seus bónus e salários surrealistas e lucros intactos, como se nada houvesse acontecido. O seu comportamento cínico e temerário é claramente visível, como crateras de bombas na paisagem econômica.

O mundo olha para o povo islandês, que até agora se tem recusado a aceitar a ordem do dia – salvamentos incondicionais do setor financeiro. Tenho esperança de que este louvável espírito combativo irá vencer.

Veja também:

A Comédia do Poder.