Manoel Lucas, o vestibulando

Peço licença para trazer um artigo de meu pai, originalmente publicado no caderno Vestibular da Tribuna do Norte (clique aqui para ler o original). Como disse Ortega y Gasset, “Eu sou eu e minhas circunstâncias”; as histórias de família dizem um pouco sobre nós mesmos.

Por Manoel Lucas – Engenheiro, Jornalista e diretor do CT da UFRN

Nasci em 1949 no Sitio Água Doce, município de Carnaúba dos Dantas, no sertão do Seridó norte-rio-grandense, onde cultivávamos uma unidade familiar de agricultura de subsistência. Sem oportunidade de freqüentar a escola formal, fui para a roça e aos oito anos comecei a ser instruído por uma vizinha.

Em 1966 vim para Natal estudar o Científico (denominação do 2º grau na época). Montado num caminhão de feirantes, com metade da carga constituída de sacas de cereais e a outra metade com bodes e ovelhas, cheguei à capital potiguar às 3h da madrugada com dez cruzeiros no bolso e um papel com o endereço de um tio-avô. A intenção era conseguir uma vaga na Casa do Estudante, mas não havia lugar nem no “porão”, um recinto insalubre que albergava aqueles novatos que não tinham para onde ir.

Fiquei mesmo na casa de meu tio Zezinho, que mantinha sua família fabricando bolacha preta nos fundos da casa, para depois vendê-las nas mercearias. Então ele me fez uma proposta: eu trabalharia durante o dia e estudaria à noite, oferecendo-me casa e comida, o dinheiro do transporte e do cinema aos domingos. Menos os livros, coisa que nem os filhos dele tinham direito. Era para mim o paraíso.

Veio então o primeiro erro do adolescente: o namoro com uma prima, morando na mesma casa. A família não gostou e tive que deixar a moradia, perdendo o ano e voltando para o interior. No ano seguinte, retornei à Natal e tentei novamente a Casa do Estudante. Fui rechaçado outra vez. Lembro-me que minha mala pôde ficar na casa, mas eu tive que dormir a primeira noite na rua. Foi uma crueldade, mas pude perceber que se eu quisesse vencer na vida teria mesmo que enfrentar as dificuldades. Perseverante, fui à luta e logo no dia seguinte encontrei trabalho como vendedor de inseticida nas mercearias de Natal. Com uma carta do dono do negócio fui aceito na pensão de D. Nozinha, localizada no oitão do Cinema Nordeste.

Para poder pagar a pensão complementava meu soldo com aulas particulares de matemática e física, surgindo então, e de forma compulsória, o professor. Continuei os estudos e no ano seguinte fui convocado para o exército. Enquanto muitos lamentavam o sorteio eu comemorava o fato de agora ter casa e comida. Virei “laranjeira”, aquele recruta que mora e come no quartel. Depois fui admitido como desenhista na COSERN.

Assim fui mantendo os estudos e, finalmente, em 1971 obtive a carta de alforria que eu tanto ansiava: passei no vestibular para a área tecnológica e conclui em 1975 o curso de Engenharia Civil. Passar no vestibular foi uma das maiores emoções que experimentei em minha vida, talvez comparável apenas ao dia em que defendi minha tese de doutorado. Ainda hoje percebo que todo menino pobre vê o vestibular como a principal forma de ascensão profissional.

Quando passei no vestibular vivíamos o período mais critico da ditadura militar e então fui demitido da COSERN, pois a empresa era considerada de segurança nacional e não era permitido estudantes universitários permanecerem em seus quadros. A menos que concordasse com as estripulias do regime.

Já acostumado com os revezes da vida não me abalei e para poder sobreviver fui ser bolsista da UFRN e professor particular. Ainda na condição de estudante de engenharia trabalhei na Companhia de Habitação Popular do RN. Era a luta pela sobrevivência, porque para estudar para o duro curso de engenharia tinha mesmo que entrar pela madrugada. Meu tempo de fera foi duro, mas divertido, e dele tirei todas as lições que um cidadão pode obter para enfrentar a vida com hombridade, ética, humildade e humanidade. Também aprendi a gostar de ensinar e pesquisar. Não por acaso fui ser professor universitário, atualmente lotado no Departamento de Engenharia Civil da UFRN.

Essa paixão pela academia me levou a fazer duas especializações e o doutorado em recursos hídricos e pós-doutorado na área de engenharia sanitária. Ainda tive tempo de me graduar em Comunicação Social-Jornalismo, também na UFRN. Obtive todos os graus da carreira universitária, culminando com a aprovação recente no concurso de professor titular da UFRN.

Ainda hoje, como diretor do Centro de Tecnologia da UFRN, mantenho 80 jovens carentes como bolsistas de apoio técnico. A vida na academia é uma das melhores e mais ricas experiências na vida de um jovem. Dessa forma, aconselho aqueles que não conseguem passar no primeiro concurso que persistam, vale a pena.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *