Hugo Chávez: um ditador?

Hugo Chávez. Foto: Marcello Casal Jr./ABr

Hugo Chávez. Foto: Marcello Casal Jr./ABr

Por Allan Patrick

Esse é um assunto chato, sobre o qual eu não gostaria de escrever. Porque a grande maioria das pessoas que levantam a questão estão absolutamente desinformadas ou, o que é pior, mal informadas. Sinto-me, no entanto, obrigado a tratar do tema, justamente em função do alto grau de distorção, partidarismo e envenenamento do debate público, provocado pela campanha, espontânea, auto-alimentada, que repete e repercute ad nauseam mentiras e meias-verdades sobre Hugo Chávez e a Venezuela.

A prática do noticiário da grande imprensa (o PiG) é a visão unidirecional, carente de contraditório e do ponto de vista do outro lado, que nunca é apresentado.

Normalmente, Hugo Chávez é rotulado como um ditador por uma série de motivos, alguns dos quais relacionaremos aqui. Não é uma lista exaustiva, posto que a criatividade para criar novos motivos para taxá-lo como ditador é inversamente proporcional à disposição para reconhecer os golpistas de Honduras como tal. Como esclarece este artigo, muita gente boa e decente cai nessa armadilha. A diferença é quem fica por lá por gosto e quem reflete e sai desse jogo.

Sociedade interamericana de imprensa – SIP

Em março de 2007, essa instituição, que se identifica como uma sociedade sem fins lucrativos cuja finalidade é promover a liberdade de expressão e de imprensa nas Américas, publicou uma resolução

denunciando ante a comunidade internacional as violações à liberdade de expressão com características ditatoriais que está assumindo o regime do tenente coronel Hugo Chávez na Venezuela contra a liberdade de expressão.

Hugo Chávez não é tenente coronel. Como ele participou de uma tentativa de golpe de estado em 1992, foi acusado, julgado, expulso das forças armadas e preso – num presídio comum, desses onde quando o esgoto frequentemente entope, os presos fazem suas necessidades em sacolas e as atiram pelas janelas¹.

Já a RCTV, em solidariedade a quem essa resolução foi publicada, teve apenas sua concessão de frequência pública não renovada. Seus dirigentes não foram levados a presídios imundos nem tiveram suas fontes de renda confiscadas. Inclusive continuam operando a emissora via TV a cabo.

Em consequência dessa resolução, o Congresso Venezuelano declarou a SIP uma organização non grata. E essa resolução passou a ser um argumento, recursivo, para voltar a rotular Chávez como um ditador.

O curioso é o relativismo da mesma SIP em relação ao golpe militar violento em Honduras, agora em 2009. Quando timidamente reclama da brutal perseguição dos golpistas à imprensa, inclusive com o fechamento arbitrário de canais de TV (que a SIP relativiza como “temporário”), o faz reconhecendo “el nuevo gobierno de Roberto Micheletti“.

Controle do Legislativo e do Judiciário

A oposição boicotou as eleições ao legislativo venezuelano em 2005, da mesma forma que Menem desistiu do segundo turno frente a Néstor Kichner em 2003, resultando na eleição deste último. Como resultado, Chávez tem ampla maioria no Poder Legislativo e, consequentemente, nomeou com facilidade os membros da Corte Superior do Poder Judiciário.

Resultado: se Chávez controla o Executivo, o Legislativo e o Judiciário, então ele é um ditador. Curioso que de Manuel Zelaya, justamente pelo motivo contrário, se diz a mesma coisa. Como ele não controlava o Legislativo e o Judiciário, ia se tornar um ditador.

Eleições livres não são suficientes

Mesmo que as eleições na Venezuela sejam fiscalizadas por entidades internacionais independentes e sejam consideradas livres, não basta. Ainda assim Hugo Chávez é um ditador. E de nada adianta ele perder uma eleição e respeitar o resultado. Isso só faz dele um dictator wannabe (um aprendiz de ditador). Ponto.

Não é uma formosura da lógica essa linha de pensamento?

Liberdade de expressão não é suficiente

Os defensores de Hugo Chávez, “o democrata”, como o então Ministro da Informação e Comunicação William Lara, dizem que: ’se houvesse uma ditadura na Venezuela, os jornais não teriam permissão para publicar na manchete a acusação de que Cháves é um ditador‘.

Mas, como afirma Pedro Doria:

É um caso de confusão de conceitos. Embora ditaduras por vezes impeçam a livre expressão de idéias, não é liberdade de expressão que define se um regime é democrático ou ditadorial. Tampouco é a possibilidade de voto que configura uma democracia.

Alguém conhece uma ditadura que permite a livre expressão de ideias e a liberdade de voto? Estou curioso em saber qual é. Doria prossegue:

É fundamental para a democracia que os três poderes sejam independentes.

Como não são “independentes”, já que Hugo Chávez “domina” o Legislativo e o Judiciário, concluimos que ele é um ditator (dejá vu?). Mas se não dominasse, ele ia ser um ditador.

Percebem por que eu acho esse assunto chato e recorrente?

Conclusão

É isso. Não pretendo voltar a esse assunto pelo fato de ser maçante e repetitivo. Se você viu uma acusação estapafúrdia contra Hugo Chávez, pesquise um pouco e encontre o contraditório para construir seu próprio julgamento a partir das teses divergentes. O google, bem usado, é seu amigo.

(1) – Conforme Hugo Chávez, da origem simples ao ideário da revolução permanente.

Textos relacionados:

- A Lei de Aloysio Biondi.

- Mafalda e os jornais.

Atualização em 22/02/2010:

- Quando Chávez assumiu o governo, havia 44 radiodifusores no país (33 privados e 11 públicos). Hoje, são 471 concessionários privados e 82 públicos. Fonte.

- Em 1998, havia 39 canais de TV aberta, 31 privados e 8 públicos. Atualmente, são 65 canais privados e 12 públicos. Fonte.

Atualização em 31/01/2013:

- Por que Chávez é tão odiado?, do Diário do Centro do Mundo.

14 thoughts on “Hugo Chávez: um ditador?

  1. O significado das palavras ficam em segundo plano mesmo. A ideologia fica em primeiro.

    Se o sujeito é de direita tudo o que for feito em prol da mesma é legitimo e tudo que for o inverso é ditadura.

    • O que você diz é verdade, Fábio. Mas eu sei de muitas pessoas, de centro e até mesmo de esquerda, que por absoluta falta de informação ou por terem acesso apenas a informações de qualidade abaixo da crítica, fazem um julgamento dos fatos na Venezuela que não corresponde com a realidade.

  2. Muito esclarecedor. A informação é uma arma poderosa e a desinformação uma arma cruel, usada com frequencia pelas elites dominantes.
    Na mídia existem milhares de referencias vazias acusando Chavez de ser ditador, artigos como o seu são raros, exigem algum bom senso, análise e tempo que a maioria dos leitores não tem ou por preguiça não se interessa. Então Chavez é um ditador….

  3. É verdade, Patrick.

    O último ‘escândalo’ do ‘ditador’ Chávez foi uma lei que aprova escutas telefônicas nas centrais. O governo venezuelano diz, em sua defesa, que tal lei não elimina a necessidade de autorização judicial para efetuar as gravações, porém a primeira coisa que os ‘especialistas’ nas reportagens dizem é que ‘não faz diferença, pois Chávez ‘domina’ o Judiciário’…

    Na minha opinião, é terrível que tal lei sequer seja votada, mas talvez haja um baita exagero midiático – na suécia foi aprovada uma lei draconiana a respeito, mas é fácil perceber o diferente tratamento que foi dado em ambos os casos – por exemplo, a BBC disse que na Suécia, houve ‘polêmica’, já na Venezuela, não.

  4. Acrescento aqui um comentário de um jornalista do Público (da Espanha), por ser uma opinião que raramente é divulgada na mídia brasileira, com o objetivo de ampliar o debate. Cada um que forme sua opinião:

    Do blogue El Tablero Global: (o tabuleiro global)

    Um regime aliado para deter o chavismo

    Casualmente, no mesmo dia em que ficamos sabendo que a Colômbia de Uribe vai se converter no porta-aviões dos Estados Unidos na América do Sul, Washington vaza a meios de comunicação que lhe são afins um relatório do Congresso que acusa a Venezuela de Chávez de ser o novo narcoestado da região, por causa da “cumplicidade de altos funcionários civis e militares do regime” do presidente venezuelano. Que o Congresso norteamericano faça uma acusação desse porte à Venezuela enquanto o vizinho México se desmancha numa narcoguerra civil, chega a ser grotesco. Mas ainda mais suspeito é que tente convencer-nos que o narcotráfico se deslocou da Colômbia para a Venezuela, para com isso justificar uma aliança militar com o sistema parapolítico uribista, envolvido em operações tão repugnantes como as falsas fichas policiais de civis assassinados pelo Exército e a espionagem de juizes e da oposição.

    Aos congressistas estadounidenses devemos lembrá-lo que dezenas de políticos do partido de Uribe, incluíndo seu primo e o ex-presidente da agremiação, são investigados pela justiça colombiana em função de seus vínculos com grupos paramilitares. E que, segundo o Ministério Público, esses elementos paramilitares já confessaram 21.000 assassinatos (deles, 2.133 crianças) e 132 sequestros.

    Esse é o regime com o qual deve-se aliar para deter a “ameaça” do chavismo?

  5. O fechamento de tantos veículos de comunicação provoca na imprensa uma auto-censura, pois ninguém quer ficar sem emprego (nem correr risco de vida, claro). Assim, Chaves segue no seu projeto de perpetuação no poder. O povão, como aqui no Brasil, não sabe ver os contextos de cada governo e julga os seus governantes pelo progresso verificado no seu dia-a-dia. Daí a popularidade de Chaves, pois assumiu com o barril de petróleo a 10 dólares e hoje está a 70 dólares, sendo que até o ano passado chegou ao recorde de 151 dólares. Se vc considerar que 50% do imposto arrecadado na Venezuela vem do petróleo e que este responde por 91% das exportações daquele país, vc entende o porquê da sua popularidade.

  6. ola

    estou estudando sobre este assunto de hugo chavez ate agora , nao vi ele como ditador pesquisei no google e em muitos outros sites , este pouko de tempo que estive pesquisando vi ele um homen que luta pelo seu povo , pensa no seu povo , entao gostaria muito de saber pq tanta gente o odeia tanto , por qual razao e pq dizem que ele e um ditador sendo como vc disse se ele fosse um ditador nao haveria no su pais publicaçoes contra ele …. por favor me explique ……… tenho muita curiosidade obrigada

  7. Nada de ditador, nada de democrata, nada de salvador da nação venezuelana, nada de inimigo mortal do capitalismo, nada de inimigo do imperialismo, nada de estadista, e nada de Deus ou demônio. Noves fora, na única matemática que importa, Hugo Chávez foi um clássico caudilho sul-americano.
    Um caudilho faz o que faz por acreditar que ele é essencial, e que nele está a resposta que a nação busca e não encontra. Não importa o que acontece ou as circunstâncias em que acontece o que acontece, o caudilho pode ser localizado sempre no seu centro. Não o Legislativo, não o Judiciário, não as instituições republicanas, porque todo o caudilho é absolutista, e as instituições são, para ele, um problema, nunca a solução. A solução, naturalmente, é ele.
    Tudo que Chávez fez tem que ser visto por esse ângulo, e assim ele poderá finalmente ser compreendido. Além disso, Chávez era de exquerda, aquela versão da esquerda que ainda acredita ou diz que acredita naquelas categorias dos séculos 19 e 20 mediadas pelo marxismo, e que se aproxima demais da direita para ser outra coisa.
    Chávez sai deixando um país mudado, mas não estruturalmente viável, e nenhuma instituição capaz de dar conta da profunda crise que seu governo produziu e que está se abatendo sobre a Venezuela. Não fosse a Venezuela a potência petroleira que é, ela estaria no caminho terrível da Argentina de 2002.O discurso do caudilho era o da divisão entre os bons e os maus. Com ele estavam o bons; aos demais restava somente o papel de maus, sendo ou não. É impossível um país ter 45% de maus, caros leitores. Muita gente boa ficou assim alienada do processo, incapaz de contribuir ou ter seus direitos atendidos. Um caudilho sempre tem ou cria inimigos internos e externos, a quem culpa por tudo que dá errado.
    Na Venezuela, eram os americanos, claro, e os empresários, a oposição, juízes, qualquer um. Isso empobrece a nação e torna o discurso tão monocromático quanto inútil, sendo uma nação contemporânea por demais complexa para caber em molduras tão unidimensionais.
    A grande contribuição de Chávez foi, naturalmente, colocar a enorme pobreza de um país riquíssimo na pauta, e oferecer aos mais pobres uma parte da riqueza que eles nunca tiveram. Essa é, naturalmente, a porção positiva do seu legado. O problema é a forma como isso foi feito, com Chávez na posição de grande e único benfeitor, pai do povo, e todo sabemos como isso acaba, como acabou, em um regime autoritário e disfuncional.
    O dinheiro, não esqueçamos, era da nação, não dele. Distribuir é a função de um governo moderno, e isso pode ser feito de maneira melhor e mais tranquila simplesmente distribuindo, sem discursos a respeito de uma inexistente revolução bolivariana. Inventar essa revolução foi o grande erro de Chávez, que algemou seu discurso e prática a um radicalismo de araque, financiado pela fortuna petroleira de um país rico em muitas coisas, mas não tanto em lucidez.
    Caros leitores, estamos falando de um país atolado em petróleo, vivendo em crise de energia, um país onde nem a enxurrada de dólares petroleiros evita uma crise cambial, com a maior inflação do continente, déficit governamental de 20%, indústria local desmantelada e importando tudo que consome, Caracas com uma violência urbana quase 10 vezes maior do que a de São Paulo, em mortes por 100 mil habitantes. Um país fraturado e sem instrumentos para frear os exageros do regime, essa a herança.

    • Melhor leitura que já vi na internet sobre o governo Chaves, sem as ilusões cegas da esquerda que abdicou do pensamento crítico e sem a sórdida e má intencionada deturpação que a direita mesquinha faz de tudo que afronta as tentativas de democratização economica e de justiça social.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>