O que define o sucesso dos Jogos Olímpicos?

Olimpíadas: o Brilho e a Ferrugem

Por Flávio Ferreira, via blogue do Luís Nassif

Comparação da área do Parque Olímpico de Londres 2012 com a região do Porto no Rio de Janeiro. Fonte: Revista aU.

O que está em jogo no momento, a localização dos equipamentos olímpicos, é a própria estrutura da cidade e do seu futuro. Este jogo é muito mais importante para a nossa cidade do que os jogos olímpicos em si. Para ganharmos o “ouro”, teremos que aprender com os sucessos e fracassos das cidades que já abrigaram Olimpíadas.

O sucesso se deu quando a localização dos equipamentos olímpicos ajudou a estruturar e revitalizar a cidade e o seu sistema de transporte público, e os equipamentos continuaram a ser utilizados. Tudo isso justificou os imensos recursos investidos, beneficiando concretamente a maioria dos seus cidadãos.

Um exemplo de sucesso é Barcelona. Havia terrenos baratos, abundantes, mas longínquos. Entretanto o Comitê Olímpico e a Cidade entenderam que localizar os equipamentos perto do centro, no seu antigo porto, era fundamental. Foram necessárias caríssimas desapropriações. Os projetos foram feitos com qualidade, os grandes selecionados em concursos públicos, dos quais só podiam participar arquitetos catalães.

A Barcelona que hoje se conhece, exuberante, criativa e próspera é em grande parte resultado do acerto da localização e da qualidade dos seus equipamentos olímpicos. Até hoje um dos locais mais freqüentados da cidade é onde foi o antigo porto.

Comparação da área do Parque Olímpico de Londres 2012 com a região do Porto no Rio de Janeiro, retirando-se o Estádio Olímpico. Fonte: revista aU.

Um exemplo de fracasso é Sidney. Escolheram grandes e belos terrenos, porém distantes do centro da cidade. Passadas as Olimpíadas, viu-se que estes equipamentos não contribuíam em nada para a estrutura da cidade e o bem da maioria dos seus cidadãos. Está lá aquela gigantesca lataria vazia, enferrujando na chuva e no sol. Dá dó!

O Rio de Janeiro se defronta com essa grave decisão: ou se baseia no precedente bem sucedido de Barcelona e enfrenta o épico desafio de se fazer um ótimo projeto no Porto, no Gasômetro, e ao lado da Estação da Leopoldina, isto é, no centro da cidade; ou sucumbe, copiando Sidney, construindo a maior parte dos equipamentos na Barra.

Não é difícil a solução no Porto. A Vila Olímpica requer cerca de 50 hectares e todos os outros equipamentos cerca de 20 hectares. O Porto, o Gasômetro e a Leopoldina somam mais do que 300 hectares.

Para os que chegarem ao Rio para as Olimpíadas, vindo de todo o Brasil e do exterior, é também muito importante que os jogos aconteçam principalmente no Porto. Para os de fora o Rio é o Cristo, que se vê do Porto, o Pão de Açúcar, todo o monumental conjunto de montanhas, as ruas cheias de gente, a música.

A Barra tem alguma coisa assim?

Montagem dos equipamentos olímpicos de Londres na zona do porto no Rio de Janeiro. Fonte: Revista aU.

Quando o Instituto dos Arquitetos do Brasil organizou um congresso nacional na Barra, os arquitetos de fora não gostaram. Um gaúcho ironizou: “Eu vim porque pensei que o congresso era no Rio, não no pampa”.

Ao se transferir as Olimpíadas para o Porto resolve-se também outro grave problema. O atual plano da Prefeitura, denominado “Porto-Maravilha”, legisla para a área taxas de ocupação de terreno gigantescas, permitindo-se edifícios de até cinqüenta andares. A Prefeitura alega que, como não tem dinheiro, a renovação do Porto tem que ser autofinanciável. Resolve então este problema vendendo-se em hasta pública os terrenos, super valorizados pela permissão de se construir esta grande e alta massa de edifícios.

Teríamos uma solução financeiramente viável, mas um péssimo resultado urbanístico, com grandes prejuízos para a integridade paisagística da cidade. Por exemplo, quando viemos do interior, da Zona Norte e do Galeão nos sentimos no coração do Rio quando estando no elevado, entre a Rodoviária e o Gasômetro, contemplamos a bela cordilheira da qual o Corcovado é o elemento mais importante. Com o projeto “Porto-maravilha” esta maravilhosa experiência visual estaria perdida para sempre. Tanto no terreno do Gasômetro como no terreno da Rodoviária estão previstos massudos edifícios de cinqüenta andares!

Legislar muito denso e muito alto tem um outro grave inconveniente: atrasa a consolidação da área. Não há economia urbana suficiente para construir os edifícios grandes de pronto. Os terrenos ficarão desocupados por décadas e enquanto isso o Porto continuará vazio.

Com as Olimpíadas e seus recursos financeiros, surge a oportunidade de se refazer o plano, com ênfase na preservação da baixa altura. Com olhos contemporâneos muito do que esta lá construído poderá receber intervenções criativas, de pequena escala, aproveitando-se parte das edificações já existentes. Há precedentes no mundo todo, principalmente na renovação das áreas portuárias de intervenções deste tipo. O projeto pioneiro do Haymarket em Boston e do Porto Madeiro em Buenos Aires são bons exemplos deste tipo delicado e criativo de renovação.

Aqui no Rio a transformação pioneira de armazéns do Porto para a sede da Xérox, dos anos setenta, o projeto de renovação do Museu do Telephone, no Flamengo, que mantém suas fachadas e revoluciona o seus interiores, e o Museu das Ruínas em Santa Tereza, elegante conjunção entre o antigo e o novo, são exemplos criativos do que se pode fazer, em grande e rápido, no Porto.

É fácil para o poder público induzir este tipo de intervenção: basta legislar volumes construídos semelhantes aos que lá estão e garantir que o alinhamento das fachadas seja mantido. Pode e deve haver exceções, como torres finas e altas aqui e acolá, mas de forma que não interfiram na bela paisagem.

Uma coisa não deve ser mudada no “Porto-Maravilha”: a venda dos imóveis em hasta pública e a conseqüente, e indispensável, participação da iniciativa privada.

Os islandeses disseram não

Por Allan Patrick

93% dos islandeses disseram não.

Vamos contar essa história do começo. Era uma vez um banco estatal que até o começo dos anos 1960 serviu como banco central de seu país. Depois passou a atuar como um banco comercial sob controle público, tendo sido privatizado no final dos anos 1990. Parece a história do Banco do Brasil. Felizmente, não é o caso, pois não houve sucesso na tentativa de privatizá-lo no final dos anos 1990. O país em questão é a Islândia, que adotou o pacote neoliberal tão popular na América Latina nos anos 1990. O banco do qual estamos falando é o Landsbanki.

Entusiasmado com as novas possibilidades abertas pela privatização, o banco lançou uma subsidiária online, Icesave, e começou a captar clientes no Reino Unido e nos Países Baixos. Veio a crise de 2008-2009 e o resultado da feitiçaria com derivativos e aplicações nos fundos subprime estadounidenses foi que o banco quebrou, deixando seus clientes à míngua.

No Brasil, existe o Fundo Garantidor do Crédito, que assegura aos clientes de instituições financeiras alvo de liquidação um crédito de até R$ 60 mil sobre depósitos à vista e algumas aplicações mais simples, como poupança e depósitos a prazo.

Os poupadores islandeses ficaram a salvo porque o banco foi reestatizado. Os clientes do Reino Unido e dos Países Baixos foram parcialmente reembolsados pelos seus governos, num esquema semelhante ao Fundo Garantidor do Crédito no Brasil.

E, por sua vez, quem reembolsaria os governos britânico e neerlandês? Com o apoio do Fundo Monetário Internacional (FMI) e da União Europeia, esses governos empurraram a conta na Islândia, cujo parlamento aprovou uma lei nesse sentido. Entretanto, diante da forte reação popular, o Presidente Ólafur Ragnar Grímsson vetou a lei (fato que não ocorria desde 1944), o que, pela Constituição da Islândia, resultou na convocação de um referendo para que a população decidisse se o projeto de lei deveria prosperar ou não.

O resultado: 93% dos eleitores islandeses disseram não.

Numa entrevista à revista alemã Der Spiegel, Olafur Eliasson, que organizou a campanha contra o plano de pagamento e fundou o movimento Indefence, mostrou os argumentos para votar pela rejeição do projeto aprovado pelo parlamento. A tradução é do resistir.info:

“O esquema do reembolso é chantagem”

SPIEGEL ONLINE: O sr. e seu grupo Indefence forçaram um referendo à lei que exigiria à Islândia pagar € 3,9 bilhões para reembolsar 340 mil britânicos e holandeses que perderam as suas poupanças quando o banco online Icesave entrou em colapso em Outubro de 2008. Por que é contra este pagamento?

Eliasson: Este acordo foi imposto sobre nós por coerção pelos britânicos e holandeses com a ameaça de bloquear a nossa entrada para a União Europeia. Este acordo é incrivelmente unilateral.

SPIEGEL ONLINE: Mas certamente aqueles que perderam o seu dinheiro deveriam ser compensados.

Eliasson: As obrigações do Icesave não são uma dívida da responsabilidade da Islândia e não há qualquer exigência legal de a Islândia pagar este dinheiro. Tratava-se de um banco privado, a operar num país estrangeiro. Quando ele faliu, o esquema de seguro de depósito que era suposto cobrir as contas de poupança cumpria plenamente os regulamentos europeus. Tais esquemas não exigem que eles sejam suportados pelos contribuintes. Isto é chantagem. Como se pode descrever de outra maneira quando a Grã-Bretanha utiliza leis anti-terroristas contra a Islândia?

SPIEGEL ONLINE: Muitos temem que, se a Islândia votar pela anulação da indenização neste sábado, isso poderia retardar a sua recuperação. Será que isto o preocupa?

Eliasson: Nem um pouco. Você tem perguntar-se: Se a Grã-Bretanha e a Holanda fizerem o que estão a ameaçar fazer – isto, bloquear a ajuda do Fundo Monetário Internacional e bloquear a nossa entrada na Europa – será que a Europa irá apoiá-las? Pensa você que os alemães permaneceriam passivos e observariam como dois grandes países intimidam um país pequeno com uma reivindicação que não tem apoio legal?

APROVAÇÃO DO PROJETO REPRESENTARIA UM CUSTO DE € 347/MÊS POR FAMÍLIA ISLANDESA DURANTE OITO ANOS

SPIEGEL ONLINE: Se a Islândia fosse forçada a pagar, quais seriam as consequências?

Eliasson: As melhores estimativas são que, uma vez que se considere ativos que poderiam ser vendidos, a Islândia teria de pagar algo em torno dos €2,5 bilhões. Se dividir este número por 75 mil – o número de famílias na Islândia – acabará com cada família a dever perto de €33.500. Eles supõem que pagaremos isto até 2018, o que significa que cada família pagaria €347 por mês durante oito anos, com base numa frágil afirmação de que eu, como contribuinte na Islândia, deveria pagar pela falência de um banco privado que estava a fazer negócios além-mar. Ora, por favor!

SPIEGEL ONLINE: Ainda assim, é claro que os bancos da Islândia não estavam exatamente a seguir as melhores práticas de negócios.

Eliasson: A Islândia reconheceu que uma parte do problema era que estes bancos não estavam muito bem regulados – nem pelo lado islandês nem por qualquer outro. Por causa disso, temos sido razoáveis quanto a encontrar uma solução que funcione para todas as partes. Mas a Grã-Bretanha não pareceu interessada em cooperação. Eles disseram que querem o seu dinheiro de volta e que ficam bastante felizes em utilizar a força para obtê-lo.

SPIEGEL ONLINE: Qual é, então, o caminho de saída? O que deveria ser feito?

Eliasson: O que é realmente louco é que os ativos do Landesbanki são suficientes para cobrir as garantias de seguro no valor de €3,9 bilhões. O problema é que os britânicos e holandeses decidiram, por sua própria iniciativa e sem qualquer exigência legal para assim fazer, pagar aos seus próprios cidadãos um bocado mais do que o exigido pelos esquemas de proteção de depósitos padrão.

SPIEGEL ONLINE: Será que o referendo de sábado vai ser uma manifestação da ira islandesa quanto ao modo como a situação foi manipulada pelos britânicos e holandeses?

Eliasson: Não penso que as pessoas estejam necessariamente iradas. Elas apenas estão fartas – e estão estarrecidas com o modo como estes sujeitos estão a comportar-se. Temos um bocado de credores por toda a parte que realmente nos deram dinheiro real quando precisámos dele. O perigo é que, se escolhermos pagar bons dólares à Grã-Bretanha e Holanda na base destes frageis direitos, o que faremos nós com os nossos outros credores quando tivermos de pagá-los?

SPIEGEL ONLINE: Ainda assim, se a Islândia votar não no sábado, ela arrisca-se ao isolamento internacional. Da mesma forma, no último verão, o parlamento islandês votou a favor de colocar o país na fila para aderir à União Europeia. Estará o povo preocupado em que a questão do Icesave possa descarrilar este esforço?

Eliasson: Temos estado a tentar comportar-nos como um país civilizado, mas só nos deparamos com coerção e intimidação. Os islandeses são um povo independente e ficamos bastante OK em sermos isolados por algum tempo. Uma grande maioria nem mesmo quer entrar na União Europeia. A questão do Icesave consolidou este ceticismo. Toda a gente está a dizer que precisamos nos comportar de um certo modo para sermos parte da comunidade internacional. Bem, se este é o modo como a comunidade internacional se comporta – intimidar um pequeno país para pagar algo que não lhe cabe pagar – então não queremos fazer parte dela.

Veja também:

Islândia sob ataque.

Por que a Rússia “ajudou” a Islândia?

Quem se preocupa com o equilíbrio das contas públicas?

Uma dívida providencial…

Por Serge Halimi, diretor de redação de Le Monde Diplomatique (França).

Le Monde Diplomatique (Diplô). Edição brasileira.

(…) No passado, os conservadores se mostravam preocupados em preservar o equilíbrio das contas, a ponto de concordarem com aumentos de impostos. Nos últimos 30 anos, ao contrário, eles vêm gerando deliberadamente os déficits públicos, com o objetivo de paralisar as veleidades de intervenção da coletividade. Além disso, uma prática excessivamente tolerante que amputa as receitas está sendo reforçada por um discurso catastrofista que permite justificar a redução das despesas do Estado de bem-estar social.

“Reagan forneceu a prova de que os déficits não contavam”, rebateu em 2002 o vice-presidente Richard Cheney ao seu ministro das Finanças que se dizia preocupado com uma nova diminuição dos impostos diretos.  Ao defender esta tese, Cheney estava convencido de que os déficits não são necessariamente nocivos para quem os provoca, já que Ronald Reagan foi reeleito com ampla margem em 1984, após ter triplicado esses últimos no decorrer do seu primeiro mandato. Mas, os encargos orçamentários exercem um peso maior sobre os sucessores, sobretudo quando eles são suspeitos de serem gastadores pelo simples motivo de não serem de direita… Assim, para ter uma chance mínima de obter a aprovação de sua reforma do sistema de saúde, Barack Obama foi obrigado previamente a prometer que esta não aumentaria em um centavo sequer o nível da dívida pública. Não seria o caso de indagar se algum dia alguém chegou a impor uma condição dessa natureza às aventuras militares?

Ao dividir por três o montante da TVA (em português, IVA) paga pelos proprietários de bares, lanchonetes e restaurantes, o governo francês sacrificou recentemente 2,4 bilhões de euros em receitas fiscais. Algumas semanas mais tarde, sob o pretexto de preservar a “equidade”, ele recuperou 150 milhões de euros, fiscalizando as indenizações diárias pagas às vítimas de acidentes de trabalho. (…)

A íntegra do artigo, em português europeu, pode ser encontrada aqui.

Comentário por Allan Patrick

Poderiamos traçar um paralelo para o Brasil, onde durante o governo Fernando Henrique, tido como “conservador” no gasto público, a dívida pública deu um salto de 32,5 para 57% como porcentagem do PIB (fonte: Dieese, PDF), em benefício dos rentistas e do sistema financeiro.

Veja também:

Por que o contribuinte dos Estados Unidos odeia o Governo Federal?

Hegemonia cultural e propagação das ideias neoliberais

Revista Fórum nº 83 (Fev/2010).

A edição mais recente da Revista Fórum (Fev/2010) trouxe, na matéria “A esperança vem da América Latina“, uma entrevista com Susan George, doutora em política pela École des Hautes Études en Sciences Sociales (Paris) e dirigente da ATTAC-França (Associação pela Taxação das Transações Financeiras em Apoio aos Cidadãos). Ela foi encarregada de abrir o Fórum Social Temático da Bahia e esteve também presente na edição do FSM na Grande Porto Alegre.

Destacamos um trecho interessantes de sua exposição de ideias:

A propagação das ideias neoliberais

Assim, eles miraram especificamente nas instituições onde as ideias eram produzidas e difundidas: investiram na mídia, nas universidades, nas igrejas, nos locais onde advogados eram formados. Como Gramsci dizia, fizeram uma grande marcha pelas instituições, investiram uma grande quantia de dinheiro (para nós; para eles não era muito), e também enviavam recursos para entidades no exterior.

Resumidamente foi isso que eles fizeram: eles fizeram tudo isso por meio de mídia, dinheiro, gestão, persistência e compreensão de que ideias têm consequências. E as consequências para todos nós são: conseguiram impulsionar a privatização no mundo todo, diminuíram tributos que incidiam sobre os ricos e conseguiram fazer do mercado um deus absoluto que podia realizar qualquer coisa, se autorregulava, era algo em que você podia confiar e de onde sempre sairiam as decisões certas.

A matéria completa pode ser encontrada aqui.

Não existe carro ecológico

Adaptado do apocalipse motorizado.

Ford Eco(?)sport.

“É impossível que um carro faça algum bem ao meio-ambiente, a não ser destrui-lo menos do que os outros.”

“Não existem carros ‘verdes’, ‘amigos do ambiente’ ou ‘limpos’”.

As frases são de Bente Øverli, executiva do órgão de regulação publicitária e defesa do consumidor da Noruega.

Ao contrário do Brasil, onde a sociedade é excluída da participação no conteúdo da mídia, a regulação publicitária na Noruega é feita por um órgão estatal, que recomendou aos fabricantes de automóveis que não utilizem mais frases mentirosas associando suas máquinas à preservação do planeta.

Mas bom mesmo é o Brasil, onde há quem acredite em auto regulamentação da publicidade

Comentário por Allan Patrick

O relatório completo (em inglês) pode ser encontrado na página do órgão público norueguês, o Forbrukerombudet, clicando aqui.

Esse prática é conhecida internacionalmente como greenwash.