Podcast: palestra de Lola em Mossoró sobre feminismo

Por Allan Patrick

Como antecipado no post anterior, tivemos a grata alegria de receber a blogueira, feminista e professora da Universidade Federal do Ceará, Lola Aronovich, do Escreva Lola Escreva, na nossa cidade de Mossoró. Lola abordou temas como discriminação de gênero, violência contra a mulher, diferenças no mercado de trabalho, aborto, machismo, tráfico de mulheres e abuso sexual, além de aproveitar a oportunidade para divulgar os vídeos da campanha Reacciona Ecuador.

Áudio

Áudio MP3 da palestra sobre feminismo de Lola (59 MB).

Atenção: o áudio está um pouco baixo. Se você tiver dificuldade alguma dificuldade para ouvi-lo no seu computador, teste instalar o VLC, um ótimo player de áudio que permite elevar o volume do som além do que a maiora dos players alcança. Funciona em Linux, BSD, Windows ou Mac OS X. O endereço para obtê-lo é videolan.org

A palestra também foi gravada em vídeo. Ainda estamos trabalhando na digitalização da gravação, que em breve será colocada no youtube. Deixaremos aqui um aviso quando isso ocorrer.

Apresentação

A versão em PDF da palestra também pode ser baixada aqui (obrigado a Lola pela autorização!): Palestra sobre feminismo – Lola – Mossoró.pdf (876 kb). As últimas transparências, que não são exibidas adequadamente em PDF, são os vídeos da campanha contra o machismo do Equador.

 

Lola, durante a palestra. Foto: Anna Paula Soares de Brito.

 

Palestra sobre feminismo de Lola em Mossoró. Público. Foto: Anna Paula Soares de Brito.

Palestra sobre feminismo de Lola em Mossoró. Foto: Anna Paula Soares de Brito

Mais fotos:

Daiany Dantas, professora da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, esteve presente ao evento e fez o seu registro em fotos, que podem ser conferidas no seu flickr.

Agradecimentos

Além de agradecer a Lola por encontrar um espaço em sua agenda para vir a Mossoró, registro aqui um agradecimento especial a todas as servidoras e servidores, além das estagiárias, que deram grande apoio à realização do evento. Obrigado Eliane Malaquias, Adonias, Raisça, Lenice, Rose e Anna Paula!

Veja também:

Lola em Mossoró.

Direito tributário e questões de gênero.

Mulheres: como conciliar carreira e filhos?

Lola em Mossoró

Por Allan Patrick

Lola Aronovich, Professora da Universidade Federal do Ceará, feminista e autora do conhecido blogue Escreva Lola Escreva, fará uma palestra sobre o Dia Internacional da Mulher em Mossoró. O local do evento é a sede da Delegacia da Receita Federal da cidade, localizada à Av. Alberto Maranhão, 1720, Centro. O ponto de referência para encontrar a Delegacia é a Igreja São Vicente; ambas estão situadas no mesmo cruzamento. A palestra ocorrerá na próxima quinta-feira, 24/02/2010, às 15h, e é aberta ao público em geral.

Escreva Lola Escreva, blogue de Lola Aronovich.

Ajude a reconstruir o Sebo Cata Livros

Por Allan Patrick

Na madrugada da última quarta-feira, 16/02/2011, mais um pedacinho da cultura potiguar se foi. Foi vítima de um incêndio o Sebo Cata Livros, localizado no bairro de Morro Branco em Natal. A foto abaixo foi tirada por mim neste sábado, 19/02/2010, mostrando a triste situação atual do Sebo:

Destruição no Sebo Cata Livros

Já está em andamento uma campanha de doações. Livros, CDs e DVDs podem ser entregues na pastelaria Preto&Branco, quase vizinha ao Sebo. Passei lá ontem e deixei uma dezena de livros. Vou fazer outra vistoria na minha biblioteca para recolher mais livros cuja releitura não me interessa mais e dar essa contribuição para a reabertura do Cata Livros.

Meu posicionamento sobre o aborto

Por Allan Patrick

Recentemente, uma de minhas blogueiras preferidas tratou de um assunto ainda tabu em nossa sociedade: o aborto. Lá eu postei um comentário explicando minha posição contrária ao aborto e como ela se desenvolve. Transcrevo aqui, com pequenas correções:

Vou escrever um comentário destinado a quem, como eu, é contrário ao aborto.

Existem várias maneiras de lidar com essa questão. No Brasil, optamos pela solução via Código Penal. O problema é tratado por policiais, delegados, promotores e juízes. Resultado: estima-se que para cada 100 nascimentos no Brasil, ocorrem 30 abortos. Fonte: IPAS (dados até 2005).

Portanto, se você é a favor do status quo legislativo, você é um defensor desse número. Esse é o resultado de 50 anos de Código Penal criminalizando o aborto.

Nos países nórdicos, onde houve uma opção pelo estado de bem estar social em detrimento do Código Penal, há uma ampla disponibilidade de creches e escolas públicas em período integral, dentre outras facilidades para o exercício da maternidade. Resultado: o índice gira entre 15 e 20 abortos por 100 nascimentos. Fonte: Johnston’s Archive, com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) e agências locais para Finlândia, Noruega, Suécia, Islândia e Dinamarca.

Esse é o resultado de 50 anos de welfare state.

Portanto, se você é realmente contra o aborto, como eu sou, comece hoje a convencer as pessoas que ao invés do Código Penal devemos utilizar o serviço público social para diminuir o número de abortos.

Ah, e por favor não se esqueça de pressionar o seu representante no Congresso por uma carga tributária compatível com um serviço de qualidade!

Porque xingar e gritar a favor da criminalização do aborto é fácil e grátis, mas abrir o bolso para ajudar a diminuir realmente o problema…

O fato é que a maioria das pessoas confunde ser contra o aborto com ser a favor da criminalização do aborto. São coisas diferentes e – como mostram os números – até mesmo antagônicas.

Acerca dos dogmas religiosos

Há argumentos a favor da criminalização do aborto com base em dogmas religiosos. Mas dogmas, embora por definição sejam preceitos indiscutíveis, também mudam. Um exemplo é dado por Santo Agostinho, um dos principais filósofos do cristianismo, que admitia o aborto.

A celeuma religiosa em torno do aborto ganhou força com o avanço do conhecimento na biologia, que desvendou os mecanismos da maternidade. A partir daí, cresce em relevância no mundo religioso a tese de que a vida começaria no momento da fertilização. É um dogma e, portanto, uma escolha arbitrária como qualquer outra. Está posto dessa forma. Sendo assim, não há debate possível quando não se quer dialogar.

E o custo de um estado de bem estar social?

Já recebi críticas ao ponto de vista que aqui expus com base no argumento do alto custo de um estado de bem estar social. Quanto a este ponto, não tenho respostas mas duas perguntas.

A vida não era um valor absoluto para quem defendia a crimininalização? Agora já se quer condicioná-la a restrições orçamentárias?

E outra: o custo de uma equipe criminal (Delegado, Promotor e Juiz, cada um com salários entre R$ 10 e 25 mil) é pequeno?