O combate ao tráfico na gestão de Hélio Luz

Por Allan Patrick

Estou no meio de uma viagem de férias, com pouco acesso à internet e ao noticiário, mas passo aqui para deixar registrado que terminei de ler na semana passada o livro Hélio Luz, um Xerife de esquerda (esgotado, mas pode ser encontrado no portal dos sebos, a Estante Virtual). Nesse livro está a narrativa dos dois anos que Luz esteve à frente da Polícia Civil do Rio de Janeiro, nos anos 1990. Ele relata como, dos 22 maiores traficantes do Rio, 20 foram presos durante sua gestão, sem disparar nenhum tiro, apenas fazendo o trabalho clássico de investigação policial e mobilizando equipes competentes. Afinal, os líderes do tráfico não tem rendas na casa das dezenas de milhares de reais para viverem entocados nas favelas. Uma hora ou outra, eles “descem” e ficam expostos, momento em que a Polícia Civil sob o comando de Luz os prendia.

Revistar todas as casas?

Por Allan Patrick

Li no noticiário que há autoridades querendo revistar todas as casas de uma favela do Rio de Janeiro. Observo, como consequência, diversas mensagens de apoio no twitter. Aí me lembro que, ao ler o livro Elite da Tropa 2, havia a história da captura de um dos maiores traficantes e milicianos do Rio de Janeiro. Pelo que o relato do livro nos dá a entender, ele foi preso em Natal/RN, num condomínio de luxo da Av. Getúlio Vargas (onde os apartamentos valem em média R$ 1 milhão), bairro nobre da capital. Quantas pessoas e autoridades apoiariam uma revista casa a casa nessa avenida?

Tráfico de drogas e violência no Rio de Janeiro em números

Por Allan Patrick

Passo aqui só para registrar um número que poucas pessoas conhecem.

(…) Só no Rio de Janeiro ocorrem anualmente 4 mil mortes associadas a crimes de drogas, enquanto o uso provoca cerca de 100. A droga tem produzido efeitos menos nocivos do que o próprio crime relacionado à droga. (grifo nosso)

A fonte é a matéria “Drogas: parar ou reduzir danos?” publicada no Vi o Mundo de Luiz Carlos Azenha em novembro de 2009.

O duelo de legendas

Fonte: about.com através do Vi o Mundo de Luiz Carlos Azenha.

Duas formas de enxergar o desespero numa situação extrema.

Um jovem [negro] atravessa água de enchente na altura do peito depois de saquear uma loja em Nova Orleans

Dois residentes [brancos] enfrentam água na altura do peito depois de encontrarem pão e refrigerantes numa loja local após o Furacão Katrina passar por Nova Orleans…

Veja também:

Racismo e política de cotas.

Atualização em 28/11/2010:

O enlace para o Vi o Mundo está quebrado porque a matéria foi publicada na versão antiga e o Azenha ainda não republicou no sistema novo.

Homofobia, machismo, cantadas e o politicamente correto

Por Allan Patrick

Não é evidente a contradição dos homofóbicos ao utilizarem como “justificativa” para sua covarde agressão a homossexuais o fato de terem sido “alvos” de cantadas? Por que não são justamente os homofóbicos/machistas que reclamam dos “chatos” do politicamente correto que pertubam a paz social com essa história de que cantadas grosseiras constituem assédio sexual?

Atualização em 18/11/2010:

E, como eu já imaginava, a desculpa é falsa, segundo reportagem do SBT.